Te­mer só quer dar mi­nis­té­rio após re­for­ma da Pre­vi­dên­cia

Pre­si­den­te pre­ten­de de­fi­nir tro­cas com os par­ti­dos, mas só de­ve en­tre­gar os car­gos de­pois da vo­ta­ção

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Ve­ra Ro­sa Tâ­nia Mon­tei­ro Igor Ga­de­lha / BRA­SÍ­LIA COLABOROU CARLA ARAÚJO

O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer de­ci­diu con­di­ci­o­nar a no­va dis­tri­bui­ção de ca­dei­ras no Mi­nis­té­rio aos vo­tos da­dos pe­los ali­a­dos pa­ra a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. In­te­res­sa­do em apro­var na Câ­ma­ra mu­dan­ças no re­gi­me de apo­sen­ta­do­ria até me­a­dos de de­zem­bro, Te­mer quer dei­xar as tro­cas na equi­pe acer­ta­das, mas só en­tre­gar car­gos pa­ra o Cen­trão ou ou­tras si­glas após a vo­ta­ção. A saí­da do mi­nis­tro das Ci­da­des, Bru­no Araújo (PSDB), abriu ca­mi­nho pa­ra o pre­si­den­te ace­le­rar a re­for­ma mi­nis­te­ri­al. Araújo pe­diu de­mis­são an­te­on­tem em meio ao ra­cha do PSDB, que ten­de a de­sem­bar­car do go­ver­no. Os tu­ca­nos con­tro­lam ou­tras três pas­tas (Se­cre­ta­ria de Go­ver­no, Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e Di­rei­tos Hu­ma­nos) e de­vem dei­xar a equi­pe. O Pa­lá­cio do Pla­nal­to ava­lia que, se a Câ­ma­ra não apro­var a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia até o fim des­te ano – dei­xan­do pa­ra o Se­na­do vo­tar em fe­ve­rei­ro –, na­da mais pas­sa­rá em 2018, ano elei­to­ral. Lí­de­res de ban­ca­das ali­a­das cri­ti­ca­ram a in­ten­ção do Pla­nal­to de an­te­ci­par pa­ra de­zem­bro a subs­ti­tui­ção dos mi­nis­tros que se­rão can­di­da­tos. Pela lei, quem vai dis­pu­tar as elei­ções tem até abril pa­ra se de­sin­com­pa­ti­bi­li­zar.

O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer de­ci­diu con­di­ci­o­nar a no­va dis­tri­bui­ção de ca­dei­ras nos mi­nis­té­ri­os aos vo­tos da­dos pe­los par­ti­dos ali­a­dos pa­ra a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Em­pe­nha­do em apro­var na Câ­ma­ra mu­dan­ças no re­gi­me de apo­sen­ta­do­ria até me­a­dos de de­zem­bro, Te­mer quer dei­xar as tro­cas na equi­pe acer­ta­das, mas só en­tre­gar efe­ti­va­men­te car­gos pa­ra o Cen­trão ou ou­tras si­glas após con­fe­rir o pai­nel de vo­ta­ção.

O go­ver­no apos­ta su­as fi­chas na apro­va­ção da pro­pos­ta, mes­mo que se­ja mo­di­fi­ca­da. Con­si­de­ra­da por se­to­res econô­mi­cos a mu­dan­ça es­tru­tu­ral mais im­por­tan­te, a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia en­fren­ta for­te re­sis­tên­cia no Con­gres­so. O tex­to ini­ci­al, mais am­bi­ci­o­so, pre­ci­sou ser de­si­dra­ta­do. Atu­al­men­te, a ne­go­ci­a­ção se con­cen­tra em fi­xar ida­de mí­ni­ma pa­ra a apo­sen­ta­do­ria e uni­fi­car as re­gras do fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co com as da ini­ci­a­ti­va pri­va­da.

A saí­da do mi­nis­tro das Ci­da­des, Bru­no Araújo (PSDB), abriu ca­mi­nho pa­ra o pre­si­den­te ace­le­rar a re­for­ma mi­nis­te­ri­al. Araújo pe­diu de­mis­são an­te­on­tem em meio ao ra­cha do PSDB, que ten­de a de­sem­bar­car do go­ver­no. Os tu­ca­nos con­tro­lam ou­tras três pas­tas (Se­cre­ta­ria de Go­ver­no, Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e Di­rei­tos Hu­ma­nos), mas to­dos os mi­nis­tros de­ve­rão dei­xar a equi­pe.

A es­tra­té­gia do “to­ma lá dá­cá” foi de­fi­ni­da pa­ra evi­tar sur­pre­sas de úl­ti­ma ho­ra. O Pa­lá­cio do Pla­nal­to ava­lia que, se a Câ­ma­ra não apro­var a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia até de­zem­bro – dei­xan­do pa­ra o Se­na­do vo­tar em fe­ve­rei­ro –, na­da mais pas­sa­rá em 2018, ano elei­to­ral. Por se tra­tar de uma emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal, o tex­to te­rá de ser aprovado – em du­as vo­ta­ções – por, pe­lo me­nos, 308 de­pu­ta­dos.

Com or­ça­men­to de R$ 10,1 bi­lhões, o Mi­nis­té­rio das Ci­da­des é co­bi­ça­do não ape­nas pe­lo PP, mas tam­bém pe­lo PMDB, PSD e DEM, que já co­me­ça­ram a bri­gar pe­lo espaço. O mais co­ta­do pa­ra co­man­dar Ci­da­des é o pre­si­den­te da Cai­xa, Gil­ber­to Oc­chi, in­di­ca­do pe­lo PP.

Te­mer, po­rém, ava­lia di­vi­dir o con­tro­le das se­cre­ta­ri­as de Sa­ne­a­men­to e Ha­bi­ta­ção en­tre o PP e o PMDB. Pela ne­go­ci­a­ção, não ha­ve­rá “por­tei­ra fe­cha­da”, ter­mo que, no jar­gão po­lí­ti­co, sig­ni­fi­ca dis­tri­buir to­dos os car­gos de um mi­nis­té­rio a uma só si­gla.

Há oi­to di­as, o PP deu um ul­ti­ma­to ao Pla­nal­to e ame­a­çou pa­ra­li­sar as vo­ta­ções na Câ­ma­ra se os tu­ca­nos não saís­sem do go­ver­no e se o espaço do par­ti­do não fos­se am­pli­a­do. O pre­si­den­te con­cor­da em en­tre­gar Ci­da­des pa­ra o PP, mas quer ver se a si­gla cum­pre a pro­mes­sa de vo­tar a fa­vor da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

Can­di­da­tos. Lí­de­res de ban­ca­das ali­a­das cri­ti­ca­ram on­tem a in­ten­ção de Te­mer de an­te­ci­par pa­ra de­zem­bro a subs­ti­tui­ção dos mi­nis­tros que se­rão can­di­da­tos. Pela lei, quem vai dis­pu­tar as elei­ções de­ve se de­sin­com­pa­ti­bi­li­zar até abril de 2018.

Se le­va­da adi­an­te pe­lo pre­si­den­te, a de­ci­são pre­ju­di­ca­rá mi­nis­tros que não pos­su­em man­da­tos, en­tre eles Gil­ber­to Kas­sab (Ci­ên­cia e Co­mu­ni­ca­ções) e Mar­cos Pe­rei­ra (In­dús­tria). Fo­ra do pri­mei­ro es­ca­lão, eles tam­bém fi­cam sem fo­ro pri­vi­le­gi­a­do e, ca­so se­jam de­nun­ci­a­dos, te­rão de ser jul­ga­dos na 1.ª ins­tân­cia. Am­bos são ci­ta­dos por de­la­to­res da J&F.

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), cri­ti­cou a in­ten­ção de Te­mer, di­zen­do que po­de atra­pa­lhar a re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca do País e até mes­mo o am­bi­en­te po­lí­ti­co. “Olhan­do de lon­ge, acho que vai pa­rar o go­ver­no. Tro­car to­dos os mi­nis­tros no fi­nal do ano, momento em que as ações mais im­por­tan­tes es­tão em an­da­men­to, vai dar um freio na exe­cu­ção de bons pro­je­tos”, ava­li­ou Maia, em en­tre­vis­ta ao Estadão/Bro­ad­cast.

A opi­nião é com­par­ti­lha­da pe­lo lí­der do DEM na Câ­ma­ra, Efraim Fi­lho (PB). “Se­rá uma que­bra de ri­to des­ne­ces­sá­ria e pre­ju­di­ci­al, no momento em que es­ta­mos co­lhen­do os fru­tos de uma agen­da em de­sen­vol­vi­men­to”, ar­gu­men­tou Efraim.

Pre­si­den­te li­cen­ci­a­do do PSD, Kas­sab afir­mou que res­pei­ta­rá qual­quer de­ci­são de Te­mer pa­ra ti­rar seus mi­nis­tros an­tes do pra­zo, mas acha que não de­ve ser atin­gi­do pela re­for­ma mi­nis­te­ri­al. Ele ain­da não as­su­miu ser can­di­da­to. Em con­ver­sas re­ser­va­das, po­rém, tem de­mons­tra­do in­ten­ção de con­cor­rer ao Se­na­do. “Es­tou aguar­dan­do de­fi­ni­ção do se­na­dor Jo­sé Ser­ra (PSDB-SP) pa­ra ana­li­sar que ru­mo to­ma­rei”, dis­se Kas­sab, que con­ver­sou on­tem com Te­mer.

O mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Aloy­sio Nu­nes Fer­rei­ra (PSDB), dis­pu­ta­rá a re­e­lei­ção ao Se­na­do e de­ve sair da equi­pe em de­zem­bro. Já o tu­ca­no Antô­nio Im­bas­sahy (Se­cre­ta­ria de Go­ver­no) quer con­cor­rer a mais um man­da­to de de­pu­ta­do fe­de­ral ou ao Se­na­do, mas, nes­te ca­so, te­ria de mi­grar pa­ra o PMDB.

O mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Eli­seu Pa­di­lha, dis­se que o “es­pó­lio dos tu­ca­nos” se­rá di­vi­di­do. “O PMDB, co­mo o mai­or par­ti­do da ba­se, se­gu­ra­men­te de­ve ter mais espaço nes­sa re­com­po­si­ção”, afir­mou. O PMDB quer que Pa­di­lha acu­mu­le sua fun­ção com a Se­cre­ta­ria de Go­ver­no até a vo­ta­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

ANDRE DUSEK/ESTADÃO

Pla­nal­to. O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer co­man­da au­di­ên­cia com mi­nis­tros e re­pre­sen­tan­tes de fa­bri­can­tes de veí­cu­los

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.