Agên­ci­as de ris­co co­lo­cam Ve­ne­zu­e­la em ‘ca­lo­te par­ci­al’

Afe­ta­do pela que­da do pre­ço do pe­tró­leo e mer­gu­lha­do na pi­or cri­se econô­mi­ca de sua história, go­ver­no ve­ne­zu­e­la­no en­con­tra di­fi­cul­da­des pa­ra pa­gar US$ 200 milhões em bô­nus glo­bais e re­ne­go­ci­ar dí­vi­da ex­ter­na de US$ 150 bi­lhões

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página -

As agên­ci­as de clas­si­fi­ca­ção de ris­co Fit­ch e Stan­dard & Po­or’s de­cla­ra­ram o ca­lo­te par­ci­al da dí­vi­da ex­ter­na da Ve­ne­zu­e­la e da es­ta­tal do pe­tró­leo PDVSA. O país vi­ve cri­se de es­cas­sez de re­ser­vas des­de 2012. Pa­ra pa­gar dí­vi­das, o go­ver­no dei­xou de ofer­tar dó­la­res a pro­du­to­res de ali­men­tos e re­mé­di­os, o que au­men­tou a es­cas­sez.

Du­as agên­ci­as de clas­si­fi­ca­ção de ris­co, a Fit­ch e a Stan­dard & Po­or’s, de­cla­ra­ram on­tem o de­fault par­ci­al da dí­vi­da ex­ter­na da Ve­ne­zu­e­la e da es­ta­tal do pe­tró­leo PDVSA, de­pois de não con­se­gui­rem pa­gar US$ 200 milhões em bô­nus glo­bais – a dí­vi­da to­tal do país é de US$ 150 bi­lhões.

A Ve­ne­zu­e­la vi­ve a pi­or cri­se econô­mi­ca de sua história, que se agra­vou com a que­da dos pre­ços do pe­tró­leo, em 2014. Com me­nos re­cei­ta, di­mi­nuiu a ca­pa­ci­da­de de investimento do Es­ta­do. Pa­ra pri­o­ri­zar o pa­ga­men­to da dí­vi­da, o go­ver­no dei­xou de ofer­tar dó­la­res pa­ra pro­du­to­res de ali­men­tos e pa­ra a im­por­ta­ção de re­mé­di­os, o que au­men­tou a es­cas­sez no país.

No iní­cio do ano, pa­ra hon­rar seus com­pro­mis­sos, o pre­si­den­te Ni­co­lás Ma­du­ro re­cor­reu a fi­nan­ci­a­men­to ex­ter­no da Rús­sia, da Chi­na e de ban­cos ame­ri­ca­nos. No en­tan­to, as san­ções im­pos­tas pe­los EUA, em agos­to, tor­na­ram im­pos­sí­vel pa­ra os ve­ne­zu­e­la­nos re­ne­go­ci­ar su­as dí­vi­das e ob­ter mais cré­di­to. “As san­ções ame­ri­ca­nas, pro­va­vel­men­te, re­sul­ta­rão em uma lon­ga e di­fí­cil ne­go­ci­a­ção com pro­pri­e­tá­ri­os de títulos”, de­cla­rou a S&P.

A Fit­ch emi­tiu pa­re­cer si­mi­lar. “O pro­ces­so de re­es­tru­tu­ra­ção da dí­vi­da da PDVSA se­rá lon­go em ra­zão das san­ções im­pos­tas pe­los Es­ta­dos Uni­dos”, dis­se a con­sul­to­ria, em no­ta. “As con­tas do go­ver­no sim­ples­men­te não fe­cham”, afir­mou o eco­no­mis­ta ve­ne­zu­e­la­no Or­lan­do Ochoa. “Os cre­do­res es­tão pre­o­cu­pa­dos. E com ra­zão.”

Em or­dem. O go­ver­no de Ma­du­ro, no en­tan­to, tem se es­for­ça­do pa­ra ven­der uma ima­gem res­pon­sá­vel. “Co­me­ça­mos a pa­gar os ju­ros da dí­vi­da da Ve­ne­zu­e­la e, na se­ma­na pas­sa­da, a PDVSA co­me­çou a pa­gar seus com­pro­mis­sos tam­bém”, dis­se o mi­nis­tro ve­ne­zu­e­la­no da Co­mu­ni­ca­ção, Jor­ge Ro­drí­guez. “So­mos bons pa­ga­do­res, ao con­trá­rio do que di­zem as agên­ci­as de ris­co, o De­par­ta­men­to do Te­sou­ro e o pre­si­den­te Do­nald Trump.”

Tan­to a Fit­ch qu­an­to a Stan­dard & Po­or’s, po­rém, ava­li­am que há um al­to ris­co de ca­lo­te da Ve­ne­zu­e­la nos pró­xi­mos três me­ses em ra­zão das bai­xas re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais do país, do al­to va­lor dos pró­xi­mos com­pro­mis­sos de­vi­dos e das san­ções im­pos­tas pe­los EUA, que im­pe­dem ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras de re­a­li­zar tran­sa­ções com os ve­ne­zu­e­la­nos, en­tre as quais empréstimos e re­fi­nan­ci­a­men­tos de títulos já exis­ten­tes.

“O de­fault é qua­se ine­vi­tá­vel. É tar­de de­mais pa­ra ten­tar uma re­es­tru­tu­ra­ção”, afir­ma Lu­do­vic Su­bran, eco­no­mis­ta da se­gu­ra­do­ra Eu­ler Her­mes. “Além dis­so, quem com­pra­ria uma dí­vi­da nes­sas con­di­ções?”

Sem cai­xa. A As­so­ci­a­ção In­ter­na­ci­o­nal de Swaps e De­ri­va­ti­vos (Is­da, na si­gla em in­glês), que reú­ne pro­pri­e­tá­ri­os de títulos da dí­vi­da, vol­tou a adi­ar on­tem a de­ci­são so­bre o ca­lo­te da Ve­ne­zu­e­la e da PDVSA.

Em bre­ve co­mu­ni­ca­do, a Is­da in­for­mou que “es­pe­ra mais in­for­ma­ções” e anun­ci­ou que se reu­ni­rá no­va­men­te ama­nhã em No­va York “pa­ra con­ti­nu­ar as dis­cus­sões” e de­ci­dir se aci­o­na ou não o pa­ga­men­to do se­gu­ro co­nhe­ci­do co­mo CDS (Cre­dit De­fault Swaps), que re­mu­ne­ra o se­gu­ra­do quan­do ocor­re o ca­lo­te.

Um país en­tra em de­fault quan­do não cum­pre to­tal ou par­ci­al­men­te seus com­pro­mis­sos com os cre­do­res, que po­dem ser lo­cais, es­tran­gei­ros e até or­ga­nis­mos co­mo o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI).

Há di­ver­sas for­mas de de­cla­rar ou cons­ta­tar uma mo­ra­tó­ria. O pró­prio go­ver­no po­de anun­ci­ar que não hon­ra­rá seus com­pro­mis­sos e, au­to­ma­ti­ca­men­te, cai em ces­sa­ção de pa­ga­men­tos, co­mo ocor­reu com o Mé­xi­co, nos anos 80, e com a Ar­gen­ti­na, em 2001. No en­tan­to, a mo­ra­tó­ria tam­bém po­de ser de­cla­ra­da por uma agên­cia clas­si­fi­ca­do­ra, co­mo ocor­reu on­tem.

Pa­ra um país em mo­ra­tó­ria, a pri­mei­ra con­sequên­cia é se tor­nar um pá­ria no mer­ca­do fi­nan­cei­ro in­ter­na­ci­o­nal. Ele não con­se­gue cré­di­tos – ou con­se­gue, mas ape­nas sob ta­xas as­tronô­mi­cas. Os cre­do­res po­dem, even­tu­al­men­te, em­bar­gar ati­vos no ex­te­ri­or. Pa­ra a Ve­ne­zu­e­la, o mais im­por­tan­te é a Cit­go, re­fi­na­ria se­di­a­da nos Es­ta­dos Uni­dos que pro­duz par­te da ga­so­li­na do país.

No plano ju­di­ci­al, um país em mo­ra­tó­ria fi­ca ex­pos­to a even­tu­ais re­pre­sá­li­as dos paí­ses cre­do­res. Além dis­so, o Es­ta­do pas­sa a ser iden­ti­fi­ca­do co­mo “mau pa­ga­dor”, di­fi­cul­tan­do a ob­ten­ção de no­vos fi­nan­ci­a­men­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.