‘Ser­vi­dor de­ve­ria ter ida­de mí­ni­ma in­ter­me­diá­ria’

Ro­dri­go Maia, pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Igor Ga­de­lha Idi­a­na To­ma­zel­li / BRA­SÍ­LIA

Ro­dri­go Maia su­ge­re que ser­vi­do­res te­nham uma ida­de mí­ni­ma pa­ra se apo­sen­tar di­fe­ren­te do res­to da po­pu­la­ção. Ele acha “muito du­ra” a re­gra de 62 e 65 anos in­cluí­da na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Maia ain­da cri­ti­cou o que con­si­de­ra uma ten­ta­ti­va do go­ver­no de dei­xar a res­pon­sa­bi­li­da­de pela apro­va­ção do tex­to com o Con­gres­so.

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, Ro­dri­go Maia, su­ge­re uma al­te­ra­ção pa­ra di­mi­nuir a re­sis­tên­cia do fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co à re­for­ma da Pre­vi­dên­cia: fi­xar uma ida­de mí­ni­ma “in­ter­me­diá­ria” pa­ra que ser­vi­do­res que in­gres­sa­ram até 2003 man­te­nham di­rei­to a sa­lá­rio in­te­gral (mes­mo aci­ma do te­to do INSS) e a re­a­jus­tes iguais aos ati­vos (pa­ri­da­de).

Pela pro­pos­ta do re­la­tor, de­pu­ta­do Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), es­ses ser­vi­do­res pre­ci­sa­ri­am cum­prir as ida­des mí­ni­mas de­fi­ni­ti­vas (65 anos pa­ra ho­mens e 62 anos pa­ra mu­lhe­res) pa­ra man­ter es­ses di­rei­tos. Ca­so con­trá­rio, po­de­ri­am se apo­sen­tar an­tes con­for­me a re­gra de tran­si­ção, mas sem os be­ne­fí­ci­os da in­te­gra­li­da­de e da pa­ri­da­de. Es­sa exi­gên­cia foi in­tro­du­zi­da no pa­re­cer do de­pu­ta­do bai­a­no e é vis­ta com bons olhos pela equi­pe econô­mi­ca. Mas os par­la­men­ta­res cos­tu­mam re­sis­tir a pro­je­tos que con­tra­ri­am os in­te­res­ses do fun­ci­o­na­lis­mo, com for­te po­der de pres­são no Con­gres­so. Na vi­são do pre­si­den­te da Câ­ma­ra, a pro­pos­ta do re­la­tor é “muito du­ra”. Leia a se­guir, tre­chos da en­tre­vis­ta.

O sr. de­fen­de mu­dan­ças no tex­to da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia? De­fen­do, sem dú­vi­da ne­nhu­ma, a ida­de mí­ni­ma e uma re­for­ma que con­tro­le es­sa san­gria em que os mais po­bres trans­fe­rem ren­da pa­ra os que ga­nham mais. Mas acho que po­de ha­ver uma ida­de mí­ni­ma com tran­si­ção no re­gi­me ge­ral mas, prin­ci­pal­men­te, no ser­vi­ço pú­bli­co. Se ti­ver­mos ca­pa­ci­da­de de co­mu­ni­car de for­ma cor­re­ta, o ser­vi­dor pú­bli­co vai en­ten­der que es­sa re­for­ma não es­tá ti­ran­do um real de­les, es­tá co­bran­do um pe­dá­gio pa­ra que a pes­soa tra­ba­lhe mais, e é jus­to. Aque­le que ga­nha mais tem se apo­sen­ta­do na mé­dia com 52 anos, 54 anos, e po­de tra­ba­lhar um pou­co mais. Lem­bran­do que a ida­de mí­ni­ma não co­me­ça no dia se­guin­te, com 65 anos. Só pa­ra os (ser­vi­do­res) an­te­ri­o­res a 2003 tem uma ida­de muito rá­pi­da pa­ra 65 anos, acho que es­tá er­ra­do. Nes­sa tran­si­ção da ida­de, to­dos têm de con­tri­buir. E se são os que ga­nham mais que se apo­sen­tam an­tes, são eles que vão tra­ba­lhar mais.

Co­mo se­ria pa­ra ser­vi­do­res que in­gres­sa­ram até 2003?

É que a emen­da fi­cou muito du­ra. Eles têm pa­ri­da­de (re­a­jus­te igual a ser­vi­do­res da ati­va). Se a gen­te pro­me­teu que não se­ria ne­ces­sá­rio ti­rar di­rei­to de nin­guém, nós tam­bém te­mos que en­ten­der que a emen­da fi­cou muito du­ra pa­ra eles. Acho que po­de se ne­go­ci­ar uma ida­de in­ter­me­diá­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.