Car­ta é ten­ta­ti­va sim­pló­ria de tor­nar Bol­so­na­ro de­fen­sor do li­be­ra­lis­mo econô­mi­co.

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Mo­ni­ca de Bol­le

Na úl­ti­ma se­gun­da-fei­ra, 13 de no­vem­bro, Jair Bol­so­na­ro brin­dou os bra­si­lei­ros com uma car­ta so­bre sua vi­são – ou a de sua equi­pe – so­bre a eco­no­mia, as­sun­to que já ad­mi­ti­ra não do­mi­nar. Co­me­ça e aca­ba seu ma­ni­fes­to – pri­mei­ro de vá­ri­os, afir­ma – des­ta­can­do a ne­ces­si­da­de de um Ban­co Cen­tral in­de­pen­den­te, res­sal­tan­do o res­pal­do aca­dê­mi­co in­ter­na­ci­o­nal e a de­sas­tro­sa ges­tão de Dilma Rous­seff co­mo ra­zões pa­ra a in­de­pen­dên­cia. Em tem­po: Dilma Rous­seff não es­tá em cam­pa­nha pa­ra a Pre­si­dên­cia. Mas a ce­re­ja do bo­lolô? Bol­so­na­ro já se de­cla­ra­ra con­tra a in­de­pen­dên­cia do Ban­co Cen­tral afir­man­do que se is­so fos­se fei­to, o pre­si­den­te tor­nar-se-ia “re­fém do sis­te­ma fi­nan­cei­ro”, se­gun­do no­ti­ci­ou este jor­nal em abril des­te ano. Va­mos ao res­to des­sa me­ta­mor­fo­se am­bu­lan­te, a Bol­so­no­mia?

O ma­ni­fes­to: “Sa­be­mos que ire­mos en­fren­tar gru­pos or­ga­ni­za­dos sem es­crú­pu­los que, no­va­men­te, fa­rão qual­quer coi­sa pa­ra ven­cer as pró­xi­mas elei­ções. Nos­sa ar­ma se­rá a ver­da­de! En­quan­to a es­quer­da pre­fe­re gu­rus do Na­ci­o­nal So­ci­a­lis­mo co­mo Jo­seph Go­eb­bels: ‘Uma men­ti­ra re­pe­ti­da mil ve­zes tor­na-se ver­da­de’, nós fi­ca­mos com Ga­li­leu Ga­li­lei: ep­pur si mu­o­ve! To­da­via, a con­vic­ção de que ven­ce­re­mos vem de João 8:32: E co­nhe­ce­reis a ver­da­de, e a ver­da­de vos li­ber­ta­rá”.

Cu­ri­o­sa a ci­ta­ção bí­bli­ca jun­to com Ga­li­leu no ma­ni­fes­to ‘eco­no­na­ro’. Afi­nal, o ma­te­má­ti­co, fí­si­co e fi­ló­so­fo ita­li­a­no te­ria pro­fe­ri­do a fra­se “E, ain­da as­sim, se mo­ve!” con­tra­pon­do as de­cla­ra­ções da Igre­ja em con­trá­rio, a ideia de que os cor­pos ce­les­tes é que se mo­vi­am em tor­no da Ter­ra, es­tá­ti­ca. O pro­nun­ci­a­men­to de Ga­li­leu é, hoje, ré­pli­ca as­ser­ti­va: “não im­por­ta em que vo­cê acre­di­ta, o que in­te­res­sa são os fa­tos”. E os fa­tos são que a Bol­so­no­mia es­tá bem lon­ge da eco­no­mia. A re­tó­ri­ca da “car­ta” é ten­ta­ti­va sim­pló­ria de agra­dar ao mer­ca­do, aos em­pre­sá­ri­os, de em­pla­car Bol­so­na­ro co­mo de­fen­sor do li­be­ra­lis­mo econô­mi­co. É ta­re­fa in­gra­ta trans­for­mar um na­ci­o­nal-de­sen­vol­vi­men­tis­ta con­vic­to em mo­ci­nho li­be­ral.

Se­gue: “Vol­tan­do à eco­no­mia e olhan­do pa­ra um ho­ri­zon­te mais dis­tan­te, o Bra­sil pre­ci­sa ter ins­tru­men­tos mo­der­nos e vo­lun­tá­ri­os pa­ra ele­var sua pou­pan­ça in­ter­na. Ju­ros é o pre­ço do cré­di­to. Exa­ta­men­te co­mo qual­quer ou­tro pro­du­to, des­de to­ma­tes até car­ros, pou­ca ofer­ta e mui­ta de­man­da re­sul­tam em um pre­ço ele­va­do. No Bra­sil te­mos pou­ca pou­pan­ça in­ter­na (pou­ca ofer­ta de cré­di­to) e enor­mes de­man­das re­pri­mi­das (mui­ta de­man­da por cré­di­to) com in­ves­ti­men­tos ób­vi­os em in­fra­es­tru­tu­ra ou o po­ten­ci­al de cres­ci­men­to do consumo de bens du­rá­veis, edu­ca­ção su­pe­ri­or, ha­bi­ta­ci­o­nal, etc”. Sim, o tre­cho é di­fí­cil de en­ten­der. E, sim, nos­sa pou­pan­ça é bai­xa. Mas, quais são es­ses ins­tru­men­tos mo­der­nos e vo­lun­tá­ri­os pa­ra ele­vá-la? Nos­sos ju­ros são al­tos, mas o que is­so tem a ver com os to­ma­tes? Há tem­pos se sa­be que os ju­ros não são al­tos por­que há pou­ca ofer­ta de cré­di­to. Os ju­ros são al­tos por­que o mer­ca­do fi­nan­cei­ro brasileiro é re­ple­to de dis­tor­ções. Não fal­tam ar­ti­gos aca­dê­mi­cos iden­ti­fi­can­do-as, a co­me­çar por al­guns de mi­nha pró­pria au­to­ria. A re­du­ção es­tru­tu­ral dos ju­ros no Bra­sil pas­sa por am­pla re­for­ma fi­nan­cei­ra que re­de­se­nhe o pa­pel dos ban­cos pú­bli­cos, eli­mi­ne os fun­dos de pou­pan­ça for­ça­da, e aca­be com o cré­di­to di­re­ci­o­na­do. Se­rá re­al­men­te pos­sí­vel acre­di­tar

É ta­re­fa in­gra­ta trans­for­mar um na­ci­o­nal-de­sen­vol­vi­men­tis­ta con­vic­to em mo­ci­nho li­be­ral

que um na­ci­o­nal-de­sen­vol­vi­men­tis­ta quei­ra ex­tin­guir o cré­di­to di­re­ci­o­na­do? Não à toa, a car­ta da Bol­so­no­mia aos bra­si­lei­ros não ar­ti­cu­la co­mo pre­ten­de o can­di­da­to re­du­zir os ju­ros e des­tra­var a pou­pan­ça pa­ra fi­nan­ci­ar sua lis­ta de ob­vi­e­da­des.

E, de re­pen­te: “Mes­mo as­sim, o dé­fi­cit em tran­sa­ções cor­ren­tes pro­va que o fi­nan­ci­a­men­to do dé­fi­cit do se­tor pú­bli­co vem do ex­te­ri­or”. Con­fes­so al­gum susto com es­sa pas­sa­gem. Afi­nal, qual­quer alu­no de pri­mei­ro ano de eco­no­mia sa­be que o dé­fi­cit em tran­sa­ções cor­ren­tes é fi­nan­ci­a­do pela pou­pan­ça ex­ter­na – tal cons­ta­ta­ção vem da con­ta­bi­li­da­de bá­si­ca do ba­lan­ço de pa­ga­men­tos. Qu­an­to à afir­ma­ti­va de que o dé­fi­cit em tran­sa­ções cor­ren­tes “pro­va al­go” so­bre o dé­fi­cit pú­bli­co, o fa­to ob­ser­va­do é que o dé­fi­cit ex­ter­no caiu, en­quan­to o do se­tor pú­bli­co su­biu. Não sei co­mo con­ci­li­ar is­so com os di­ta­mes da Bol­so­no­mia.

O que sei é que as au­las de eco­no­mia do de­pu­ta­do-can­di­da­to es­tão ren­den­do pi­ta­das de sur­re­a­lis­mo tra­gicô­mi­co. Da­qui a pou­co, es­ta­re­mos ven­do a ca­ra de Dilma no cor­po de Bol­so­na­ro.

ECO­NO­MIS­TA, PESQUISADORA DO PETERSON INSTITUTE FOR IN­TER­NA­TI­O­NAL ECONOMICS E PRO­FES­SO­RA DA SAIS/JOHNS HOPKINS UNIVERSITY

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.