Uma re­for­ma anun­ci­a­da

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página -

Pre­si­den­te Te­mer de­ve­rá es­co­lher pa­ra o seu cor­po de au­xi­li­a­res qua­dros que te­nham ha­bi­li­da­de po­lí­ti­ca pa­ra ga­ran­tir no Con­gres­so o bom an­da­men­to das re­for­mas.

Não era se­gre­do a in­ten­ção do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer de tro­car al­guns de seus mi­nis­tros. Se­ja pa­ra ade­quar a Es­pla­na­da dos Mi­nis­té­ri­os à no­va con­fi­gu­ra­ção da ba­se de apoio ao go­ver­no, se­ja pa­ra li­be­rar os seus au­xi­li­a­res di­re­tos que têm a in­ten­ção de con­cor­rer nas elei­ções de 2018 – o pra­zo pa­ra de­sin­com­pa­ti­bi­li­za­ção ven­ce­rá em abril –, a re­for­ma mi­nis­te­ri­al já vi­nha sen­do tra­ta­da às cla­ras, com am­pla re­per­cus­são da im­pren­sa, e já ti­nha até um pra­zo de­fi­ni­do pa­ra co­me­çar: o iní­cio de de­zem­bro.

A saí­da de Bru­no Araújo do Mi­nis­té­rio das Ci­da­des, co­mu­ni­ca­da ao pre­si­den­te Te­mer on­tem, an­te­ci­pou em al­gu­mas se­ma­nas um mo­vi­men­to da­do co­mo ine­xo­rá­vel.

Em sua car­ta de de­mis­são, Bru­no Araújo ale­gou a per­da da sus­ten­ta­ção ofe­re­ci­da por seu par­ti­do, o PSDB, co­mo a ra­zão mai­or pa­ra a sua saí­da do Mi­nis­té­rio. “Agra­de­ço a con­fi­an­ça do meu par­ti­do, no qual exer­ci to­da a mi­nha vi­da pú­bli­ca, e já não há mais ne­le apoio no ta­ma­nho que per­mi­ta se­guir nes­sa ta­re­fa”, es­cre­veu.

À pri­mei­ra lei­tu­ra, o ra­cha do PSDB, cin­di­do en­tre os que de­fen­dem a per­ma­nên­cia do par­ti­do na ba­se de apoio ao go­ver­no e os que pro­põem o de­sem­bar­que, po­de pa­re­cer, de fa­to, a prin­ci­pal ra­zão pa­ra a pri­mei­ra de­fec­ção tu­ca­na no pri­mei­ro es­ca­lão do Po­der Exe­cu­ti­vo, após o iní­cio da gu­er­ra fra­tri­ci­da que tem re­du­zi­do a le­gen­da a um amon­to­a­do de in­te­res­ses pa­ro­qui­ais, ca­ren­te da iden­ti­da­de que um dia já foi o seu prin­ci­pal ati­vo po­lí­ti­co.

Em en­tre­vis­ta ao Es­ta­do, Bru­no Araújo dis­se que “não ha­via mais cli­ma” pa­ra per­ma­ne­cer à fren­te do Mi­nis­té­rio das Ci­da­des por­que o par­ti­do já não lhe da­va o apoio ne­ces­sá­rio an­te a pró­pria de­sa­gre­ga­ção da le­gen­da. “Vou re­to­mar o meu man­da­to de de­pu­ta­do na Câ­ma­ra e cons­truir as ali­an­ças pa­ra o ano que vem”, dis­se. De fa­to, não se po­de des­con­si­de­rar a sua pró­pria es­tra­té­gia elei­to­ral. Fi­li­a­do ao PSDB de Per­nam­bu­co, Bru­no Araújo co­gi­ta can­di­da­tar-se ao go­ver­no do Es­ta­do, on­de a po­pu­la­ri­da­de de Mi­chel Te­mer é bai­xa e po­de­ria lhe tra­zer dis­sa­bo­res du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral do ano que vem.

O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer de­ve­rá me­xer nas po­si­ções dos ou­tros três mi­nis­tros do PSDB que atu­al­men­te com­põem o seu go­ver­no.

Luis­lin­da Va­lois, ti­tu­lar da pas­ta dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, é outra tu­ca­na que de­ve sair do go­ver­no em bre­ve. Ra­zões pa­ra is­so não fal­tam. Aloy­sio Nu­nes, que faz com­pe­ten­te ges­tão da po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal bra­si­lei­ra à fren­te do Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, de­ve­rá per­ma­ne­cer no car­go até o fim do pra­zo le­gal pa­ra de­sin­com­pa­ti­bi­li­za­ção, em abril do ano que vem, quan­do de­ve­rá anun­ci­ar a sua can­di­da­tu­ra à re­e­lei­ção ao Se­na­do. Já o mi­nis­tro-che­fe da Se­cre­ta­ria de Go­ver­no, Antô­nio Im­bas­sahy, de­ve­rá per­ma­ne­cer co­mo uma es­co­lha da co­ta pes­so­al do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, sen­do trans­fe­ri­do pa­ra outra pas­ta e, as­sim, abrin­do espaço pa­ra a trans­fe­rên­cia da ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca pa­ra um par­ti­do que, de fa­to, es­te­ja com­pro­me­ti­do não só com a agen­da do go­ver­no, mas com a inar­re­dá­vel de­fe­sa das re­for­mas que pre­ci­sam ser to­ca­das no Con­gres­so Na­ci­o­nal, so­bre­tu­do a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

Por con­ta des­sas re­vo­a­das no ni­nho tu­ca­no, muito se tem es­pe­cu­la­do so­bre as mu­dan­ças que o pre­si­den­te Te­mer de­ve­rá fa­zer em seu Mi­nis­té­rio. Na­da in­di­ca que a re­for­ma mi­nis­te­ri­al que aca­ba de co­me­çar pros­se­gui­rá com a subs­ti­tui­ção em blo­co dos po­lí­ti­cos em bus­ca de man­da­to. Ao con­trá­rio, as tro­cas de­ve­rão ocor­rer aos pou­cos, de acor­do com os in­te­res­ses po­lí­ti­cos dos de­mis­si­o­ná­ri­os e do go­ver­no.

É fun­da­men­tal que, nes­te momento de su­ma im­por­tân­cia pa­ra a de­fi­ni­ção dos ru­mos que o País de­ve­rá to­mar, a com­po­si­ção do pri­mei­ro es­ca­lão do Po­der Exe­cu­ti­vo re­fli­ta o apoio que os par­ti­dos ali­a­dos, efe­ti­va­men­te, são ca­pa­zes de lhe dar no âm­bi­to do Po­der Le­gis­la­ti­vo.

No momento em que uma nu­vem tó­xi­ca dos in­te­res­ses po­lí­ti­co-elei­to­rais pa­re­ce ob­nu­bi­lar os in­te­res­ses da Na­ção, o pre­si­den­te Te­mer de­ve­rá es­co­lher pa­ra o seu cor­po de au­xi­li­a­res di­re­tos qua­dros que te­nham, além de re­co­nhe­ci­da ca­pa­ci­da­de téc­ni­ca, a ha­bi­li­da­de po­lí­ti­ca pa­ra com­por com su­as ba­ses par­ti­dá­ri­as e, as­sim, ga­ran­tir no Con­gres­so Na­ci­o­nal o bom an­da­men­to das re­for­mas de que o País tan­to pre­ci­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.