ZI­KA E CRI­SE DERRUBAM TAXA DE NATALIDADE

Foi a 1ª que­da des­de 2010; IBGE re­gis­tra ain­da me­nos ca­sa­men­tos e mais di­vór­ci­os

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Ro­ber­ta Jan­sen / RIO

Fo­ram re­gis­tra­dos 2.793.935 nas­ci­men­tos no País no ano pas­sa­do, que­da de 5,1% em re­la­ção a 2015 e a pri­mei­ra re­du­ção em se­te anos. Cri­se econô­mi­ca e a epi­de­mia de zi­ka es­tão en­tre as pro­vá­veis cau­sas pa­ra o adi­a­men­to da maternidade. Tam­bém caiu o nú­me­ro de ca­sa­men­tos e au­men­tou o de di­vór­ci­os.

O to­tal de nas­ci­men­tos em 2016 no País te­ve for­te que­da – a pri­mei­ra des­de 2010 e uma das mai­o­res já re­gis­tra­das – se­gun­do da­dos do Ins­ti­tu­to Brasileiro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE) di­vul­ga­dos on­tem. Fo­ram 2.793.935 re­gis­tros, uma re­du­ção de 151 mil em re­la­ção a 2015 ou 5,1%. Além do en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção, a cri­se econô­mi­ca e a epi­de­mia do ví­rus zi­ka são apon­ta­das co­mo cau­sas do re­cuo de natalidade.

“Es­tá em cur­so uma mu­dan­ça de­mo­grá­fi­ca que vai nos afe­tar nos mais di­fe­ren­tes as­pec­tos”, ex­pli­ca o eco­no­mis­ta Fer­nan­do de Ho­lan­da Bar­bo­sa Fi­lho, da Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas (FGV). “Quan­do a taxa de mor­ta­li­da­de cai, é na­tu­ral que, em um se­gun­do momento, caia a de natalidade. É um mo­vi­men­to na­tu­ral, já es­ta­va pre­vis­to.”

Mas a que­da foi bem mai­or que o es­pe­ra­do, in­di­can­do que ou­tros fa­to­res po­dem ter con­tri­buí­do pa­ra im­pul­si­o­nar o fenô­me­no. Em­bo­ra a pes­qui­sa não apon­te as cau­sas, os de­mó­gra­fos do IBGE acre­di­tam que a epi­de­mia de zi­ka que as­so­lou o País en­tre 2015 e 2016 es­ta­ria por trás da de­ci­são de mui­tas mu­lhe­res de adi­ar a maternidade. O Es­ta­do que apre­sen­tou o mai­or re­cuo (10%) foi Per­nam­bu­co, jus­ta­men­te um dos mais atin­gi­dos pela do­en­ça e pe­lo surto de mi­cro­ce­fa­lia nos be­bês cu­jas mães con­traí­ram o ví­rus du­ran­te a gra­vi­dez.

“As ta­xas de natalidade e fe­cun­di­da­de vêm cain­do no Bra­sil, mas o ta­ma­nho des­se re­cuo no ano pas­sa­do cha­mou a aten­ção” ex­pli­ca Klí­via Bray­ner de Oliveira, ge­ren­te da pes­qui­sa Es­ta­tís­ti­cas do Re­gis­tro Ci­vil 2016. A cri­se econô­mi­ca e as al­tas ta­xas de de­sem­pre­go tam­bém te­ri­am con­tri­buí­do pa­ra a re­du­ção dos nas­ci­men­tos. A mai­or va­ri­a­ção ne­ga­ti­va foi na Re­gião Cen­tro-Oes­te (5,6%).

Uniões e di­vór­ci­os. O mau momento econô­mi­co se­ria ain­da res­pon­sá­vel por me­nos ca­sa­men­tos. O le­van­ta­men­to do IBGE re­ve­la que fo­ram re­gis­tra­das 1.095.535 uniões no ano pas­sa­do, 3,7% a me­nos do que em 2015. “Com a cri­se, ha­via mui­ta in­cer­te­za, mui­ta gen­te de­sem­pre­ga­da”, afir­ma a de­mó­gra­fa do IBGE Lei­la Er­vat­ti. “É na­tu­ral que as pes­so­as adi­em os pla­nos de ca­sa­men­to.”

O eco­no­mis­ta Mar­ce­lo Ne­ri, da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas (FGV), con­cor­da com a co­le­ga. “De­ci­sões me­nos me­câ­ni­cas, que as pes­so­as to­mam mais ra­ci­o­nal­men­te, co­mo ca­sar e ter fi­lhos, ten­dem a ser in­flu­en­ci­a­das por cri­ses.”

Os bra­si­lei­ros tam­bém se se­pa­ra­ram mais no ano pas­sa­do. De acor­do com a pes­qui­sa do IBGE, fo­ram 344.526 di­vór­ci­os no País em 2016, 4,7% a mais do que no ano an­te­ri­or, a mai­or par­te con­sen­su­al.

Em­bo­ra na mai­o­ria das ve­zes a guar­da dos fi­lhos te­nha fi­ca­do com a mu­lher (74,4%), foi ob­ser­va­do um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo na guar­da com­par­ti­lha­da. Pas­sou de 12,9% em 2015 pa­ra 16,9% no ano pas­sa­do. “O nú­me­ro de se­pa­ra­ções vem au­men­tan­do des­de 2010, quan­do to­dos os en­tra­ves le­gais pa­ra o di­vór­cio fo­ram re­ti­ra­dos”, afir­ma Klí­via. “A fa­ci­li­da­de le­gal dei­xou as pes­so­as mais à von­ta­de com o di­vór­cio.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.