A outra pre­vi­dên­cia

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - ÉRICA GORGA

No li­vro A Re­vo­lu­ção dos Fun­dos de Pen­são (1995, com ori­gi­nal de 1976), Pe­ter Druc­ker de­mons­trou que in­ves­ti­do­res ins­ti­tu­ci­o­nais, es­pe­ci­al­men­te os fun­dos de pen­são, se ha­vi­am tor­na­do os gran­des pro­pri­e­tá­ri­os das mai­o­res cor­po­ra­ções ame­ri­ca­nas, fenô­me­no que cha­mou de “a re­vo­lu­ção des­per­ce­bi­da”. De mo­do pi­o­nei­ro, Druc­ker sus­ci­tou ques­tões de­cor­ren­tes do en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção pa­ra o ca­pi­ta­lis­mo dos EUA, con­cluin­do que o fu­tu­ro da eco­no­mia e da so­ci­e­da­de ame­ri­ca­na de­pen­de­ria da ges­tão de fun­dos de pen­são e do sis­te­ma de se­gu­ri­da­de ou pre­vi­dên­cia so­ci­al.

Druc­ker de­fen­deu a te­se de que tais fun­dos, pa­ra bem ge­ri­rem os re­cur­sos de seus pen­si­o­nis­tas in­ves­ti­dos em ações de di­fe­ren­tes em­pre­sas, não po­de­ri­am ser in­ves­ti­do­res pas­si­vos: de­ve­ri­am de­man­dar voz nas com­pa­nhi­as em que in­ves­tis­sem – e até ter po­der de ve­to so­bre in­di­ca­ções pa­ra seus con­se­lhei­ros ou di­re­to­res. Se­gun­do ele, fun­dos de pen­são – por in­ter­mé­dio de seus ges­to­res – “têm res­pon­sa­bi­li­da­de de as­se­gu­rar o de­sem­pe­nho e o re­sul­ta­do nas mai­o­res e mais im­por­tan­tes com­pa­nhi­as ame­ri­ca­nas”, co­bran­do res­pon­sa­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra.

Os fun­dos de pen­são ame­ri­ca­nos tor­na­ram-se pro­pul­so­res da boa ges­tão em­pre­sa­ri­al. O Sis­te­ma de Apo­sen­ta­do­ria dos Ser­vi­do­res Pú­bli­cos da Ca­li­fór­nia (CalPERS), um dos mai­o­res, é mun­di­al­men­te co­nhe­ci­do por in­cen­ti­var o ati­vis­mo de aci­o­nis­tas, cri­an­do prin­cí­pi­os glo­bais de go­ver­nan­ça cor­po­ra­ti­va que gui­am pa­drões de ad­mi­nis­tra­ção nas com­pa­nhi­as em que in­ves­te seu bi­li­o­ná­rio pa­trimô­nio ao re­dor do mun­do. O sis­te­ma de pre­vi­dên­cia ge­ri­do por fun­dos de pen­são é for­ça mo­triz da com­pe­ti­ti­vi­da­de ame­ri­ca­na, for­ne­cen­do fi­nan­ci­a­men­to em­pre­sa­ri­al por meio de in­ves­ti­men­tos no mer­ca­do aci­o­ná­rio ou de ca­pi­tais.

Cri­a­ram-se e de­sen­vol­ve­ram-se me­ca­nis­mos e or­ga­ni­za­ções que mo­ni­to­ram o de­sem­pe­nho das com­pa­nhi­as pa­ra as­se­gu­rar os di­rei­tos de in­ves­ti­do­res e boa ren­ta­bi­li­da­de a fun­dos de pen­são – e a seus pen­si­o­nis­tas. Con­so­li­dou-se um seg­men­to de mer­ca­do es­pe­ci­a­li­za­do que pres­ta ser­vi­ços de con­sul­to­ria, as­ses­so­ria e au­di­to­ria con­tá­bil, fi­nan­cei­ra e de go­ver­nan­ça cor­po­ra­ti­va. A di­vi­são e a es­pe­ci­a­li­za­ção do tra­ba­lho nos mol­des de Adam Smith é tal que ban­cas de ad­vo­ca­cia que re­pre­sen­tam fun­dos de pen­são nos pro­ces­sos con­tra as com­pa­nhi­as que os le­sa­ram em frau­des e cri­mes cor­po­ra­ti­vos, por ques­tões de éti­ca e con­fli­tos de in­te­res­ses, são com­ple­ta­men­te se­pa­ra­das e in­de­pen­den­tes das gran­des ban­cas que de­fen­dem as com­pa­nhi­as e seus ad­mi­nis­tra­do­res e a elas pres­tam ser­vi­ços. Leis e ju­ris­pru­dên­cia be­ne­fi­ci­an­do in­ves­ti­do­res ins­ti­tu­ci­o­nais avan­ça­ram.

O Bra­sil, até o pre­sen­te, es­tá alheio a tal evo­lu­ção, ape­sar da re­le­vân­cia do pa­trimô­nio dos fun­dos de pen­são pa­ra a eco­no­mia na­ci­o­nal, que se si­tua na ca­sa de R$ 1 tri­lhão, se­gun­do cál­cu­los da CVM, mon­tan­te bem su­pe­ri­or ao or­ça­men­to de 2017 pa­ra o Re­gi­me Ge­ral da Pre­vi­dên­cia, de R$ 562 bi­lhões. Não se vê na prá­ti­ca pro­gres­so con­sis­ten­te dos fun­dos de pen­são pa­ra de­fen­der o in­te­res­se de seus pen­si­o­nis­tas e as­sim ali­men­tar o cres­ci­men­to econô­mi­co do País.

De acor­do com a Su­pe­rin­ten­dên­cia Na­ci­o­nal de Pre­vi­dên­cia Com­ple­men­tar (Pre­vic), fun­dos de pen­são bra­si­lei­ros re­gis­tra­ram dé­fi­cit de R$ 70,6 bi­lhões em 2016. O dé­fi­cit cres­ceu de R$ 9 bi­lhões pa­ra R$ 77,8 bi­lhões de 2012 a 2015, is­to é, 700% em ape­nas qua­tro anos. Dez fun­dos con­cen­tram 88% do dé­fi­cit. Os rom­bos de Pe­tros (Pe­tro­brás), Fun­cef (Cai­xa) e Pos­ta­lis (Cor­rei­os) so­mam R$ 30 bi­lhões (Es­ta­do, 24/5 e 1.º/5).

Gran­de par­te das apli­ca­ções dos fun­dos de pen­são é con­cen­tra­da em ações de em­pre­sas que se en­vol­ve­ram com corrupção sis­tê­mi­ca re­ve­la­da pe­las Ope­ra­ções La­va Ja­to e Gre­en­fi­eld. Es­ti­ma-se que só os ilí­ci­tos in­ves­ti­ga­dos na Gre­en­fi­eld cau­sa­ram cer­ca de R$ 54 bi­lhões de pre­juí­zos, que afe­ta­ram qua­se 2 milhões de be­ne­fi­ciá­ri­os dos fun­dos de pen­são (Es­ta­do, 18/6). É sin­to­má­ti­co, por exem­plo, que o Pe­tros te­nha in­ves­ti­do em ne­gó­ci­os do Gru­po J&F, con­tro­la­do pe­los ir­mãos Ba­tis­ta, e o Fun­cef te­nha amar­ga­do pre­juí­zos de R$ 17 bi­lhões na Se­te Bra­sil, in­ves­ti­men­tos ei­va­dos de ili­ci­tu­des.

Tais per­das le­va­ram à ne­ces­si­da­de de apor­tes adi­ci­o­nais ime­di­a­tos pe­las em­pre­sas e por fun­ci­o­ná­ri­os, tan­to da ati­va co­mo apo­sen­ta­dos, pa­ra evi­tar o co­lap­so de seus sis­te­mas de pre­vi­dên­cia com­ple­men­tar. Be­ne­fi­ciá­ri­os do Pe­tros e a pró­pria Pe­tro­brás co­me­ça­rão a re­por per­das com con­tri­bui­ção extra de, no mí­ni­mo, R$ 17 bi­lhões, me­ta­de ca­da. Mais de 84 mil fun­ci­o­ná­ri­os so­frem des­con­tos e con­tri­bui­ções extras de 20% a 30% do va­lor de seus be­ne­fí­ci­os pa­ra co­brir o rom­bo do Pos­ta­lis.

Não há trans­pa­rên­cia su­fi­ci­en­te ou de­ba­te sé­rio so­bre qu­an­to dos dé­fi­cits fo­ram cau­sa­dos por de­se­qui­lí­bri­os atu­a­ri­ais de­cor­ren­tes da lon­ge­vi­da­de dos be­ne­fi­ciá­ri­os ou por in­ves­ti­men­tos mal fei­tos ou frau­du­len­tos. Não há his­tó­ri­co con­sis­ten­te de ações ju­di­ci­ais dos pró­pri­os fun­dos de pen­são pa­ra bus­car re­pa­ra­ção de pre­juí­zos dos pen­si­o­nis­tas cau­sa­dos por corrupção. Ine­xis­te cul­tu­ra de co­bran­ça dos ges­to­res dos fun­dos pe­los de­ve­res fi­du­ciá­ri­os de­vi­dos aos pen­si­o­nis­tas. Em vá­ri­os ca­sos sus­pei­ta­se de con­luio de ges­to­res dos fun­dos com ad­mi­nis­tra­do­res de com­pa­nhi­as pa­ra a per­pe­tra­ção de ilí­ci­tos. Já apon­tei a in­su­fi­ci­ên­cia do Di­rei­to Pe­nal pa­ra so­lu­ci­o­nar o pro­ble­ma, pos­to que a re­pa­ra­ção fi­nan­cei­ra dos le­sa­dos de­pen­de de apa­ra­to de res­sar­ci­men­to cí­vel não de­sen­vol­vi­do no Bra­sil.

O atu­al de­ba­te na­ci­o­nal so­bre a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia é par­ci­al, pois se res­trin­ge equi­vo­ca­da­men­te à par­te di­re­ta­men­te ge­ri­da pe­lo Es­ta­do, ne­gli­gen­ci­an­do os gra­ves pro­ble­mas do sis­te­ma de pre­vi­dên­cia com­ple­men­tar. Não bas­ta re­for­mar a Pre­vi­dên­cia ofi­ci­al, há que pen­sar na ur­gen­te re­for­ma de leis e ins­ti­tu­tos ju­rí­di­cos ana­crô­ni­cos vi­gen­tes pa­ra pro­te­ção de pen­si­o­nis­tas do sis­te­ma de pre­vi­dên­cia com­ple­men­tar.

Não há trans­pa­rên­cia su­fi­ci­en­te ou de­ba­te sé­rio so­bre os dé­fi­cits nos fun­dos de pen­são

DOUTORA EM DI­REI­TO PELA USP, COM PÓS-DOUTORAMENTO NA UNI­VER­SI­DA­DE DO TEXAS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.