Aos 100 anos, es­co­la de ati­ra­do­res dá li­ção de dis­ci­pli­na.

Ti­ro de Gu­er­ra de Ca­pi­va­ri com­ple­ta 100 anos em 2017; há mais de 220 uni­da­des pe­lo País

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Jo­sé Ma­ria To­ma­ze­la

Além da bra­ça­dei­ra de mo­ni­tor, os jo­vens Matheus Ber­te­li, de 19 anos, e Agrí­cio Nu­nes Me­dra­do, de 22, ati­ra­do­res do Ti­ro de Gu­er­ra (TG) de Ca­pi­va­ri, no in­te­ri­or de São Pau­lo, não têm qua­se na­da em co­mum. Ber­te­li é fi­lho de um in­dus­tri­al do se­tor de me­ta­lur­gia pe­sa­da e, até o ano pas­sa­do, tu­do o que fa­zia era di­ri­gir car­rões im­por­ta­dos e se equi­li­brar so­bre uma pran­cha de sur­fe no Gu­a­ru­já, li­to­ral pau­lis­ta. Agrí­cio é do in­te­ri­or da Bahia e mi­grou pa­ra Ca­pi­va­ri, em 2016, em bus­ca de tra­ba­lho, após per­der o em­pre­go em uma fa­zen­da. Com ele e a mãe vi­e­ram seis dos 11 ir­mãos. Os ou­tros fi­ca­ram no Nor­des­te, tra­ba­lhan­do na ro­ça com o pai.

Des­de fe­ve­rei­ro, al­go mais apro­xi­ma os dois ra­pa­zes: eles são lí­de­res no gru­po de 50 ati­ra­do­res da tur­ma do TG de Ca­pi­va­ri, que ce­le­bra seu cen­te­ná­rio nes­te ano. Eles fo­ram in­cor­po­ra­dos ao ser­vi­ço mi­li­tar obri­ga­tó­rio co­mo não vo­lun­tá­ri­os. Ago­ra, am­bos es­tão in­cli­na­dos a se­guir a car­rei­ra mi­li­tar.

Ber­te­li ain­da tem dú­vi­da. A fá­bri­ca do pai es­tá em ex­pan­são e ele pla­ne­ja­va cur­sar Co­mér­cio Ex­te­ri­or. “Não que­ria me alis­tar, acha­va que ia atra­pa­lhar, mas meu pai fez o Ti­ro de Gu­er­ra e sem­pre di­zia que, pa­ra ele, foi um di­vi­sor de águas.”

Ber­te­li con­ta que, na seleção e nos pri­mei­ros di­as de ti­ro, achou que não ia fun­ci­o­nar. “Vi muito ga­ro­to es­tra­nho, de per­fil muito di­fe­ren­te do meu. Fi­quei meio ar­re­dio, sen­tei lá no fun­do, mas o sub (te­nen­te) veio e dis­se: ‘Não crie mi­nho­ca, mo­le­que, sua car­ca­ça já é mi­nha’, e me pu­xou pa­ra a fren­te. Lo­go mi­nha ca­be­lei­ra es­ta­va no chão. Em pou­cos di­as ti­nha fei­to ami­za­de com to­dos.” O an­ti­go “fi­lhi­nho de pa­pai” re­ve­lou-se dis­ci­pli­na­do e so­li­dá­rio. Em pou­co tem­po li­de­ra­va seu gru­po. “Meu pai es­pe­ra que tra­ba­lhe com ele. Es­tou em dú­vi­da. Es­ti­ve na es­co­la pre­pa­ra­tó­ria de ca­de­tes em Cam­pi­nas e fi­quei en­tu­si­as­ma­do. Quan­do vis­to a far­da e ve­nho pa­ra cá, me re­a­li­zo.”

Agrí­cio já se de­ci­diu e o TG é o in­gres­so na car­rei­ra mais do que pla­ne­ja­da. “Des­co­bri o que te­nho no san­gue. Vou fa­zer o cur­so da Es­co­la de Sar­gen­tos e, no que de­pen­der de mim, vou pas­sar. Já me ve­jo no Exér­ci­to.” É o pri­mei­ro ati­ra­dor da fa­mí­lia.

Dis­ci­pli­na. O sub­te­nen­te Jail­ton Cor­dei­ro da Sil­va, de 46 anos, que as­su­miu o TG Ca­pi­va­ri em de­zem­bro, con­ta que o quar­tel pre­pa­ra pa­ra ser bom ci­da­dão. “A dis­ci­pli­na, a res­pon­sa­bi­li­da­de e o tra­ta­men­to igual pa­ra to­dos que apren­dem aqui ser­vem pa­ra a vi­da que vão le­var co­mo ope­rá­rio, pro­fes­sor, po­lí­ti­co ou em­pre­sá­rio. Cer­ta­men­te mui­tos vão sair me­lho­res do que en­tra­ram. Co­mo aqui re­pre­sen­ta o Exér­ci­to, e is­so dei­xa­mos cla­ro, mui­tos se in­te­res­sam em se­guir car­rei­ra mi­li­tar.”

A ro­ti­na é a mes­ma de ou­tros fu­tu­ros re­ser­vis­tas re­cru­ta­dos pe­los mais de 220 ti­ros de gu­er­ra no País. Co­mo a mai­o­ria tra­ba­lha ou es­tu­da, eles se apre­sen­tam às 6 ho­ras e cum­prem ati­vi­da­des até às 8, re­ce­ben­do ins­tru­ções mi­li­ta­res, au­las de ci­vis­mo e ci­da­da­nia, no­ções de ar­ma­men­to e pri­mei­ros so­cor­ros. Em ro­dí­zio, al­guns são con­vo­ca­dos pa­ra a se­gu­ran­ça do quar­tel por 24 ho­ras. Os alis­ta­dos usam uni­for­me do Exér­ci­to e têm o de­ver de man­tê-lo im­pe­cá­vel, as­sim co­mo dei­xar bar­ba fei­ta e ca­be­lo cur­to.

“A par­te prá­ti­ca se­rá no quar­tel do Exér­ci­to em Itu, mas só quan­do eles ti­ve­rem do­mi­na­do to­da a te­o­ria”, diz o sub. Quem se des­ta­ca é es­co­lhi­do pa­ra a li­de­ran­ça. Os jo­vens não re­ce­bem sa­lá­rio nem aju­da de cus­to.

EPITACIO PES­SOA/ESTADÃO–4/10/2017

Ro­ti­na. Alis­ta­dos têm ins­tru­ções mi­li­ta­res, au­las de ci­vis­mo e no­ções de ar­ma­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.