Ges­tão Haddad pa­gou R$ 245 mi­lhões em con­tra­tos­sob sus­pei­ta

Ver­ba foi des­ti­na­da a em­prei­tei­ras en­vol­vi­das na La­va Ja­to em obras de tú­nel

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Fa­bio Lei­te

O can­di­da­to do PT à Pre­si­dên­cia, Fer­nan­do Haddad, pa­gou en­quan­to es­te­ve à fren­te da Pre­fei­tu­ra de São Pau­lo R$ 245 mi­lhões a em­prei­tei­ras en­vol­vi­das na La­va Ja­to por obras in­cluí­das nos con­tra­tos de um tú­nel na zo­na sul da ca­pi­tal. Sob a jus­ti­fi­ca­ti­va de que es­ta­va fa­zen­do uma “in­ver­são de pri­o­ri­da­de” por cau­sa da fal­ta de re­cur­sos, o ex-pre­fei­to sus­pen­deu as obras do tú­nel em fe­ve­rei­ro de 2013 – an­tes da

de­fla­gra­ção da La­va Ja­to –, mas man­te­ve ou­tras obras viá­ri­as, a cons­tru­ção de mo­ra­di­as po­pu­la­res e de tre­chos de um par­que li­ne­ar. Após o iní­cio da cam­pa­nha pre­si­den­ci­al, Haddad afir­mou que in­dí­ci­os de su­per­fa­tu­ra­men­to mo­ti­va­ram a sus­pen­são da obra do tú­nel. Ele, no en­tan­to, nun­ca pe­diu que o ca­so fos­se in­ves­ti­ga­do. Os con­tra­tos fo­ram as­si­na­dos em 2011, pe­lo en­tão pre­fei­to Gil­ber­to Kas­sab (PSD). Os lo­tes são li­de­ra­dos por OAS, Ode­bre­cht, An­dra­de Gu­ti­er­rez e Qu­ei­roz Gal­vão.

O can­di­da­to do PT à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, Fer­nan­do Haddad, pa­gou du­ran­te sua ges­tão co­mo pre­fei­to de São Pau­lo R$ 245 mi­lhões a em­prei­tei­ras en­vol­vi­das na La­va Ja­to, por obras in­cluí­das nos mes­mos con­tra­tos do tú­nel que, ho­je, ele diz ter sus­pen­di­do há cin­co anos por “in­dí­ci­os de su­per­fa­tu­ra­men­to”. Os ne­gó­ci­os tam­bém são in­ves­ti­ga­dos por sus­pei­ta de car­tel, ad­mi­ti­do no ano pas­sa­do pe­la Ode­bre­cht ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pau­lis­ta.

Da­dos da Pre­fei­tu­ra ob­ti­dos pe­lo Es­ta­do mos­tram que os va­lo­res fo­ram re­pas­sa­dos pe­la ges­tão pe­tis­ta (2013-2016) pa­ra os qua­tro con­sór­ci­os en­car­re­ga­dos de exe­cu­tar o pro­lon­ga­men­to da Ave­ni­da Ro­ber­to Ma­ri­nho, na zo­na sul da ca­pi­tal. Os lo­tes são li­de­ra­dos pe­las em­pre­sas OAS, Ode­bre­cht, An­dra­de Gu­ti­er­rez e Qu­ei­roz Gal­vão.

Os con­tra­tos fo­ram as­si­na­dos em 2011 pe­lo ex-pre­fei­to e atu­al mi­nis­tro de Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia, Ino­va­ções e Comunicações, Gil­ber­to Kas­sab (PSD), com va­lor ori­gi­nal de R$ 1,98 bi­lhão. A cons­tru­ção do tú­nel de 2,4 km até a Ro­do­via dos Imi­gran­tes es­tá dis­tri­buí­da nos qua­tro lo­tes, jun­to com ou­tras obras viá­ri­as, co­mo vi­a­du­tos, qua­tro mil mo­ra­di­as po­pu­la­res e tre­chos de um par­que li­ne­ar.

Em fe­ve­rei­ro de 2013, se­gun­do mês de man­da­to, Haddad de­ci­diu sus­pen­der a exe­cu­ção do tú­nel e man­ter as de­mais obras. À épo­ca, ale­gou fal­ta de re­cur­sos e in­ver­são de pri­o­ri­da­de em uma no­ta pú­bli­ca de es­cla­re­ci­men­to. Não men­ci­o­nou ne­nhu­ma sus­pei­ta de ir­re­gu­la­ri­da­de na obra suspensa e dis­se que pre­ten­dia re­to­mar o pro­je­to. Na­que­le mo­men­to, a La­va Ja­to ain­da não ha­via si­do de­fla­gra­da.

“Ao in­vés do tú­nel, va­mos pri­o­ri­zar to­das es­sas obras e, quan­do ven­der­mos mais Ce­pacs (Cer­ti­fi­ca­dos de Po­ten­ci­al Adi­ci­o­nal de Cons­tru­ção), so­bre­tu­do na re­gião do Ja­ba­qua­ra, vo­cê po­de re­to­mar a ideia de fa­zer o tú­nel, que já es­tá li­ci­ta­do e li­cen­ci­a­do. Não es­tá ha­ven­do um can­ce­la­men­to, ape­nas uma in­ver­são de pri­o­ri­da­de”, dis­se Haddad na oca­sião.

De fa­to, o tú­nel nun­ca saiu do pa­pel, mas as de­mais obras pre­vis­tas nos mes­mos con­tra­tos fo­ram to­ca­das adi­an­te pe­la ges­tão do pe­tis­ta – de­pois pe­la ad­mi­nis­tra­ção João Do­ria e ago­ra pe­la ges­tão Bruno Co­vas, am­bos do PSDB. En­tre as obras con­cluí­das es­tão o vi­a­du­to da Ave­ni­da Li­no Mo­ra­es Le­me, en­tre­gue em mar­ço des­te ano, e 430 ha­bi­ta­ções de in­te­res­se so­ci­al.

A mai­or par­te das obras foi exe­cu­ta­da pe­lo con­sór­cio li­de­ra­do pe­la OAS, que re­ce­beu R$ 221,9 mi­lhões nos qua­tro anos da ges­tão Haddad. Ode­bre­cht e An­dra­de Gu­ti­er­rez, que têm a mai­o­ria dos seus con­tra­tos vin­cu­la­dos ao tú­nel sus­pen­so, re­ce­be­ram R$ 5 mi­lhões e R$ 5,4 mi­lhões, res­pec­ti­va­men­te. Já o con­sór­cio da Qu­ei­roz Gal­vão re­ce­beu R$ 12,4 mi­lhões.

No­va ver­são. Foi so­men­te após as acu­sa­ções de cai­xa dois pa­ra a cam­pa­nha de 2012 fei­tas por de­la­to­res da Ode­bre­cht e da UTC – par­cei­ras no con­tra­to do tú­nel da Ro­ber­to Ma­ri­nho – que o pre­si­den­ciá­vel pe­tis­ta mu­dou pu­bli­ca­men­te o discurso so­bre a obra. Pri­mei­ro, em sua de­fe­sa,

co­me­çou a di­zer que es­ta­va so­fren­do “re­ta­li­a­ções” dos exe­cu­ti­vos por­que “con­tra­ri­ou os prin­ci­pais in­te­res­ses das em­pre­sas” ao sus­pen­der a cons­tru­ção do tú­nel, item mais ca­ro.

De­pois, já du­ran­te a cam­pa­nha ao Pa­lá­cio do Pla­nal­to e após ser al­vo de du­as ações (ci­vil e elei­to­ral) e uma de­nún­cia cri­mi­nal pe­lo su­pos­to re­ce­bi­men­to de R$ 2,6 mi­lhões de cai­xa 2 da UTC, Haddad pas­sou a afir­mar que sus­pen­deu a obra do tú­nel por “in­dí­ci­os de su­per­fa­tu­ra­men­to” que te­ri­am si­do re­pas­sa­dos a ele por um se­cre­tá­rio. Ape­sar da afir­ma­ção, o pe­tis­ta não so­li­ci­tou ne­nhu­ma in­ves­ti­ga­ção ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co nem à Con­tro­la­do­ria-Ge­ral do Mu­ni­cí­pio (CGM), cri­a­da por ele em 2013 pa­ra com­ba­ter cor­rup­ção na Pre­fei­tu­ra.

“A Ode­bre­cht e a UTC ti­ve­ram o tú­nel da Ro­ber­to Ma­ri­nho sus­pen­so no meu se­gun­do mês de man­da­to. Eu ti­nha exa­tos 44 di­as à fren­te da Pre­fei­tu­ra de São Pau­lo quan­do sus­pen­di uma obra por in­dí­ci­os de su­per­fa­tu­ra­men­to. Es­sas du­as em­pre­sas re­sol­ve­ram me re­ta­li­ar e, sem apre­sen­tar ne­nhu­ma pro­va, fo­ram ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de­nun­ci­ar o que se­ria um pa­ga­men­to de des­pe­sas de cam­pa­nha que não pro­va­ram até ago­ra”, afir­mou o pe­tis­ta ao ser en­tre­vis­ta­do no Jor­nal Na­ci­o­nal, da TV Glo­bo, no dia 14 de se­tem­bro.

Car­tel. No fim do ano pas­sa­do, a Ode­bre­cht as­si­nou o pri­mei­ro de uma sé­rie de acor­dos de co­la­bo­ra­ção com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de São Pau­lo no qu­al afir­mou que to­dos os con­tra­tos de obras do cha­ma­do Sis­te­ma Viá­rio Me­tro­po­li­ta­no, in­cluin­do os lo­tes do tú­nel da Ro­ber­to Ma­ri­nho, fo­ram al­vo de car­tel das em­prei­tei­ras, que com­bi­na­ram os pre­ços pre­vi­a­men­te.

Se­gun­do a Pro­mo­to­ria, o es­que­ma foi co­or­de­na­do pe­lo en­ge­nhei­ro Pau­lo Vi­ei­ra de Sou­za, ex-di­re­tor da Der­sa (20072010), e tam­bém te­ve par­ti­ci­pa­ção do ex-se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de In­fra­es­tru­tu­ra e bra­ço di­rei­to de Kas­sab no mi­nis­té­rio, El­ton San­ta Fé Za­ca­ri­as. Am­bos te­ri­am co­bra­do 5% de pro­pi­na so­bre o va­lor dos con­tra­tos. As­sim co­mo Kas­sab, eles são al­vo de ação de im­pro­bi­da­de por en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to, mas ne­gam as acu­sa­ções.

FELIPE RAU/ES­TA­DÃO

São Pau­lo. Vi­a­du­to Dr. Li­no Mo­ra­es Le­me é uma das obras con­cluí­das, em mar­ço es­te ano

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.