NO IN­TE­RI­OR DO PA­RA­NÁ, UMA CI­DA­DE PAR­TI­DA

Mu­ni­cí­pio pa­ra­na­en­se re­gis­tra o mes­mo nú­me­ro de vo­tos, 1.191, pa­ra Bol­so­na­ro e pa­ra Haddad no 1º tur­no

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Pablo Pereira (TEXTO) Ga­bri­e­la Biló (FOTOS) EN­VI­A­DOS ES­PE­CI­AIS / AMA­PO­RÃ (PR)

Ama­po­rã, a 540 quilô­me­tros de Cu­ri­ti­ba, é o re­tra­to fi­el da po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca. A ci­da­de des­co­briu-se po­li­ti­ca­men­te fo­ra do cen­tro ao re­gis­trar no pri­mei­ro tur­no exa­ta­men­te o mes­mo nú­me­ro de vo­tos, 1.191, pa­ra ca­da uma das pon­tas, di­rei­ta e es­quer­da, re­la­ta o en­vi­a­do es­pe­ci­al Pablo Pereira. Com o em­pa­te nas ur­nas en­tre Jair Bol­so­na­ro e Fer­nan­do Haddad, a pe­que­na pro­du­to­ra de man­di­o­ca, ga­do e ca­na, de 3,8 mil elei­to­res, dos qu­ais 2,9 mil vo­ta­ram pa­ra pre­si­den­te, pas­sou a vi­ver di­as de ten­são, com os mo­ra­do­res se mo­bi­li­zan­do pa­ra ar­re­gi­men­tar ca­da vo­to dis­cor­dan­te pa­ra o se­gun­do “round”, no dia 28.

Sim­pa­ti­zan­tes de Jair Bol­so­na­ro (PSL) e de Fer­nan­do Haddad (PT) fa­zem nes­te se­gun­do tur­no da elei­ção pre­si­den­ci­al uma dis­pu­ta par­ti­cu­lar em Ama­po­rã, mu­ni­cí­pio a cer­ca de 540 quilô­me­tros de Cu­ri­ti­ba. A ci­da­de, de 5,9 mil ha­bi­tan­tes, vi­zi­nha de Pa­ra­na­vaí, no­ro­es­te do Pa­ra­ná, se des­co­briu po­li­ti­ca­men­te fo­ra do cen­tro ao re­gis­trar exa­ta­men­te o mes­mo nú­me­ro de vo­tos, 1.191, pa­ra ca­da uma das pon­tas, di­rei­ta e es­quer­da, no pri­mei­ro tur­no da elei­ção. Com o em­pa­te nas ur­nas, a pe­que­na pro­du­to­ra de ca­na, man­di­o­ca, so­ja e mi­lho e cri­a­do­ra de ga­do, de 3,8 mil elei­to­res, dos qu­ais 2,9 mil vo­ta­ram pa­ra pre­si­den­te, pas­sou a vi­ver di­as de ten­são com o elei­to­ra­do se mo­bi­li­zan­do pa­ra ar­re­gi­men­tar ca­da vo­to dis­cor­dan­te pa­ra a vo­ta­ção do dia 28.

“Bol­so­na­ro não é um salvador da pá­tria, mas re­pre­sen­ta a pos­si­bi­li­da­de de mu­dan­ça pa­ra o País”, afir­mou o ve­re­a­dor Amau­ri Schu­roff, pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal e pro­du­tor rural. Ele já foi elei­to em dois man­da­tos pe­lo PT, mas nas úl­ti­mas du­as elei­ções mi­grou pa­ra o PSD. Ago­ra, é bol­so­na­ris­ta con­vic­to.

Na quin­ta-fei­ra pas­sa­da, apos­tan­do na vi­tó­ria do de­pu­ta­do fe­de­ral flu­mi­nen­se con­tra o ex-pre­fei­to de São Pau­lo, Schu­roff e a fa­mí­lia acei­ta­ram po­sar pa­ra o Es­ta­do na re­si­dên­cia de­les. Ao la­do do fi­lho, Luis Fer­nan­do; da no­ra, a ad­mi­nis­tra­do­ra Carla Mi­ran­da; e da mu­lher, a pe­da­go­ga Val­di­re­ne Meu­rer Schu­roff, o ex-mo­to­ris­ta de ôni­bus, um dos fun­da­do­res do PT lo­cal, ho­je fer­re­nho eleitor de Bol­so­na­ro, afir­mou que “os par­ti­dos têm ci­clos” e que “che­gou a vez de mu­dar as coi­sas”.

Pa­ra ele, que pla­ne­ja se lan­çar à pre­fei­tu­ra em 2020, “edu­ca­ção, saú­de e se­gu­ran­ça pú­bli­ca são os três pro­ble­mas a se­rem ata­ca­dos no mu­ni­cí­pio e no País”. Em uma ma­dru­ga­da de de­zem­bro pas­sa­do, la­drões ata­ca­ram a agên­cia do Ban­co do Bra­sil da ci­da­de e fu­gi­ram, mas, se­gun­do a Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça do Pa­ra­ná, o mu­ni­cí­pio re­gis­trou so­men­te dois ho­mi­cí­di­os no pri­mei­ro se­mes­tre.

‘Surpresa’. “Pa­ra nós foi até uma surpresa a vo­ta­ção de­les”, dis­se Val­di­re­ne Schu­roff, ves­tin­do a ca­mi­sa ama­re­la de Bol­so­na­ro e fa­zen­do re­fe­rên­cia aos pe­tis­tas. Acom­pa­nha­da pe­la no­ra, pro­pri­e­tá­ria de uma aca­de­mia de gi­nás­ti­ca na rua prin­ci­pal de Ama­po­rã, elas re­cor­da­ram que, di­as an­tes do pri­mei­ro tur­no, uma car­re­a­ta pró-Bol­so­na­ro che­gou a reu­nir 120 carros, en­quan­to a do PT te­ve 13 carros. “No dia da vo­ta­ção, eu até co­men­tei com um ami­go que se­ria aper­ta­do”, afir­mou o ve­re­a­dor Schu­roff. “Pe­la ma­nhã, foi o pes­so­al do Bol­so­na­ro vo­tar, mas à tar­de co­me­çou a che­gar o pes­so­al do ou­tro la­do.”

Pe­tis­tas. A cer­ca de cin­co mi­nu­tos de ca­mi­nha­da da ca­sa dos Schu­roff, o ca­sal de professores Pe­dro Nó­bre­ga e Ma­ria Ag­ne­te tam­bém acei­tou fa­lar da di­vi­são po­lí­ti­ca lo­cal. Eles con­cor­da­ram em se reu­nir ao fi­lho Pe­dro Jo­sé Fran­klin (o PJ) e um so­bri­nho, An­to­nio Car­los Fran­klin de Sou­za, pro­fes­sor de edu­ca­ção fí­si­ca, to­dos de­fen­so­res do vo­to em Haddad. “A fa­mí­lia é PT des­de o meu avô”, de­cla­rou PJ Fran­klin, co­mo gos­ta de ser identificado o ra­paz, que já foi can­di­da­to a ve­re­a­dor.

Pa­ra o ex-pre­fei­to Mau­ro Lemos, que já ven­ceu du­as elei­ções no mu­ni­cí­pio pe­lo PT, a po­lí­ti­ca lo­cal pro­duz mes­mo re­sul­ta­dos aper­ta­dos. Es­tá no par­ti­do de Lula des­de 2004 e, aliás, tam­bém con­se­guiu a fa­ça­nha de re­pe­tir vo­ta­ção: exa­tos 1.721 vo­tos nas elei­ções de 2008 e 2012. Quan­do pre­fei­to, nos “tem­pos gor­dos” de go­ver­no fe­de­ral pe­tis­ta, foi ali­a­do de Ze­ca Dir­ceu, ex-pre­fei­to de Cru­zei­ro do Sul. Em 2012, Lemos te­ve apoio da en­tão mi­nis­tra da Ca­sa Ci­vil de Dil­ma Rous­seff, Glei­si Hoff­mann. “Não te­nho na­da a re­cla­mar do go­ver­no fe­de­ral, mas pe­lo go­ver­no es­ta­du­al do Be­to Ri­cha (PSDB) fui per­se­gui­do”, dis­se Lemos, que ad­mi­tiu ter fi­ca­do afas­ta­do des­ta cam­pa­nha, mas pla­ne­ja vol­tar à dis­pu­ta mu­ni­ci­pal em 2020.

Des­ta vez, po­rém, com o PT em bai­xa em re­la­ção aos “tem­pos dou­ra­dos” de Lula e Dil­ma, ele tra­tou de abrir um ou­tro ar­ran­jo po­lí­ti­co. Apoi­ou a elei­ção o de­pu­ta­do Tião Me­dei­ros, do PTB. Pe­cu­a­ris­ta e pro­du­tor de man­di­o­ca, Lemos ar­gu­men­tou que vai de Haddad pa­ra pre­si­den­te e não pre­ten­de dei­xar o par­ti­do. Com as con­tas de sua ges­tão, en­cer­ra­da em 2016, ain­da aguar­dan­do jul­ga­men­to pe­la Câ­ma­ra, ele se dis­se per­se­gui­do e re­co­nhe­ceu que po­de ter di­fi­cul­da­des já nos pró­xi­mos di­as. Pre­ci­sa de qua­tro vo­tos fa­vo­rá­veis pa­ra su­as con­tas, que fo­ram apro­va­das com res­sal­vas pe­la Jus­ti­ça. Mas o PT tem so­men­te uma das no­ve ca­dei­ra do Le­gis­la­ti­vo mu­ni­ci­pal.

“Es­se re­sul­ta­do exa­to de ago­ra pa­ra pre­si­den­te é uma coin­ci­dên­cia”, dis­se a pre­fei­ta Te­re­zi­nha Fu­mi­ko Ya­ma­kawa, do MDB, que já foi do PPS e do PSDB, e que ago­ra faz cam­pa­nha pa­ra Bol­so­na­ro. Pa­ra ela, a fi­li­a­ção a par­ti­dos po­lí­ti­cos não é re­le­van­te na

ci­da­de – o PSL, por exem­plo, nem tem re­pre­sen­ta­ção em Ama­po­rã. “Nem pre­ci­sa. Aqui, as pes­so­as não olham pa­ra os par­ti­dos, mas pa­ra quem é o can­di­da­to e se ele aju­da a re­gião ou não”, re­su­miu Te­re­zi­nha, pro­du­to­ra rural e pe­cu­a­ris­ta que es­tá no ter­cei­ro man­da­to na pre­fei­tu­ra. Se­gun­do ela, a cam­pa­nha elei­to­ral no pri­mei­ro tur­no foi mais pa­ra ga­ran­tir a elei­ção dos re­pre­sen­tan­tes da re­gião. “Nós tra­ba­lha­mos aqui pa­ra Ma­ria Vi­tó­ria (PP), Ca­pu­to (PSDB) e Ani­bel­li Ne­to (MDB), e

to­dos se ele­ge­ram pa­ra de­pu­ta­do es­ta­du­al. A cam­pa­nha pa­ra pre­fei­to, sim, es­sa pe­ga fo­go”, afir­mou a pre­fei­ta.

Cam­pa­nha. Nas ru­as da área ur­ba­na da ci­da­de, os carros com ade­si­vos “Bol­so­na­ro-17” são os mais avis­ta­dos. Não há a mes­ma pre­sen­ça os­ten­si­va da mi­li­tân­cia “Haddad-13”, em­bo­ra o mu­ni­cí­pio te­nha pe­lo me­nos dois as­sen­ta­men­tos do MST con­so­li­da­dos, que des­car­re­gam vo­tos nas ur­nas da ci­da­de.

No As­sen­ta­men­to Ro­se­li Nu­nes, com 60 fa­mí­li­as, há cer­ca de 190 vo­tos. Já o As­sen­ta­men­to Antô­nio Con­se­lhei­ro, com 38 fa­mí­li­as, “tem uns 50 vo­tos”, se­gun­do o ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra Pau­lo Fer­nan­des Al­ves, o Bu­gão, um dos or­ga­ni­za­do­res da mo­bi­li­za­ção pe­tis­ta na re­gião. Atu­al­men­te sem par­ti­do, ele dei­xou o PT por di­ver­gên­ci­as in­ter­nas lo­cais, mas tra­ba­lha pa­ra or­ga­ni­zar o co­mí­cio pró-Haddad do dia 25.

En­tre os “had­da­dis­tas”, uma no­vi­da­de: a rou­pa ver­me­lha, íco­ne do pe­tis­mo, não é a mais pre­fe­ri­da e mui­tos até te­mem ves­tir a cor nas ru­as. “Nin­guém sa­be on­de is­so vai pa­rar”, afir­mou um ele­tri­cis­ta, que pe­diu pa­ra não ser identificado, de­cla­rou vo­to em Ci­ro Go­mes (169 vo­tos), mas “con­fes­sou” ter ido de PT em elei­ções an­te­ri­o­res. “Aqui, to­do mun­do pre­ci­sa fa­zer um ser­vi­ço aqui, ou­tro lá, e não po­de fi­car se ex­pon­do.”

A dis­pu­ta na ci­da­de es­tá tão acir­ra­da que em al­gu­mas fa­mí­li­as as coi­sas pa­re­cem com­pli­ca­das. “Eu vou com aque­le da ca­mi­sa pre­ta, co­mo o meu fi­lho fa­lou”, dis­se a apo­sen­ta­da Neu­za Ana dos Santos, de 66 anos, mo­ra­do­ra da pe­ri­fe­ria de Ama­po­rã, re­fe­rin­do-se a Bol­so­na­ro. Ela ad­mi­te que vo­tou no PT em ou­tros tem­pos. Mas ago­ra pre­ten­de se­guir a opi­nião de um fi­lho e tro­car o vo­to.

Até a se­ma­na pas­sa­da, fi­lho e no­ra ten­ta­vam con­ven­cer a apo­sen­ta­da a se ban­de­ar pa­ra o la­do de­les. Ani­ma­da, ela pa­re­cia de­ci­di­da e dis­se que­rer “mu­dan­ça”, por­que é a úni­ca em ca­sa a ter ren­da e não aguenta mais ar­car com to­das as con­tas. “Ti­ve de fa­zer em­prés­ti­mo de R$ 4 mil pa­ra as des­pe­sas, te­nho ci­rur­gia mar­ca­da. É pre­ci­so mu­dar al­gu­ma coi­sa.”

A de­ci­são de do­na Neu­za, po­rém, não é tran­qui­la na re­si­dên­cia sim­ples. A ne­ta de­la, Ca­ro­lai­ne dos Santos, de 20 anos, tra­ba­lha­do­ra rural de­sem­pre­ga­da, ba­te o pé na dis­cus­são com a avó. “Es­se aí diz que mu­lher é va­ga­bun­da, que vai aca­bar com o Bol­sa Fa­mí­lia. Eu sou bem con­tra es­se Bol­so­na­ro”, afir­mou Ca­ro­lai­ne. “Eu sou Lula e vou de 13.”

Mas nem tu­do é de­sa­ven­ça em Ama­po­rã. De acor­do com a ve­re­a­do­ra Eli­sa­be­te de Sou­za Pereira, a Po­la­ca, mo­ra­do­ra do As­sen­ta­men­to Ro­se­li Nu­nes, ex-pe­tis­ta, ho­je no PMN, “é di­fí­cil al­guém que não se­ja do PT no as­sen­ta­men­to”. Ela, po­rém, man­tém re­la­ção cor­di­al com a pre­fei­ta bol­so­na­ris­ta. “Te­mos um bom re­la­ci­o­na­men­to, sim”, con­fir­mou a pre­fei­ta. Na ma­nhã de quin­ta-fei­ra, am­bas per­cor­re­ram es­co­las na ci­da­de e par­ti­ci­pa­ram, ani­ma­das, da fes­ta an­te­ci­pa­da do Dia das Cri­an­ças no Gi­ná­sio de Es­por­tes.

FOTOS GA­BRI­E­LA BILÓ/ES­TA­DÃO

Fa­mí­lia 17. Amau­ri Schu­roff (dir.) com fa­mi­li­a­res: ‘Pe­la chan­ce de mu­dan­ça’

Fa­mí­lia 13. Pe­dro Nó­bre­ga (esq.) com a mu­lher e pa­ren­tes: ‘PT des­de o avô’

Di­vi­são. 2,,9 mi­il elei­i­to­res es­tão re­gi­is­tra­dos em Ama­po­rã

Di­ver­gên­ci­as. Neu­za Santos e a ne­ta Ca­ro­lai­ne dis­cor­dam so­bre vo­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.