A cau­te­la dos par­ti­dos

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página -

Na neu­tra­li­da­de de tan­tos par­ti­dos no se­gun­do tur­no se po­de vis­lum­brar a pre­o­cu­pa­ção pa­ra não as­su­mir po­si­ções que pos­sam con­tra­ri­ar sua ba­se elei­to­ral.

A no­va di­nâ­mi­ca elei­to­ral, com uma mas­si­va ade­são ao an­ti­pe­tis­mo mais à di­rei­ta, dei­xou par­te con­si­de­rá­vel dos par­ti­dos po­lí­ti­cos em com­pas­so de es­pe­ra. Em me­nos de 20 di­as o eleitor vol­ta­rá às ur­nas pa­ra es­co­lher quem se­rá o pró­xi­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, com con­sequên­ci­as de­ci­si­vas so­bre o ru­mo do País, e mes­mo as­sim vá­ri­as le­gen­das op­ta­ram pe­la neu­tra­li­da­de em re­la­ção aos can­di­da­tos do PSL e do PT.

Na terça-fei­ra pas­sa­da, a Exe­cu­ti­va Na­ci­o­nal do PSDB de­ci­diu li­be­rar o vo­to de seus fi­li­a­dos no se­gun­do tur­no da elei­ção pre­si­den­ci­al. “Es­sa é a po­si­ção co­e­ren­te nes­te mo­men­to di­fí­cil que o País atra­ves­sa. Não apoi­a­re­mos nem Bol­so­na­ro nem Haddad. Não nos sen­ti­mos representados nem por um nem por ou­tro. To­dos os fi­li­a­dos e lí­de­res es­tão li­be­ra­dos pa­ra que de­ci­dam de acor­do com su­as con­vic­ções”, dis­se o pre­si­den­te do par­ti­do, o ex-go­ver­na­dor Ge­ral­do Alck­min.

O Par­ti­do No­vo, que es­tre­ou em elei­ção na­ci­o­nal, ele­gen­do oi­to de­pu­ta­dos fe­de­rais, in­for­mou que “não apoi­a­rá ne­nhum can­di­da­to à Pre­si­dên­cia, mas so­mos ab­so­lu­ta­men­te con­trá­ri­os ao PT, que tem ideias e prá­ti­cas opos­tas às nos­sas”.

Tam­bém o PRB e o PP op­ta­ram pe­la neu­tra­li­da­de no se­gun­do tur­no das elei­ções pre­si­den­ci­ais, li­be­ran­do os seus mem­bros pa­ra even­tu­ais apoi­os a qual­quer dos dois can­di­da­tos. Ain­da que não te­nha fei­to um anun­cio ofi­ci­al, o DEM tam­bém li­be­rou o apoio in­di­vi­du­al de seus fi­li­a­dos no se­gun­do tur­no.

A neu­tra­li­da­de de tan­tos par­ti­dos no se­gun­do tur­no das elei­ções pre­si­den­ci­ais é uma no­vi­da­de. An­tes, o que se via era a ins­ta­la­ção de um bal­cão de ne­gó­ci­os ato con­tí­nuo ao pri­mei­ro tur­no, com negociação de car­gos em tro­ca de apoi­os.

Nes­sa no­va ati­tu­de se po­de vis­lum­brar a pre­o­cu­pa­ção de mui­tas le­gen­das pa­ra não as­su­mir po­si­ções que, nes­ses tem­pos de for­te po­la­ri­za­ção, pos­sam con­tra­ri­ar sua ba­se elei­to­ral. Se as­sim for, tra­ta-se de um avan­ço po­lí­ti­co, ain­da que pe­que­no. Se­ria o si­nal de uma atu­a­ção um pou­co mais pro­gra­má­ti­ca por par­te dos par­ti­dos.

A prin­ci­pal cau­sa pa­ra es­sa neu­tra­li­da­de das le­gen­das pa­re­ce ser, no en­tan­to, a pró­pria no­vi­da­de do qua­dro elei­to­ral. Os par­ti­dos ain­da não sa­bem co­mo se­rão fei­tas as novas com­po­si­ções po­lí­ti­co-par­ti­dá­ri­as. No­ta-se uma sen­sa­ção de per­ple­xi­da­de, tam­bém em ra­zão da for­te re­no­va­ção dos qua­dros do Le­gis­la­ti­vo. O re­sul­ta­do das elei­ções de do­min­go pas­sa­do mos­trou que o eleitor de­se­ja uma no­va po­lí­ti­ca, sem cor­rup­ção, mais au­tên­ti­ca, mais pró­xi­ma às su­as pre­o­cu­pa­ções.

Na es­co­lha do vo­to, o eleitor deu, por exem­plo, uma gran­de im­por­tân­cia a ques­tões cul­tu­rais e de cos­tu­mes. Se­ja por ter en­con­tra­do can­di­da­tos que aten­di­am de for­ma mais cla­ra a seus an­sei­os em re­la­ção a es­sas ques­tões, se­ja por es­tar agas­ta­do com tan­tas ações es­ta­tais que con­tra­ri­a­ram su­as con­vic­ções pes­so­ais, o fa­to é que o eleitor usou o seu vo­to pa­ra ex­pres­sar um de­se­jo de mu­dan­ça na po­lí­ti­ca. Tu­do is­so con­tri­bui pa­ra es­sa atu­a­ção cau­te­lo­sa por par­te das ban­ca­das.

Ou­tro exem­plo de que o ce­ná­rio po­lí­ti­co foi pro­fun­da­men­te afe­ta­do pe­las elei­ções de do­min­go pas­sa­do foi a po­si­ção as­su­mi­da pe­lo PSB, ali­a­do his­tó­ri­co do PT e que te­ve par­ti­ci­pa­ção de­ci­si­va no en­fra­que­ci­men­to da can­di­da­tu­ra pre­si­den­ci­al de Ci­ro Go­mes (PDT). No pri­mei­ro tur­no, o PSB, aten­den­do a um pe­di­do de Lula, man­te­ve-se neu­tro na dis­pu­ta pre­si­den­ci­al. Ago­ra, ain­da que te­nha de­cla­ra­do apoio a Fer­nan­do Haddad, li­be­rou os di­re­tó­ri­os do Dis­tri­to Fe­de­ral e de São Pau­lo pa­ra se po­si­ci­o­na­rem de for­ma in­de­pen­den­te no se­gun­do tur­no das elei­ções pre­si­den­ci­ais. “De­ci­di­mos que São Pau­lo e o Dis­tri­to Fe­de­ral po­de­rão exa­mi­nar su­as co­li­ga­ções e de­fi­ni­rem qu­al po­si­ção irão que­rer ado­tar. (...) Eles pre­ci­sam ter li­ber­da­de pa­ra con­du­zir su­as can­di­da­tu­ras”, dis­se o pre­si­den­te da le­gen­da, Car­los Si­quei­ra.

Que o no­vo ce­ná­rio po­lí­ti­co, fru­to di­re­to das es­co­lhas do eleitor, pos­sa se tra­du­zir nu­ma atu­a­ção das le­gen­das mais res­pei­to­sa com o ci­da­dão e mais res­pon­sá­vel com o País. A cau­te­la das le­gen­das não po­de ser me­ra as­tú­cia – de­ve ser ex­pres­são do pro­fun­do de­se­jo de cap­tar e aten­der aos an­sei­os das ur­nas. Afi­nal, es­ta­mos nu­ma de­mo­cra­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.