Já ir se acos­tu­man­do

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Ve­ra Ma­ga­lhães

Bol­so­na­ro pre­ci­sa já ir se fa­mi­li­a­ri­zan­do com as nor­mas cons­ti­tu­ci­o­nais que di­ta­rão o que ele po­de­rá fa­zer se elei­to.

Um dos re­su­mos mais fiéis do mis­to da ma­nei­ra co­mo par­te dos elei­to­res de Jair Bol­so­na­ro se re­la­ci­o­nam com o can­di­da­to, a im­pren­sa, a Jus­ti­ça, os ad­ver­sá­ri­os do de­pu­ta­do e até ami­gos que não co­mun­gam da sua fé é o mar­te­la­do slo­gan “é me­lhor JAIR se acos­tu­man­do”.

De­ri­va­da po­lí­ti­ca do “vão ter de me en­go­lir” do ve­lho lo­bo Za­gal­lo, a frase em­bu­te uma ame­a­ça ve­la­da: de­pois da vi­tó­ria de Bol­so­na­ro, pa­re­cem crer seus se­gui­do­res tão fer­vo­ro­sos quan­to aves­sos a con­tra­pon­tos e pon­de­ra­ções, to­dos aque­les que não es­tão no bar­co es­ta­rão su­jei­tos aos di­ta­mes da no­va or­dem. De mo­do que se­ria me­lhor se re­sig­na­rem.

As pes­qui­sas pa­re­cem in­di­car que eles es­tão cer­tos no di­ag­nós­ti­co: tu­do in­di­ca que Bol­so­na­ro se­rá o pró­xi­mo pre­si­den­te do Bra­sil. Nes­se as­pec­to, por­tan­to, é me­lhor ao País já ir se pre­pa­ran­do pa­ra o que se­rá seu go­ver­no.

E, pa­ra is­so, se­ria im­por­tan­te o can­di­da­to já ir fa­lan­do o que pre­ten­de fa­zer ca­so elei­to em ques­tões que re­al­men­te di­zem res­pei­to às atri­bui­ções de um pre­si­den­te; já ir se dis­pon­do a de­ba­ter com seu ad­ver­sá­rio, que foi co­lo­ca­do no se­gun­do tur­no por uma par­ce­la do elei­to­ra­do que ele tam­bém te­rá de go­ver­nar ca­so elei­to, já ir aman­san­do seus ra­di­cais e já ir en­ten­den­do que ins­ti­tui­ções co­mo im­pren­sa e Jus­ti­ça Elei­to­ral não são ini­mi­gos a se­rem evi­ta­dos ou des­cre­den­ci­a­dos, mas pi­la­res im­por­tan­tes da so­ci­e­da­de.

As­sim co­mo Bol­so­na­ro e bol­so­na­ria-nos se vol­tam a to­dos aque­les que não vi­vem da ado­ra­ção ao mi­to e di­zem que é me­lhor já ir se acos­tu­man­do a ele, a de­mo­cra­cia pres­su­põe a pos­si­bi­li­da­de de res­pos­ta: de­pu­ta­do, o se­nhor pre­ci­sa já ir se fa­mi­li­a­ri­zan­do aos ri­tos, às de­man­das ur­gen­tes e aos frei­os e contrapesos que di­ta­rão, ten­do co­mo ba­se as es­tri­tas nor­mas da Cons­ti­tui­ção e ape­nas elas, o que o se­nhor de­ve­rá e po­de­rá fa­zer de­pois que su­bir a ram­pa do Pa­lá­cio do Pla­nal­to.

Ao in­sis­tir dia sim, ou­tro tam­bém, na ale­ga­ção de frau­de nas ur­nas ele­trô­ni­cas, Bol­so­na­ro des­res­pei­ta o vo­to, em pri­mei­ro lu­gar, e a Jus­ti­ça, em se­gui­da. A te­se é tão de­sar­ra­zo­a­da que, nes­ta sex­ta-fei­ra, ao la­do de um de­pu­ta­do elei­to da ex­pres­si­va ban­ca­da de 52 in­te­gran­tes de seu par­ti­do, ele che­gou a di­zer que a frau­de ocor­re­ria ape­nas pa­ra a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca!

Se­ria um me­ro aten­ta­do à in­te­li­gên­cia na­ci­o­nal não fos­se a as­sus­ta­do­ra ade­são a es­sa mis­ti­fi­ca­ção re­pe­ti­da por ele, pe­lo al­to es­ca­lão da cam­pa­nha e do par­ti­do e até por par­te dos que fo­ram elei­tos com vo­ta­ções con­sa­gra­do­ras por es­sas mes­mas ur­nas.

O li­vro Co­mo as De­mo­cra­ci­as Mor­rem, de Ste­ven Le­vitsky e Da­ni­el Zi­blatt, mos­tra que o ata­que à li­su­ra das elei­ções é uma ca­rac­te­rís­ti­ca co­mum a vá­ri­os po­lí­ti­cos, de es­quer­da ou de di­rei­ta, em paí­ses de­sen­vol­vi­dos ou em de­sen­vol­vi­men­to, que pas­sa­ram a mi­nar as ins­ti­tui­ções. Bol­so­na­ro dis­se, na mes­ma trans­mis­são ao vi­vo, que vai mu­dar o sis­te­ma de vo­ta­ção se elei­to, dei­xan­do em aber­to que for­ma­to se­ria es­se.

Pa­ra­le­la­men­te ao cli­ma de des­con­fi­an­ça e de­sin­for­ma­ção quan­to à re­gu­la­ri­da­de do plei­to que pro­va­vel­men­te irá con­du­zi-lo ao Pla­nal­to, o can­di­da­to in­ves­te em ca­rac­te­ri­zar a im­pren­sa co­mo ad­ver­sá­ria ou ini­mi­ga. Por mais que ali­a­dos se­jam ins­ta­dos a evi­tar fa­lar com os jor­na­lis­tas, é um mis­to de in­ge­nui­da­de e, de no­vo, ar­ro­gân­cia achar que is­so se­rá o bas­tan­te pa­ra que os veí­cu­los dei­xem de in­ves­ti­gar, cobrar pro­pos­tas, co­te­jar pro­gra­mas, es­cru­ti­nar o pas­sa­do dos can­di­da­tos (e dos elei­tos), apon­tar in­con­gruên­ci­as e contradições, es­miu­çar os bas­ti­do­res, de­nun­ci­ar abusos.

É is­so que a im­pren­sa li­vre e pro­fis­si­o­nal faz, e os ati­vis­tas de re­des so­ci­ais não. Não res­ta ou­tro ca­mi­nho den­tro dos mar­cos do es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to a não ser já ir res­pei­tan­do.

O slo­gan mar­te­la­do por apoi­a­do­res de Bol­so­na­ro é um bom pon­to de par­ti­da pa­ra ele

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.