O per­fu­me

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Le­an­dro Kar­nal

Aro­mas têm o dom de se­rem lem­bre­tes si­len­ci­o­sos, in­vi­sí­veis e po­de­ro­sos. É o gri­to-mu­do mais no­tá­vel que eu co­nhe­ço.

Quan­do li o ro­man­ce de Pa­trick Süs­kind (O Per­fu­me), ti­ve a sen­sa­ção de que meu ol­fa­to cres­ceu a pon­to de eu per­ce­ber mais de­ta­lhes de fra­grân­ci­as ao fi­nal da lei­tu­ra. O fil­me não me cau­sou o mes­mo im­pac­to, mas o li­vro vi­rou uma aven­tu­ra de me­mó­ri­as com chei­ros, a clás­si­ca evo­ca­ção si­nes­té­si­ca. Pas­sei mui­to tem­po sen­tin­do ter mai­or cons­ci­ên­cia ol­fa­ti­va.

Na­riz é um fenô­me­no cul­tu­ral. Os ho­mens da cor­te de Luís XV, lem­bra o au­tor ci­ta­do, fe­di­am co­mo ca­dá­ve­res. Nin­guém pa­re­cia se im­por­tar com a pes­ti­lên­cia nau­se­a­bun­da de Ver­sa­lhes. O pro­ta­go­nis­ta ma­lé­vo­lo do ro­man­ce usa da ca­pa­ci­da­de de um na­riz ab­so­lu­to pa­ra ex­plo­rar afe­tos e con­tro­lar pes­so­as. Ain­da te­nho sau­da­des da lei­tu­ra do texto que evo­quei quan­do vi­si­tei lo­jas de per­fu­mes ar­te­sa­nais em Ve­ne­za. To­da es­sên­cia é um pas­sa­por­te ca­rim­ba­do pa­ra a ima­gi­na­ção.

O li­vro di­ver­ti­do de di­vul­ga­ção de Kathe­ri­ne Ashen­burg (Pas­san­do a lim­po – O ba­nho da Ro­ma an­ti­ga até ho­je) mos­tra uma his­tó­ria cul­tu­ral do ba­nho e dos equi­pa­men­tos de ba­nhei­ro. Pas­sar água so­bre o cor­po di­a­ri­a­men­te foi, por sé­cu­los, há­bi­to de­sa­con­se­lha­do por mé­di­cos. Era con­si­de­ra­do pe­ri­go­so ba­nhar-se com frequên­cia.

Há po­vos mais ob­ses­si­vos pe­lo ba­nho, ou­tros me­nos. Nós bra­si­lei­ros, na mé­dia, so­mos mui­to li­ga­dos ao há­bi­to. Há qua­se 30 anos, fa­zen­do pes­qui­sa em Se­vi­lha, com ca­lor de 45 graus o dia to­do em ju­lho, eu to­ma­va ba­nho ao sair e ao me dei­tar. A do­na da pen­são sim­ples on­de eu es­ta­va per­gun­tou-me se eu ti­nha uma do­en­ça e eu ex­pli­quei que sim, que eu so­fria de mal atroz, e in­cu­rá­vel: “Eu fe­do, se­nho­ra”. Eu sei, pa­ra al­guns gra­má­ti­cos, fe­der é de­fec­ti­vo e não se con­ju­ga na pri­mei­ra pes­soa. Da mi­nha par­te, con­si­de­ro o ver­bo que mais pre­ci­sa da pri­mei­ra pes­soa em to­da a lín­gua por­tu­gue­sa.

O na­riz é cul­tu­ral e cro­no­ló­gi­co. Per­fu­mes que mi­nha avó e mãe gos­ta­ram mui­to, ho­je, pro­va­vel­men­te, se­ri­am con­si­de­ra­dos do­ces de­mais. O ex­ces­so de per­fu­me é, ho­je, mais vi­sa­do do que ou­tro­ra. Uma co­le­ga pro­fes­so­ra se afo­ga­va em uma es­sên­cia que lem­bra­va me­lan­cia um pou­co pas­sa­da. Sua pre­sen­ça era sen­ti­da mui­to an­tes de ser vis­ta. As ge­ra­ções atu­ais pa­re­cem pre­fe­rir chei­ros ama­dei­ra­dos ou cí­tri­cos.

Aro­mas têm o dom de se­rem lem­bre­tes si­len­ci­o­sos, dis­cre­tos, in­vi­sí­veis e po­de­ro­sos sem­pre. An­do pe­la rua dis­traí­do e, de re­pen­te, do na­da, sou to­ma­do pe­lo per­fu­me da da­ma­da-noi­te e pa­ro pa­ra lo­ca­li­zar a plan­ta. É o gri­to-mu­do mais no­tá­vel que eu co­nhe­ço.

Na­riz é cul­tu­ral, cro­no­ló­gi­co e, igual­men­te, so­ci­al. Ca­da chei­ro in­di­ca uma ori­gem na pi­râ­mi­de de ren­da. Chá bran­co com um to­que de âm­bar: vo­cê tem dinheiro há vá­ri­as ge­ra­ções. Al­fa­ze­mas in­ten­sas com jas­mins mar­can­tes: sua ren­da é me­nor.

Per­fu­mes são as­si­na­tu­ras pes­so­ais. Vo­cê sen­te um aro­ma úni­co, de­li­ci­o­so, ine­bri­an­te em al­guém. Per­gun­ta o no­me do per­fu­me, re­gis­tra e com­pra. Ao pas­sar em vo­cê, des­co­bre que a ra­ra com­bi­na­ção quí­mi­ca com sua pe­le pro­duz al­go in­su­por­tá­vel.

Chei­ros são me­mó­ri­as. Os cor­re­do­res do co­lé­gio São Jo­sé da mi­nha in­fân­cia sem­pre re­cen­di­am a pão sen­do as­sa­do pe­las fran­cis­ca­nas. No dia em que en­ter­rei mi­nha mãe, dor­mi na ca­ma de­la abra­ça­do ao tra­ves­sei­ro. Era o úni­co lu­gar que o chei­ro de­la ain­da exis­tia. Foi uma ce­rimô­nia de adeus na­sal.

Mar­cel Proust cri­ou a mais evo­ca­ti­va ce­na de si­nes­te­sia da his­tó­ria li­te­rá­ria no ro­man­ce Em Bus­ca do Tem­po Per­di­do, na qu­al a per­so­na­gem to­ma chá de tí­li­as e mor­de bo­li­nhos Ma­de­lei­ne, evo­can­do mui­tas me­mó­ri­as.

Meus olhos pi­o­ram ano a ano. Meu na­riz in­sis­te em fi­car mais sen­sí­vel. Os chei­ros que eu amo co­mo a manga ou o ca­fé pa­re­cem ho­je mais in­ten­sos. Os chei­ros ruins fi­ca­ram mais in­su­por­tá­veis. O odor mo­fa­do com uma “ho­la” de áca­ros é uma po­ro­ro­ca so­bre mi­nha ri­ni­te. O abra­ço em al­guém inun­da­do de sân­da­lo ou de ou­tro chei­ro for­te é acom­pa­nha­do de es­pir­ro in­vo­lun­tá­rio, por ve­zes in­con­tro­lá­vel, so­bre a ví­ti­ma per­fu­ma­da.

A san­ti­da­de, diz a tradição ca­tó­li­ca, po­de ser acom­pa­nha­da do aro­ma de ro­sas. Ro­sa tem um chei­ro per­fei­to na flor, po­rém, re­ti­ra­da a es­sên­cia da ori­gem ve­ge­tal, sem­pre cor­re ris­cos de ex­ces­so ou vul­ga­ri­da­de. A san­ti­da­de po­de­ria ter chei­ro de chá bran­co, um to­que de romã, ares de lim­pe­za pro­fun­da fei­ta com água e cla­ri­da­de do sol ilu­mi­nan­do um aro­ma só per­ce­bi­do em uma se­gun­da as­pi­ra­da. O in­fer­no tem o fe­dor sul­fú­reo e sua su­cur­sal é um me­trô em al­guns lu­ga­res do ex­te­ri­or, fim de tar­de de ve­rão, com po­vos me­nos afei­tos ao pudor da as­sep­sia.

Be­bês são ci­clo­tí­mi­cos... em con­di­ções usu­ais de tem­pe­ra­tu­ra e pres­são têm um chei­ro in­con­fun­dí­vel e agra­dá­vel. De re­pen­te, uma es­pre­mi­da aqui e ou­tra aco­lá, um som ne­fan­do e o chei­ro maravilhoso do in­fan­te vira hor­ror ab­so­lu­to. Co­mo po­dem in­ge­rir pa­pi­nhas de ma­çã per­fu­ma­das e ex­pe­li­rem aqui­lo? Que pro­ces­sos ocor­rem na­que­les de­li­ca­dos e recém-inau­gu­ra­dos trâ­mi­tes in­tes­ti­nais com tal po­der alquí­mi­co? Ato con­tí­nuo, a mãe ou o pai ze­lo­sos res­tau­ram a or­dem no ca­os ol­fa­ti­vo, lim­pam, hi­dra­tam, tro­cam, per­fu­mam e o ser vol­ta a as­su­mir o aro­ma de um pe­que­no an­jo ce­les­te, sor­ri­den­te e eté­reo.

O mun­do tem sons, co­res, tex­tu­ras, gos­tos e chei­ros va­ri­a­dos. A ma­ra­vi­lho­sa má­qui­na do cor­po hu­ma­no dis­tin­gue in­fi­ni­da­des de es­tí­mu­los e re­cria ca­da um a par­tir de me­mó­ri­as cri­a­das e in­ven­ta­das. Per­fu­mes bons são es­tra­das de me­mó­ria. Me­mó­ri­as têm odor. Qu­al seu odor pre­fe­ri­do? Bom do­min­go pa­ra to­dos nós.

To­da es­sên­cia é um pas­sa­por­te ca­rim­ba­do pa­ra a ima­gi­na­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.