Re­cur­sos pa­ra o sa­ne­a­men­to

O Estado de S. Paulo - - Notas E Informações -

Ade­ci­são do Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES) de au­men­tar o li­mi­te pa­ra o fi­nan­ci­a­men­to de pro­je­tos na área de sa­ne­a­men­to bá­si­co con­tri­bui pa­ra ame­ni­zar uma das prin­ci­pais di­fi­cul­da­des que vêm re­tar­dan­do o cum­pri­men­to das me­tas do Pla­no Na­ci­o­nal de Sa­ne­a­men­to Bá­si­co (Plan­sab). Cri­a­do em 2013, o pla­no pre­via que até 2033 o Bra­sil de­ve­ria al­can­çar a uni­ver­sa­li­za­ção dos ser­vi­ços de abas­te­ci­men­to de água po­tá­vel, de co­le­ta e tra­ta­men­to de es­go­to sa­ni­tá­rio, de ma­ne­jo dos re­sí­du­os só­li­dos e de dre­na­gem de águas plu­vi­ais. Pa­ra al­can­çar es­sa meta, fo­ram es­ti­ma­dos in­ves­ti­men­tos anu­ais de cer­ca de R$ 20 bi­lhões. A mé­dia dos in­ves­ti­men­tos efe­ti­vos nos úl­ti­mos anos, po­rém, mal tem al­can­ça­do a me­ta­de des­se va­lor, o que in­di­ca gran­de ne­ces­si­da­de de novas apli­ca­ções, as qu­ais es­tão em boa par­te con­di­ci­o­na­das à dis­po­ni­bi­li­da­de de fi­nan­ci­a­men­tos pa­ra pro­je­tos na área.

O BNDES ele­va­rá de 80% pa­ra 95% do va­lor do pro­je­to o li­mi­te de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra sa­ne­a­men­to bá­si­co. Des­se mo­do, es­ten­de pa­ra to­dos os pro­je­tos de sa­ne­a­men­to a me­di­da que ha­via apli­ca­do, em ju­nho pas­sa­do, aos pro­je­tos in­cluí­dos no pro­gra­ma Avan­çar Ci­da­des – Sa­ne­a­men­to, cri­a­do pe­lo Mi­nis­té­rio das Ci­da­des pa­ra fi­nan­ci­ar pro­je­tos na área. Tam­bém fo­ram es­ten­di­das pa­ra os de­mais con­tra­tos as van­ta­gens que já se apli­ca­vam a fi­nan­ci­a­men­tos a pro­je­tos do Avan­çar Ci­da­des. As ope­ra­ções te­rão ju­ros de 0,9% (pa­ra obras de es­go­to) e 1,3% ao ano (pa­ra obras de água), mais a Ta­xa de Lon­go Prazo (TLP). Tam­bém o prazo pa­ra a qui­ta­ção do em­prés­ti­mo es­tá en­tre os me­lho­res ofe­re­ci­dos pe­lo BNDES.

Se­gun­do o ban­co, era gran­de o nú­me­ro de em­pre­sas pri­va­das in­te­res­sa­das em ob­ter fi­nan­ci­a­men­tos pa­ra pro­je­tos de sa­ne­a­men­to bá­si­co, mas que não dis­pu­nham de 20% de ca­pi­tal pró­prio pa­ra exe­cu­tá-los, co­mo se exi­gia até ago­ra. Por is­so, de­ve ha­ver au­men­to ex­pres­si­vo no to­tal dos em­prés­ti­mos. Há al­guns me­ses, o ban­co pre­via que o vo­lu­me de fi­nan­ci­a­men­tos pa­ra o sa­ne­a­men­to bá­si­co nes­te ano che­ga­ria a R$ 1,5 bi­lhão, o do­bro dos R$ 725 mi­lhões li­be­ra­dos em 2017. As novas re­gras po­de­rão acres­cen­tar R$ 2 bi­lhões ao vo­lu­me anu­al de ope­ra­ções. Tam­bém a Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral é atu­an­te nes­se seg­men­to.

O fi­nan­ci­a­men­to é con­si­de­ra­do fun­da­men­tal pa­ra a exe­cu­ção de obras de sa­ne­a­men­to bá­si­co, pois elas exi­gem in­ves­ti­men­tos pe­sa­dos na pri­mei­ra fa­se, mas os con­tra­tos de con­ces­são são de lon­go prazo, po­den­do che­gar a 30 anos.

Novas re­gras têm es­ti­mu­la­do in­ves­ti­do­res pri­va­dos a atu­ar na pres­ta­ção de ser­vi­ços pú­bli­cos de sa­ne­a­men­to bá­si­co. Com a vin­da des­ses in­ves­ti­do­res, en­tre eles gran­des cor­po­ra­ções in­ter­na­ci­o­nais, es­pe­ra-se que mais re­cur­sos se­jam apli­ca­dos nes­se se­tor ain­da mui­to ca­ren­te.

O atra­so na exe­cu­ção de pro­je­tos de sa­ne­a­men­to con­de­na mi­lhões de bra­si­lei­ros a vi­ve­rem em con­di­ções ina­de­qua­das. A fal­ta de re­de de água tra­ta­da e de sis­te­ma de co­le­ta de es­go­tos pro­pi­cia a pro­li­fe­ra­ção de di­ver­sas mo­lés­ti­as, pre­ju­di­can­do prin­ci­pal­men­te a po­pu­la­ção in­fan­til. Le­van­ta­men­tos re­cen­tes mos­tram que, dos 5.570 mu­ni­cí­pi­os do País, ape­nas cer­ca de 1,6 mil dis­põe do ser­vi­ço de tra­ta­men­to de es­go­to. São cer­ca de 100 mi­lhões de pes­so­as sem aces­so a co­le­ta de es­go­to e mais 35 mi­lhões sem dis­por de água po­tá­vel. Se o Plan­sab es­ti­ves­se sen­do exe­cu­ta­do de acor­do com o cro­no­gra­ma ela­bo­ra­do quan­do de sua apro­va­ção, ho­je 93% da po­pu­la­ção já te­ria aces­so a água tra­ta­da e 76%, a co­le­ta de es­go­to.

A cri­se cau­sa­da pe­la ir­res­pon­sá­vel po­lí­ti­ca econô­mi­ca do go­ver­no Dil­ma Rous­seff foi par­ti­cu­lar­men­te no­ci­va pa­ra o sa­ne­a­men­to bá­si­co. Os in­ves­ti­men­tos na área, que já eram in­su­fi­ci­en­tes, caí­ram em mé­dia 9% ao ano en­tre 2014 e 2016, quan­do a re­ces­são foi mais agu­da. Fa­zer avan­çar os pro­je­tos já de­ci­di­dos pe­los in­ves­ti­do­res pri­va­dos e es­ti­mu­lar a en­tra­da de no­vos par­ti­ci­pan­tes no se­tor, in­dis­pen­sá­vel pa­ra o cum­pri­men­to das me­tas do Plan­sab, exi­gi­rão do pró­xi­mo go­ver­no pe­lo me­nos a ma­nu­ten­ção de re­gras ade­qua­das e cla­ras pa­ra as con­ces­sões dos sis­te­mas de sa­ne­a­men­to bá­si­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.