À luz do Brexit

Fran­ça atrai­rá ban­cos obri­ga­dos a sair de Lon­dres.

O Estado de S. Paulo - - Internacional - An­drei Net­to

Pa­ris es­tá a um pas­so de se tor­nar o no­vo cen­tro do mer­ca­do fi­nan­cei­ro na Eu­ro­pa con­ti­nen­tal, após o Brexit, o di­vór­cio en­tre Lon­dres e Bru­xe­las. Pon­to for­te da eco­no­mia do Rei­no Uni­do, a City co­me­ça a vi­ver os efei­tos dra­má­ti­cos da se­pa­ra­ção. Mais de 5 mil pos­tos de tra­ba­lho em ban­cos, se­gu­ra­do­ras e fun­dos de in­ves­ti­men­to de­ve­rão ser fe­cha­dos em Lon­dres e trans­fe­ri­dos pa­ra a ca­pi­tal fran­ce­sa e Frank­furt, na Ale­ma­nha, já a par­tir de 29 de mar­ço, quan­do a se­pa­ra­ção se­rá con­fir­ma­da.

Pa­ra o go­ver­no bri­tâ­ni­co, as per­das de­cor­ren­tes da mi­gra­ção de­vem che­gar a ¤ 82 bi­lhões (R$ 359 bi­lhões) só em im­pos­tos so­bre ser­vi­ços fi­nan­cei­ros que dei­xa­rão de exis­tir.

Pa­ra po­der ne­go­ci­ar com o “pas­sa­por­te fi­nan­cei­ro” da União Eu­ro­peia – a au­to­ri­za­ção pa­ra que em­pre­sas de fi­nan­ças atu­em no blo­co –, ban­cos, se­gu­ra­do­ras e fun­dos de in­ves­ti­men­to pre­ci­sam es­tar si­tu­a­dos em um país-mem­bro, con­di­ção que o Rei­no Uni­do aban­do­na­rá em ca­so de con­fir­ma­ção do Brexit.

A ques­tão é cru­ci­al pa­ra a re­le­vân­cia do mer­ca­do lon­dri­no por­que 20% da re­cei­ta das ins­ti­tui­ções vem da ven­da de seus pro­du­tos fi­nan­cei­ros no Es­pa­ço Econô­mi­co Eu­ro­peu (EEE), que se­rá aban­do­na­do por Lon­dres com o di­vór­cio. Des­de que o ple­bis­ci­to ocor­reu, em ju­nho de 2016, au­to­ri­da­des bri­tâ­ni­cas lu­tam pa­ra não per­der ins­ti­tui­ções financeiras e pos­tos de tra­ba­lho. Pa­ris e Frank­furt dis­pu­tam o es­pó­lio.

Des­de que atraiu a Au­to­ri­da­de Ban­cá­ria Eu­ro­peia (EBA), cu­ja se­de se si­tu­a­va em Lon­dres, a Fran­ça te­ria si­do es­co­lhi­da pe­lo ges­tor de fun­dos BlackRock e pe­lo JP Mor­gan Cha­se, se­gun­do o jor­nal bri­tâ­ni­co Fi­nan­ci­al Ti­mes, e es­ta­ria per­to de con­fir­mar a trans­fe­rên­cia de efe­ti­vos do Bank of Ame­ri­ca e do Ci­ti­group pa­ra Pa­ris. No­mu­ra, Mor­gan Stan­ley, Gold­man Sa­chs e Wells Far­go são ou­tros exem­plos de ins­ti­tui­ções que se pre­pa­ram pa­ra uma trans­fe­rên­cia par­ci­al pa­ra Pa­ris.

Con­ta­ta­das pe­lo Es­ta­do, ins­ti­tui­ções financeiras que es­ta­ri­am

dei­xan­do Lon­dres ale­gam que não po­dem se pro­nun­ci­ar em ra­zão das negociações do Brexit ain­da em cur­so, mas as transferências são da­das co­mo cer­tas ou bem en­ca­mi­nha­das no meio pa­ri­si­en­se.

Mais de 70 em­pre­sas de ges­tão de ati­vos, gran­des ou pe­que­nas, já pe­di­ram au­to­ri­za­ção da EBA pa­ra atu­ar a par­tir de Pa­ris. E da­dos di­vul­ga­dos na se­ma­na pas­sa­da pe­lo se­cre­tá­rio bri­tâ­ni­co do Tesouro, John Glen, con­fir­mam os prog­nós­ti­cos mais som­bri­os pre­vis­tos pe­lo Ban­co da In­gla­ter­ra – o ban­co cen­tral bri­tâ­ni­co. De acor­do com a au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria, no pri­mei­ro dia após o des­li­ga­men­to do Rei­no Uni­do da União Eu­ro­peia 5 mil em­pre­gos te­rão si­do fe­cha­dos pe­las ins­ti­tui­ções na City.

Reu­ni­das, as mai­o­res em­pre­sas financeiras em Lon­dres so­mam 15 mil tra­ba­lha­do­res.

Cen­tro de tra­ding. Nes­se ce­ná­rio, a dis­pu­ta en­tre Pa­ris e Frank­furt pe­la “he­ran­ça” de Lon­dres co­me­ça a se in­cli­nar em fa­vor da ca­pi­tal fran­ce­sa, que ten­de tam­bém a se trans­for­mar na “ca­pi­tal das fi­nan­ças” da Eu­ro­pa. Se­gun­do o Fi­nan­ci­al Ti­mes, “Pa­ris es­tá a um pas­so de triun­far co­mo o cen­tro de tra­ding da Eu­ro­pa pós-Brexit”.

Nos úl­ti­mos me­ses, os si­nais des­sa tran­si­ção se mul­ti­pli­cam. De acor­do com o mo­ni­to­ra­men­to cri­a­do pe­la con­sul­to­ria em ad­mi­nis­tra­ção Sia Part­ners, Frank­furt es­ta­ria fi­can­do pa­ra trás na es­co­lha das di­re­ções de em­pre­sas de fi­nan­ças. Até aqui, a con­sul­to­ria agre­ga 2.482 pos­tos de tra­ba­lho em cur­so de mu­dan­ça pa­ra Pa­ris e 1.946 pa­ra a ci­da­de ale­mã. Du­blin, na Ir­lan­da, com 903 pos­tos, é o ter­cei­ro des­ti­no pre­fe­ri­do, à fren­te de Ams­ter­dã, na Ho­lan­da, com 355 va­gas trans­fe­ri­das.

“Os ban­cos e ge­ren­tes de fun­dos ten­ta­rão con­cen­trar su­as ope­ra­ções de cor­re­ta­gem em um úni­co lo­cal da União Eu­ro­peia”, en­ten­de Ch­ris­ti­an Noyer, ex-pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral da Fran­ça e ho­je um

dos lí­de­res da cam­pa­nha em fa­vor de Pa­ris. “Is­so não sig­ni­fi­ca que Lon­dres não se­rá o mai­or cen­tro fi­nan­cei­ro. Mas Pa­ris po­de­ria se tor­nar o mai­or po­lo de cor­re­ta­gem da Eu­ro­pa Oci­den­tal.”

Eu­ro­pla­ce, o lobby pú­bli­co­pri­va­do que tra­ba­lha em fa­vor da di­vul­ga­ção da ca­pi­tal fran­ce­sa, pro­je­ta que 3,5 mil pos­tos de tra­ba­lho po­de­rão ser trans­fe­ri­dos de Lon­dres pa­ra Pa­ris, a mai­or par­te pa­ra o dis­tri­to de ne­gó­ci­os de La Dé­fen­se, na pe­ri­fe­ria oes­te pa­ri­si­en­se. Uma par­te do su­ces­so fran­cês diz res­pei­to ao re­pa­tri­a­men­to de pos­tos de tra­ba­lho aber­tos nas úl­ti­mas dé­ca­das por fi­li­ais de ins­ti­tui­ções do país em Lon­dres, ca­sos dos ban­cos BNP Pa­ri­bas, So­cié­té Gé­né­ra­le e Cre­dit Agri­co­le. HSBC tam­bém de­ci­diu re­for­çar seus efe­ti­vos na ca­pi­tal fran­ce­sa, que vai agre­gar ou­tros 200 tra­ba­lha­do­res na se­de da Au­to­ri­da­de Ban­cá­ria Eu­ro­peia.

“A che­ga­da des­sa ins­ti­tui­ção re­for­ça ain­da mais a po­si­ção de La Dé­fen­se co­mo ver­da­dei­ra por­ta de en­tra­da in­ter­na­ci­o­nal. Nos­sa po­lí­ti­ca em ma­té­ria de atra­ti­vi­da­de já vem dan­do fru­tos”, co­me­mo­ra Pa­trick De­ved­ji­an, pre­si­den­te do de­par­ta­men­to de Hauts-de-Sei­ne, on­de La Dé­fen­se se lo­ca­li­za.

CHAR­LES PLATIAU /REUTERS-8/11/2013

La Dé­fen­se. Es­ti­ma-se que 3,5 mil pos­tos de tra­ba­lho po­dem ser trans­fe­ri­dos pa­ra Pa­ris

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.