Réu pre­so por ter­ro­ris­mo diz que tra­ba­lha­va co­mo es­pião pa­ra a Abin

Re­de. Pre­so em ope­ra­ção da PF que li­gou 11 pes­so­as a ações ter­ro­ris­tas no Bra­sil usa em sua de­fe­sa re­la­tó­ri­os so­bre mu­çul­ma­nos e e-mails com aler­tas so­bre pos­sí­veis ex­tre­mis­tas; da­dos eram des­ti­na­dos à Agên­cia Bra­si­lei­ra de In­te­li­gên­cia, que evi­ta co­men­ta

O Estado de S. Paulo - - Internacional - Tu­lio Kru­se

Úni­co réu man­ti­do em prisão preventiva após a Ope­ra­ção Áti­la, que re­sul­tou na acu­sa­ção con­tra 11 pes­so­as de pro­mo­ver o ter­ro­ris­mo no Bra­sil, We­ling­ton Moreira de Car­va­lho diz em car­tas e de­poi­men­tos às au­to­ri­da­des, em sua de­fe­sa, que era co­la­bo­ra­dor da Agên­cia Bra­si­lei­ra de In­te­li­gên­cia (Abin). Ele man­ti­nha re­la­tó­ri­os em que des­cre­via ati­vi­da­des, reu­niões e opi­niões po­lí­ti­cas de mu­çul­ma­nos que fre­quen­ta­vam uma sa­la de oração no cen­tro do Rio.

No dia de sua prisão, 8 de de­zem­bro do ano pas­sa­do, We­ling­ton en­vi­ou men­sa­gens a um e-mail ins­ti­tu­ci­o­nal da Abin pe­din­do aju­da. Tam­bém man­da­va in­for­ma­ções a um ho­mem identificado em seu de­poi­men­to co­mo agen­te se­cre­to bra­si­lei­ro.

Em car­tas à fa­mí­lia e ao juiz fe­de­ral Al­de­ri­co Ro­cha Santos, da 5.ª Va­ra Fe­de­ral de Goi­â­nia, We­ling­ton diz que pas­sou a co­la­bo­rar com a Abin em 2014. Ele ci­ta um en­con­tro com dois agen­tes fe­de­rais, no qu­al fo­ram acer­ta­dos pa­ga­men­tos men­sais por in­for­ma­ções so­bre a co­mu­ni­da­de mu­çul­ma­na no Rio. Por meio do acor­do, ele vi­a­ja­ria du­as ve­zes de Ubá, em Mi­nas Ge­rais, on­de mo­ra­va, até o Rio de Ja­nei­ro. Es­sa co­la­bo­ra­ção com a Abin, se­gun­do o réu, ocor­reu de 2014 até maio de 2017. Em de­poi­men­to à Po­lí­cia Fe­de­ral, We­ling­ton tam­bém dis­se que re­ce­beu R$ 3 mil pa­ra abrir uma sa­la de oração no cen­tro da ca­pi­tal flu­mi­nen­se.

“Eu fui fun­da­men­tal pa­ra a se­gu­ran­ça da Co­pa bem co­mo tam­bém dos Jo­gos Olím­pi­cos. Não sou mu­çul­ma­no des­de 2014, mas fin­gia ser pa­ra co­la­bo­rar com a Abin”, es­cre­ve We­ling­ton nu­ma das car­tas ao juiz. Seu tra­ba­lho con­sis­ti­ria, de acor­do com ele, em mo­ni­to­rar pos­sí­veis ex­tre­mis­tas, es­pe­ci­al­men­te es­tran­gei­ros, tan­to na in­ter­net quan­to en­tre quem fre­quen­ta­va a sa­la de oração no Rio.

Con­sul­ta­da, a Abin dis­se que não co­men­ta­rá o ca­so. A re­por­ta­gem ten­tou lo­ca­li­zar a pes­soa iden­ti­fi­ca­da por We­ling­ton co­mo seu con­ta­to na agên­cia, por meio do mes­mo e-mail ao qu­al o réu en­vi­a­va in­for­ma­ções, mas não ob­te­ve res­pos­ta. A Pro­cu­ra­do­ria Re­gi­o­nal de Goiás (PRGO), que acu­sa We­ling­ton de pro­mo­ver ter­ro­ris­mo, dis­se que o pro­cu­ra­dor res­pon­sá­vel pe­lo ca­so es­tá de li­cen­ça e não fa­la­rá so­bre o as­sun­to.

A re­por­ta­gem do Es­ta­do leu re­la­tó­ri­os guar­da­dos por We­ling­ton com a des­cri­ção de reu­niões na sa­la de oração. Os textos fi­ca­ram gra­va­dos na li­xei­ra de um e-mail pes­so­al do réu. Es­ses re­la­tos fo­ram escritos en­tre agos­to de 2015 e ju­lho de 2016.

Os re­la­tos re­gis­tram dia, ho­rá­ri­os, lu­ga­res e no­mes de quem es­ta­va nas reu­niões. We­ling­ton des­cre­ve a opi­nião po­lí­ti­ca dos mu­çul­ma­nos, in­cluin­do ri­xas en­tre en­ti­da­des de di­fe­ren­tes seg­men­tos da re­li­gião – co­mo xi­i­tas, su­ni­tas e su­fis­tas. Te­le­fo­nes e en­de­re­ços de email dos en­vol­vi­dos tam­bém são re­gis­tra­dos.

“Muham­mad de Pe­tró­po­lis dis­se que tem dois ami­gos do Fa­ce­bo­ok que são do Es­ta­do Is­lâ­mi­co, um es­tá si­ti­a­do na Sí­ria e ou­tro no Ira­que, dis­se não tro­car con­ta­to com eles de ca­sa, mas dis­se que uma ho­ra iria fa­zer de uma lan­rou­se (sic)”, es­cre­veu, em fe­ve­rei­ro de 2016. “Ele dis­se que sou­be pe­la in­ter­net que o EI pa­ga US$ 1.500 por mês + ca­sa + co­mi­da + 4 mu­lhe­res. Dis­se que é mais do que ele ga­nha aqui no Bra­sil, mas não iria por cau­sa da fi­lha, fa­mí­lia.”

Em ou­tra men­sa­gem, ele es­cre­ve em abril de 2016: “Se­gun­do Ab­dul­lah, Pau­lo Oli­vei­ra

tem dois fi­lhos e es­tá de­sem­pre­ga­do. Ado­ra lan­ce de guerra e se­ria um po­ten­ci­al pró Es­ta­do Is­lâ­mi­co, ca­so ve­nha a se fa­na­ti­zar”. O co­men­tá­rio é so­bre um bra­si­lei­ro recém-con­ver­ti­do, ex-mi­li­tar que tam­bém ha­via tra­ba­lha­do co­mo sal­va-vi­das.

We­ling­ton tam­bém re­di­gia do­cu­men­tos com pre­vi­sões de des­pe­sas pa­ra si­tu­a­ções ex­cep­ci­o­nais. Um exem­plo é uma pá­gi­na com o tí­tu­lo “Jo­gos olím­pi­cos / Des­pe­sas e estrutura”,

que traz uma re­la­ção de gas­tos co­mo diá­ri­as, ali­men­ta­ção e trans­por­te por 25 di­as. Es­tão pre­vis­tos até pa­ga­men­tos a uma ba­bá que cui­da­ria da sua fi­lha en­quan­to es­ti­ves­se fo­ra de Ubá.

O úl­ti­mo item do or­ça­men­to pa­ra os Jo­gos Olím­pi­cos é um re­vól­ver. Diz o texto: “1 pis­to­la Glock 386 ou pon­to 40 + 1 pen­te re­ser­va e mais uma cai­xa de mu­ni­ção – is­so ca­so eu en­con­tre com um lo­bo pres­tes a dar o bo­te an­tes de vocês apa­re­ce­rem”.

O or­ça­men­to pre­vis­to pa­ra os Jo­gos foi cer­ca de R$ 14,5 mil.

Os re­la­tos fo­ram escritos em do­cu­men­tos no “dri­ve” da sua con­ta de e-mail co­mo ras­cu­nhos sem no­me. O Es­ta­do te­ve aces­so à con­ta com a aju­da da fa­mí­lia. Não há re­gis­tro do en­vio des­ses textos à Abin. Em uma con­ta de e-mail pa­ra­le­la à qu­al We­ling­ton ti­nha aces­so, ou­tras men­sa­gens que o réu en­vi­ou à agên­cia es­tão re­gis­tra­das.

Em 14 de ou­tu­bro de 2017, me­nos de dois me­ses an­tes de sua prisão, We­ling­ton en­vi­ou um email pa­ra Cláu­dio, no­me identificado nas car­tas e em seu de­poi­men­to co­mo seu prin­ci­pal con­ta­to na Abin. Se­gun­do ale­ga no de­poi­men­to à PF, Cláu­dio te­ria se ofe­re­ci­do pa­ra pa­gar por in­for­ma­ção ex­tra após os pa­ga­men­tos fi­xos te­rem si­do sus­pen­sos. O tí­tu­lo do e-mail de ou­tu­bro é: “Fal­so terrorista pre­so pe­la PF”. Na men­sa­gem, du­as fotos em ane­xo mos­tram um jo­vem da ci­da­de de Mon­jo­los, tam­bém al­vo da Ope­ra­ção Áti­la.

“Por fon­tes que eu con­sul­tei, ele q (sic) que­ria ir pra Sí­ria pq (sic) a mãe não da­va aten­ção e o pa­dras­to mal­tra­ta­va”, es­cre­veu Wel­ling­ton so­bre o jo­vem al­vo da ope­ra­ção. “Ele é maluco, não é terrorista. Tu­do men­ti­ra. Já ri pra ca­ram­ba do ví­deo que me man­da­ram da ar­te mar­ci­al de­le.” O jo­vem em ques­tão já ha­via si­do di­ag­nos­ti­ca­do com es­qui­zo­fre­nia e foi li­be­ra­do pe­la PF uma se­ma­na após a prisão.

A ir­mã de We­ling­ton, Erica Car­va­lho, man­dou men­sa­gens pa­ra a ou­vi­do­ria da Abin, pe­din­do aju­da. “A Abin não po­de in­ter­fe­rir na ques­tão, pois o pro­ces­so es­tá sob se­gre­do de Jus­ti­ça”, res­pon­deu a agên­cia, por e-mail.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.