Su­ni­ta con­ver­ti­do que ga­ran­te ter se afas­ta­do do Is­lã

Músico afir­ma que os mu­çul­ma­nos o con­de­na­vam por to­car em ban­das e di­zi­am que is­so era pe­ca­do

O Estado de S. Paulo - - Internacional -

As car­tas es­cri­tas na ca­deia por We­ling­ton Moreira de Car­va­lho, o úni­co réu co­nhe­ci­do que per­ma­ne­ce em prisão preventiva pe­la acu­sa­ção de pro­mo­ver gru­pos ter­ro­ris­tas no Bra­sil, des­cre­vem um afas­ta­men­to da re­li­gião ao lon­go dos anos. Em sua de­fe­sa, ele diz que não se con­si­de­ra­va mais mu­çul­ma­no des­de 2014. Da sua con­ver­são ao is­la­mis­mo su­ni­ta em 2002, con­ta que pas­sou pe­lo su­fis­mo – uma cor­ren­te eso­té­ri­ca do Is­lã – e pe­la sei­ta do San­to Dai­me até re­sol­ver abandonar a re­li­gião co­mo um to­do e se gui­ar por prin­cí­pi­os fi­lo­só­fi­cos.

Músico, We­ling­ton se mu­dou pa­ra a ci­da­de de Ubá, no su­des­te de Mi­nas Ge­rais, pa­ra tra­ba­lhar co­mo bai­xis­ta em ban­das da re­gião após se sen­tir iso­la­do pe­la co­mu­ni­da­de su­ni­ta no Rio de Ja­nei­ro. “É bem ver­da­de que en­tre 2002 e 2005 eu es­ta­va na dú­vi­da en­tre ser radical ou ser músico, mas gra­ças a Deus, pre­fe­ri a mú­si­ca”, ele es­cre­veu.

We­ling­ton diz que foi al­vo de crí­ti­cas dos mu­çul­ma­nos após to­car em mu­si­cais com te­mas cris­tãos. Che­gou a des­fi­lar na co­mis­são de fren­te da es­co­la de sam­ba Im­pé­rio Ser­ra­no com uma fantasia de São Jor­ge, em 2007. Ou­via que mú­si­ca era pe­ca­do e de­ve­ria abandonar a profissão, mas da­va pou­ca im­por­tân­cia aos con­se­lhos.

“Far­to de tan­tas crí­ti­cas, re­sol­vi me afas­tar do Is­lã su­ni­ta em 2009”, afir­ma. No in­te­ri­or de Mi­nas, ele di­vi­dia seu tem­po en­tre au­las em uma es­co­la de mú­si­ca e “bi­cos” co­mo se­gu­ran­ça e ins­ta­la­dor de alar­mes e câ­me­ras.

Cer­ca de um ano de­pois, ele se ma­tri­cu­lou em um cur­so de Li­cen­ci­a­tu­ra em So­ci­o­lo­gia com au­las à dis­tân­cia. Em seus emails es­tão gra­va­dos al­guns dos tra­ba­lhos aca­dê­mi­cos e co­mu­ni­ca­dos da en­ti­da­de. Nas car­tas, o réu con­ta que foi pre­so a um mês da sua for­ma­tu­ra. “A so­ci­o­lo­gia me dei­xou meio cé­ti­co em re­la­ção à re­li­gião”, con­ta.

Con­ver­sas vir­tu­ais, en­con­tra­das pe­la PF em seu ce­lu­lar e in­cluí­das nos au­tos, mos­tram pla­nos de re­cru­ta­men­to com a fi­na­li­da­de de trei­na­men­to pa­ra­mi­li­tar na re­gião Nor­te e de um ata­que em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. A po­lí­cia tam­bém achou ví­de­os em que We­ling­ton diz: “So­mos do Jihad, e va­mos bai­xar na di­re­ção do com­ba­te em no­me de Alá”.

“Vos­sa Ex­ce­lên­cia, is­so não pas­sa­va de ‘bra­va­ta’, até por­que não exis­tem con­di­ções financeiras nem know-how pa­ra tal em­pre­en­di­men­to”, res­pon­deu ao juiz na vi­de­o­con­fe­rên­cia, quan­do ques­ti­o­na­do so­bre as acu­sa­ções.

Na oi­ti­va, ele tam­bém dis­se ao ma­gis­tra­do que a prisão ace­le­rou um pro­ces­so de se­pa­ra­ção da sua mu­lher.

ARQUIVO PES­SO­AL

We­ling­ton. Músico foi pre­so em de­zem­bro de 2017

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.