Me­nor im­pos­to so­bre fortunas faz Ma­cron atrair ban­quei­ros

Crí­ti­cos di­zem que ações pa­ra atrair ins­ti­tui­ções financeiras re­sul­tam em per­da no po­der de com­pra dos mais po­bres

O Estado de S. Paulo - - Internacional -

Um dos prin­ci­pais atra­ti­vos da Fran­ça pa­ra “her­dar” par­te do es­pó­lio do mer­ca­do fi­nan­cei­ro do Rei­no Uni­do após a saí­da da União Eu­ro­peia é Em­ma­nu­el Ma­cron. Ex-ban­quei­ro do Roths­child, elei­to em maio de 2017, o pre­si­den­te fran­cês lan­çou uma ofen­si­va pa­ra mu­dar le­gis­la­ções, re­du­zir im­pos­tos so­bre fortunas e, com is­so, atrair a Pa­ris os exe­cu­ti­vos de gran­des ins­ti­tui­ções financeiras que te­mi­am a al­ta tri­bu­ta­ção.

Des­de que as­su­miu, Ma­cron en­vi­ou ao Par­la­men­to fran­cês pro­je­tos de re­for­mas que be­ne­fi­ci­a­ram os de­ten­to­res de gran­des fortunas. O Im­pos­to so­bre Fortuna, por exem­plo, dei­xou de exis­tir e foi subs­ti­tuí­do pe­lo Im­pos­to so­bre Fortuna Imo­bi­liá­ria, ex­cluin­do quem in­ves­te no mer­ca­do de ações.

Ou­tra lei, apro­va­da em ju­lho, pre­via in­cen­ti­vos fis­cais pa­ra quem de­ci­de se mu­dar pa­ra Pa­ris atraí­do por opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho. O texto pre­via até a cri­a­ção de es­co­las bi­lín­gues na re­gião de La Dé­fen­se, o dis­tri­to fi­nan­cei­ro nos ar­re­do­res da ca­pi­tal fran­ce­sa.

Ou­tra le­gis­la­ção re­cen­te é a Lei Pac­te, com me­di­das pa­ra fa­ci­li­tar o trâ­mi­te bu­ro­crá­ti­co de exe­cu­ti­vos que se mu­dam pa­ra Pa­ris. En­tre as me­di­das es­tão a re­du­ção de im­pos­tos. Além dos in­cen­ti­vos, a ca­pi­tal fran­ce­sa é vis­ta co­mo um cen­tro de cli­en­tes in­ter­na­ci­o­nais que pas­sam pe­la Eu­ro­pa.

As me­di­das to­ma­das pa­ra atrair o ca­pi­tal fi­nan­cei­ro a Pa­ris já sur­tem um efei­to co­la­te­ral. Um es­tu­do di­vul­ga­do na quin­ta-fei­ra pe­lo Ins­ti­tu­to de Po­lí­ti­cas Pú­bli­cas (IPP), con­cluiu que as úl­ti­mas re­for­mas re­a­li­za­das por Ma­cron re­sul­ta­rão em uma per­da de po­der de com­pra da or­dem de 0,5% a 1% pa­ra os 20% de fran­ce­ses mais po­bres, de ga­nho de cer­ca de 1% pa­ra os 60% das clas­ses mé­di­as, de per­da de 1% pa­ra os 20% mais ri­cos e ga­nho de 6% pa­ra o clu­be dos “ul­tra-ri­cos”, o 1% mais abas­ta­do na so­ci­e­da­de.

“Em­ma­nu­el Ma­cron es­co­lheu pri­o­ri­zar a ima­gem de uma Fran­ça pró-bu­si­ness, mas há ris­co de o cus­to ser ele­va­do”, ava­lia An­toi­ne Bo­zio, di­re­tor do ins­ti­tu­to, que lem­brou a pe­cha de “pre­si­den­te dos ri­cos”, atri­buí­da por seus opo­si­to­res.

“Ago­ra to­dos fo­cam na al­ta da ren­da dos mais abas­ta­dos. A re­jei­ção a es­sas me­di­das po­de­ria im­pe­dir o go­ver­no de le­var a ca­bo ou­tras re­for­mas es­tru­tu­rais ne­ces­sá­ri­as.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.