BOL­SO­NA­RIS­TAS CON­TRA O ‘MIMIMI’

Apoi­a­do­res re­jei­tam o ró­tu­lo de ‘fas­cis­tas’

O Estado de S. Paulo - - Política -

Age­ren­te de re­cur­sos hu­ma­nos Pris­ci­la Wil­bert, de 39 anos, diz ter co­lo­ca­do o Fa­ce­bo­ok no “mo­do so­ne­ca pa­ra não ler co­men­tá­ri­os de­sa­gra­dá­veis de elei­to­res do PT”. Ela tam­bém saiu de gru­pos de WhatsApp so­bre co­mu­ni­ca­ção não vi­o­len­ta e ve­ga­nis­mo por ter si­do cha­ma­da de ra­cis­ta. Ago­ra, Pris­ci­la con­ta que 90% dos seus ami­gos e co­nhe­ci­dos votam em Jair Bol­so­na­ro e que não per­de tem­po em con­ver­sar “com quem não qu­er es­cu­tar e é xi­i­ta”.

A re­por­ta­gem do Es­ta­do en­con­trou Pris­ci­la e ou­tros três elei­to­res de Jair Bol­so­na­ro (PSL): o em­pre­sá­rio Ro­gé­rio Wil­bert, de 49 anos, ma­ri­do de Pris­ci­la; o ana­lis­ta de sis­te­ma Vi­ní­cius Sou­za Di­a­man­ti­no, de 21; e o ge­ren­te de pro­je­tos Luciano Ra­mos Junior,

de 39. A con­ver­sa acon­te­ceu em um lu­gar de­fi­ni­do por eles: a pra­ça de ali­men­ta­ção de um shop­ping cen­ter de São Pau­lo.

Os ami­gos bol­so­na­ris­tas di­zem que o apoio ao can­di­da­to do PSL é um vo­to con­tra cor­rup­ção, va­lo­res dis­tor­ci­dos e o so­ci­a­lis­mo re­pre­sen­ta­do pe­lo PT. O me­do de uma “ve­ne­zu­e­li­za­ção” do Bra­sil tam­bém es­tá pre­sen­te – as­sim co­mo um sen­so de pa­tri­o­tis­mo.

“Qu­e­ro que a mi­nha fi­lha

apren­da a can­tar o Hi­no Na­ci­o­nal na es­co­la co­mo eu apren­di”, co­men­tou Pris­ci­la.

Na­da tem ir­ri­ta­do mais Luciano Ra­mos do que ser cha­ma­do de fas­cis­ta por elei­to­res de Haddad. “Quan­do fa­lam que a gen­te é fas­cis­ta, es­tá na ca­ra que não es­tu­da­ram, não sa­bem o que es­tão fa­lan­do e ( nem) se­quer sa­bem o que é o fas­cis­mo”, dis­se.

A ques­tão re­li­gi­o­sa tam­bém pa­re­ce im­por­tan­te pa­ra o gru­po de bol­so­na­ris­tas. Vi­ni­cius Sou­za Di­a­man­ti­no con­ta que, co­mo cris­tão evan­gé­li­co, não po­de se omi­tir – prin­ci­pal­men­te “pe­lo apoio à ide­o­lo­gia de gê­ne­ro” que o PT re­pre­sen­ta. Se­gun­do eles, o que exis­te con­tra Bol­so­na­ro é “mimimi”. “Eu so­fro pre­con­cei­to por ser li­be­ral, qua­se bran­co, ca­sa­do com uma mu­lher, cris­tão... Mi­nha mu­lher ga­nha mais do que eu, e eu acho fan­tás­ti­co”, afir­mou Ra­mos.

Pa­ra o gru­po, as po­lê­mi­cas em que o ca­pi­tão re­for­ma­do se en­vol­ve são “tur­bi­na­das” pe­los opo­si­to­res. “São coi­sas que meu pai fa­la­ria e que to­do mun­do ri. Não tem na­da de­mais”, dis­se.

‘Pa­tri­o­tis­mo’ • “Qu­e­ro que a mi­nha fi­lha apren­da a can­tar o Hi­no Na­ci­o­nal na es­co­la, co­mo eu apren­di.”

Pris­ci­la Wil­bert GE­REN­TE DE RE­CUR­SOS HU­MA­NOS

Pró-Bol­so­na­ro. Pa­ra gru­po, po­lê­mi­cas do can­di­da­to do PSL são ‘tur­bi­na­das’ por opo­si­to­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.