Ve­ra Magalhães

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - VE­RA MAGALHÃES E-MAIL: VE­RA.MAGALHAES@ES­TA­DAO.COM TWIT­TER: @VERAMAGALH­AES PO­LI­TI­CA.ES­TA­DAO.COM.BR/CO­LU­NAS/VE­RA-MAGALHAES/

Es­quer­da vai fi­car cor­ren­do atrás do ra­bo e es­pe­rar anos até vol­tar a ter ade­rên­cia na so­ci­e­da­de, pa­ra além das bo­lhas.

Opa­no­ra­ma das dis­pu­tas mu­ni­ci­pais mos­tra uma cons­tan­te de Nor­te a Sul do País: de­pois de 2018, a es­quer­da se­gue di­vi­di­da, com o PT in­sis­tin­do em trans­for­mar a sua es­tra­té­gia elei­to­ral de ago­ra e de da­qui a dois anos num tri­bu­nal so­bre as cul­pas pe­lo im­pe­a­ch­ment de Dil­ma Rous­seff e a pos­te­ri­or elei­ção de Jair Bol­so­na­ro – par­tin­do da pre­mis­sa, é cla­ro, que nem uma coi­sa nem ou­tra são sua pró­pria res­pon­sa­bi­li­da­de.

Por con­ta des­sa di­vi­são, ci­da­des co­mo For­ta­le­za e Re­ci­fe as­sis­tem a uma au­to­fa­gia do cha­ma­do cam­po pro­gres­sis­ta, abrin­do espaço pa­ra o cres­ci­men­to, ao me­nos tem­po­rá­rio, co­mo mos­tram as pes­qui­sas, de no­mes de cen­tro-di­rei­ta e di­rei­ta.

Ou­tras, co­mo São Pau­lo e Rio de Ja­nei­ro, as­sis­tem à pos­si­bi­li­da­de de a es­quer­da sim­ples­men­te fi­car de fo­ra da dis­pu­ta fi­nal por con­ta des­sa di­fi­cul­da­de de unir pro­pó­si­tos e agen­das.

O can­di­da­to pe­tis­ta em São Pau­lo, Jil­mar Tat­to, co­me­ça a sair do pe­lo­tão dos úl­ti­mos co­lo­ca­dos jus­ta­men­te quan­do se ini­ci­a­va um mo­vi­men­to in­ter­no pa­ra que de­sis­tis­se da can­di­da­tu­ra pa­ra apoi­ar Gui­lher­me Bou­los, do PSOL.

Era evi­den­te que um can­di­da­to pe­tis­ta em São Pau­lo não amar­ga­ria ín­di­ces tão bai­xos quan­do se tor­nas­se co­nhe­ci­do. Mas a ques­tão é ou­tra: qu­al o te­to pa­ra o par­ti­do na ci­da­de de­pois de ter per­di­do no pri­mei­ro tur­no quan­do go­ver­na­va a ca­pi­tal e, dois anos de­pois, Fer­nan­do Had­dad tam­bém ter si­do der­ro­ta­do em ter­ras pau­lis­ta­nas?

Is­so de­ve­ria ter le­va­do o PT a uma re­fle­xão pro­fun­da de seu pró­prio le­ga­do na­ci­o­nal e lo­cal, e a pro­por uma can­di­da­tu­ra que pu­des­se ser uma res­pos­ta a es­sas der­ro­tas, e não uma re­a­fir­ma­ção de tu­do que le­vou a elas, co­mo a de Tat­to.

Usar o plei­to de 2020, em ple­na pan­de­mia, com Jair Bol­so­na­ro ten­do cru­za­do to­dos os li­mi­tes dos ar­re­ga­nhos au­to­ri­tá­ri­os, pa­ra re­pi­sar as te­ses de que Dil­ma so­freu um gol­pe e Lu­la foi ti­ra­do do plei­to de for­ma ile­gí­ti­ma, co­mo fa­zem no­mes co­mo a pre­si­den­te da si­gla, Glei­si Hoff­mann, to­do san­to dia, é mos­trar que não se en­ten­deu na­da do ce­ná­rio de 2013 pa­ra cá e se quer dar mais uma chan­ce pa­ra Bol­so­na­ro.

O pre­si­den­te, ma­ro­ta­men­te, man­dou Pau­lo Gu­e­des sub­mer­gir até de­pois da elei­ção. Não quer ou­vir fa­lar em no­va CPMF até lá, por­que pen­sa em “var­rer o PT do ma­pa”, so­bre­tu­do no Nor­des­te.

A res­pos­ta da es­quer­da: bri­gar en­tre si em Es­ta­dos e ca­pi­tais que ho­je go­ver­na e ig­no­rar a pan­de­mia e a res­pon­sa­bi­li­da­de de Bol­so­na­ro so­bre ela. O que im­por­ta é uma dis­pu­ta par­ti­cu­lar pa­ra ver se se­rá o lu­lis­mo ou o ci­ris­mo a lar­gar na fren­te pa­ra 2022, ain­da que à cus­ta de re­du­ção do espaço na­ci­o­nal da es­quer­da co­mo um to­do.

Fi­ca evi­den­te que um cam­po po­lí­ti­co es­tá des­nor­te­a­do quan­do se vê, por exem­plo, que o fim de se­ma­na é to­ma­do por dois “atos”: de um la­do, os mo­vi­men­tos ne­gros “can­ce­lan­do” Fer­nan­do Had­dad por con­ta de uma pi­a­da sem gra­ça com su­pos­ta co­no­ta­ção ra­cis­ta – a des­pei­to do que o pe­tis­ta efe­ti­va­men­te te­nha fei­to co­mo mi­nis­tro, pre­fei­to ou aca­dê­mi­co em re­la­ção ao com­ba­te ao ra­cis­mo.

De ou­tro, uma cam­pa­nha vir­tu­al de mi­li­tan­tes pe­tis­tas pa­ra ba­nir do Twit­ter o jor­na­lis­ta Sa­mu­el Pan­cher – que nos úl­ti­mos me­ses tem fei­to um tra­ba­lho mui­to acu­ra­do de ex­por as ma­ze­las bol­so­na­ris­tas por meio de ví­de­os mos­tran­do o pre­si­den­te em to­do o seu es­plen­dor aten­ta­tó­rio à de­mo­cra­cia – só por­que ele “ou­sou” opi­nar que há tra­ços an­ti­de­mo­crá­ti­cos tam­bém no PT.

Com tal grau de in­ter­di­ção do espaço de dis­sen­so e ta­ma­nha in­ca­pa­ci­da­de de dis­cu­tir a sé­rio o lon­go e tor­tu­o­so ca­mi­nho que nos trou­xe até aqui, o cam­po que vai do cen­tro (que in­cor­re nos mes­mos er­ros e tem ain­da me­nos re­le­vân­cia) à es­quer­da vai fi­car cor­ren­do atrás do pró­prio ra­bo e es­pe­ran­do por anos até vol­tar a ter ade­rên­cia no con­jun­to da so­ci­e­da­de, pa­ra além das bo­lhas.

Es­quer­da se perde en­tre pul­ve­ri­za­ção de can­di­da­tu­ras e tri­bu­nal de 2016 e 2018

EDI­TO­RA DO BR PO­LÍ­TI­CO E APRE­SEN­TA­DO­RA DO PRO­GRA­MA RO­DA VI­VA, DA TV CUL­TU­RA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.