‘Bra­sil tra­ba­lhou pe­la que­da de Al­len­de’

Ana­lis­ta do Arquivo de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal, nos EUA, fala so­bre diá­lo­go en­tre Ni­xon e Mé­di­ci na Ca­sa Bran­ca, em 1971

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Pau­lo Be­ral­do

Se­gun­do o pes­qui­sa­dor Pe­ter Korn­bluh, o pre­si­den­te Mé­di­ci dis­se a Ri­chard Ni­xon que o lí­der chi­le­no “se­ria de­pos­to pe­los mes­mos mo­ti­vos de Goulart”.

“Salvador Al­len­de se­rá de­pos­to pe­los mes­mos mo­ti­vos que João Goulart foi de­pos­to no Bra­sil.” A fra­se não foi di­ta por um opo­si­tor chi­le­no, mas pe­lo pre­si­den­te do Bra­sil, Emí­lio Gar­ras­ta­zu Mé­di­ci, na Ca­sa Bran­ca, em con­ver­sa com o ame­ri­ca­no Ri­chard Ni­xon.

O ano era 1971 e Al­len­de, elei­to um ano an­tes, re­pre­sen­ta­va uma ame­a­ça aos in­te­res­ses dos EUA na Amé­ri­ca do Sul – o Chi­le era o pri­mei­ro país da re­gião a ele­ger um so­ci­a­lis­ta. Os do­cu­men­tos com diá­lo­go fo­ram di­vul­ga­dos em se­tem­bro pe­lo Arquivo de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal dos Es­ta­dos Uni­dos.

O con­jun­to de re­la­tó­ri­os, com o no­me de A Op­ção Ex­tre­ma: Der­ru­bar Al­len­de, mos­tra Ni­xon ofe­re­cen­do re­cur­sos ao Bra­sil, de­fen­den­do que os dois paí­ses ten­tem “pre­ve­nir no­vos Al­len­des e Cas­tros” e re­ve­lam um per­fil até en­tão pou­co co­nhe­ci­do da di­ta­du­ra bra­si­lei­ra in­ter­fe­rin­do na po­lí­ti­ca in­ter­na de ou­tros paí­ses (leia mais abai­xo).

“A nar­ra­ti­va tra­di­ci­o­nal de in­ter­ven­ção e gu­er­ra se­cre­ta na Amé­ri­ca La­ti­na se con­cen­tra nos EUA e na CIA, mas ope­ra­ções mi­li­ta­res se­cre­tas fo­ram re­a­li­za­das em no­me do po­vo bra­si­lei­ro sem o seu co­nhe­ci­men­to”, afir­ma o pes­qui­sa­dor Pe­ter Korn­bluh, que com­pi­la es­ses do­cu­men­tos no Chi­le e é o au­tor do li­vro Pi­no­chet: Os Ar­qui­vos Se­cre­tos, em en­tre­vis­ta ao Es­ta­dão.

• Qu­al foi o pa­pel do Bra­sil no gol­pe con­tra Al­len­de em 1973?

O re­gi­me mi­li­tar bra­si­lei­ro, agin­do de for­ma in­de­pen­den­te dos EUA, mas por mo­ti­vos se­me­lhan­tes, se­cre­ta­men­te in­ter­veio nos assuntos po­lí­ti­cos do Chi­le pa­ra pro­mo­ver um gol­pe con­tra o go­ver­no de­mo­cra­ti­ca­men­te elei­to de Al­len­de. Du­ran­te reu­nião na Ca­sa Bran­ca, Mé­di­ci dis­se a Ni­xon que “Al­len­de se­ria de­pos­to pe­los mes­mos mo­ti­vos que Goulart ha­via si­do de­pos­to no Bra­sil”. O pre­si­den­te per­gun­tou se Mé­di­ci acha­va que as For­ças Ar­ma­das chi­le­nas eram ca­pa­zes de der­ru­bar Al­len­de. Mé­di­ci res­pon­deu que sim, acres­cen­tan­do que o Bra­sil es­ta­va fa­zen­do in­ter­câm­bio de agen­tes com os chi­le­nos, e dei­xou cla­ro que o Bra­sil es­ta­va tra­ba­lhan­do pa­ra es­se fim.

• Há re­gis­tros dos con­ta­tos en­tre mi­li­ta­res bra­si­lei­ros e os ame­ri­ca­nos de­ta­lhan­do as ações?

Não sa­be­mos os de­ta­lhes dos con­ta­tos do Bra­sil e do apoio aos mi­li­ta­res chi­le­nos, à me­di­da que a cons­pi­ra­ção con­tra Al­len­de avan­ça­va. Ain­da não ob­ti­ve­mos ne­nhu­ma co­mu­ni­ca­ção se­cre­ta en­tre Henry Kis­sin­ger e o mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Gib­son Bar­bo­sa, ou o co­ro­nel Man­so Netto, que Ni­xon e Mé­di­ci de­sig­na­ram co­mo re­pre­sen­tan­tes pa­ra as men­sa­gens en­tre os dois so­bre ques­tões mui­to se­cre­tas, co­mo a cons­pi­ra­ção de gol­pe no Chi­le. Tam­bém não sa­be­mos se a ofer­ta de Ni­xon pa­ra for­ne­cer re­cur­sos se­cre­tos e ou­tras for­mas de as­sis­tên­cia pa­ra o es­for­ço do Bra­sil pa­ra fo­men­tar um gol­pe no Chi­le foi acei­ta e até que pon­to a in­te­li­gên­cia mi­li­tar bra­si­lei­ra e os agen­tes da in­te­li­gên­cia dos EUA co­or­de­na­ram su­as ações. Do­cu­men­tos re­la­ci­o­na­dos a es­sa his­tó­ria per­ma­ne­cem se­gre­dos de Es­ta­do.

• Mui­to se fala das in­ter­ven­ções dos EUA na re­gião, mas pou­co se fala do pa­pel do Bra­sil. Por quê?

Há mui­to mais a sa­ber so­bre o pa­pel in­ter­ven­ci­o­nis­ta do Bra­sil na re­gião du­ran­te a di­ta­du­ra mi­li­tar. Além do Chi­le, há a in­ter­ven­ção no Uru­guai, na Bo­lí­via e seu pa­pel nas si­nis­tras e as­sas­si­nas ope­ra­ções trans­fron­tei­ri­ças do Pla­no Con­dor. A nar­ra­ti­va de in­ter­ven­ção he­gemô­ni­ca e gu­er­ra se­cre­ta na Amé­ri­ca La­ti­na tem se con­cen­tra­do nos EUA e na CIA. Mas sem um re­gis­tro com­ple­to do exer­cí­cio he­gemô­ni­co de po­der pe­lo Bra­sil no Co­ne Sul, es­sa his­tó­ria per­ma­ne­ce­rá in­com­ple­ta. O aces­so aos ar­qui­vos de in­te­li­gên­cia bra­si­lei­ros é fun­da­men­tal.

• Por que o fo­co nos EUA?

Pri­mei­ro, os EUA me­re­cem ser de­nun­ci­a­dos por sua in­ter­ven­ção na Amé­ri­ca La­ti­na. O se­gun­do pon­to é que o sis­te­ma de li­ber­da­de de in­for­ma­ções nos EUA per­mi­tiu tor­nar pú­bli­cos inú­me­ros do­cu­men­tos. A his­tó­ria foi con­ta­da com ba­se nes­ses do­cu­men­tos, com fo­co nos EUA. Ar­qui­vos equi­va­len­tes de paí­ses co­mo Bra­sil con­ti­nu­am se­cre­tos ou tal­vez fo­ram destruídos. Há me­nos chan­ce de ana­li­sar e co­nhe­cer es­sa his­tó­ria, mas de ma­nei­ra len­ta ela es­tá emer­gin­do.

• O que pre­ci­sa ser con­ta­do?

A his­tó­ria com­ple­ta do pa­pel do Bra­sil no Chi­le não foi con­ta­da. Há al­guns his­to­ri­a­do­res que es­tão tra­ba­lhan­do nes­se as­sun­to, mas não têm aces­so aos do­cu­men­tos de in­te­li­gên­cia ou mi­li­ta­res. Não sa­be­mos em que grau os mi­li­ta­res bra­si­lei­ros es­ti­ve­ram em con­ta­to com ofi­ci­ais chi­le­nos após as elei­ções de Al­len­de (no­vem­bro de 1970). Não sa­be­mos quão lon­ge foi a co­la­bo­ra­ção após o en­con­tro com Ni­xon, em 1971. Não te­mos o arquivo ou a do­cu­men­ta­ção das ope­ra­ções do Bra­sil no Chi­le, na Bo­lí­via, no Uru­guai. O Bra­sil te­ve um pa­pel ati­vo de in­ter­ven­ci­o­nis­mo em sua po­lí­ti­ca ex­ter­na du­ran­te a di­ta­du­ra mi­li­tar, che­gan­do ao ní­vel de in­ter­fe­rir nos assuntos de ou­tros paí­ses.

• O que mais se sa­be da participaç­ão do Bra­sil no gol­pe no Chi­le?

A con­ver­sa de Ni­xon e Mé­di­ci ocor­re no fim de 1971. E o gol­pe foi em 1973. Ni­xon via a di­ta­du­ra no Bra­sil co­mo ali­a­da pa­ra sa­bo­tar o go­ver­no de Al­len­de des­de o iní­cio.

Um dia de­pois que Al­len­de che­gou ao po­der, em 6 de no­vem­bro de 1970, Ni­xon se en­con­tra com um ali­a­do da área de se­gu­ran­ça e diz que os EUA não po­dem per­mi­tir que Al­len­de con­si­ga cri­ar um mo­de­lo de go­ver­no. Diz que não era pa­ra se im­por­tar com o que as de­mo­cra­ci­as na Amé­ri­ca La­ti­na di­zi­am, e sim com o que Bra­sil e Ar­gen­ti­na di­zi­am. Acre­di­ta-se que o Bra­sil te­nha en­vi­a­do agen­tes pa­ra o Chi­le lo­go de­pois do gol­pe pa­ra in­ter­ro­gar e en­con­trar es­quer­dis­tas que fu­gi­ram do Bra­sil e es­ta­vam mo­ran­do no Chi­le du­ran­te o go­ver­no de Al­len­de. Há re­la­tos de pre­sos po­lí­ti­cos e tor­tu­ra­dos que fa­la­vam por­tu­guês.

• As pro­vas da atu­a­ção do Bra­sil fo­ram des­truí­das?

A nar­ra­ti­va pre­va­len­te é a que os mi­li­ta­res des­truí­ram os do­cu­men­tos da re­pres­são in­ter­na e das ope­ra­ções ex­ter­nas. Mui­tas di­ta­du­ras na Amé­ri­ca La­ti­na dis­se­ram is­so por anos co­mo for­ma de man­ter es­sa his­tó­ria lon­ge dos ci­da­dãos. Po­de ser que al­guns do­cu­men­tos te­nham si­do destruídos, mas é mui­to di­fí­cil aca­bar com to­dos. Há co­mu­ni­ca­ções com ou­tros paí­ses. Eles po­dem ter os re­gis­tros. Há tro­cas de con­ta­tos com ou­tras agên­ci­as e ins­ti­tui­ções do go­ver­no. O pa­pel do Bra­sil es­tá vin­do à to­na. Se­ria mui­to mais di­fí­cil que os lí­de­res atu­ais do Bra­sil fi­zes­sem es­se re­vi­si­o­nis­mo da his­tó­ria da di­ta­du­ra se to­dos os re­gis­tros da re­pres­são fos­sem

co­nhe­ci­dos.

• Ni­xon dis­se a Mé­di­ci que Bra­sil e EUA de­ve­ri­am evi­tar ‘no­vos Al­len­des e Cas­tros’. Qu­al o sig­ni­fi­ca­do des­sa de­cla­ra­ção?

Ni­xon via Mé­di­ci co­mo um ami­go, ali­a­do e co­la­bo­ra­dor em um es­for­ço com­par­ti­lha­do pa­ra con­ter as for­ças po­lí­ti­cas pro­gres­sis­tas na Amé­ri­ca La­ti­na e re­ver­ter a Re­vo­lu­ção Cu­ba­na. Ni­xon até re­co­nhe­ceu que os bra­si­lei­ros es­ta­vam me­lhor po­si­ci­o­na­dos do que os EUA pa­ra fa­zer avan­çar es­sa agen­da ge­o­po­lí­ti­ca. Ele dis­se a Mé­di­ci que “es­pe­ra­va que pu­dés­se­mos co­o­pe­rar es­trei­ta­men­te, pois ha­via mui­tas coi­sas que o Bra­sil, co­mo país sul-ame­ri­ca­no, po­de­ria fa­zer e os EUA não”.

• Que ou­tros in­dí­ci­os há da re­la­ção en­tre Mé­di­ci e Ni­xon?

O pre­si­den­te dos EUA fi­cou tão im­pres­si­o­na­do com es­ta no­va ali­an­ça di­plo­má­ti­ca que, após a reu­nião, en­vi­ou o ge­ne­ral Ver­non Wal­ters pa­ra rei­te­rar a Mé­di­ci que Ni­xon “es­ta­va mui­to im­pres­si­o­na­do com Mé­di­ci e en­can­ta­do com o re­la­ci­o­na­men­to que eles es­ta­be­le­ce­ram e a pro­xi­mi­da­de de seus pon­tos de vis­ta”. Du­ran­te a reu­nião, Ni­xon e Mé­di­ci dis­cu­ti­ram a der­ru­ba­da de Al­len­de, a con­trar­re­vo­lu­ção em Cu­ba, as ope­ra­ções con­tra o po­pu­lis­ta lí­der mi­li­tar do Pe­ru e o apoio ao no­vo re­gi­me mi­li­tar na Bo­lí­via, à me­di­da que ele se con­so­li­da­va. Os dois tam­bém dis­cu­ti­ram as ope­ra­ções po­lí­ti­cas se­cre­tas do Bra­sil pa­ra der­ro­tar a Fren­te Am­pla nas elei­ções de 1971 no Uru­guai. Ape­nas 11 di­as de­pois de se en­con­trar com Mé­di­ci, Ni­xon se en­con­trou com o pri­mei­ro-mi­nis­tro bri­tâ­ni­co, Edward He­ath, e dis­se a ele que o Bra­sil apoi­a­va os es­for­ços dos EUA pa­ra mi­nar Cu­ba e en­fra­que­cer a es­quer­da na Amé­ri­ca La­ti­na. “Nos­sa po­si­ção é apoi­a­da pe­lo Bra­sil, que é a cha­ve pa­ra o fu­tu­ro”, in­for­mou Ni­xon a He­ath. “Os bra­si­lei­ros aju­da­ram a frau­dar as elei­ções no Uru­guai.”

• O me­mo­ran­do so­bre a con­ver­sa de Ni­xon com o di­re­tor da CIA, Ri­chard Helms, é o úni­co re­gis­tro de um pre­si­den­te ame­ri­ca­no or­de­nan­do um gol­pe con­tra um lí­der elei­to. Qu­al é a im­por­tân­cia des­te do­cu­men­to pa­ra a his­tó­ria ame­ri­ca­na?

O me­mo­ran­do Helms é uma pro­va ca­bal de que a CIA é uma fer­ra­men­ta dos pre­si­den­tes pa­ra afir­mar sua von­ta­de im­pe­ri­al em ou­tras par­tes do mun­do – em paí­ses co­mo Chi­le, Bra­sil, Irã, Cu­ba, in­de­pen­den­te­men­te do di­rei­to in­ter­na­ci­o­nal, d dos prin­cí­pi­os de so­be­ra­nia e au­to­de­ter­mi­na­ção. An­tes do es­cân­da­lo da in­ter­ven­ção se­cre­ta da CIA no Chi­le, os pre­si­den­tes dos EUA se es­con­di­am atrás de um mu­ro de ne­ga­ção. Mas es­sas ne­ga­ções se tor­na­ram me­nos plau­sí­veis após a di­vul­ga­ção des­te do­cu­men­to que re­gis­tra as pa­la­vras da bo­ca do pre­si­den­te. Após o es­cân­da­lo do Chi­le, o Se­na­do dos EUA in­ves­ti­gou a his­tó­ria de má con­du­ta da CIA e a au­to­ri­za­ção pre­si­den­ci­al. O Con­gres­so apro­vou no­vos re­gu­la­men­tos so­bre ope­ra­ções se­cre­tas. Des­de en­tão, elas de­vem ser ini­ci­a­das por um me­mo­ran­do pre­si­den­ci­al for­mal, em­bo­ra se­cre­to, de no­ti­fi­ca­ção aos co­mi­tês de in­te­li­gên­cia do Con­gres­so.

THE NEW YORK TI­MES–9/9/2003

Dia do gol­pe. Usan­do um ca­pa­ce­te, Salvador Al­len­de en­tra no pa­lá­cio pre­si­den­ci­al, em San­ti­a­go, no dia 11 de se­tem­bro de 1973, pou­co an­tes de mor­rer

TOMAS MUNITA/THE NEW YORK TI­MES-8/9/2017

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.