O ris­co pós-co­vid

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - AN­TO­NIO CAR­LOS PE­REI­RA / DI­RE­TOR DE OPI­NIÃO

Ogo­ver­no es­tá en­cren­ca­do, com di­nhei­ro cur­to e gran­des em­prés­ti­mos per­to de ven­cer. Pas­sa­do o cho­que da pan­de­mia, os ob­je­ti­vos pes­so­ais do pre­si­den­te são a mai­or ame­a­ça às con­tas pú­bli­cas.

Ogo­ver­no es­tá en­cren­ca­do, com di­nhei­ro cur­to, gran­des em­prés­ti­mos per­to de ven­cer, Or­ça­men­to em­per­ra­do e dí­vi­da pú­bli­ca ba­ten­do em 100% do PIB. Os cre­do­res sa­bem dis­so, quem em­pres­ta ao Te­sou­ro exi­ge prê­mi­os mai­o­res e há for­tes si­nais de in­qui­e­ta­ção no mer­ca­do. Mas o pre­si­den­te, seus mi­nis­tros “po­lí­ti­cos” e os ali­a­dos pre­si­den­ci­ais pa­re­cem sur­dos e olham pa­ra ou­tro la­do, co­mo se fi­nan­ças pú­bli­cas fos­sem um as­sun­to abs­tru­so, abs­tra­to e mui­to dis­tan­te do dia a dia. Pi­or pa­ra o Bra­sil, es­se enor­me país em tor­no do Dis­tri­to Fe­de­ral. Quan­do um go­ver­no que­bra, a con­ta mais pesada – com de­sem­pre­go e ou­tros aper­tos – vai pa­ra quem ba­ta­lha du­ra­men­te pa­ra ga­ran­tir o fei­jão com ar­roz, o alu­guel, os ca­der­nos das cri­an­ças e al­gu­mas pres­ta­ções.

Dí­vi­das de R$ 643 bi­lhões, mais que o do­bro da mé­dia dos úl­ti­mos cin­co anos, de­vem ven­cer en­tre ja­nei­ro e abril. Em qua­tro me­ses se­rá pre­ci­so pa­gar 15,4% da dí­vi­da in­ter­na. Com gas­tos mui­to mai­o­res por cau­sa da pan­de­mia, o Exe­cu­ti­vo pre­ci­sou bus­car mais em­prés­ti­mos e pre­fe­riu ope­ra­ções com pra­zos mais cur­tos, pa­ra evi­tar ju­ros mai­o­res. Mas pra­zos mais cur­tos – e mui­to cur­tos, no ca­so bra­si­lei­ro – tor­nam a dí­vi­da mais pe­ri­go­sa. Em 2021 a eco­no­mia avan­ça­rá em mar­cha len­ta e is­so li­mi­ta­rá a ar­re­ca­da­ção, mas os gas­tos obri­ga­tó­ri­os con­ti­nu­a­rão em al­ta.

Pa­ra en­fren­tar o aper­to o Te­sou­ro te­rá de ir ao mer­ca­do, mas as con­di­ções pa­ra ro­lar a dí­vi­da e con­se­guir mais em­prés­ti­mos po­de­rão ser pi­o­res, se os fi­nan­ci­a­do­res ti­ve­rem me­nos con­fi­an­ça na sol­vên­cia do se­tor pú­bli­co. Si­nais de in­se­gu­ran­ça quan­to à evo­lu­ção das con­tas ofi­ci­ais têm si­do for­tes há al­guns me­ses. São per­cep­tí­veis nas os­ci­la­ções do mer­ca­do fi­nan­cei­ro, nas ad­ver­tên­ci­as de in­ves­ti­do­res e ana­lis­tas e na di­fi­cul­da­de cres­cen­te pa­ra co­lo­ca­ção de tí­tu­los fe­de­rais. O Ban­co Cen­tral (BC) tem di­ri­gi­do aler­tas fre­quen­tes ao Exe­cu­ti­vo, até ago­ra sem re­sul­ta­do.

As con­di­ções de fi­nan­ci­a­men­to po­de­rão piorar se as no­tas de cré­di­to do Bra­sil fo­rem re­bai­xa­das. Uma ad­ver­tên­cia ain­da su­a­ve par­tiu há pou­cos di­as da Mo­ody’s, uma das prin­ci­pais agên­ci­as de clas­si­fi­ca­ção. Ao de­ci­dir man­ter a no­ta, há al­guns me­ses, a agên­cia le­vou em con­ta as ne­ces­si­da­des de mai­o­res gas­tos e mais em­prés­ti­mos nes­te ano, mas com a con­di­ção de um es­for­ço de ajus­te lo­go em se­gui­da, dis­se na quar­ta-fei­ra a vi­ce-pre­si­den­te e ana­lis­ta da Mo­ody’s, Sa­mar Ma­zi­ad.

O Bra­sil es­tá dois ní­veis abai­xo do grau de in­ves­ti­men­to. As três mai­o­res agên­ci­as – Mo­ody’s, Fit­ch e Stan­dard & Po­or’s – ti­ra­ram o cha­ma­do se­lo de bom pa­ga­dor no fim do go­ver­no da pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff e de­pois ain­da vol­ta­ram a re­bai­xar a clas­si­fi­ca­ção do País. O Exe­cu­ti­vo de­ve­ria le­var a sé­rio o ris­co de um no­vo re­bai­xa­men­to.

Me­di­das elei­to­rei­ras, vol­ta­das pa­ra a dis­pu­ta de 2022, es­tão en­tre as pre­o­cu­pa­ções apon­ta­das por ana­lis­tas e in­ves­ti­do­res. A evi­den­te con­cen­tra­ção do pre­si­den­te na bus­ca da re­e­lei­ção jus­ti­fi­ca o te­mor. Além dis­so, a equi­pe econô­mi­ca se li­mi­ta a re­a­fir­mar a pro­mes­sa de re­to­mar o ajus­te fis­cal e man­ter a pau­ta de re­for­mas, sem apre­sen­tar um pro­gra­ma de ação. Não há pla­no de sus­ten­ta­ção da eco­no­mia nem si­nais de co­mo se pre­ten­de ar­ru­mar as fi­nan­ças pú­bli­cas.

A dí­vi­da ofi­ci­al, com mai­or pe­so e me­nor pra­zo, é, no en­tan­to, só uma par­te dos pro­ble­mas. O te­to de gas­tos pa­ra 2021 de­ve ser ba­se­a­do na in­fla­ção de 2,13% cor­res­pon­den­te aos 12 me­ses até ju­nho. Mas a al­ta de pre­ços ga­nhou im­pul­so e che­gou a 3,14% no pe­río­do ter­mi­na­do em se­tem­bro. Is­so afe­ta­rá, en­tre ou­tras va­riá­veis, a cor­re­ção do sa­lá­rio mí­ni­mo e au­men­ta­rá as pres­sões so­bre os gas­tos pú­bli­cos. Se­gun­do re­la­tó­rio do BTG Pac­tu­al ob­ti­do pe­lo Es­ta­dão/Bro­ad­cast, se­rá pre­ci­so cor­tar R$ 20 bi­lhões do gas­to fe­de­ral pa­ra evi­tar o es­tou­ro do te­to.

Par­te do au­men­to da in­fla­ção é atri­buí­vel ao dó­lar. Tam­bém is­so re­me­te à in­se­gu­ran­ça em re­la­ção às con­tas pú­bli­cas e à sol­vên­cia do Te­sou­ro, te­mas ob­vi­a­men­te li­ga­dos à cam­pa­nha pre­si­den­ci­al pe­la re­e­lei­ção. Pas­sa­do o cho­que da pan­de­mia, os ob­je­ti­vos pes­so­ais do pre­si­den­te são a mai­or ame­a­ça às con­tas pú­bli­cas do Bra­sil.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.