O Estado de S. Paulo

Com chei­as, den­gue e co­vid, Acre re­ce­be Bolsonaro

Di­re­to­ra des­ta­ca que ins­ti­tu­to sem­pre te­ve ex­per­ti­se; olhos ago­ra es­tão vol­ta­dos pa­ra so­ro de tra­ta­men­to da co­vid

- João Pra­ta Health · Medical Activism · Medicine · Science · Jair Bolsonaro · Peru · United States of America · Mary J. Blige · China · University of Sao Paulo · Sao Paulo

O pre­si­den­te Jair Bolsonaro de­ve vi­si­tar ama­nhã o Acre, cas­ti­ga­do por inundações que atin­gi­ram 150 mil pes­so­as. O Es­ta­do, que so­fre com fal­ta de lei­tos em ra­zão de den­gue e co­vid, ain­da es­tá en­vol­vi­do nu­ma cri­se mi­gra­tó­ria com hai­ti­a­nos que bus­cam cru­zar pa­ra o Pe­ru e che­gar aos EUA.

O Ins­ti­tu­to Bu­tan­tan com­ple­ta 120 anos ho­je, em mo­men­to de pro­fun­da trans­for­ma­ção. O de­sen­vol­vi­men­to da va­ci­na Co­ro­na­vac du­ran­te a pan­de­mia co­lo­cou a en­ti­da­de na li­nha de fren­te do com­ba­te ao co­ro­na­ví­rus, se­gun­do a di­re­to­ra de ino­va­ção do Bu­tan­tan, Ana Ma­ri­sa Chud­zins­ki-ta­vas­si. A ex­pec­ta­ti­va ago­ra é de que o ins­ti­tu­to dei­xe de ser ape­nas re­fe­rên­cia bi­bli­o­grá­fi­ca em es­tu­dos so­bre ve­ne­no e se tor­ne mais re­co­nhe­ci­do pe­las pes­qui­sas so­bre imu­ni­zan­tes. Além dis­so, as aten­ções es­tão to­das vol­ta­das ao de­sen­vol­vi­men­to de um so­ro pa­ra o tra­ta­men­to de pa­ci­en­tes de co­vid-19. O me­di­ca­men­to se mos­trou se­gu­ro no tes­te em ani­mais e de­ve ser apre­sen­ta­do nos pró­xi­mos di­as pa­ra a Agên­cia Na­ci­o­nal de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria. Se apro­va­do, se­rão ini­ci­a­dos os tes­tes clí­ni­cos em in­fec­ta­dos.

• A se­nho­ra en­xer­ga que hou­ve uma mu­dan­ça de pa­ta­mar in­ter­na­ci­o­nal com a Co­ro­na­vac?

O Bu­tan­tan sem­pre foi mais co­nhe­ci­do na li­te­ra­tu­ra pe­lo que pu­bli­ca em re­la­ção a ve­ne­no, em bi­o­lo­gia ani­mal. So­bre a va­ci­na, é re­al que pou­co pro­du­ziu com re­fe­rên­cia bi­bli­o­grá­fi­ca até re­cen­te­men­te. Com a pan­de­mia, cla­ra­men­te co­me­çou uma sé­rie de pro­je­tos re­la­ci­o­na­dos à va­ci­na mui­to mais di­ver­si­fi­ca­do. O Bu­tan­tan ago­ra é um no­vo player no com­ba­te ao co­ro­na­ví­rus. O mun­do co­me­çou a ver o Bu­tan­tan. A úl­ti­ma coi­sa que se tra­ba­lhou re­la­ci­o­na­do à trans­fe­rên­cia de tec­no­lo­gia foi no de­sen­vol­vi­men­to da va­ci­na da den­gue, que tam­bém ser­viu pa­ra co­lo­car o Bu­tan­tan em um pa­ta­mar di­fe­ren­te. Ho­je usa­mos mais ou me­nos a mes­ma tec­no­lo­gia pa­ra o co­ro­na­ví­rus, se olhar a cul­tu­ra de cé­lu­la, a in­fec­ção de cé­lu­la por ví­rus. É a mes­ma ba­se. O Bu­tan­tan tem ex­per­ti­se, tem in­fra­es­tru­tu­ra pa­ra pro­du­zir is­so, sa­be co­mo con­du­zir.

• O que po­de ser di­to pa­ra as pes­so­as que des­con­fi­am da va­ci­na do Bu­tan­tan?

Foi fei­ta em tem­po re­cor­de, mas usa­mos cri­té­ri­os de ges­tão e or­ga­ni­za­ção. O Bu­tan­tan tem uma par­ce­ria com a Si­no­vac e es­tá fa­zen­do o que faz ro­ti­nei­ra­men­te... en­sai­os pré­clí­ni­cos, clí­ni­cos. Nin­guém pu­lou eta­pas. As agên­ci­as re­gu­la­tó­ri­as tam­bém tra­ba­lha­ram com bre­vi­da­de. Apren­de­mos que dá pa­ra di­mi­nuir o tem­po.

• O que fal­ta ao Bu­tan­tan ho­je?

Fal­tam al­gu­mas es­tru­tu­ras que nos dei­xam pou­co com­pe­ti­ti­vos. Por exem­plo, pa­ra tra­ba­lhar com co­ro­na­ví­rus, pre­ci­so des­se la­bo­ra­tó­rio NB3. Se não te­nho pa­ra po­der fa­zer os tes­tes, dei­xo de ser com­pe­ti­ti­vo. Mes­mo que te­nha­mos com­pe­tên­cia.

• O Bu­tan­tan se­rá ca­paz de pro­du­zir a va­ci­na do co­ro­na­ví­rus do iní­cio ao fim, sem pre­ci­sar im­por­tar in­su­mo da Chi­na?

O in­su­mo é o an­tí­ge­no, que vai ser trans­for­ma­do pa­ra vi­rar va­ci­na. Quem faz is­so é o la­bo­ra­tó­rio NB3. O Bu­tan­tan tem um la­bo­ra­tó­rio NB3, mas é de­di­ca­do à va­ci­na da in­flu­en­za. Vo­cê não po­de des­co­brir um san­to pa­ra co­brir ou­tro. Não tem co­mo pa­rar (o tra­ba­lho com) a va­ci­na da in­flu­en­za.

• E a no­va fá­bri­ca que es­tá sen­do construída?

A fá­bri­ca que o Bu­tan­tan es­tá fa­zen­do, den­tro des­sa fá­bri­ca te­rá con­di­ção de pro­du­zir o in­su­mo. No má­xi­mo em um ano tu­do de­ve es­tar pron­to.

• O Bu­tan­tan vem de­sen­vol­ven­do um so­ro que po­de aju­dar no tra­ta­men­to de pa­ci­en­tes com co­ro­na­ví­rus. Co­mo es­tá es­sa pes­qui­sa?

Es­tá tu­do pron­to. Es­se é um exem­plo de co­mo é bom ter es­tru­tu­ra e um gru­po de ex­perts que sa­bem do pro­ces­so do co­me­ço ao fim. São 120 anos do Bu­tan­tan, há 120 anos fa­ze­mos so­ro. Dá pa­ra fa­zer tu­do, sal­vo o bi­o­té­rio (lo­cal on­de ani­mais são iso­la­dos pa­ra pes­qui­sas ci­en­tí­fi­cas). Is­so a gen­te te­ve de fa­zer em par­ce­ria. Di­fe­ren­te­men­te da Co­ro­na­vac, que o an­tí­ge­no é da Chi­na, aqui o ví­rus foi iso­la­do no la­bo­ra­tó­rio da USP (Uni­ver­si­da­de de São Paulo) e uti­li­za­mos a bre­cha no NB3 da in­flu­en­za e pro­du­zi­mos o ví­rus em gran­de quan­ti­da­de. Os ví­rus fo­ram ina­ti­va­dos por ra­di­a­ção pa­ra po­der cir­cu­lar em ou­tros la­bo­ra­tó­ri­os sem ris­co. Fi­ze­mos aná­li­se bi­oquí­mi­ca, ca­rac­te­ri­za­mos o ví­rus, as pro­teí­nas, se era ca­paz de pro­du­zir an­ti­cor­pos, se eram ca­pa­zes de neu­tra­li­zar o ví­rus ati­vo. Is­so tu­do fei­to.

• Quan­do que co­me­çou es­se es­tu­do?

Fi­ze­mos o pro­ces­so em seis me­ses. O úl­ti­mo tes­te de­mo­rou mais por fal­ta de es­tru­tu­ra. Imu­ni­za­mos os ca­va­los da fa­zen­da do Bu­tan­tan, o plas­ma des­ses ani­mais veio pa­ra a uni­da­de do ins­ti­tu­to on­de foi fei­to o pro­ces­sa­men­to. Es­se pro­du­to foi en­va­sa­do e analisado pe­lo se­tor de qua­li­da­de. Fi­ze­mos os tes­tes pré-clí­ni­cos, em du­as es­pé­ci­es de ani­mal, ca­mun­don­go e co­e­lho. Vi­mos que o pro­du­to era se­gu­ro. Apre­sen­ta­mos pa­ra a An­vi­sa em no­vem­bro. A An­vi­sa pe­diu um tes­te de de­sa­fio, que é pro­du­zir a do­en­ça em um ani­mal, tra­tar e ver o be­ne­fí­cio. Par­ti­mos pa­ra co­la­bo­ra­ção no­va­men­te com a USP. Mas ha­via uma fi­la de gen­te pa­ra uti­li­zar e de­sen­vol­ver seus pro­je­tos. Con­se­gui­mos de­sen­vol­ver o tes­te no iní­cio de fe­ve­rei­ro. E es­tá fei­to. Os re­sul­ta­dos são mui­to bons. Va­mos mar­car uma reu­nião (com a An­vi­sa) ain­da nes­ta se­ma­na pa­ra uma pré-sub­mis­são. Se en­ten­der que es­tá ok, fa­re­mos a sub­mis­são, eles ana­li­sam e de­ci­dem se es­ta­mos ap­tos a uti­li­zar o en­saio clí­ni­co.

• Ou se­ja, exis­te a pos­si­bi­li­da­de de re­sol­ver o pro­ble­ma da do­en­ça?

Quem vai di­zer is­so é o en­saio clí­ni­co. Por is­so a ne­ces­si­da­de de fa­zer o mais rá­pi­do pos­sí­vel. Os mo­de­los que te­mos em ani­mais ain­da não dão pa­ra di­zer is­so.

 ??  ??
 ?? COMUNICACA­O BU­TAN­TAN ?? Pro­du­ção pró­pria. ‘Em um ano tu­do de­ve es­tar pron­to’
COMUNICACA­O BU­TAN­TAN Pro­du­ção pró­pria. ‘Em um ano tu­do de­ve es­tar pron­to’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil