O Estado de S. Paulo

Pro­pos­ta não vin­cu­la no­vo au­xí­lio a cor­te de des­pe­sas

No­va ro­da­da de pa­ga­men­tos não se­rá vin­cu­la­da a cor­te de des­pe­sas, nes­te mo­men­to, pa­ra com­pen­sar o gasto adi­ci­o­nal

- / ADRI­A­NA FER­NAN­DES, DA­NI­EL WETERMAN, IDIANA TOMAZELLI e MU­RI­LO RO­DRI­GUES AL­VES Business · Paulo Roberto Nunes Guedes · Party of the Brazilian Democratic Movement · Assassin's Creed

A no­va ro­da­da do au­xí­lio emer­gen­ci­al de­ve ser au­to­ri­za­da pe­lo Congresso sem vin­cu­la­ção di­re­ta a me­di­das de cor­te em des­pe­sas pa­ra com­pen­sar o gasto adi­ci­o­nal, co­mo que­ria a equi­pe do mi­nis­tro da Eco­no­mia, Paulo Gu­e­des. Se­gun­do re­la­tó­rio do se­na­dor Már­cio Bit­tar (MDB-AC) pa­ra a PEC do “no­vo mar­co fis­cal”, a ado­ção de me­di­das de cor­te de gas­tos de­pen­de­rá de de­cre­ta­ção de es­ta­do de ca­la­mi­da­de.

A no­va ro­da­da do au­xí­lio emer­gen­ci­al de­ve ser au­to­ri­za­da pe­lo Congresso sem uma vin­cu­la­ção di­re­ta a me­di­das de cor­te em des­pe­sas pa­ra com­pen­sar o gasto adi­ci­o­nal, co­mo que­ria a equi­pe do mi­nis­tro da Eco­no­mia, Paulo Gu­e­des. A ado­ção de ou­tras me­di­das com im­pac­to fis­cal, po­rém, de­pen­de­ria de um no­vo de­cre­to de ca­la­mi­da­de, que aci­o­na­ria au­to­ma­ti­ca­men­te ga­ti­lhos de con­ten­ção de gas­tos, in­cluin­do no­vo con­ge­la­men­to de sa­lá­rio de ser­vi­do­res.

A mi­nu­ta da PEC ape­nas abre ca­mi­nho pa­ra que uma lei dis­ci­pli­ne o pa­ga­men­to do au­xí­lio fo­ra das amar­ras fis­cais. O go­ver­no, po­rém, já tem de­li­ne­a­dos os prin­ci­pais pa­râ­me­tros da no­va ro­da­da. A equi­pe econô­mi­ca tra­ba­lha pa­ra que o va­lor to­tal não ul­tra­pas­se os R$ 40 bi­lhões, com qua­tro parcelas de R$ 250 a se­rem pa­gas em mar­ço, abril, maio e ju­nho a até 40 mi­lhões de bra­si­lei­ros. Nem to­do es­se gasto vi­rá do cré­di­to ex­tra­or­di­ná­rio, uma vez que be­ne­fi­ciá­ri­os do Bol­sa Fa­mí­lia já re­ce­bem em mé­dia R$ 190 por mês do pro­gra­ma. Nes­ses ca­sos, o Or­ça­men­to do Bol­sa ban­ca o be­ne­fí­cio re­gu­lar, e o di­nhei­ro do au­xí­lio o com­ple­men­to do que fal­ta.

O for­ma­to cons­ta em mi­nu­ta do re­la­tó­rio do se­na­dor Marcio Bit­tar (MDB-AC), ob­ti­da pe­lo Estadão. O tex­to per­mi­te que o au­xí­lio se­ja pa­go sem uma no­va ca­la­mi­da­de, por meio de cré­di­to ex­tra­or­di­ná­rio fo­ra do te­to de gas­tos (re­gra que limita o avan­ço das des­pe­sas à in­fla­ção) e sem in­ter­fe­rir no es­for­ço que a equi­pe econô­mi­ca pre­ci­sa fa­zer pa­ra atin­gir a me­ta de pri­má­rio, que per­mi­te rom­bo de até R$ 247,1 bi­lhões. Tra­ta-se de uma “via rá­pi­da” pa­ra ti­rar o be­ne­fí­cio do pa­pel.

Ao mes­mo tem­po, a pro­pos­ta cria um no­vo mar­co fis­cal a ser aci­o­na­do em fu­tu­ros ca­sos de ca­la­mi­da­de na­ci­o­nal, com au­to­ri­za­ção pa­ra gas­tar de um la­do, mas, de ou­tro, res­pon­sa­bi­li­da­de de pu­xar o freio na­qui­lo que não for con­si­de­ra­do es­sen­ci­al. A ca­la­mi­da­de pre­ci­sa ser de­cre­ta­da pe­lo Congresso, e na­da im­pe­de que ha­ja uma ini­ci­a­ti­va des­te ti­po ain­da es­te ano. In­te­gran­tes da equi­pe econô­mi­ca, po­rém, não ve­em es­sa ne­ces­si­da­de, pois o au­xí­lio já te­rá si­do des­tra­va­do.

A PEC traz dois ti­pos de mar­cos: um pa­ra ca­la­mi­da­des na­ci­o­nais, co­mo a da co­vid-19, e ou­tro pa­ra epi­só­di­os em que as des­pe­sas cor­ren­tes de Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os su­pe­ram 95% de su­as re­cei­tas cor­ren­tes (no ca­so da União, a pro­por­ção é des­pe­sa obri­ga­tó­ria su­pe­ri­or a 94% do gasto to­tal). Os ga­ti­lhos são se­me­lhan­tes e in­clu­em con­ge­la­men­to de sa­lá­ri­os e cri­a­ção de no­vas va­gas no serviço pú­bli­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil