O Estado de S. Paulo

Lí­der do go­ver­no na Câ­ma­ra de­fen­de ne­po­tis­mo

Ri­car­do Bar­ros (Pro­gres­sis­tas) afir­ma ser fa­vo­rá­vel à con­tra­ta­ção de pa­ren­tes de po­lí­ti­cos pa­ra cargos na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca; Cen­trão quer mudar lei que pu­ne a prá­ti­ca

- Bre­no Pi­res Law · Politics · Jair Bolsonaro · Supreme Federal Court · Rede Globo - Brazilian Television Network · O Globo · Eduardo Bolsonaro · Social Liberal Party (Brazil) · United States of America · Marcus Aurelius Antoninus · Como · Brazil · Portugal · Partido dos Trabalhadores · Federal government of Brazil · Medina · Partido Progressista · Podemos · Marcelo Crivella

O lí­der do go­ver­no na Câ­ma­ra, Ri­car­do Bar­ros (Pro­gres­sis­tas-pr), de­fen­deu a con­tra­ta­ção de pa­ren­tes de po­lí­ti­cos pa­ra cargos pú­bli­cos. “O po­der pú­bli­co po­de­ria es­tar mais bem ser­vi­do, even­tu­al­men­te, com um pa­ren­te qua­li­fi­ca­do do que com um não pa­ren­te des­qua­li­fi­ca­do”, afir­mou ao Estadão.

No mo­men­to em que o pre­si­den­te Jair Bolsonaro faz mu­dan­ças no pri­mei­ro es­ca­lão, o lí­der do go­ver­no na Câ­ma­ra, Ri­car­do Bar­ros (Pro­gres­sis­tas-pr), res­sus­ci­tou um te­ma po­lê­mi­co e de­fen­deu a con­tra­ta­ção de pa­ren­tes de po­lí­ti­cos pa­ra cargos pú­bli­cos. Proi­bi­do pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) por vi­o­lar o prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal da im­pes­so­a­li­da­de na ad­mi­nis­tra­ção, o ne­po­tis­mo vem sen­do qu­es­ti­o­na­do em vá­ri­as frentes. Mas, com a vi­tó­ria de Arthur Lira (Pro­gres­sis­ta­sal) pa­ra pre­si­dir a Câ­ma­ra, o Cen­trão ga­nhou mus­cu­la­tu­ra pa­ra pre­gar mu­dan­ças na lei que ho­je pu­ne a prá­ti­ca.

“O po­der pú­bli­co po­de­ria es­tar mais bem ser­vi­do, even­tu­al­men­te, com um pa­ren­te qua­li­fi­ca­do do que com um não pa­ren­te des­qua­li­fi­ca­do”, afir­mou Bar­ros ao Estadão. “Só por­que a pes­soa é pa­ren­te, en­tão, é pi­or do que ou­tro? O ca­ra não po­de ser one­ra­do por ser pa­ren­te. Se a pes­soa es­tá no car­go pa­ra o qual tem qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal, é for­ma­da e po­de de­sem­pe­nhar bem, qual é o pro­ble­ma?”, com­ple­tou o lí­der do go­ver­no, que tam­bém in­te­gra o Cen­trão, gru­po de par­ti­dos ali­a­dos ao pre­si­den­te Jair Bolsonaro.

Em 2008, o Su­pre­mo fir­mou po­si­ção con­tra o ne­po­tis­mo e su­as ra­mi­fi­ca­ções. Es­ten­deu a proi­bi­ção ao “ne­po­tis­mo cru­za­do”, que é quan­do dois agen­tes pú­bli­cos em­pre­gam pa­ren­tes um do ou­tro. A Sú­mu­la 13 da Cor­te diz que “a no­me­a­ção de côn­ju­ge, com­pa­nhei­ro ou pa­ren­te em li­nha re­ta, co­la­te­ral ou por afi­ni­da­de, até o ter­cei­ro grau (...), pa­ra o exer­cí­cio de car­go em co­mis­são ou de con­fi­an­ça ou, ain­da, de fun­ção gra­ti­fi­ca­da (...), me­di­an­te de­sig­na­ções re­cí­pro­cas, vi­o­la a Cons­ti­tui­ção”.

Quan­do era de­pu­ta­do, Bolsonaro no­me­ou 13 pa­ren­tes em ga­bi­ne­tes da fa­mí­lia. Além dis­so, o clã Bolsonaro em­pre­gou 102 pes­so­as com la­ços fa­mi­li­a­res, se­gun­do le­van­ta­men­to fei­to pe­lo jor­nal O Glo­bo, ao lon­go dos 28 anos em que o atu­al pre­si­den­te foi par­la­men­tar.

No pri­mei­ro ano à fren­te do go­ver­no, em 2019, Bolsonaro cha­mou de “hi­po­cri­sia” as crí­ti­cas de que se­ria “ne­po­tis­mo” a in­di­ca­ção do de­pu­ta­do Edu­ar­do Bolsonaro (PSL-SP), seu fi­lho “03”, pa­ra o car­go de em­bai­xa­dor nos Es­ta­dos Uni­dos. O pre­si­den­te che­gou a cri­ti­car a de­ci­são do Su­pre­mo que proi­biu con­tra­ta­ções de pa­ren­tes

na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca.

“Acho que quem tem de de­ci­dir so­bre es­sas coi­sas é o Le­gis­la­ti­vo. Te­ve um par­la­men­tar con­tra o ne­po­tis­mo que foi pe­go na La­va Ja­to. E tem mi­nis­tro, com to­da cer­te­za, que tem pa­ren­te em­pre­ga­do, com DAS (fun­ção co­mis­si­o­na­da). E daí?”, ques­ti­o­nou ele, na oca­sião. “Que ma­nia (vo­cês têm de di­zer) que tu­do que é pa­ren­te de po­lí­ti­co não presta.”

O Su­pre­mo não dei­xou cla­ro, no en­tan­to, se a res­tri­ção pa­ra con­tra­tar pa­ren­tes de­ve va­ler tam­bém pa­ra cargos de na­tu­re­za po­lí­ti­ca, co­mo os de mi­nis­tros e se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do, ou ape­nas pa­ra fun­ções ad­mi­nis­tra­ti­vas. Nos jul­ga­men­tos do ple­ná­rio tem pre­va­le­ci­do o pa­re­cer de que es­sas no­me­a­ções são per­mi­ti­das, ex­ce­to se hou­ver al­gum

• ‘Qua­li­fi­ca­do’

ti­po de frau­de. Em 2017, po­rém, de­ci­são li­mi­nar do mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio Mel­lo bar­rou a in­di­ca­ção de um fi­lho do en­tão pre­fei­to do Rio, Mar­ce­lo Cri­vel­la, co­mo se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal.

Um ano de­pois, em 2018, a en­tão vi­ce-go­ver­na­do­ra do Pa­ra­ná, Ci­da Borghet­ti – mu­lher de Ri­car­do Bar­ros –, cha­mou o cu­nha­do pa­ra a equi­pe ao as­su­mir o go­ver­no es­ta­du­al, di­an­te da re­nún­cia do en­tão go­ver­na­dor Be­to Ri­cha. À épo­ca, Ci­da no­me­ou Sil­vio Bar­ros, ir­mão de seu ma­ri­do, co­mo se­cre­tá­rio de De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no.

Im­pro­bi­da­de. Co­mo a prá­ti­ca da no­me­a­ção de pa­ren­tes por po­lí­ti­cos não con­fi­gu­ra cri­me no Bra­sil, o ca­mi­nho pa­ra pu­nir agen­tes pú­bli­cos por ne­po­tis­mo é en­qua­drá-los no ar­ti­go 11 da Lei de Im­pro­bi­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va, de 1992. É com ba­se nes­te ar­ti­go que o Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ) tem chan­ce­la­do con­de­na­ções em ca­sos de con­tra­ta­ção de pa­ren­tes. O dis­po­si­ti­vo de­fi­ne co­mo im­pro­bi­da­de atos que vi­o­lem os “de­ve­res de ho­nes­ti­da­de, im­par­ci­a­li­da­de, le­ga­li­da­de e le­al­da­de às ins­ti­tui­ções”.

A Câ­ma­ra, po­rém, dis­cu­te o afrou­xa­men­to da Lei de Im­pro­bi­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va, que po­de ex­cluir jus­ta­men­te es­se ar­ti­go 11, tam­bém uti­li­za­do pa­ra pu­nir ou­tras prá­ti­cas, co­mo fu­rar fi­la no serviço pú­bli­co. A pro­pos­ta cons­ta do tex­to subs­ti­tu­ti­vo de au­to­ria do re­la­tor, de­pu­ta­do Carlos Za­rat­ti­ni (PT-SP), e é apoi­a­da por Bar­ros.

“Se que­rem que ne­po­tis­mo se­ja cri­me, que fa­çam uma lei e apro­vem. É ina­de­qua­do um ar­ca­bou­ço ju­rí­di­co on­de o que vo­cê qui­ser en­cai­xa lá. Ah, es­tão pre­o­cu­pa­dos com ne­po­tis­mo? En­tão, va­mos en­cer­rar o ar­ti­go 11 e fa­zer uma lei de ne­po­tis­mo aqui. Is­so po­de, is­so não po­de. Não é pa­ra ca­da pro­mo­tor in­ter­pre­tar (a lei) do jei­to que quer”, dis­se o lí­der do go­ver­no.

Pa­ra o ad­vo­ga­do Se­bas­tião To­jal, es­pe­ci­a­li­za­do em ações de im­pro­bi­da­de, o que Bar­ros diz não se sustenta. “Exis­te um prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal, se­gun­do o qual a im­pes­so­a­li­da­de de­ve ori­en­tar a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, in­clu­si­ve no pro­ces­so de in­ves­ti­du­ra em cargos. Não se po­de che­gar ao pon­to de dis­cu­tir se fu­la­no, si­cra­no ou bel­tra­no de fa­to é com­pe­ten­te ou não”, des­ta­cou To­jal. “Ne­po­tis­mo tem de ser com­pre­en­di­do co­mo no­me­a­ção pa­ra cargos ad­mi­nis­tra­ti­vos e po­lí­ti­cos.”

Au­tor do pro­je­to em dis­cus­são na Câ­ma­ra so­bre a Lei de Im­pro­bi­da­de, o de­pu­ta­do Ro­ber­to de Lu­ce­na (Po­de­mos-sp) é con­tra a mu­dan­ça da re­gra que ho­je per­mi­te a pu­ni­ção por ne­po­tis­mo. “Eu me sin­to con­tra­ri­a­do com o fa­to de que a gen­te pos­sa, re­ti­ran­do o ar­ti­go 11, pro­mo­ver um re­tro­ces­so na­qui­lo que já es­tá con­so­li­da­do”, dis­se Lu­ce­na. “Es­sa ques­tão já é su­pe­ra­da. Não exis­te es­pa­ço pa­ra re­tro­ces­sos.”

Na ava­li­a­ção do ex-ad­vo­ga­do-ge­ral da União Fá­bio Me­di­na Osó­rio, a Cons­ti­tui­ção não per­mi­te que pa­ren­tes se­jam con­tra­ta­dos pa­ra a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca nem mes­mo se fo­rem com­pe­ten­tes. “In­de­pen­den­te­men­te de qua­li­fi­ca­ção ou não, a proi­bi­ção di­re­ci­o­na­da à con­tra­ta­ção de pa­ren­tes, re­fle­ti­da na Sú­mu­la 13 do STF, acar­re­ta im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va.”

O pro­mo­tor de Jus­ti­ça Ro­ber­to Li­vi­a­nu, do Ins­ti­tu­to Não Acei­to Cor­rup­ção, dis­se que a ex­pe­ri­ên­cia no Bra­sil mos­tra a ne­ces­si­da­de de não ser per­mi­ti­da qual­quer ex­ce­ção. “Fa­zer lou­vor ao ne­po­tis­mo é ab­sur­do. De­vi­do ao for­ta­le­ci­men­to da cul­tu­ra do com­pa­drio, es­sa ideia (de ex­ce­ção) não de­ve pre­va­le­cer. O Su­pre­mo edi­tou a sú­mu­la por­que o que se faz no serviço pú­bli­co é uma ban­da­lhei­ra.”

“O po­der pú­bli­co po­de­ria es­tar mais bem ser­vi­do, even­tu­al­men­te, com um pa­ren­te qua­li­fi­ca­do do que com um não pa­ren­te des­qua­li­fi­ca­do.”

LÍ­DER DO GO­VER­NO NA C­MA­RA Ri­car­do Bar­ros (PP-PR)

 ?? GA­BRI­E­LA BILO/ ESTADÃO - 21/8/2020 ?? ‘Ônus’. Pa­ra lí­der do go­ver­no, de­pu­ta­do Ri­car­do Bar­ros (Pro­gres­sis­tas-pr), nin­guém ‘po­de ser one­ra­do por ser pa­ren­te’
GA­BRI­E­LA BILO/ ESTADÃO - 21/8/2020 ‘Ônus’. Pa­ra lí­der do go­ver­no, de­pu­ta­do Ri­car­do Bar­ros (Pro­gres­sis­tas-pr), nin­guém ‘po­de ser one­ra­do por ser pa­ren­te’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil