O Estado de S. Paulo

‘VI­LÕES’ DO BBB PER­DEM FÃS

Ka­rol Con­ká, que po­de ser eli­mi­na­da ho­je, é uma das mais afe­ta­das por ex­po­si­ção ne­ga­ti­va

- Da­ni­lo Ca­sa­let­ti Celebrities · Big Brother Brasil · Brazil · Rede Globo - Brazilian Television Network · Santana · Instagram · Twitter · Forbes · Carolina Dieckmann · Reynaldo Gianecchini · Assisi · Grazi Massafera · Sabrina Sato · Jean Wyllys · Fundação Armando Alvares Penteado

Ce­le­bri­da­des en­vol­vi­das em po­lê­mi­cas no re­a­lity, co­mo Ka­rol Con­ká, per­dem se­gui­do­res nas re­des e fa­tu­ra­men­to.

Des­de o ano pas­sa­do, o re­a­lity show Big Brother Bra­sil, exi­bi­do pe­la TV Glo­bo, con­vi­da fa­mo­sos pa­ra com­por seu qu­a­dro de par­ti­ci­pan­tes. É a tur­ma do “ca­ma­ro­te” – os anô­ni­mos são cha­ma­dos de “pi­po­ca”.

Na edi­ção de 2020, no­mes co­mo o ator Ba­bu San­ta­na, a atriz e cantora Ma­nu Ga­vas­si e a in­flu­en­cer Ra­fa­el­la Ka­li­mann se be­ne­fi­ci­a­ram da ex­po­si­ção de pou­co mais de três me­ses na ca­sa, au­men­tan­do o número de se­gui­do­res nas re­des so­ci­ais e, con­se­quen­te­men­te, o in­te­res­se de mar­cas dis­pos­tas a in­ves­tir em posts pa­tro­ci­na­dos. Po­rém, nes­te ano, a si­tu­a­ção pa­ra al­guns fa­mo­sos não é tão fa­vo­rá­vel as­sim.

O ca­so mais no­tó­rio é da cantora e apre­sen­ta­do­ra cu­ri­ti­ba­na Ka­rol Con­ká. Es­co­lhi­da pe­lo pú­bli­co co­mo uma das vi­lãs da tem­po­ra­da 2021, ela co­me­çou o pro­gra­ma com 1,6 mi­lhão de se­gui­do­res no Ins­ta­gram. Ago­ra, cin­co se­ma­nas após a es­treia do BBB, es­se número caiu pa­ra 1,2 mi­lhão.

Um perfil ba­ti­za­do de Re­jei­ção da Ka­rol, cu­ja des­cri­ção diz que “a me­ta de ter mais se­gui­do­res que a Ka­rol”, faz pos­ta­gens ne­ga­ti­vas so­bre a rap­per e já so­ma 2 mi­lhões de adeptos. A re­por­ta­gem do Estadão en­trou em con­ta­to com a equi­pe de Ka­rol pa­ra que ela co­men­tas­se es­ses fa­tos, mas não ob­te­ve res­pos­ta.

A fa­ma de má gru­dou na cantora após ela se en­vol­ver no can­ce­la­men­to do ator Lu­cas Pen­te­a­do, que, por se sen­tir per­se­gui­do e iso­la­do, op­tou por de­sis­tir da com­pe­ti­ção. Ka­rol che­gou a ex­pul­sá-lo da me­sa na ho­ra do jan­tar. So­ma-se a is­so ao fa­to de ela ter se ali­a­do a ou­tros dois jo­ga­do­res mal ava­li­a­dos pe­lo pú­bli­co: a mes­tra em psi­co­lo­gia Lu­me­na Ale­luia e o humorista Ne­go Di, eli­mi­na­do no úl­ti­mo dia 16 de fe­ve­rei­ro com 98,76% dos vo­tos, um re­cor­de de re­jei­ção na his­tó­ria do pro­gra­ma.

Em um bate-pa­po lo­go após sua eli­mi­na­ção, Ne­go se mos­trou de­cep­ci­o­na­do ao ver que ga­nhou ape­nas pou­co mais de 200 mil se­gui­do­res du­ran­te as três se­ma­nas que fi­cou no pro­gra­ma, to­ta­li­zan­do 1,3 mi­lhão. Ra­fa­e­la Ka­li­mann, se­gun­da co­lo­ca­da na edi­ção pas­sa­da, ga­nhou 400 mil em uma se­ma­na. Pas­sa­do um ano, a in­flu­en­cer con­ta com 20,3 mi­lhões. Ma­nu Ga­vas­si ga­nhou qua­se 9 mi­lhões de­pois de três me­ses na ca­sa.

O com­por­ta­men­to de Ka­rol Con­ká tam­bém de­ve do­er em seu bol­so. De acor­do com le­van­ta­men­to fei­to pe­la agên­cia Brun­ch, a pe­di­do da re­vis­ta For­bes, as per­das da cantora com a de­te­ri­o­ra­ção de sua ima­gem ar­tís­ti­ca po­dem che­gar a R$ 5 mi­lhões. No co­me­ço de ja­nei­ro, o ca­nal GNT anun­ci­ou que não iria exi­bir o pro­gra­ma Pra­zer, Fe­mi­ni­no, já gra­va­do por Ka­rol an­tes de en­trar no BBB. Dois fes­ti­vais de mú­si­cas ti­ra­ram a cantora de seu elen­co.

Ou­tro pre­ju­di­ca­do é o rap­per Pro­jo­ta que, na vi­são dos te­les­pec­ta­do­res, in­te­gra o cha­ma­do “ga­bi­ne­te do ódio” do re­a­lity, ao la­do de Ka­rol, Lu­me­na, Ne­go Di e da fun­kei­ra Po­cah. Ele che­gou a ga­nhar se­gui­do­res no co­me­ço do pro­gra­ma, che­gan­do a ter 4,3 mi­lhões de fãs no Ins­ta­gram. Po­rém, de 15 di­as pa­ra cá, per­deu 600 mil de­les. A equi­pe do can­tor mi­ni­mi­za a fu­ga.

“Na ver­da­de, os nú­me­ros es­tão er­ra­dos. O Pro­jo­ta, so­men­te no Ins­ta­gram, ti­nha 2,9 mi­lhões de se­gui­do­res quan­do o pro­gra­ma co­me­çou. O número che­gou a cres­cer mais e en­tão caiu um pou­co. Mas ain­da é po­si­ti­vo”, diz Ha­rol­do Tzi­rul­nik, em­pre­sá­rio e fun­da­dor da Faz Pro­du­ções, que cui­da da car­rei­ra do rap­per.

Tzi­rul­nik afir­ma que Pro­jo­ta, um ar­tis­ta já con­sa­gra­do – su­as mú­si­cas so­mam mais de 2 bi­lhões de vi­su­a­li­za­ções em seu ca­nal de ví­de­os Ve­vo –, acei­tou par­ti­ci­par do pro­gra­ma pa­ra se “fa­zer seu ros­to mais co­nhe­ci­do e pas­sar sua men­sa­gem”.

DEI­XAR DE SE­GUIR UM PAR­TI­CI­PAN­TE VI­ROU PO­SI­CI­O­NA­MEN­TO DE TE­LES­PEC­TA­DOR

O em­pre­sá­rio afir­ma que Pro­jo­ta não per­deu ne­nhum pa­tro­cí­nio ou apoio co­mer­ci­al por con­ta de sua par­ti­ci­pa­ção no pro­gra­ma. “Pe­lo con­trá­rio. Re­ce­be­mos di­ver­sas con­sul­tas e seus nú­me­ros em to­das as re­des de stre­a­ming só fa­zem su­bir. Ele tem um gran­de ca­tá­lo­go que fa­la tam­bém por si. E is­so é um bem va­li­o­so que pou­cos ar­tis­tas po­dem se dar ao lu­xo de ter”, afir­ma.

No pro­gra­ma des­te do­min­go, 21, Ka­rol e Pro­jo­ta fo­ram in­di­ca­dos ao pa­re­dão. Ela, pe­la lí­der, Sa­rah, que a acu­sou de ter ati­tu­des in­co­e­ren­tes. Ele foi um dos es­co­lhi­dos pe­los ou­tros par­ti­ci­pan­tes, mas se li­vrou da ber­lin­da na pro­va cha­ma­da bate-vol­ta. Ho­ras an­tes, o di­re­tor-ge­ral do pro­gra­ma, Bo­ni­nho, fez uma pos­ta­gem no Twit­ter afir­man­do que Ka­rol é uma das par­ti­ci­pan­tes que ele “ama”.

Em si­tu­a­ção mais con­for­tá­vel, os ad­mi­nis­tra­do­res dos per­fis ofi­ci­ais da tur­ma da pi­po­ca es­tão pu­lan­do de ale­gria. A ad­vo­ga­da pa­rai­ba­na Ju­li­et­te Frei­re ti­nha me­nos de 4 mil se­gui­do­res no Ins­ta­gram quan­do en­trou no BBB. Atu­al­men­te, pas­sa de 9 mi­lhões. O número é mai­or que os se­gui­do­res de fa­mo­sos co­mo Ca­ro­li­na Di­eck­mann, Rey­nal­do Gi­a­nec­chi­ni, Pre­ta Gil e de Thel­ma As­sis, vencedora da edi­ção de 2020. O fa­zen­dei­ro goi­a­no Caio Afiu­ne era acom­pa­nha­do por ape­nas 900 pes­so­as na re­de so­ci­al. Com a fa­ma repentina, sal­tou pa­ra 3,2 mi­lhões.

Can­ce­la­men­to. Há 19 anos no ar, o Big Brother Bra­sil é res­pon­sá­vel por dar fa­ma a de­ze­nas de par­ti­ci­pan­tes a ca­da tem­po­ra­da – o número de con­fi­na­dos va­ri­ou ao lon­go dos anos e, em 2021, che­gou a 20. Após saí­rem da ca­sa, eles apro­vei­ta­vam a fa­ma par­ti­ci­pan­do de even­tos – a cha­ma­da pre­sen­ça vip. No­mes co­mo Gra­zi Mas­sa­fe­ra, Sa­bri­na Sa­to e Je­an Wyllys ga­nha­ram tí­tu­los que fo­ram além do pre­con­cei­tu­o­so “EX-BBB”.

Com o cres­ci­men­to das re­des so­ci­ais e, so­bre­tu­do, com a pan­de­mia, a fon­te de ren­da, pa­tro­cí­nio e per­mu­tas pas­sa­ram a de­pen­der dos per­fis di­gi­tais nas re­des so­ci­ais, es­pe­ci­al­men­te no Ins­ta­gram. Por is­so, o número de se­gui­do­res é tão im­por­tan­te. Ele é um dos termômetro­s pa­ra as mar­cas pa­tro­ci­na­do­ras que cos­tu­mam fu­gir de po­lê­mi­cas.

Pa­ra Thi­a­go Costa, co­or­de­na­dor da pós-gra­du­a­ção em Co­mu­ni­ca­ção e Mar­ke­ting Di­gi­tal da Faap, dei­xar de se­guir um par­ti­ci­pan­te do pro­gra­ma vi­rou o po­si­ci­o­na­men­to do te­les­pec­ta­dor. “Com es­se ato, ele diz ‘eu não gos­to de vo­cê’. A re­de so­ci­al sem­pre foi par­te do jo­go, mas, nes­te ano, ga­nhou uma fun­ção mais es­pe­cí­fi­ca: não bas­ta ape­nas vo­tar no si­te do pro­gra­ma pa­ra eli­mi­nar um par­ti­ci­pan­te, é pre­ci­so dei­xar cla­ra a pre­fe­rên­cia. Vi­rou par­te da di­ver­são. É uma fa­ce do can­ce­la­men­to”, ex­pli­ca.

O can­ce­la­men­to, com­por­ta­men­to que vi­rou te­ma no pro­gra­ma – in­clu­si­ve, por meio de uma ação de um dos pa­tro­ci­na­do­res pa­ra cons­ci­en­ti­zar os par­ti­ci­pan­tes so­bre co­mo ele po­de ser ma­lé­fi­co a quem o re­ce­be –, é de­fi­ni­do co­mo uma “mo­da” por Costa.

“Há um efei­to ma­na­da, al­go bas­tan­te tra­di­ci­o­nal nas re­des. Mui­ta gen­te nem sa­be di­rei­to o mo­ti­vo do can­ce­la­men­to, mas vai atrás. Faz par­te do mo­men­to po­la­ri­za­do em que vi­ve­mos, no qual tu­do pre­ci­sa ser en­cai­xa­do em co­lu­nas de cer­to ou er­ra­do, bom ou mau. Com a qua­ren­te­na, a ne­ces­si­da­de de apro­va­ção so­ci­al pe­las re­des so­ci­ais se in­ten­si­fi­cou. En­tão, es­co­lhe­se um la­do”, afir­ma.

Pa­ra Costa, não há um tem­po cer­to pa­ra que a re­jei­ção de um can­ce­la­do se re­ver­ta. O con­se­lho que ele dá é “dei­xar a po­ei­ra bai­xar”. Pa­ra os ad­mi­nis­tra­do­res dos per­fis – Pro­jo­ta, por exem­plo, tem uma equi­pe de qua­tro pes­so­as cui­dan­do ex­clu­si­va­men­te de su­as re­des–, res­ta ad­mi­nis­trar a cri­se e ten­tar res­sal­tar os pon­tos po­si­ti­vos dos par­ti­ci­pan­tes.

De acor­do com o es­pe­ci­a­lis­ta, des­de o ano pas­sa­do, as ce­le­bri­da­des têm per­di­do se­gui­do­res nas re­des so­ci­ais em um mo­vi­men­to que, se­gun­do ele, é mun­di­al.

Can­sa­do de ver o lo­ok do dia ou uma in­fi­ni­da­de de sto­ri­es nos quais os fa­mo­sos exi­bem pro­du­tos, o pú­bli­co, que tem fi­ca­do mais em ca­sa por con­ta da pan­de­mia, par­tiu em bus­ca de con­teú­dos con­si­de­ra­dos mais re­le­van­tes ou que fa­zem mais sen­ti­do nes­te mo­men­to, co­mo au­las de mú­si­ca, es­que­tes de hu­mor, di­cas no es­ti­lo fa­ça vo­cê mes­mo e en­tre­te­ni­men­to no ge­ral, além de mar­cas que se po­si­ci­o­nam de for­ma cla­ra so­bre as­sun­tos da atu­a­li­da­de.

O NÚMERO DE SE­GUI­DO­RES É UM DOS TERMÔMETRO­S PA­RA AS MAR­CAS

 ?? GLO­BO ??
GLO­BO
 ?? FO­TOS GLO­BO ?? ‘Mo­da’ de can­ce­lar. Ava­li­a­ção so­ci­al do pro­gra­ma pe­las re­des so­ci­ais au­men­tou com a pan­de­mia
FO­TOS GLO­BO ‘Mo­da’ de can­ce­lar. Ava­li­a­ção so­ci­al do pro­gra­ma pe­las re­des so­ci­ais au­men­tou com a pan­de­mia
 ??  ?? Ten­são. É im­pos­sí­vel cal­cu­lar qu­an­to tem­po du­ra re­jei­ção
Ten­são. É im­pos­sí­vel cal­cu­lar qu­an­to tem­po du­ra re­jei­ção
 ??  ?? Ka­rol Con­ká. Pre­juí­zos po­dem che­gar a R$ 5 mi­lhões
Ka­rol Con­ká. Pre­juí­zos po­dem che­gar a R$ 5 mi­lhões
 ??  ?? In­fluên­cia. Pró­xi­mos à Con­ká per­dem pres­tí­gio
In­fluên­cia. Pró­xi­mos à Con­ká per­dem pres­tí­gio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil