O Estado de S. Paulo

In­ter­na­ções atin­gem pi­co e Es­ta­do te­rá mais res­tri­ções

Hou­ve al­ta de 5,6% em re­la­ção à se­ma­na an­te­ri­or. O in­te­ri­or é um dos prin­ci­pais fo­cos de aten­ção e es­pe­ci­a­lis­tas se pre­o­cu­pam com as no­vas va­ri­an­tes do co­ro­na­ví­rus, co­mo a ce­pa de Ma­naus. Na ca­pi­tal, a ocu­pa­ção das UTIS é de 70%, a mais ele­va­da em três me

- Paulo Fa­ve­ro Mar­co Antô­nio Car­va­lho Eri­ka Mo­to­da Health · Sao Paulo · João Doria Júnior · Brazilian Social Democracy Party · Plano · Federal government of Brazil · Brazil

O Es­ta­do de São Paulo re­gis­trou al­ta de 5,6% nas in­ter­na­ções em UTIS, com 6.410 pa­ci­en­tes, o mai­or número des­de o iní­cio da pan­de­mia. Na ca­pi­tal, a ta­xa de ocu­pa­ção das UTIS é de 70%, a mais ele­va­da em três me­ses, e 22% dos 1.218 in­ter­na­dos são de ou­tras ci­da­des. O go­ver­no en­du­re­ce­rá as me­di­das de res­tri­ção.

O Es­ta­do de São Paulo atin­giu o mai­or número de in­ter­na­ções em UTI des­de o iní­cio da pan­de­mia, em mar­ço de 2020. Hou­ve al­ta de 5,6% em re­la­ção à se­ma­na an­te­ri­or. O in­te­ri­or é um dos prin­ci­pais fo­cos de aten­ção e es­pe­ci­a­lis­tas se pre­o­cu­pam com as no­vas va­ri­an­tes do co­ro­na­ví­rus, co­mo a ce­pa de Ma­naus. Es­tu­dos pre­li­mi­na­res in­di­cam que ela tem mai­or potencial de trans­mis­são. A ges­tão João Do­ria (PSDB) já pre­vê en­du­re­cer me­di­das de res­tri­ção ain­da es­ta se­ma­na.

“Nos­sa aten­ção es­tá ain­da mai­or. Es­se in­cre­men­to de 5,6% no número de in­ter­na­ções mos­tra o qu­an­to exis­te a cir­cu­la­ção in­ten­sa do ví­rus. Em ju­lho de 2020, ti­ve­mos o pi­co de 6.250 in­ter­na­dos, ago­ra atin­gi­mos o número de 6.410 in­ter­na­dos em UTI. Ul­tra­pas­sa­mos o mai­or número da his­tó­ria da pan­de­mia e te­mos de ter aten­ção es­pe­ci­al a al­gu­mas re­giões do Es­ta­do”, dis­se Je­an Go­rin­ch­teyn, se­cre­tá­rio da Saú­de.

No Es­ta­do, a ta­xa de ocu­pa­ção de UTIS é de 67,9%. e 67,8% na Gran­de São Paulo. Na ca­pi­tal, a ta­xa de ocu­pa­ção das UTIS é de 70%, a mais ele­va­da em três me­ses, se­gun­do o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Saú­de, Ed­son Apa­re­ci­do. Dos pa­ci­en­tes de te­ra­pia in­ten­si­va, 22% são mo­ra­do­res de ou­tras ci­da­des. “A gen­te aca­ba re­ce­ben­do mui­ta gen­te de ou­tros mu­ni­cí­pi­os. Es­ta­mos fa­zen­do um mo­ni­to­ra­men­to in­ten­so e fa­re­mos reu­niões so­bre is­so. Mas a ci­da­de sem­pre foi mais res­tri­ti­va do que as me­di­das pre­vis­tas pe­lo Pla­no São Paulo (pro­gra­ma es­ta­du­al de re­a­ber­tu­ra econô­mi­ca). Não há pro­ble­ma em to­mar me­di­das nes­se sen­ti­do”, afir­ma Apa­re­ci­do.

A ges­tão Do­ria tam­bém tem co­bra­do au­men­to de ver­ba da União pa­ra va­gas em UTI – o go­ver­no pau­lis­ta re­cla­ma de di­mi­nui­ção dos re­pas­ses. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral pe­diu na se­ma­na pas­sa­da que a Jus­ti­ça ana­li­se com ur­gên­cia a si­tu­a­ção de lei­tos fi­nan­ci­a­dos pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de no Es­ta­do.

Se­gun­do João Gab­bar­do,

co­or­de­na­dor do Cen­tro de Con­tin­gên­cia da Co­vid-19, ór­gão li­ga­do ao go­ver­no, pre­o­cu­pa o qu­a­dro no in­te­ri­or. “O Cen­tro de Con­tin­gên­cia apre­sen­tou re­co­men­da­ções

ex­tra­or­di­ná­ri­as e o go­ver­no es­tá fa­zen­do aná­li­se dis­so. Es­sas me­di­das adi­ci­o­nais ao Pla­no São Paulo se­rão anun­ci­a­das na quar­ta, pa­ra en­tra­rem em vi­gor na sex­ta. En­tre elas es­tá a re­du­ção da mo­bi­li­da­de, que é o que po­de­mos fa­zer nes­te mo­men­to pa­ra re­du­zir a trans­mis­si­bi­li­da­de”, dis­se, sem de­ta­lhar as fu­tu­ras me­di­das.

Al­gu­mas ci­da­des do in­te­ri­or já de­cre­ta­ram lock­down pa­ra ten­tar re­du­zir a trans­mis­são do ví­rus. Ara­ra­qua­ra é um dos mu­ni­cí­pi­os que fe­cha­ram tu­do – in­cluin­do su­per­mer­ca­dos – pa­ra ten­tar con­ter a con­ta­mi­na­ção.

Ao me­nos qua­tro re­giões do Es­ta­do (Pre­si­den­te Pru­den­te, Bar­re­tos, Ara­ra­qua­ra/são Carlos e Bau­ru) es­tão no aler­ta má­xi­mo, a fa­se ver­me­lha. Com o agra­va­men­to da pan­de­mia, ges­to­res têm en­du­re­ci­do as me­di­das de iso­la­men­to. Me­di­das de to­que de re­co­lher têm si­do ado­ta­das em ou­tros Es­ta­dos, co­mo Bahia, Ce­a­rá e Pa­ra­ná.

Cau­sas. Es­pe­ci­a­lis­tas afir­mam que a fal­ta de tes­ta­gem e de se­quen­ci­a­men­to ge­né­ti­co de amos­tras dos in­fec­ta­dos são bar­rei­ras pa­ra en­ten­der o pe­so das no­vas mu­ta­ções do Sars­cov-2 no au­men­to de in­ter­na­ções. Pe­lo me­nos dez Es­ta­dos já re­gis­tra­ram a ce­pa amazô­ni­ca. Tam­bém pre­o­cu­pam as aglo­me­ra­ções vis­tas nas úl­ti­mas se­ma­nas, co­mo nas fes­tas de ano-no­vo e no fe­ri­a­do do car­na­val.

“En­ten­de­mos que a cir­cu­la­ção da va­ri­an­te ain­da tem uma pro­por­ção pe­que­na, mas se ela for de fa­to mais trans­mis­sí­vel é al­go que po­de con­tri­buir pa­ra o re­cru­des­ci­men­to de ca­sos, in­ter­na­ções e mor­tes”, afir­ma Paulo Me­ne­zes, do Cen­tro de Con­tin­gên­cia.

O in­fec­to­lo­gis­ta Max Igor Lo­pes, do Cen­tro de In­fec­to­lo­gia do Hos­pi­tal Sí­rio Li­ba­nês, acre­di­ta que os efei­tos das va­ri­an­tes po­dem es­tar no co­me­ço. “Ain­da

• Mé­dia aci­ma de mil

A mé­dia mó­vel de mor­tes por co­vid-19 fi­cou em 1.055 nes­ta se­gun­da-fei­ra, se­gun­do o con­sór­cio de veí­cu­los de im­pren­sa. Fo­ram re­gis­tra­dos 716 no­vos óbi­tos e 30.231 ca­sos. não tí­nha­mos es­sas va­ri­an­tes quan­do a se­gun­da on­da co­me­çou (fim de 2020). Co­me­ça­mos a ter a con­tri­bui­ção das va­ri­an­tes ago­ra e em lo­ca­li­da­des es­pe­cí­fi­cas”, diz. “O que acon­te­ce é que te­mos um gran­de número de ca­sos e, ago­ra, es­sas va­ri­an­tes co­me­çam a ocu­par por­cen­tu­al mai­or de­les.”

Pa­ra Re­na­to Kfou­ri, di­re­tor da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Imu­ni­za­ções, não dá pa­ra “pre­ver” a si­tu­a­ção de ou­tras ci­da­des com ba­se em Ma­naus e Ara­ra­qua­ra, pois a le­ta­li­da­de é de­pen­den­te não só da al­ta cir­cu­la­ção, mas da ca­pa­ci­da­de de aten­di­men­to hos­pi­ta­lar em ca­da re­gião.

“Mas os in­gre­di­en­tes pa­ra ter­mos o au­men­to es­tão to­dos aí: per­me­a­bi­li­da­de mui­to gran­de nas fron­tei­ras no País, a gen­te não faz lock­down, os vo­os sa­em di­re­to de Ma­naus pa­ra lá e pa­ra cá, as me­di­das de iso­la­men­to não têm gran­de ade­são da po­pu­la­ção. A quan­ti­da­de de pes­so­as não va­ci­na­das ain­da é enor­me. En­tão, a pro­du­ção de va­ri­an­tes Bra­sil afo­ra é fa­to”, dis­se.

 ?? GO­VER­NO SP ?? Re­cor­de. Do­ria e a equi­pe da Saú­de on­tem: au­men­to nas in­ter­na­ções ‘mos­tra a cir­cu­la­ção in­ten­sa do vi­rus’; cir­cu­la­ção de va­ri­an­te ‘ain­da é pe­que­na’
GO­VER­NO SP Re­cor­de. Do­ria e a equi­pe da Saú­de on­tem: au­men­to nas in­ter­na­ções ‘mos­tra a cir­cu­la­ção in­ten­sa do vi­rus’; cir­cu­la­ção de va­ri­an­te ‘ain­da é pe­que­na’
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil