O Estado de S. Paulo

UM JAR­DIM VER­TI­CAL EM CA­SA

Apren­da a fa­zer um jar­dim ver­ti­cal em qual­quer pa­re­de da sua ca­sa

- Ana Lou­ren­ço Botany · Ecology · Gardening · Home Decoration · Biology · Hobbies · Home Design · Interior Design · South American Community of Nations · Sao Paulo · Guimaraes

Me­lho­re a qua­li­da­de do ar e ain­da re­du­za o es­tres­se.

O ho­me of­fi­ce fez com que mui­tos in­ves­tis­sem em plan­tas pa­ra a ca­sa, nu­ma ten­ta­ti­va de apro­xi­ma­ção com a na­tu­re­za. Além de me­lho­rar a qua­li­da­de do ar, re­du­zir o es­tres­se, aju­dar na con­cen­tra­ção e ale­grar o es­pa­ço, o con­ta­to com a ve­ge­ta­ção tam­bém po­de ser­vir co­mo bar­rei­ra so­no­ra con­tra ruídos de bai­xa frequên­cia, es­pe­ci­al­men­te quan­do po­si­ci­o­na­da co­mo jar­dim ver­ti­cal.

A téc­ni­ca po­de ser apli­ca­da em qual­quer pa­re­de da ca­sa, in­cluin­do es­pa­ços pe­que­nos.

Aliás, é exa­ta­men­te o lo­cal es­co­lhi­do que de­ter­mi­na­rá o me­lhor sis­te­ma a ser uti­li­za­do. Pa­ra am­bi­en­tes fe­cha­dos, sem in­ci­dên­cia de luz so­lar e com ar con­di­ci­o­na­do, por exem­plo, são re­co­men­da­dos os jar­dins per­ma­nen­tes, fei­tos com plan­tas ar­ti­fi­ci­ais, ou os pre­ser­va­dos, fei­tos com fo­lhas na­tu­rais de­si­dra­ta­das e pig­men­ta­das.

Am­bos os sis­te­mas não pre­ci­sam de ne­nhu­ma ma­nu­ten­ção e têm fá­cil ins­ta­la­ção, com pla­cas pron­tas que de­vem ser fi­xa­das na pa­re­de com pre­gos. Ao ins­ta­lar, cer­ti­fi­que-se de que to­das as fo­lhas es­te­jam bem aber­tas pa­ra um ar mais re­a­lis­ta.

Pre­pa­ro. An­tes de mais na­da, ob­ser­ve o lo­cal da ca­sa que se­rá des­ti­na­do ao jar­dim. A par­tir da luz so­lar e ven­ti­la­ção, es­co­lha os ti­pos de plan­tas a se­rem com­pra­dos. Pa­ra es­pa­ços com ex­po­si­ção di­re­ta ao sol, o en­ge­nhei­ro agrô­no­mo João Manuel Fei­jó, da Eco­te­lha­dos, re­co­men­da as­par­gos, lam­ba­ri ro­xo e dó­lar. Já pa­ra a som­bra, ji­boia, pe­pe­ro­mia e sa­mam­bai­as.

“É in­te­res­san­te tam­bém co­nhe­cer o ci­clo de vi­da da plan­ta pa­ra não achar que tem al­go de er­ra­do com ela, mas en­ten­der que ela es­tá dor­men­te du­ran­te o in­ver­no e vai vol­tar a cres­cer de no­vo na pri­ma­ve­ra, por exem­plo”, diz João.

As sa­ca­das e va­ran­das são os lo­cais ide­ais pe­la fa­ci­li­da­de de es­co­a­men­to da água. Pen­san­do nis­so, a ar­qui­te­ta Mo­na Sin­gal, da Rua 141, cri­ou um sis­te­ma pa­ra o seu pro­je­to de 180 m² em Mo­e­ma, São Paulo, em par­ce­ria com o es­cri­tó­rio de pai­sa­gis­mo Sei­va. “Fi­ze­mos ca­lhas em ci­ma do deck pa­ra con­se­guir es­co­ar a água até o ra­lo do ter­ra­ço. Com a ve­ge­ta­ção ela fi­ca bem es­con­di­da”, con­ta Mo­na, que op­tou por realçar as ca­rac­te­rís­ti­cas do es­pa­ço pa­ra os cli­en­tes.

“O ca­sal de mo­ra­do­res ti­nha uma va­ran­da bem su­bu­ti­li­za­da, mas não que­ri­am in­te­grar os am­bi­en­tes. Por is­so, a ideia foi va­lo­ri­zar as ca­rac­te­rís­ti­cas da área ex­ter­na, com o deck, o jar­dim ver­ti­cal e os ban­cos que acom­pa­nham a cur­va­tu­ra do pré­dio”, ex­pli­ca ela.

De­pois de es­co­lhi­do o lo­cal, é pre­ci­so op­tar pe­lo ti­po de sis­te­ma: man­tas ou gra­des. Pa­ra am­bas re­co­men­da-se a im­per­me­a­bi­li­za­ção da pa­re­de, es­pe­ci­al­men­te se exis­tir um sis­te­ma de ir­ri­ga­ção au­to­ma­ti­za­do. “As plan­tas vão fi­car jun­ti­nhas uma das ou­tras, en­tão às ve­zes vo­cê po­de mo­lhar o va­so e es­que­cer do ou­tro, ou co­lo­car mais água do que o ne­ces­sá­rio. As que mais so­frem são as plan­tas que es­tão aci­ma do seu olhar, que exi­gem uma es­ca­da pa­ra se­rem cui­da­das”, aler­ta a pai­sa­gis­ta

Nã­na Gui­ma­rães.

Um jar­dim ver­ti­cal po­de che­gar a ter mais de cem va­sos, a de­pen­der do tamanho da pa­re­de. Pa­ra se ter uma ideia, em um me­tro qua­dra­do, cos­tu­mam ser uti­li­za­dos no­ve va­sos. As­sim, o sis­te­ma au­to­ma­ti­za­do po­de fa­ci­li­tar a re­ga e man­ter as plan­tas em bom es­ta­do du­ran­te uma vi­a­gem, por exem­plo. Pa­ra re­gas ma­nu­ais, pre­fi­ra ho­rá­ri­os ma­ti­nais. “As plan­tas tam­bém ador­me­cem. Re­gan­do de ma­nhã ela tem o dia in­tei­ro pa­ra usar es­sa água, eva­po­rar e dor­mir com as raí­zes se­cas”, ex­pli­ca Nã­na.

Mon­ta­gem. A ins­ta­la­ção é pa­re­ci­da nos dois sis­te­mas, bas­ta ad­qui­rir o ti­po de sus­ten­ta­ção da sua pre­fe­rên­cia – man­ta, tre­li­ça de ma­dei­ra ou pai­nel de fer­ro – e ins­ta­lar na pa­re­de com a aju­da de pa­ra­fu­sos e fu­ra­dei­ra. Na in­ter­net, os pre­ços va­ri­am en­tre R$ 50 e R$ 200. Pa­ra as du­as úl­ti­mas op­ções, é ne­ces­sá­rio tam­bém ad­qui­rir va­si­nhos de plás­ti­co pa­ra sus­ten­tar as plan­tas, que cus­tam em mé­dia R$ 3 ca­da um. A quan­ti­da­de de va­sos usa­dos de­ve ser de­fi­ni­da pe­los mo­ra­do­res. Cer­ti­fi­que­se de que eles te­nham fu­ros na par­te de bai­xo pa­ra o es­co­a­men­to da água.

Em sis­te­mas com ma­dei­ra, fi­xe os va­sos com pre­gos. Já nas gra­des de fer­ro, is­so po­de ser fei­to com a aju­da de amar­ra­dei­ras de ny­lon ou gan­chos. Pa­ra is­so, é pre­ci­so, na mai­o­ria das ve­zes, fa­zer fu­ros nos la­dos di­rei­to e es­quer­do da par­te tra­sei­ra do va­so pa­ra per­mi­tir a pas­sa­gem dos sus­ten­ta­do­res. Um se­gre­do pa­ra a be­le­za dos jar­dins ver­ti­cais é a ca­mu­fla­gem de seus ele­men­tos, por is­so, op­te por to­dos da mes­ma cor ou pin­te-os.

Com a ba­se pron­ta, che­ga a ho­ra de de­co­rar. An­tes de po­si­ci­o­nar os va­sos, no en­tan­to, pre­pa­re-os com uma ca­ma­da de ar­gi­la ex­pan­di­da, uma man­ta de dre­na­gem e ou­tra de ter­ra adu­ba­da. Dei­xe dois de­dos en­tre a bor­da e a su­per­fí­cie. Co­me­ce co­lo­can­do-os de ci­ma pa­ra bai­xo, em uma sequên­cia zi­gue­za­gue pa­ra que as fo­lhas de uma es­pé­cie “es­con­dam” o va­so da ou­tra. É in­di­ca­do que en­tre elas te­nha um es­pa­ça­men­to de 10 cm.

Na úl­ti­ma fi­lei­ra, dei­xe os va­sos en­tre 20 a 30 cen­tí­me­tros aci­ma do pi­so. “Bo­as plan­tas pa­ra es­sa fi­lei­ra são sa­mam­bai­as, poly­po­dium, fi­lo­den­dros e cis­tus. Plan­tas que são me­nos sen­sí­veis e com fo­lhas mais lar­gas”, in­di­ca Nã­na.

A ma­nu­ten­ção é es­sen­ci­al, pois com o tem­po as fo­lhas cres­cem e po­dem fa­zer som­bras nas que es­tão abai­xo. “O jar­dim bo­ni­to é o que tem ma­nu­ten­ção to­do mês”, re­su­me a pai­sa­gis­ta ci­tan­do po­da, adu­ba­ção e fer­ti­li­za­ção.

 ?? JU­LIA RI­BEI­RO ?? Lo­cal. Sa­ca­das e va­ran­das são ide­ais pa­ra um jar­dim ver­ti­cal pe­lo es­co­a­men­to de água: no pro­je­to de Mo­na Sin­gal, um sis­te­ma de ca­lhas foi ins­ta­la­do
JU­LIA RI­BEI­RO Lo­cal. Sa­ca­das e va­ran­das são ide­ais pa­ra um jar­dim ver­ti­cal pe­lo es­co­a­men­to de água: no pro­je­to de Mo­na Sin­gal, um sis­te­ma de ca­lhas foi ins­ta­la­do
 ?? RAFAEL RENZO ?? De­co­ra­ção. Sis­te­ma com tre­li­ças de ma­dei­ra po­de dar des­ta­que à pa­re­de
RAFAEL RENZO De­co­ra­ção. Sis­te­ma com tre­li­ças de ma­dei­ra po­de dar des­ta­que à pa­re­de
 ?? ELAINE CAR­VA­LHO/VER­TI­CAL GAR­DEN ?? Op­ção. Jar­dins pre­ser­va­dos são bo­as es­co­lhas pa­ra os am­bi­en­tes in­ter­nos
ELAINE CAR­VA­LHO/VER­TI­CAL GAR­DEN Op­ção. Jar­dins pre­ser­va­dos são bo­as es­co­lhas pa­ra os am­bi­en­tes in­ter­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil