Da Es­ta­ção das Do­cas ao Mer­ca­do Ver-o-pe­so, an­tes ou de­pois da chu­va, um gi­ro pe­la ca­pi­tal do Pa­rá.

Qual Viagem - - SUMARIO - Por Air­ton Gon­tow

A ca­pi­tal do Pa­rá tem mui­to a ofe­re­cer aos vi­si­tan­tes. An­tes ou de­pois da chu­va das 17 ho­ras, da Es­ta­ção das Do­cas ao Mer­ca­do Ver-o-pe­so, dei­xe-se le­var pelos aro­mas, co­res e sa­bo­res des­se des­ti­no “pai-d’égua”

No iní­cio da dé­ca­da de 1970, em Belém, no Pa­rá, ao sair ex­te­nu­a­do do gra­ma­do no in­ter­va­lo de um jo­go con­tra uma equi­pe lo­cal, dis­pu­ta­da sob um sol ar­ra­sa­dor de 44° C, o cen­tro­a­van­te Clau­di­o­mi­ro, do In­ter­na­ci­o­nal de Por­to Ale­gre, foi abor­da­do ao vi­vo por um re­pór­ter gaú­cho. “Co­mo tu es­tás te sen­tin­do?” O ata­can­te co­lo­ra­do res­pon­deu: “Es­tou mui­to emo­ci­o­na­do de jo­gar on­de Je­sus Cris­to nas­ceu.”

Co­nhe­ci­do pe­la sua fal­ta de cul­tu­ra e al­vo de brin­ca­dei­ras dos ou­tros jo­ga­do­res, Clau­di­o­mi­ro é tam­bém o ver­da­dei­ro au­tor da cé­le­bre ex­pli­ca­ção pa­ra a per­da de um gol fá­cil: “a bo­la veio em cur­va, eu não sa­bia se ia, se não ia, aca­bei não fon­do e per­di o gol.”

Fol­clo­res à par­te, Belém, on­de, cla­ro, Je­sus Cris­to não nas­ceu, é uma ex­ce­len­te di­ca de vi­a­gem pa­ra to­das as épo­cas do ano. No se­gun­do do­min­go de ou­tu­bro, por exem­plo, acon­te­ce, des­de 1793, o Cí­rio de Na­za­ré, pro­cis­são com 2 mi­lhões de fiéis, a mai­or do país.

Há mui­to pa­ra se fa­zer na ci­da­de, mas nos­sa prin­ci­pal su­ges­tão não pas­sa pelos lu­ga­res, mas pelos sen­ti­dos e com­por­ta­men­to: es­que­ça o tu­ris­mo tra­di­ci­o­nal; não bus­que atra­ções fei­tas pa­ra “tu­ris­ta ver”. Dei­xe-se le­var pelos aro­mas, co­res e sa­bo­res da ci­da­de. Per­mi­ta-se en­can­tar pe­las ge­ne­ro­sas man­guei­ras que se es­pa­lham pe­las ru­as e ave­ni­das - cer­ca de 20 mil!

Co­mo não re­gis­trar pa­ra sem­pre o mo­men­to da chu- Lo­ca­li­za­do no bair­ro do Re­du­to, o Por­to de Belém é o mai­or da re­gião Nor­te e com gran­de atu­a­ção na ex­por­ta­ção de cas­ta­nha, ma­dei­ra, bor­ra­cha, bau­xi­ta e mi­né­rio de fer­ro va das 17 ho­ras – que cai, sim, pon­tu­al­men­te qua­se to­dos os di­as! To­do mundo cor­re pa­ra se abri­gar de­bai­xo das mar­qui­ses dos pré­di­os. Quan­do a chu­va pas­sa, o mo­vi­men­to é no sen­ti­do con­trá­rio. Há mui­tas ve­zes uma cor­re­ria des­ba­ra­ta­da de vol­ta pa­ra as ru­as, já que to­dos que­rem pe­gar as man­gas que a chu­va aju­dou a der­ru­bar. A “chu­va” de man­gas é tan­ta que as se­gu­ra­do­ras in­clu­em no se­gu­ro dos au­to­mó­veis os even­tu­ais da­nos cau­sa­dos pe­la fru­ta.

O en­can­to vem tam­bém pe­las pes­so­as, já que é a gen­te da ter­ra, com seu jei­to, sua cul­tu­ra e seus cos­tu­mes, que tor­na Belém ini­gua­lá­vel. Com cer­ca de 1,7 mi­lhão de ha­bi­tan­tes, a ci­da­de tem em sua for­ma­ção in­fluên­ci­as in­dí­ge­na, ne­gra, la­ti­na e eu­ro­peia. Pres­te aten­ção na lin­gua­gem, re­ple­ta de ex­pres­sões di­fe­ren­tes pa­ra quem é de ou­tras re­giões do país. Se al­guém cha­mar vo­cê de “pai-d’égua”, não par­ta pa­ra bri­ga nem se ofen­da. É um elo­gio. Sig­ni­fi­ca que vo­cê é uma boa pes­soa.

Pa­ra co­nhe­cer a ca­pi­tal pa­ra­en­se é só co­lo­car rou­pas bem le­ves, tê­nis ou chi­ne­los, bo­né, ócu­los de sol e, cla­ro, mui­to pro­te­tor so­lar e sair pa­ra des­co­brir os en­can­tos de uma das mais fas­ci­nan­tes e au­tên­ti­cas ci­da­des do País. Clau­di­o­mi­ro até que ti­nha ra­zão em se sen­tir co­mo­vi­do. Cris­to não nas­ceu em Belém, mas a ci­da­de é di­vi­na!

En­quan­to es­cre­vo so­bre es­se fas­ci­nan­te des­ti­no bra­si­lei­ro que no úl­ti­mo dia 12 de ja­nei­ro com­ple­tou 401

anos de fun­da­ção, o som dos de­dos di­gi­tan­do nos te­cla­dos har­mo­ni­ca­men­te se fun­de com um ba­ru­lho es­tra­nho, quen­te e sau­do­so, vin­do de den­tro do pei­to. Na men­te, mui­tas lem­bran­ças des­sa fan­tás­ti­ca ci­da­de cheia de co­res, aro­mas, sa­bo­res e per­so­na­gens. Nos si­nos do meu co­ra­ção, ou­ço uma mes­ma e apai­xo­na­da ba­ti­da: “Belém, Belém, Belém, Belém, Belém, Belém...”

Es­ta­ção das Do­cas e a gas­tro­no­mia pa­ra­en­se

do Gu­a­ja­rá. Tem res­tau­ran­tes, ba­res, ci­ne­te­a­tro, mi­ni fá­bri­ca de cer­ve­ja, lo­jas e ser­vi­ços, li­vra­ria e sor­ve­te­ria, além de um ter­mi­nal flu­vi­al pa­ra ines­que­cí­veis pas­sei­os às ilhas ou con­tor­nan­do a ci­da­de, com di­rei­to a shows de dan­ça no bar­co e com des­ta­que pa­ra o ca­rim­bó.

Na Es­ta­ção das Do­cas, di­fí­cil é de­ci­dir en­tre fi­car do la­do ex­ter­no, apro­vei­tan­do a be­le­za da vis­ta, ou do la­do de den­tro, sob a pro­te­ção do ar-con­di­ci­o­na­do, sem­pre fun­da­men­tal em Belém. Co­mo su­ges­tão gas­tronô­mi­ca, vá ao res­tau­ran­te Lá em Ca­sa e sa­bo­reie os pra­tos pa­ra­en­ses – co­mo o Pa­to no Tu­cu­pi e a Ma­ni­ço­ba. Obri­ga­tó­rio é co­nhe­cer a sor­ve­te­ria da Cai­ru, com de­ze­nas de sa­bo­res, co­mo ta­pi­o­ca, cu­pu­a­çu, ara­ça e ba­cu­ri pa­ra­en­se (açaí com fa­ri­nha de ta­pi­o­ca). Não fi­cam na Es­ta­ção das Do­cas, mas são igual­men­te im­per­dí­veis, o Ta­ca­cá da do­na Ma­ria do Car­mo, que há qua­tro dé­ca­das atrai tu­ris­tas e gen­te da pró­pria ci­da­de; o Point do Açaí, be­lo res­tau­ran­te (não se dei­xe en­ga­nar pelo no­me, que po­de su­ge­rir que o lo­cal se­ja uma bar­ra­qui­nha), pró­xi­mo à Es­ta­ção das Do­cas, com pra­tos va­ri­a­dos e sa­bo­ro­sís­si­mos da cu­li­ná­ria pa­ra­en­se; a Por­ti­nha, lu­gar pe­que­ni­no e sim­ples, na Ci­da­de Ve­lha (por ra­zões de se­gu­ran­ça, é bom evi­tar ca­mi­nhar e ir de tá­xi, co­mo in­fe­liz­men­te acon­te­ce em mui­tos lu­ga­res do Brasil), com de­lí­ci­as exó­ti­cas e ines­que­cí­veis co­mo a Es­fiha de Pa­to com Jam­bu, a de mu­ça­re­la de bú­fu­la,

Com­ple­xo tu­rís­ti­co de 32 mil me­tros qua­dra­dos, cons­truí­do nos an­ti­gos gal­pões do por­to de Belém, a Es­ta­ção das Do­cas (es­ta­ca­o­das­do­cas.com.br) ofe­re­ce, di­a­ri­a­men­te, mui­tas op­ções cul­tu­rais, es­pe­ci­al­men­te de te­a­tro, mú­si­ca e dan­ça. Des­ta­que pa­ra os pal­cos des­li­zan­tes – es­pé­ci­es de ele­va­do­res que an­dam no sen­ti­do ho­ri­zon­tal – com ar­tis­tas apre­sen­tan­do rit­mos di­ver­sos, em tom bai­xo, co­mo mú­si­ca pa­ra­en­se, MPB e até rock.

Os gru­pos da ter­ra têm ain­da es­pa­ço na or­la com o cri­a­ti­vo pro­je­to Pôr-do-som, que ocor­re inin­ter­rup­ta­men­te há 16 anos, além de vá­ri­as pro­du­ções te­a­trais.

A mai­or atra­ção das noi­tes de Belém e pon­to qua­se obri­ga­tó­rio pa­ra gran­des fes­tas, co­mo o Ré­veil­lon, com shows e quei­ma de fo­gos. Com seus 500 me­tros de or­la flu­vi­al, per­mi­te mo­men­tos sa­bo­ro­sos jun­to à baía

cas­ta­nha e to­ma­te se­co e o pas­tel de ba­con com Jam­bu; e o Re­man­so do Bos­que, si­tu­a­do no bair­ro Mar­co, con­si­de­ra­do por mui­tos co­mo o me­lhor res­tau­ran­te da ci­da­de. Ele é co­man­da­do pelo re­no­ma­do chef Thi­a­go Cas­ta­nho, que usa in­gre­di­en­tes tí­pi­cos da co­zi­nha pa­ra­en­se pa­ra pre­pa­rar mag­ní­fi­cos pra­tos com re­lei­tu­ra con­tem­po­râ­nea, a pre­ços aces­sí­veis. No mes­mo bair­ro há ou­tro res­tau­ran­te de Cas­ta­nho, o Re­man­so do Pei­xe, com pre­ços em mé­dia ain­da melhores.

Mu­seus, par­ques e ou­tros atra­ti­vos

Belém e ar­re­do­res têm mui­tos lu­ga­res de in­te­res­ses tu­rís­ti­cos aos vi­si­tan­tes. Um gi­ro pelos par­ques, mu­seus, igre­jas re­ve­lam a re­le­vân­cia his­tó­ri­ca e cul­tu­ral da ci­da­de. En­tre os prin­ci­pais pon­tos de atra­ção e que va­lem uma vi­si­ta es­tão os se­guin­tes:

Mu­seu Pa­ra­en­se Emí­lio Go­el­di – Ver­da­dei­ro cen­tro de pes­qui­sa da flo­ra amazô­ni­ca, o lo­cal é um jar­dim bo­tâ­ni­co em ple­na ci­da­de. Lá es­tão exem­pla­res da exu­be­ran­te flo­ra e fau­na da re­gião, co­mo vi­tó­ri­as-ré­gi­as, an­tas e ca­pi­va­ras. O par­que zo­o­bo­tâ­ni­co abran­ge uma área de 5,2 hec­ta­res.

The­a­tro da Paz – Foi er­gui­do em 1878 no au­ge do ci­clo da bor­ra­cha, ins­pi­ra­do no Te­a­tro Scal­la de Mi­lão. Cen­te­nas de com­pa­nhi­as in­ter­na­ci­o­nais se apre­sen­ta­ram em seu pal­co. Em 1882, o pró­prio ma­es­tro Car­los Go­mes re­geu “O Gu­a­ra­ni” no lo­cal.

Mu­seu do Cí­rio – Lo­ca­li­za­do pró­xi­mo ao Ver-o-pe­so, es­se pe­que­ni­no mu­seu re­ve­la em de­ta­lhes a ri­ca e gran­di­o­sa his­tó­ria do Cí­rio de Na­za­ré, mai­or even­to da ci­da­de, atra­ção até mes­mo pa­ra quem não é ca­tó­li­co.

Ca­te­dral de Belém (Ca­te­dral da Sé) – A vi­si­ta po­de ser fei­ta an­tes ou de­pois do Mu­seu do Cí­rio, por­que é só atra­ves­sar a rua. Em­bo­ra por fo­ra a ca­te­dral não se­ja im­pac­tan­te, seu in­te­ri­or é be­lís­si­mo, com su­as pa­re­des co­lo­ri­das e be­la cú­pu­la. É da Ca­te­dral de Belém que sai o Cí­rio de Na­za­ré.

Man­gal das Gar­ças – Es­se par­que eco­ló­gi­co tam­bém é um pe­da­ço da sel­va amazô­ni­ca na re­gião cen­tral de Belém. Re­pro­duz as mi­cro­re­giões da fau­na e flo­ra pa­ra­en­se, com as ma­tas de ter­ra fir­me, vár­zea e cam­pos. Lá es­tão o mai­or bor­bo­le­tá­rio da Amé­ri­ca do Sul, um be­lís­si­mo or­qui­dá­rio, o Fa­rol da Ci­da­de - com 47 me­tros - e um vi­vei­ro com aves ina­cre­di­tá­veis. Jar­dim Bo­tâ­ni­co Bos­que Ro­dri­gues Al­ves – Ou­tro exu­be­ran­te pe­da­ço da flo­res­ta amazô­ni­ca no

cen­tro da ci­da­de. No lo­cal há mais de 2 mil ár­vo­res, or­qui­dá­rio e um vi­vei­ro de ani­mais.

Com­ple­xo Fe­liz Lu­zi­tâ­nia – Um dos íco­nes da re­cu­pe­ra­ção dos es­pa­ços his­tó­ri­cos de Belém, in­clui o For­te do Pre­sé­pio (on­de fi­cam o Mu­seu do En­con­tro e o Mu­seu de Ar­te Con­tem­po­râ­nea), o Mu­seu de Ar­te Sa­cra (no in­te­ri­or da Igre­ja de San­to Ale­xan­dre, er­gui­da pelos je­suí­tas), o Mu­seu His­tó­ri­co do Pa­rá, a Ca­te­dral da Sé, o Te­a­tro de Ar­te Sa­cra e a Ca­sa das On­ze Ja­ne­las.

Ico­a­ra­ci – Nes­te bair­ro sim­ples com ru­as de ter­ra e alguns es­go­tos a céu aber­to, o tu­ris­ta en­con­tra te­sou­ros que a cul­tu­ra do es­ta­do man­tém e pro­duz: ce­râ­mi­cas Ma­ra­jo­a­ra, Ta­pajô­ni­ca e Ma­ra­cá, além de mó­veis em jun­co e apuí. Par­te fun­da­men­tal do pas­seio é ver o pro­ces­so pro­du­ti­vo das pe­ças. Ba­sí­li­ca Nos­sa Se­nho­ra de Na­za­ré – Foi er­gui­da em 1852, no lo­cal em que te­ria si­do en­con­tra­da a ima­gem da san­ta pelo ca­bo­clo Plá­ci­do. O tem­plo atu­al co­me­çou a ser cons­truí­do em 1909 e tem o es­ti­lo da Ba­sí­li­ca de São Pe­dro, no Va­ti­ca­no. A de­co­ra­ção com­ple­ta da igre­ja só foi fi­na­li­za­da na dé­ca­da de 1960. Tem o in­te­ri­or em már­mo­re, com apli­ca­ções de lâ­mi­nas de ou­ro e vi­trais fran­ce­ses. Ela é o lo­cal de che­ga­da do Cí­rio.

Es­pa­ço São Jo­sé Li­ber­to – Foi cons­truí­do em 1749 pelos fra­des ca­pu­chos. Com a ex­pul­são dos je­suí­tas, abri­gou du­ran­te 200 anos ola­ria, quar­tel, de­pó­si­to de pól­vo­ra, hos­pi­tal, ca­deia pú­bli­ca e pre­sí­dio. Foi por mais de um sé­cu­lo um lu­gar de pri­va­ção da li­ber­da­de pa­ra de­ten­tos co­muns e pre­sos po­lí­ti­cos. No fi­nal dos anos 1980, o pré­dio foi res­tau­ra­do. Em 2002, trans­for­mou-se no es­pa­ço que é ho­je. No lo­cal fun­ci­o­nam o Mu­seu de Ge­mas do Pa­rá, o Po­lo Jo­a­lhei­ro e a Ca­sa do Ar­te­são, on­de são pro­du­zi­das e co­mer­ci­a­li­za­das ti­ver­sos ti­pos de joi­as. Um be­lo jar­dim – es­tá si­tu­a­do den­tro do com­ple­xo e com uma fon­te ro­de­a­da de três imen­sos quart­zos. Com acer­vo de mais de 4 mil pe­ças, o Mu­seu de Ge­mas con­duz o tu­ris­ta a uma vi­a­gem atra­vés da his­tó­ria ge­mo­ló­gi­ca do Pa­rá.

Ilha de Mos­quei­ro – Per­ti­nho de Belém, a ilha pos­sui al­gu­mas das pou­cas prai­as de rio com on­das no mundo, que che­gam a ter até um me­tro e meio de al­tu­ra. É ri­ca em pe­que­nos ri­os e iga­ra­pés. No to­tal, são 21 prai­as na ilha.

Han­gar – Belém pos­sui o mai­or Cen­tro de Con­ven­ções da Amazô­nia, o Han­gar. Com uma área to­tal de 63 mil me­tros qua­dra­dos e 24 mil de área cons­truí­da to­tal­men­te in­te­gra­da ao am­bi­en­te amazô­ni­co, é equi­pa­do com re­cur­sos de al­ta tecnologia e pre­pa­ra­do pa­ra re­ce­ber gran­des even­tos. Cos­tu­ma re­ce­ber shows du­ran­te o ano.

Meu dia no Mer­ca­do Ver-o-pe­so

Já ou­vi e li mui­tas coi­sas so­bre o Ver-o-pe­so. Mas o fa­mo­so mer­ca­do não é o que di­zem. É mui­to mais! Che­guei, co­mo re­co­men­dam, às 4 ho­ras da ma­nhã. O so­no lo­go é ven­ci­do pelo bur­bu­ri­nho do lo­cal. É fas­ci­nan­te ver os bar­cos atra­can­do com seus pro­du­tos. É es­tu­pen­do ob­ser­var o mer­ca­do com fru­tas, ver­du­ras, pei­xes (mais de 30 es­pé­ci­es), ar­te­sa­na­tos, er­vas me­di­ci­nais, es­sên­ci­as, per­fu­mes e tem­pe­ros da re­gião. Tu­do is­so em meio ao rui­do­so e ani­ma­do som dos tra­ba­lha­do­res. Ines­que­cí­vel acom­pa­nhar os rai­os de sol sur­gin­do e tor­nan­do tu­do ain­da mais ale­gre e co­lo­ri­do.

Há mui­to pa­ra ver e pro­var. Exis­tem, por exem­plo, três ti­pos de açaí. Tem aque­le que to­dos nós co­nhe­ce­mos, com cor en­tre o vi­nho e o ro­xo; o açaí bran­co e até um tal de ba­ba­ca, que só é en­con­tra­do em al­gu­mas épo­cas do ano. Os pa­ra­en­ses cos­tu­mam con­su­mi-lo (a pou­pa do açaí) com fa­ri­nha de man­di­o­ca e pei­xe fri­to. De ca­fé da ma­nhã! Co­mo a gen­te sem­pre tem a ilu­são de con­se­guir ser por alguns mo­men­tos me­nos tu­ris­ta e mais um ha­bi­tan­te da pró­pria ter­ra, fa­ço o es­tra­nho des­je­jum e até que gos­to. De­ci­do pro­var de tu­do, das va­ri­a­das fru­tas e su­cos aos qui­tu­tes que en­fei­ti­çam os olhos e agu­çam o pa­la­dar. Es­que­ço a di­e­ta. Ver o pe­so na ba­lan­ça, só na vol­ta das fé­ri­as.

An­do mais um pou­co e che­go na par­te em que pre­do­mi­nam as ban­cas com er­vas e es­sên­ci­as di­tas me­di­ci­nais. A fei­ran­te olha pa­ra mim e diz “ve­nha com­prar es­se cre­me pa­ra pas­sar na pi­ro­qui­nha.” Res­pon­do: “vo­cê es­tá que­ren­do ven­der pa­ra mim ou quer me hu­mi­lhar?” Ela ri e ofe­re­ce uma ga­ma de pro­du­tos. “Com es­te Vi­a­gra na­tu­ral tu vais fa­zer três ve­zes se­gui­das”, ga­ran­tiu. Olho pa­ra a bar­ra­ca e o no­me da pro­pri­e­tá­ria es­tá es­tam­pa­do: So­cor­ro. Dou um slo­gan de pre­sen­te pa­ra a sim­pá­ti­ca pa­ra­en­se: “Os ho­mens pe­dem por So­cor­ro no Ver-o-pe­so”.

Si­go ca­mi­nhan­do, mas pa­ro mui­to pa­ra con­ver­sar com o má­xi­mo pos­sí­vel de pes­so­as. Do­na Co­ló, por exem­plo, exi­be em sua ban­ca jor­nais com en­tre­vis­tas e fo­tos em com­pa­nhia de fa­mo­sos, co­mo o apre­sen­ta­dor Ra­ti­nho. Nas ore­lhas, fo­lhas de ar­ru­da. Ela en­ten­de da ma­ni­pu­la­ção de pro­du­tos, ar­te aper­fei­ço­a­da nos cur­sos or­ga­ni­za­dos por uma as­so­ci­a­ção de do­nos de ban­cas do mer­ca­do. Des­ta vez o al­vo é ou­tro jor­na­lis­ta do gru­po, que es­tá ao meu la­do: “Com­pre es­sa po­ma­da pa­ra pas­sar lá no seu. Ga­ran­to que sua mu­lher vai gos­tar...”

ABC DO SABOR PA­RA­EN­SE

Açaí – O fru­to da pal­mei­ra do açai­zei­ro é o mais con­su­mi­do pelos ha­bi­tan­tes da re­gião amazô­ni­ca - em su­cos, sor­ve­tes e até acom­pa­nhan­do pra­tos. Os ven­de­do­res con­fes­sam que o co­bi­ça­do açaí com mel, gra­no­la e ba­na­na é fei­to sim, mas por cau­sa dos tu­ris­tas. “Bom é co­mer com pei­xe e fa­ri­nha e não com es­sa mis­tu­ra es­qui­si­ta que o pes­so­al do Sul ado­ra”, ex­pli­ca o sim­pá­ti­co co­mer­ci­an­te Rai­mun­do Pe­rei­ra.

Ca­ru­ru – Ou­tra das es­tre­las da gas­tro­no­mia pa­ra­en­se. Le­va ca­ma­rões se­cos des­cas­ca­dos e re­fo­ga­dos com alho, ce­bo­la, ce­bo­li­nha, pi­men­ta do rei­no e azei­te de den­dê. De­pois é en­gros­sa­do com fa­ri­nha se­ca co­a­da e qui­a­bo. Ge­ral­men­te é acom­pa­nha­do de guar­ni­ções de ca­ma­rões e fo­lhas de jam­bu. Cas­ta­nha-do-pa­rá – O no­me não veio por aca­so. O es­ta­do é o mai­or pro­du­tor e a po­pu­la­ção ado­ra. É sa­bo­ro­sa e nu­tri­ti­va, con­su­mi­da in na

tu­ra ou em di­ver­sas re­cei­tas. Em mer­ca­dos co­mo Ver-o-pe­so é ven­di­da com qua­li­da­des e pre­ços di­ver­sos. Mes­mo a “Ti­po Ex­por­ta­ção” tem va­lo­res bem abai­xo dos pra­ti­ca­dos na mai­o­ria dos es­ta­dos bra­si­lei­ros. Cu­pu­a­çu – É uma das fru­tas mais con­su­mi­das e uti­li­za­da nos mais di­ver­sos e sa­bo­ro­sos pro­du­tos, co­mo sor­ve­te, li­co­res, ge­lei­as, ba­las, cre­mes e cho­co­la­tes.

Fa­ri­nha d’água – É bem mais hi­dra­ta­da que as fa­ri­nhas se­cas que en­con­tra­mos em to­do o país, já que é fei­ta da man­di­o­ca que fi­ca de mo­lho no rio. É in­gre­di­en­te obri­ga­tó­rio nas me­sas do es­ta­do. Do ca­fé da ma­nhã até so­bre­me­sas do jan­tar.

Fei­jão-man­tei­gui­nha de San­ta­rém – É pe­que­ni­no, com me­nos que a me­ta­de do ta­ma­nho dos fei­jões usu­al­men­te con­su­mi­dos nas ou­tras re­giões bra­si­lei­ras. É be­ge e, cla­ro, cul­ti­va­do em San­ta­rém, ci­da­de na re­gião Oes­te do es­ta­do. En­ten­der a ori­gem do no­me é fá­cil. Bas­ta co­lo­cá-lo na bo­ca de­pois de co­zi­do: der­re­te co­mo uma man­tei­gui­nha.

Fi­lho­te – O no­me do pei­xe é es­qui­si­to, mas qual­quer es­tra­nha­men­to é es­que­ci­do à pri­mei­ra gar­fa­da. É o mai­or pei­xe de água do­ce do Brasil. Acre­di­te, não é his­tó­ria de pes­ca­dor, ele che­ga a pe­sar 300 qui­los. Até os 60 qui­los, o no­me é fi­lho­te. De­pois, pas­sa a ser cha­ma­do de Pi­raí­ba. O sabor é in­crí­vel!

É pre­pa­ra­do das mais di­ver­sas for­mas, co­mo em Mo­que­ca, ao Tu­cu­pi ou mes­mo as­sa­do na bra­sa.

Jam­bu – Jun­to com o tu­cu­pi for­ma a ba­se da mai­o­ria dos sa­bo­ro­sos pra­tos do Pa­rá. Quan­do mas­ti­ga­das, su­as fo­lhas dei­xam a bo­ca e a lín­gua dor­men­tes. É in­gre­di­en­te ca­da vez mais usa­do pelos chefs de co­zi­nha.

Ma­ni­ço­ba – A ex­pli­ca­ção dos pa­ra­en­ses pa­ra o no­me do pra­to é a se­guin­te: uma fei­jo­a­da que não le­va fei­jão! Pa­ra fa­zer a re­cei­ta, as fo­lhas de ma­ni­va - plan­ta que pro­duz a man­di­o­ca - são moí­das e, a se­guir, co­zi­das du­ran­te uma se­ma­na. Nos qua­tro pri­mei­ros di­as acres­cen­ta-se ape­nas água. De­pois en­tram lom­bo de­fu­ma­do, paio, lin­gui­ça, ore­lha e ra­bo de por­co, cos­te­la, bu­cho e char­que.

Mu­ru­ci – Tam­bém co­nhe­ci­da co­mo Mu­ri­ci, mas ao con­trá­rio do trei­na­dor, fa­mo­so por seu tem­pe­ra­men­to, di­ga­mos...um tan­to aze­do, é uma fru­ta de do­ce sabor. A fru­ti­nha ama­re­la é boa pa­ra sor­ve­tes, do­ces e su­cos.

Pa­to no Tu­cu­pi – É a igua­ria mais pe­di­da pelos tu­ris­tas nos res­tau­ran­tes de Belém. O pa­to as­sa­do é cor­ta­do em pe­da­ços e fer­vi­do va­ga­ro­sa­men­te no tu­cu­pi até fi­car ma­cio. O tem­pe­ro tem uma mis­tu­ra das fo­lhas de chi­có­ria - tem­pe­ro ver­de, tí­pi­co da re­gião - com alho, al­fa­va­ca, pi­men­ta cu­ma­ri­do-pa­rá e jam­bu. Im­per­dí­vel.

Pi­ra­ru­cu – É o mai­o­ral en­tre os pei­xes com es­ca­mas no País. Che­ga a me­dir mais de 2,5 me­tros e a pe­sar 80 qui­los. Tem di­ver­sas ma­nei­ras de pre­pa­ro, co­mo as­sa­do na cha­pa e ser­vi­do com fa­ri­nha d’água e sa­la­da de fei­jão-man­tei­gui­nha de San­ta­rém. Sal­ga­do, mui­tas ve­zes subs­ti­tui o ba­ca­lhau.

Ta­ca­cá – Ser­vi­do fer­ven­te e em ti­ge­la (cuia), com­bi­na com sabor e har­mo­nia per­fei­ta go­ma de man­di­o­ca, tu­cu­pi, jam­bu e ca­ma­rões se­cos, tu­do mis­tu­ra­do na ho­ra. Em­bo­ra não te­nha ál­co­ol, mui­ta gen­te ga­ran­te fi­car até um pou­co “al­ta” após pro­var o pra­to.

Tu­cu­pi – Ex­traí­do da raiz da man­di­o­ca, é um mo­lho ama­re­la­do que dá um sabor úni­co aos pra­tos. É pos­sí­vel ver nos mais di­ver­sos mer­ca­dos, ge­ral­men­te em gar­ra­fas plás­ti­cas. An­tes de ser con­su­mi­do, de­ve ser co­zi­do de­mo­ra­da­men­te, já que cru é ve­ne­no­so. É uti­li­za­do com abun­dân­cia em mui­tos pra­tos da co­zi­nha pa­ra­en­se. Tan­to que uma ex­pres­são lo­cal diz: “até mes­mo pe­dra fi­ca bom com tu­cu­pi”.

O com­ple­xo tu­rís­ti­co Es­ta­ção das do­cas é re­fe­rên­cia na­ci­o­nal por ofe­re­cer, em um só lu­gar, op­ções de gas­tro­no­mia, la­zer e even­tos com con­for­to e se­gu­ran­ça

Inau­gu­ra­do em 1878, pos­sui li­nhas ne­o­clás­si­cas e foi cons­truí­do no pe­río­do áu­reo da ex­plo­ra­ção da bor­ra­cha na Amazô­nia

Às mar­gens do Rio Gu­a­má, em ple­no cen­tro his­tó­ri­co de Belém, o Man­gal das Gar­ças é um par­que eco­ló­gi­co com mais de 300 es­pé­ci­es de ár­vo­res na­ti­vas da re­gião A Ca­te­dral Me­tro­po­li­ta­na de Belém (Ca­te­dral da Sé) tem es­ti­lo ne­o­clás­si­co e bar­ro­co

A Ba­sí­li­ca de Nos­sa Se­nho­ra de Na­za­ré é o lo­cal de che­ga­da da pro­cis­são do Cí­rio de Na­za­ré e en­tre­ga da Ima­gem Pe­re­gri­na

No Mer­ca­do Ver-o-pe­so são co­mer­ci­a­li­za­dos fru­tas, ver­du­ras, ar­te­sa­na­tos, per­fu­mes, tem­pe­ros, mais de 300 ti­pos de pei­xes e er­vas me­di­ci­nais co­mo o “Vi­a­gra na­tu­ral” da do­na So­cor­ro (abai­xo à di­rei­ta)

AÇAÍ

CAS­TA­NHA-DO- PA­RÁ

CA­RU­RU

FEI­JÃO-MAN­TEI­GUI­NHA

MU­RU­CI

MA­NI­ÇO­BA

PA­TO NO TU­CU­PI

TA­CA­CÁ

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.