Can­cún e Riviera Maia: o ca­ri­be azul do Mé­xi­co

Qual Viagem - - MÉXICO - Por Cláu­dio La­cer­da Oli­va

Se há um lu­gar per­fei­to pa­ra fé­ri­as em fa­mí­lia es­se lu­gar é o Ca­ri­be me­xi­ca­no. Se es­ti­ver com cri­an­ças prin­ci­pal­men­te. E o mo­ti­vo é fá­cil de en­ten­der: sol, areia cla­ri­nha, mar de águas cris­ta­li­nas, prai­as de água cal­mas e sem on­das, in­fra­es­tru­tu­ra qua­se que per­fei­ta e boa re­cep­ti­vi­da­de. Pou­cos lu­ga­res no mun­do têm a ca­pa­ci­da­de de reu­nir es­sas qua­li­da­des de for­ma tão harmô­ni­ca co­mo Can­cún e a be­la Riviera Maia. O pe­da­ço de ter­ra no ex­tre­mo les­te do Mé­xi­co en­can­ta fa­mí­li­as do mun­do in­tei­ro que de­se­jam unir os in­te­res­ses mais di­ver­sos em uma vi­a­gem ines­que­cí­vel pa­ra pes­so­as de to­das as fai­xas etá­ri­as.

E não é à toa que se tor­na­ram um dos des­ti­nos tu­rís­ti­cos mais po­pu­la­res do Mé­xi­co. A Riviera Maia guar­da al­guns te­sou­ros es­con­di­dos, co­mo prai­as iso­la­das e ce­no­tes (ca­ver­nas sub­mer­sas ap­tas pa­ra na­do) de ti­rar o fô­le­go. Mas a re­gião que vai de Pu­er­to Mo­re­los, ao nor­te, até Pun­ta Al­len, no sul, tem mui­to o que sur­pre­en­der: ofe­re­ce uma óti­ma es­tru­tu­ra de hospedagem, ali­men­ta­ção e pro­gra­mas in­crí­veis pa­ra vi­si­tan­tes de to­das as ida­des. Um dos des­ta­ques é Playa Del Car­men e Tu­lum.

Tu­lum, por exem­plo, é um dos lo­cais mais elo­gi­a­dos da re­gião. O tu­ris­ta po­de con­fe­rir em qua­se 30 km de ex­ten­são uma óti­ma re­de de ser­vi­ços que abri­ga ex­ce­len­tes res­tau­ran­tes, ba­res des­co­la­dos, bu­ti­ques de lu­xo e lo­ji­nhas char­mo­sas, bo­a­tes bem ani­ma­das e um sí­tio ar­que­o­ló­gi­co riquís­si­mo, que ser­ve de en­tra­da pa­ra co­nhe­cer a his­tó­ria da ci­vi­li­za­ção maia, uma das mais com­ple­xas de to­do o mun­do.

MER­GU­LHO E MUI­TO SOL EM PLAYA DEL CAR­MEN

Pe­la ma­nhã, o ide­al é apro­vei­tar o sol, ca­mi­nhar na praia e dar um mer­gu­lho no mar azul. Es­se é o ri­tu­al

que qua­se to­do tu­ris­ta se­gue quan­do vi­si­ta a ci­da­de: ir pa­ra a praia. Mas nem ape­nas de sol, areia bran­ca e mar tur­que­sa vi­ve a ci­da­de, é mui­to co­mum fa­zer pas­sei­os ao lon­go da vi­a­gem. E eles são tan­tos que vo­cê pre­ci­sa até con­tro­lar e di­vi­dir o tem­po de mo­do a dar aten­ção à ci­da­de sem dei­xar de co­nhe­cer al­guns dos pro­gra­mas mais le­gais da Pe­nín­su­la de Yu­ca­tán.

Fa­zer um mer­gu­lho com ci­lin­dro é a cer­te­za de co­nhe­cer Playa de um de seus ân­gu­los mais es­pe­ta­cu­la­res. Em PDC, mer­gu­lhar em ce­no­tes ou nos ar­re­ci­fes de co­rais de Co­zu­mel é uma óti­ma opor­tu­ni­da­de pa­ra ti­rar a li­cen­ça de mer­gu­lho. Quem pre­fe­rir se aven­tu­rar no snor­kel não fi­ca­rá tris­te e po­de­rá des­co­brir lin­das pai­sa­gens.

Du­ran­te o dia ou à noi­te, a 5ª Ave­ni­da é on­de ocor­re o bur­bu­ri­nho da ci­da­de. De­pois de cur­tir um dia na praia ou fa­zen­do pas­sei­os, não dei­xe de ca­mi­nhar pe­la ave­ni­da e co­mer num res­tau­ran­te ou to­mar um drink num bar. Lá pe­la meia noi­te, vá à Cal­le 12 e ob­ser­ve o mo­vi­men­to nos ba­res, loun­ges e ca­sas de show - uma ca­sa ao la­do da ou­tra, ca­da uma com um som di­fe­ren­te, su­pe­ra­ni­ma­do.

Já Can­cún é a área mais an­ti­ga da pe­nín­su­la, cri­a­do em 1976 ex­clu­si­va­men­te pa­ra ser o me­lhor des­ti­no tu­rís­ti­co do pla­ne­ta. A ci­da­de con­ta com mais de 30 mil quar­tos de ho­tel e, não por aca­so, a ex­ce­len­te re­de ho­te­lei­ra tam­bém se tor­nou uma atra­ção por si: re­sorts e ho­téis com par­ques aquá­ti­cos, res­tau­ran­tes de al­tís­si­mo ní­vel, play­grounds, shows e um rol in­fi­ni­to de ati­vi­da­des.

Ain­da as­sim, os es­ta­be­le­ci­men­tos são ca­pa­zes de ino­var a ca­da tem­po­ra­da. Com a con­so­li­da­ção na mai­o­ria dos es­ta­be­le­ci­men­tos do sis­te­ma all in­clu­si­ve, com res­tau­ran­tes di­fe­ren­ci­a­dos pa­ra adul­tos e cri­an­ças, e do ser­vi­ço de ba­bá - ex­ce­len­te pa­ra or­ga­ni­zar a ro­ti­na dos pe­que­nos -, os ho­téis se so­bres­sa­em nos mi­mos e ati­vi­da­des pa­ra en­tre­ter os me­no­res hós­pe­des. Mui­tos lu­ga­res já ofe­re­cem ser­vi­ços de mas­sa­gens e te­ra­pi­as pa­ra os cli­en­tes de até qua­tro anos de ida­de, noi­tes do pi­ja­ma em que as cri­an­ças po­dem dor­mir em rit­mo de aven­tu­ra lon­ge dos pais, au­las de mer­gu­lho e até cur­sos de cu­li­ná­ria.

Em se tra­tan­do do Ca­ri­be, a com­bi­na­ção de mar com um bom ho­tel já ren­de­ria fé­ri­as de óti­mo ta­ma­nho. Mas Can­cún e Riviera Maia cri­am pos­si­bi­li­da­des mui­to mais am­plas, que sur­pre­en­dem fa­mí­li­as que bus­cam mes­clar di­as de ab­so­lu­to des­can­so com ex­pe­ri­ên­ci­as inu­si­ta­das e ines­que­cí­veis.

Pa­re­ce ób­vio di­zer que uma das mai­o­res atra­ções do lo­cal são su­as prai­as. Ain­da que a com­bi­na­ção de mar e arei­as in­crí­veis pa­re­ça in­su­pe­rá­vel, há lu­ga­res mais es­con­di­dos que po­dem sur­pre­en­der ain­da mais. É al­ta­men­te re­co­men­da­da uma vi­si­ta à praia de Aku­mal, pró­xi­ma à Re­ser­va na­tu­ral de Si­an Ka’an – com sor­te, é pos­sí­vel en­con­trar gran­des tar­ta­ru­gas de­po­si­tan­do seus ovos na areia. Da­li, a pe­di­da é ir pa­ra a la­goa Yal Ku, com água trans­pa­ren­te e cheia de pei­xes co­lo­ri­dos.

A Riviera Maia abri­ga vá­ri­os par­ques te­má­ti­cos, com atra­ções pa­ra to­das as ida­des, co­mo ri­os sub­ter­râ­ne­os, a ex­pe­ri­ên­cia in­crí­vel de na­dar e con­vi­ver com gol­fi­nhos, mer­gu­lhos e ti­ro­le­sas ra­di­cais. O Xca­ret é um dos mai­o­res e se in­ti­tu­la um par­que “eco­ar­que­o­ló­gi­co”, pois abri­ga ruí­nas e pi­râ­mi­des mai­as aber­tas à vi­si­ta­ção gui­a­da, além de ofe­re­cer uma das atra­ções mais po­pu­la­res: o na­do com os gol­fi­nhos. O Xplor é um par­que mais in­di­ca­do pa­ra ado­les­cen­tes, com atra­ções que exi­gem um ní­vel mais al­to de adre­na­li­na, co­mo ti­ro­le­sas, ex­cur­sões em car­ros an­fí­bi­os e na­do em ri­os.

Can­cún e Riviera Maia, co­mo diz o no­me, guar­dam a his­tó­ria da ci­vi­li­za­ção maia, con­si­de­ra­da uma das mais evo­luí­das e com­ple­xas do mun­do. O sí­tio ar­que­o­ló­gi­co “El Rey”, den­tro de Can­cún, abri­ga cons­tru­ções de mais de 1.500 anos, ain­da bem pre­ser­va­das.

Em Playa del Car­men, à es­quer­da, o agi­to é sem­pre ga­ran­ti­do e abai­xo mer­gu­lho nos acer­ri­fes de co­rais de Co­zu­mel

Es­por­tes náu­ti­cos e tran­qui­li­da­de em Aku­mal O par­que Xplor é ide­al pa­ra quem não dis­pen­sa uma aven­tu­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.