MÉ­XI­CO, en­can­tos da ter­ra, céu e o mar

Qual Viagem - - BOARDING GATE - IN­FOR­MA­ÇÕES: ae­ro­me­xi­co.com | vi­sit­me­xi­co.com | sat­ne­xi­co.net

Já es­ti­ve al­gu­mas ve­zes no Mé­xi­co, na Cos­ta Oes­te, Cos­ta Les­te e Ca­pi­tal. Fi­quei apaixonado por es­se co­lo­ri­do país e re­sol­vi des­sa vez re­tor­nar acom­pa­nha­do de ami­gos es­pe­ci­ais: o co­me­di­an­te Rafael Cortez, as pin­to­ras Isa­bel­le Tu­ch­band e Ve­re­na Mat­zen mais o fan­tás­ti­co can­tor Pau­lo Jo­sé Be­ne­vi­des. Fo­mos a Pun­ta Mi­ta e Pu­er­to Val­lar­ta em Ri­vi­e­ra Naya­rit na Cos­ta Oes­te, Gu­a­da­la­ja­ra ca­pi­tal de Ja­lis­co e a sem­pre des­lum­bran­te ca­pi­tal Ci­da­de do Mé­xi­co. Fo­ram di­as sen­sa­ci­o­nais!

To­ma­mos o vôo no no­vís­si­mo Dre­am Li­ner da Ae­ro­me­xi­co en­tre São Pau­lo e Pu­er­to Val­lar­ta com co­ne­xão na Ci­da­de do Mé­xi­co. Che­ga­mos in­tei­ros e des­can­sa­dos pois es­sa ae­ro­na­ve, en­tre ou­tras imen­sas van­ta­gens, con­so­me me­nos gás carbô­ni­co e oxi­ge­na mui­to mais a ca­bi­ne, o que dá uma sen­sa­ção de con­for­to ina­cre­di­tá­vel. De lá vo­a­mos pa­ra Pu­er­to Val­lar­ta, uma ci­da­de de pura di­ver­são, co­lo­ri­da e com um mar azul sem fim emol­du­ra­dos por prai­as com arei­as bran­cas. Uma imen­sa re­de ho­te­lei­ra de lu­xo aten­de turistas com des­ta­que ao Hil­ton (www3.hil­ton.con) e ao Mou­sai (ho­tel­mou­sai.com) que são per­fei­tos pa­ra es­ses di­as com a fa­mí­lia, ami­gos ou o gran­de amor.

Res­tau­ran­tes sen­sa­ci­o­nais es­tão ali pró­xi­mos ao Ma­le­con, a mais des­co­la­da e agi­ta­da or­la que já ca­mi­nhei em mi­nha vi­da com gen­te lin­da. Va­le res­sal­tar os res­tau­ran­tes que mais gos­tei: Tin­to­que (tin­to­que.mx), fu­si­on cui­si­ne, e o Vis­ta Grill (vis­ta­grill.com), à bei­ra mar, es­pe­ci­a­lis­ta em pei­xes e fru­tos do mar. Ir­re­pre­en­sí­veis!

O cen­tro his­tó­ri­co é pu­ro char­me e man­tém to­das as ca­rac­te­rís­ti­cas do an­ti­go vi­la­re­jo en­tre­gan­do-nos a pura al­ma me­xi­ca­na. Dois pas­sei­os com bar­co são obri­ga­tó­ri­os: Los Ar­cos e Las Ani­mas. Que es­plen­dor no meio do mar, que praia, que be­le­za!

A me­nos de uma ho­ra de car­ro de Pu­er­to Val­lar­ta es­tá Pun­ta Mi­ta que é uma área par­ti­cu­lar de 6km² on­de es­tão pre­sen­tes dois lu­xu­o­sos ho­téis, Four Se­a­sons (four­se­a­sons. com) e St. Re­gis (stre­gis­pun­ta­mi­ta.com), além das so­fis­ti- ca­das vil­las ad­mi­nis­tra­das pe­la Trip Wix (tripwix.com), ca­sas par­ti­cu­la­res alu­ga­das com to­da in­fra­es­tru­tu­ra de ser­vi­ços e con­for­to. Es­se com­ple­xo re­ce­be o tu­ris­ta que bus­ca lu­xo e mui­ta ex­clu­si­vi­da­de, além cla­ro, das exu­be­ran­tes prai­as, pa­raí­sos re­ple­tos de ba­lei­as e gol­fi­nhos.

Es­tá ali o úni­co cam­po de gol­fe do mun­do a ter o Gre­en em uma ilha na­tu­ral (que re­ce­be o no­me de “ra­bo da ba­leia”). Pa­ra che­gar ao bu­ra­co é pre­ci­so pe­gar um veí­cu­lo an­fí­bio. Fren­te à praia es­tão as Ilhas Ma­ri­e­tas, um com­ple­xo de pe­que­nas ilho­tas que for­mam um des­lum­bran­te vi­su­al no meio do mar com uma pe­que­na praia par­ti­cu­lar de ar­ra­sar. Fé­ri­as per­fei­tas num lu­gar ines­que­cí­vel. Pró­xi­mo des­ti­no, fo­mos de car­ro, pas­san­do por “Pu­e­bli­tos Ma­gi­cos” até Gu­a­da­la­ja­ra. Si­tu­a­da a oes­te do Mé­xi­co,

Gu­a­da­la­ja­ra é a ci­da­de dos Ma­ri­a­chis e tam­bém das me­lho­res Te­qui­las, afi­nal a 40 mi­nu­tos da ci­da­de es­tá lo­ca­li­za­da a ci­da­de de Te­qui­la que le­va o no­me des­sa igua­ria.

Lá vi­si­ta­mos a des­ti­la­ria La Co­fra­dia, um lu­gar com de­gus­ta­ções sen­sa­ci­o­nais da be­bi­da. O lo­cal é tão es­pe­ci­al que até uma gar­ra­fa com as­si­na­tu­ra do fa­mo­so gui­tar­ris­ta Car­los San­ta­na é pro­du­zi­da por es­sa con­cei­tu­a­da fá­bri­ca.

Em Gu­a­da­la­ja­ra um bair­ro de no­me Tla­que­pa­que ar­ra­sa. Lá es­tão os mais ani­ma­dos e de­li­ci­o­sos res­tau­ran­tes on­de apre­sen­tam-se im­por­tan­tes gru­pos de Ma­ri­a­chis que in­ter­pre­tam fa­mo­sas e lin­das can­ções me­xi­ca­nas. Tam­bém en­con­tram-se ga­le­ri­as de ar­te, lo­jas de ar­te­sa­na­tos so­fis­ti­ca­dos e ca­fés/ba­res su­per des­co­la­dos. Gen­te des­co­la­da de um la­do pa­ra o ou­tro.

No cen­tro his­tó­ri­co en­con­tra­mos o Pa­lá­cio do Go­ver­no com pai­néis alu­ci­nan­tes do gran­de ar­tis­ta Jo­sé Oroz­co que re­tra­ta mo­men­tos alu­ci­nan­tes da Re­vo­lu­ção. O Hos­pí­cio Ca­bañas, an­ti­go tra­di­ci­o­nal or­fa­na­to, ho­je abri­ga um cen­tro cul­tu­ral com obras dos mai­o­res ar­tis­tas lo­cais e ar­ra­sa!

Fi­ca­mos hos­pe­da­dos no Wes­tin (wes­tin­gua­da­la­ja­ra.com) que re­ce­be no­ta má­xi­ma ao apre­sen­tar-nos o que exis­te de mais con­tem­po­râ­neo nu­ma ci­da­de de raí­zes clás­si­cas. A união da tra­di­ção com os me­lho­res ser­vi­ços pres­ta­dos ao vi­si­tan­te faz to­da a di­fe­ren­ça. En­fim por úl­ti­mo che­ga­mos na ma­ra­vi­lho­sa ca­pi­tal do país que o ano in­tei­ro bri­lha pa­ra ca­da mo­men­to da vi­da, pa­ra ca­da ins­pi­ra­ção. A Ci­da­de do Mé­xi­co não pa­ra, res­pi­ra al­ta gas­tro­no­mia, al­ta ho­te­la­ria e cul­tu­ra o tem­po to­do. Lá es­tão os mais fan­tás­ti­cos mu­seus que re­tra­tam o me­lhor da cul­tu­ra des­se país: An­tro­po­lo­gia, Fri­da Kah­lo e Do­lo­res Ol­me­do, im­per- dí­veis! A ar­qui­te­tu­ra es­plen­do­ro­sa jun­to a ar­te es­pa­lha­da por to­dos os can­tos faz a di­fe­ren­ça. Di­e­go Ri­ve­ra, o mai­or re­pre­sen­tan­te da ar­te me­xi­ca­na no mun­do, tem su­as im­pres­sões em di­ver­sos pon­tos.

Im­por­tan­te hos­pe­dar-se nu­ma lo­ca­li­za­ção cen­tral com al­ta qua­li­da­de co­mo o ho­tel Le Me­ri­di­en (le­me­ri­di­en­me­xi­co­city. com) na Ave­ni­da de La Re­for­ma, uma das mais so­fis­ti­ca­das da ca­pi­tal. In­di­co tam­bém o Four Se­a­sons (four­se­a­sons. com), um íco­ne lo­cal com al­ta qua­li­da­de em ser­vi­ços e gas­tro­no­mia. Cur­tir ho­ras es­pe­ci­ais no his­tó­ri­co sí­tio ar­que­o­ló­gi­co de Te­o­tihu­a­cán en­ten­den­do as an­ti­gas ci­vi­li­za­ções e su­as sur­pre­en­den­tes pi­râ­mi­des é de ti­rar o fô­le­go. Vi­si­tar a gi­gan­tes­ca Ba­sí­li­ca de Gu­a­da­lu­pe, pa­dro­ei­ra de to­dos os me­xi­ca­nos é sen­tir a fé que mo­ve es­se po­vo. Ca­mi­nhar pe­lo be­lís­si­mo Cen­tro His­tó­ri­co na Pra­ça Cen­tral re­lu­zin­do com sua ca­te­dral, pré­di­os an­ti­gos da ad­mi­nis­tra­ção lo­cal mos­tra-nos que es­se país sa­be va­lo­ri­zar sua his­tó­ria e sua evo­lu­ção. Um can­ti­nho pi­to­res­co da ci­da­de cha­ma­do Xo­chi­mil­co é on­de os lo­cais di­ver­tem-se aos fi­nais de se­ma­na dan­çan­do e can­tan­do ao ar li­vre. Xo­chi­mil­co é me­lhor co­nhe­ci­da pe­la sua ex­ten­sa re­de de ca­nais e man­tém as su­as an­ti­gas tra­di­ções com uma re­pu­ta­ção ro­mân­ti­ca à área, on­de to­dos os ha­bi­tan­tes vi­a­jam em co­lo­ri­das tra­ji­ne­ras (bar­cos de Xo­chi­mil­co) en­tre chi­nam­pas co­ber­tas de flo­res.

A em­pre­sa Sat Mé­xi­co Cor­po­ra­ti­on ofe­re­ceu-nos o me­lhor em re­cep­ti­vo, su­pe­ran­do nos­sas ex­pec­ta­ti­vas. Vi­ve­mos o Mé­xi­co com al­ma e ener­gia de um ca­lo­ro­so po­vo.

Qu­e­ro vol­tar com mi­nha fa­mí­lia, com meus amores, sem­pre e pa­ra sem­pre!

Ho­tel St. Re­gis, Pun­ta Mi­ta

Ga­rim­pan­do.li­fe @ga­rim­pan­do.li­fe Tra­vel Box Bra­zil Dre­am Li­ner Ae­ro­me­xi­co TV a ca­bo de quin­ta-fei­ra às 22h e do­min­gos às 18h)

Ba­sí­li­ca de Gu­a­da­lu­pe, Ci­da­de do Mé­xi­co

Ve­re­na Mat­zen e Isa­bel­le Tu­ch­band no Mu­seu Fri­da Kah­lo, Ci­da­de do Mé­xi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.