FLO­REN­ÇA – Ber­ço da Re­nas­cen­ça Ita­li­a­na

Qual Viagem - - ITÁLIA -

Co­me­ce o seu ro­tei­ro por Flo­ren­ça, ci­da­de con­si­de­ra­da o cen­tro do hu­ma­nis­mo eu­ro­peu, que guar­da be­lís­si­mos mo­nu­men­tos re­nas­cen­tis­tas e um riquís­si­mo pa­trimô­nio his­tó­ri­co-ar­tís­ti­co re­co­nhe­ci­do mun­di­al­men­te. Tan­to que foi uma das pri­mei­ras a ser in­cluí­das na lis­ta de Pa­trimô­ni­os Mun­di­ais da Unes­co Por­tan­to, re­ser­ve ao me­nos três di­as à ca­pi­tal toscana.

Ber­ço de ar­tis­tas e in­te­lec­tu­ais do sé­cu­lo 13 até os di­as atu­ais, o des­ti­no, que foi ca­pi­tal da Itá­lia du­ran­te al­guns anos, tem his­tó­ria mar­ca­da pe­la pre­sen­ça de gran­des no­mes das ar­tes e da li­te­ra­tu­ra. En­tre os mais re­no­ma­dos es­tão Fran­ces­co Pe­trar­ca (po­e­ta), Gi­o­van­ni Boc­cac­cio (po­e­ta), Fi­lip­po Bru­nel­les­chi (ar­qui­te­to e es­cul­tor), Mi­che­lan­ge­lo (pin­tor, es­cul­tor, po­e­ta e ar­qui­te­to), Gi­or­gio Va­sa­ri (pin­tor e ar­qui­te­to), Ci­ma­bue (pin­tor), Gi­ot­to (pin­tor e ar­qui­te­to), Le­o­nar­do Da Vin­ci (po­lí­ma­ta), Lo­ren­zo de Mé­di­ci (es­ta­dis­ta), Ni­co­lau Ma­qui­a­vel (his­to­ri­a­dor, po­e­ta, di­plo­ma­ta e mú­si­co) e mui­tos ou­tros.

Mas ne­nhum de­les te­ve a vi­da tão in­trin­si­ca­men­te li­ga­da à ci­da­de co­mo o po­e­ta Dan­te Alighi­e­ri, que nas­ceu em Flo­ren­ça em 1265. Con­si­de­ra­do um dos mais im­por­tan­tes es­cri­to­res da li­te­ra­tu­ra uni­ver­sal, foi ele quem de­fi­niu e es­tru­tu­rou o idi­o­ma ita­li­a­no mo­der­no. Sua obra mais em­ble­má­ti­ca é “A Di­vi­na Co­mé­dia”, uma vi­a­gem li­te­rá­ria es­cri­ta no sé­cu­lo 14, on­de des­cre­ve a tra­je­tó­ria da sua al­ma pe­lo In­fer­no e Pur­ga­tó­rio até o Pa­raí­so.

Pre­fi­ra ca­mi­nhar pe­la ci­da­de. Os prin­ci­pais atra­ti­vos tu­rís­ti­cos po­dem ser aces­sa­dos a pé. E não é pre­ci­so

an­dar mui­to pa­ra en­con­tra-los. Na re­gião cen­tral, pra­ças, mo­nu­men­tos, igre­jas e mu­seus es­tão em meio a lo­jas de gri­fes fa­mo­sas, ca­fés e res­tau­ran­tes im­per­dí­veis. Im­pos­sí­vel não ima­gi­nar co­mo era a vi­da da so­ci­e­da­de lo­cal há oi­to sé­cu­los atrás.

Não dei­xe de su­bir até o Du­o­mo, no com­ple­xo que in­clui a Ca­te­dral de San­ta Ma­ria del Fi­o­re, cons­tru­ção que da­ta do sé­cu­lo 13; o Ba­tis­té­rio de São João, que tem mo­sai­cos dou­ra­dos em es­ti­lo bi­zan­ti­no em edi­fí­cio com for­mas oc­ta­go­nais; o Mu­seu dell’ope­ra, que abri­ga uma das qua­tro Pi­età de Mi­che­lan­ge­lo; o Cam­pa­ná­rio de Gi­ot­to e a cú­pu­la de Bru­nel­les­chi. A fa­cha­da da igre­ja cha­ma a aten­ção pe­las for­mas re­nas­cen­tis­tas da por­ta de bron­ze e pe­lo in­crí­vel tra­ba­lho em már­mo­re bran­co de Car­ra­ra e ver­de de Pra­to.

Per­to da­li es­tá a Pi­az­za del­la Sig­no­ria com a es­tá­tua ma­jes­to­sa do Da­vid de Mi­che­lan­ge­lo. Em­bo­ra se­ja uma có­pia da obra ori­gi­nal, que es­tá no mu­seu da Ac­ca­de­mia, em Ve­ne­za, ela do­mi­na as aten­ções. A es­plen­di­da es­cul­tu­ra es­tá vol­ta­da pa­ra a Log­gia del­la Sig­no­ria - tam­bém cha­ma­da de Log­gia dei Lan­zi -, uma ver­da­dei­ra ga­le­ria de ar­te ao ar li­vre. Ao la­do da pra­ça o des­ta­que é o Pa­laz­zo Vec­chio, um dos pa­lá­ci­os pú­bli­cos me­di­e­vais mais im­por­tan­tes da Itá­lia.

Re­ser­ve al­gum tem­po pa­ra co­nhe­cer a Gal­le­ria de­gli Uf­fi­zi (Ga­le­ria dos Ofí­ci­os), o mu­seu de ar­te mais im­por­tan­te de Flo­ren­ça e o mais an­ti­go da Eu­ro­pa mo­der­na. Cons­truí­do em 1560 por Va­sa­ri e que por mui­to tem­po ser­viu aos Mé­di­ci – po­de­ro­so clã que do­mi­nou a ci­da­de -, até que em 1769 foi aber­ta à vi­si­ta­ção pú­bli­ca. Seu acer­vo reú­ne gran­de quan­ti­da­de de obras de ar­te, di­vi­di­das em sa­las de­di­ca­das a di­fe­ren­tes pe­río­dos ar­tís­ti­cos.

O ro­tei­ro das ar­tes pas­sa tam­bém pe­la Gal­le­ria Pa­la­ti­na, no mo­nu­men­tal edi­fí­cio do Pa­laz­zo Pit­ti, com obras de Gi­or­gi­o­ne, Raf­fa­el­lo e Tin­to­ret­to; e pe­lo Mu­seu Na­ci­o­nal de Bar­gel­lo – ins­ta­la­do no Pa­laz­zo del Bar­gel­lo, um dos mais an­ti­gos edi­fí­ci­os pú­bli­cos da ci­da­de -, que guar­da o fa­mo­so Da­vid di Do­na­tel­lo e o bus­to de Bru­tus de Mi­che­lan­ge­lo.

Im­por­tan­tes obras de ar­te tam­bém es­tão no in­te­ri­or de tem­plos re­li­gi­o­sos co­mo a igre­ja de San­ta Ma­ria No­vel­la, que guar­da o ma­ra­vi­lho­so afres­co pro­du­zi­do por Ma­sac­cio e o fa­mo­so qua­dro do cru­ci­fi­xo so­bre a me­sa, de Gi­ot­to - que re­vo­lu­ci­o­nou a pin­tu­ra ao in­tro­du­zir a re­pre­sen­ta­ção pers­pec­ti­va; e nas ca­pe­las de Pe­ruz­zi e Bar­di, na Ba­sí­li­ca de San­ta Cro­ce, que con­ser­va afres­cos e obras

de im­por­tan­tes ar­tis­tas de vá­ri­as épo­cas, além de tú­mu­los de per­so­na­li­da­des re­le­van­tes da his­tó­ria da ci­da­de.

Uma ou­tra igre­ji­nha, cons­truí­da em 1032, tam­bém é mui­to pro­cu­ra­da pe­los vi­si­tan­tes. É a de San­ta Marghe­ri­ta, on­de Dan­te Alighi­e­ri co­nhe­ceu a sua ama­da Be­a­triz. So­bre o tú­mu­lo de­la há uma ces­ta de pa­lha on­de, di­a­ri­a­men­te, são dei­xa­das cartas de amor e com pe­di­dos.

Em um pas­seio pe­lo Rio Ar­no, que atra­ves­sa a ci­da­de, vo­cê irá pas­sar pe­la Pon­te Vec­chio, on­de es­tão lo­jas his­tó­ri­cas de ou­ri­ves. E, tam­bém, pe­lo cor­re­dor de­se­nha­do por Va­sa­ri, que li­ga­va os edi­fí­ci­os na mar­gem di­rei­ta com o Pa­lá­cio Pit­ti, na ou­tra mar­gem, e que era uti­li­za­do pe­los Mé­di­ci.

Se qui­ser al­go mais ro­mân­ti­co es­co­lha um pas­seio de bar­co con­du­zi­do por um “Re­nai­o­li” – os an­ti­gos trans­por­ta­do­res de mer­ca­do­ri­as em pe­que­nos bar­cos que lem­bram as gôn­do­las de Ve­ne­za. Ao pôr do sol fi­ca ain­da mais in­te­res­san­te.

O tour de­ve in­cluir ain­da a Pi­az­za­le Mi­che­lan­ge­lo, que pro­por­ci­o­na a me­lhor vis­ta da ci­da­de; a Pi­az­za del­la Re­pub­bli­ca, que mes­cla lo­jas so­fis­ti­ca­das e pa­lá­ci­os sun­tu­o­sos; e o Nu­o­vo Mer­ca­to com sua fon­te do Por­cel­li­no (um ja­va­li de bron­ze) on­de por tra­di­ção mo­e­das são jo­ga­das com pe­di­dos e de­se­jos. Se ti­ver tem­po apro­vei­te pa­ra co­nhe­cer e re­la­xar nos be­los jar­dins do des­ti­no. En­tre ele, o Bo­bo­li com fon­tes e es­tá­tu­as; o Gi­ar­di­no Bar­di­ni, que tem uma óti­ma vis­ta da ci­da­de; e o Gi­ar­di­no del­le Ro­se com fon­tes, es­tá­tu­as de Fo­lon e ro­sas do mun­do in­tei­ro.

À esq., a Pi­az­za del­la Sig­no­ria com o ma­jes­to­so Pa­laz­zo Vec­chio e, abai­xo, a fon­te do Por­cel­li­no no Nu­o­vo Mer­ca­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.