GAS­TRO­NO­MIA

Um dos prin­ci­pais des­ti­nos tu­rís­ti­cos da Amé­ri­ca do Sul, o Uru­guai sur­pre­en­de com uma no­va gas­tro­no­mia além da tra­di­ci­o­nal par­ril­la e seus au­tên­ti­cos vi­nhos

Qual Viagem - - SUMÁRIO - Por Gi­se­le Ro­dri­gues

O Uru­guai sur­pre­en­de com no­vos e exó­ti­cos sa­bo­res na cu­li­ná­ria além da tra­di­ci­o­nal par­ril­la e, cla­ro, vi­nhos au­tên­ti­cos.

OU­ru­guai é con­si­de­ra­do um dos paí­ses mais im­por­tan­tes na pro­du­ção de uva e vi­nho la­ti­no-ame­ri­ca­no. Ho­je, o país é des­ti­no não só pa­ra qu­em quer apre­ci­ar o aro­ma de seus vi­nhos, mas tam­bém sa­bo­re­ar uma gas­tro­no­mia di­fe­ren­ci­a­da.

Co­nhe­ci­do no mun­do pe­lo Tan­nat, uma uva com gran­de quan­ti­da­de de ta­ni­nos, es­se vi­nho tem um sa­bor úni­co e ave­lu­da­do. Ori­gi­ná­ria do su­do­es­te da Fran­ça, se adap­tou de for­ma ex­tra­or­di­ná­ria no Uru­guai, gra­ças ao so­lo e cli­ma da re­gião. Com is­so, fez ser a prin­ci­pal uva do país e ho­je ocu­pa gran­de par­te do vi­nhe­do da vi­ní­co­la Bo­de­ga Gar­zón.

Com uma ar­qui­te­tu­ra ul­tra­mo­der­na e sus­ten­tá­vel, o lu­gar es­tá a cer­ca de 80 km de Pun­ta del Es­te. O pas­seio já co­me­ça an­tes mes­mo de che­gar até lá, pois o ca­mi­nho é cheio de lin­das pai­sa­gens de seus cam­pos.

Vi­ní­co­la exu­be­ran­te, co­nhe­cer Bo­de­ga Gar­zón é des­lum­brar-se com um pro­je­to ou­sa­do so­bre as co­li­nas da re­gião da pro­vín­cia de Mal­do­na­do. O vi­nhe­do foi plan­ta­do em uma ter­ra pri­vi­le­gi­a­da, a cer­ca de 18 km de dis­tân­cia do Oce­a­no Atlân­ti­co, 160 me­tros de al­tu­ra so­bre o ní­vel do mar, tra­zen­do agra­dá­vel bri­sa ma­ri­nha que re­fle­te di­re­ta­men­te no sa­bor da be­bi­da, ali­an­do ele­gân­cia, aro­ma e mi­ne­ra­bi­li­da­de.

Qu­an­do seu en­tão fun­da­dor, o fa­mo­so vi­ni­cul­tor Ale­jan­dro Bulghe­ro­ni e sua es­po­sa Bet­ti­na des­co­bri­ram Gar­zón em 1999, vi­ram ne­le sua pe­que­na “Tos­ca­na no Uru­guai”, e con­cre­ti­za­ram seu so­nho. A bo­de­ga é a ní­vel mun­di­al uma das mais sus­ten­tá- veis, is­so por­que co­mo par­te do pro­je­to eco­ló­gi­co o lu­gar re­a­li­za a oti­mi­za­ção de ener­gia até a re­du­ção de água, no qual há cap­ta­ção na­tu­ral da chu­va. São mais de mil ter­re­nos re­par­ti­dos em 220 hec­ta­res, ca­da um com seu pró­prio mi­cro­cli­ma, téc­ni­cas di­fe­ren­tes, além de ca­rac­te­rís­ti­cas par­ti­cu­la­res do so­lo.

A pro­du­ção é fei­ta com ní­veis al­tos de qua­li­da­de, pas­san­do pe­los la­bo­ra­tó­ri­os ins­ta­la­dos den­tro do com­ple­xo, com avan­ços téc­ni­cos e eco­ló­gi­cos que per­mi­te a se­le­ção per­fei­ta das uvas com qua­li­da­de.

O lu­gar ain­da ofe­re­ce ex­pe­ri­ên­ci­as úni­cas co­mo fa­zer um tour pe­los se­cre­tos e sub­ter­râ­ne­os ca­mi­nhos da bo­de­ga, en­quan­to vo­cê sa­bo­reia seus va­ri­a­dos vi­nhos. Du­ran­te a vi­si­ta, vo­cê é gui­a­do por um dos som­me­li­ers, e ao fi­nal vo­cê po­de des­fru­tar de um lin­do pas­seio en­tre os vi­nhe­dos, ter­mi­nan­do com uma vis­ta pri­vi­le­gi­a­da den­tro do seu res­tau­ran­te, co­man­da­do por Fran­cis Mall­mann, fa­mo­so chef ar­gen­ti­no con­si­de­ra­do um dos me­lho­res do mun­do.

Além dis­so, o lo­cal con­ta ain­da com as Co­li­nas de Gar­zón, a prin­ci­pal pro­du­to­ra de azeite do Uru­guai, com du­as va­ri­e­da­des. A plan­ta­ção ofe­re­ce um ce­ná­rio riquís­si­mo, ela­bo­ran­do um pro­du­to saboroso e fei­to com equi­pa­men­tos de úl­ti­ma ge­ra­ção. A ca­pa­ci­da­de é de aci­ma das 130 to­ne­la­das de azeitonas por dia, re­sul­tan­do em azei­tes de oli­va ex­tra vir­gem de qua­li­da­de. Os jar­dins de oli­vas me­re­cem um pas­seio a par­te, são mais de uma dú­zia de va­ri­e­da­des de cul­tu­ra pro­ve­ni­en­tes da Es­pa­nha, Itá­lia, Ar­gen­ti­na, en­tre ou­tras.

O que co­mer em Pun­ta

Na vol­ta do pas­seio, a di­ca é se hos­pe­dar em Pun­ta del Es­te, e apro­vei­tar o ma­ra­vi­lho­so pôr­do-sol, e a de­li­ci­o­sa noi­te com a gas­tro­no­mia dos con­cei­tu­a­dos res­tau­ran­tes da ci­da­de. Com mui­tas op­ções, a re­co­men­da­ção fi­ca por con­ta do ele­gan­te St. Tro­pez, res­tau­ran­te gour­met do so­fis­ti­ca­do Ho­tel e Cas­si­no En­joy Con­rad. Es­pe­ci­a­lis­ta na co­zi­nha mo­der­na me­di­ter­râ­nea, on­de os sa­bo­res se mis­tu­ram com os di­fe­ren­tes pra­tos da co­mi­da ita­li­a­na.

O am­bi­en­te é acon­che­gan­te, e a di­ca é pe­dir um dos seus pra­tos car­ro che­fe da ca­sa, o tar­tar de atum ver­me­lho com mous­se de aba­ca­te e gengibre, pro­du­zi­do pe­la chef exe­cu­ti­va do re­sort, Ma­ga­li O´neill. E pa­ra acom­pa­nhar, pe­ça a car­ta de vi­nhos que im­pres­si­o­na pe­los seus vá­ri­os ró­tu­los na­ci­o­nais. Pa­ra ter­mi­nar a noi­te, apro­vei­te pa­ra se de­li­ci­ar com um dos drinks ser­vi­dos no Blend Bar, lo­ca­li­za­do den­tro do cas­si­no, ao som de Djs e shows ao vi­vo ou se vo­cê pre­fe­re al­go ani­ma­do, es­tá por con­ta do OVO Nightclub, com atra­ções se­ma­nais e re­no­ma­dos Djs pa­ra ani­mar a pis­ta de dan­ça.

Sa­bo­res exó­ti­cos

O Uru­guai é um dos mai­o­res ex­por­ta­do­res de car­ne ver­me­lha do mun­do. Com is­so, não te­mos dú­vi­das que qu­an­do se che­ga ao país, vo­cê é se­du­zi­do pe­la sua gas­tro­no­mia lo­cal, prin­ci­pal­men­te pe­las su­as tí­pi­cas par­ril­las. Par­te da cul­tu­ra do país, a mai­o­ria de­las tem um sa­bor úni­co, co­zi­nha­do com bra­sas pro­du­zem um au­tên­ti­co sa­bor. E pa­ra co­mer uma ver­da­dei­ra par­ril­la, o res­tau­ran­te Ca­baña Ve­ro­ni­ca, no tra­di­ci­o­nal Mer­ca­do del Pu­er­to é um dos me­lho­res lu­ga­res. Na mo­vi­men­ta­ção do lu­gar, Ve­ro­ni­ca Gon­za­lez, pro­pri­e­tá­ria do lo­cal, cha­ma aten­ção pe­la sua sim­pa­tia e com sua agra­dá­vel hos­pi­ta­li­da­de.

Po­rém, vo­cê de­ve pro­var além do seu tra­di­ci­o­nal as­sa­do de ti­ra ou baby be­ef, mas tam­bém al­gu­mas igua­ri­as exó­ti­cas, co­mo Mo­le­jas (glân- du­la do boi) e Mor­cil­las (lin­gui­ça com o san­gue do por­co), car­nes com sa­bo­res ex­tre­ma­men­te di­fe­ren­tes. Acom­pa­nhan­do, pe­ça um Me­dio y Me­dio, uma be­bi­da que mis­tu­ra vi­nho e es­pu­man­te, en­quan­to vo­cê ob­ser­va as car­nes sen­do fei­tas na par­ril­la.

No­vos sa­bo­res

Uma ou­tra fa­ce­ta da co­zi­nha qu­em vem cha­man­do a aten­ção, vai além da pro­pos­ta tra­di­ci­o­nal. Nos úl­ti­mos anos, vem cres­cen­do o nú­me­ro de res­tau­ran­tes com uma no­va rou­pa­gem e sa­bo­res no Uru­guai, pa­ra agra­dar não só seu país, mas tam­bém os tu­ris­tas que que­rem vi­ver

uma ex­pe­ri­ên­cia di­fe­ren­te. Es­sa é a pro­pos­ta do ino­va­dor res­tau­ran­te Ja­cin­to, lo­ca­li­za­do em uma das ru­e­las da Ci­da­de Ve­lha. Co­man­da­do pe­la jo­vem chef, a ar­gen­ti­na Lu­cia So­ria, 36, o res­tau­ran­te abriu su­as por­tas em 2012, no co­ra­ção de Mon­te­vi­deo.

O res­tau­ran­te vem ga­nhan­do no­to­ri­e­da­de de­vi­do ao tra­ba­lho im­pe­cá­vel de sua chef que traz em seu me­nu uma com­bi­na­ção de in­gre­di­en­tes, sa­bo­res, tex­tu­ras, com pi­ta­das de in­fluên­ci­as gas­tronô­mi­cas de ou­tros lo­cais. Sa­bo­res es­ses que ja­mais po­día­mos ima­gi­nar se­rem tão pra­ze­ro­sos. Além dis­so, a co­zi­nhei­ra ho­je com­põe a equi­pe de ju­ra­dos do pro­gra­ma Mas­ter Chef Uru­guay, fa­mo­so pro­gra­ma cu­li­ná­rio em vá­ri­os paí­ses.

O lu­gar é um char­me, ao en­trar vo­cê se de­pa­ra com dois sa­lões bem am­plos com de­co­ra­ções di­fe­ren­tes e bem har­mo­ni­o­sos. A chef pen­sou em ca­da de­ta­lhe de seu em­pre­en­di­men­to, des­de a mis­tu­ra dos sa­bo­res, com in­fluên­ci­as das co­zi­nhas es­pa­nho­las e ita­li­a­nas, com a qua­li­da­de de in­gre­di­en­tes lo­cais bem se­le­ci­o­na­dos, que faz ho­je o Ja­cin­to ser re­fe­rên­cia na gas­tro­no­mia uru­guaia. Seu me­nu é re­no­va­do pe­lo me­nos três ve­zes ao ano. E pa­ra acom­pa­nhar seus pra­tos, o lo­cal ofe­re­ce uma car­ta de vi­nhos, es­pe­ci­al­men­te se­le­ci­o­na­dos e na­ci­o­nais que com­bi­nam per­fei­ta­men­te com ca­da sa­bor. Apre­ci­a­do­ra dos ve­ge­tais, o car­dá­pio ofe­re­ce des­de sa­la­das, mas­sas, co­zi­dos, car­ne, pei­xes gre­lha­dos, e su­as de­li­ci­o­sas so­bre­me­sas. Um dos pra­tos mais re­co­men­da­dos é o cou­ve – flor as­sa­do com ja­món e rú­cu­la, e a sa­bo­ro­sa lasanha com cogumelos, quei­jo de ca­bra e mo­lho de to­ma­te quei­ma­do.

Ao la­do o tar­tar de atum ver­me­lho com mous­se de aba­ca­te e gengibre, abai­xo o Ovo Nightclub sem­pre com no­vas atra­ções, e à di­rei­ta o res­tau­ran­te Ca­baña Ve­ro­ni­ca com o tra­di­ci­o­nal as­sa­do de ti­ra ou baby be­ef, e tam­bém al­gu­mas igua­ri­as exó­ti­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.