ELAS E ELES

Sport Life - - NESTA EDIÇÃO -

Sai­ba o que o se­xo opos­to ao seu po­de en­si­nar a vo­cê so­bre cor­ri­da

Con­fi­ar no trei­na­men­to

Ho­mens têm mais di­fi­cul­da­de em acre­di­tar nos pla­nos de trei­no. Não é ra­ro que eles fi­quem in­se­gu­ros e achem que po­dem fa­zer sem­pre um pou­co mais do que cons­ta na pla­ni­lha, pois pen­sam que “só” aqui­lo não se­rá su­fi­ci­en­te pa­ra pro­gre­dir. O ex­ces­so cos­tu­ma cus­tar ca­ro. “As mu­lhe­res fa­zem um tra­ba­lho mui­to me­lhor sim­ples­men­te se­guin­do o pla­ne­ja­men­to de trei­nos”, apon­ta à Sport Li­fe o trei­na­dor ame­ri­ca­no Greg McMil­lan, do gru­po McMil­lan Run­ning.

En­cai­xar o pa­ce

“Em ge­ral, as mu­lhe­res têm pro­va­do ser me­lho­res em ajus­tar o pa­ce – es­pe­ci­al­men­te em ma­ra­to­nas e ul­tras. Es­se cui­da­do des­de a lar­ga­da faz com se­jam me­nos pro­pen­sas a que­brar no fim das pro­vas. Os ho­mens ten­dem a ser mais an­si­o­sos e a lar­gar mais rá­pi­do do que de­ve­ri­am”, diz a trei­na­do­ra Eli­za­beth Cor­kum, de No­va York ( EUA), res­pon­sá­vel pe­lo gru­po Co­a­ch Corky Runs. Mais do que uma per­cep­ção, o fa­to tem si­do com­pro­va­do por vá­ri­as pes­qui­sas. Um es­tu­do pu­bli­ca­do es­te ano no Jour­nal of Sports Sci­en­ce ana­li­sou re­sul­ta­dos de 1 222 ma­ra­to­nis­tas de eli­te por 14 anos e viu que as mu­lhe­res eram mais pro­pen­sas a ter­mi­nar as pro­vas em split ne­ga­ti­vo, ou se­ja, ca­pa­zes não só de man­ter, mas tam­bém au­men­tar o rit­mo nos quilô­me­tros fi­nais. Que tal en­con­trar uma par­cei­ra pa­ra trei­nar per­cep­ção de rit­mo?

Ser mais or­ga­ni­za­do

“Os ho­mens ten­dem a ser mais de­sor­ga­ni­za­dos com os trei­nos, e, as­sim, aca­bam fa­zen­do o que dá na te­lha na ho­ra – e nor­mal­men­te fa­zem mais do que es­ta­va pres­cri­to, po­den­do até se ma­chu­car”, co­men­ta a trei­na­do­ra Isa­do­ra Mar­tins, for­ma­da em edu­ca­ção fí­si­ca pe­la Unesp e pós-gra­du­a­da em trei­na­men­to des­por­ti­vo pe­la Uni­fesp ( SP). Em ge­ral, elas são mais de­ta­lhis­tas e sis­te­má­ti­cas não só com os trei­na­men­tos, mas com tu­do que en­vol­ve a cor­ri­da: exa­mes mé­di­cos, nu­tri­ção, cui­da­dos com rou­pas e cal­ça­dos. O re­sul­ta­do é ób­vio: mui­to me­nos chan­ces de ter pro­ble­mas.

Mais te­na­ci­da­de

“Per­ce­be­mos que elas nor­mal­men­te têm a ca­be­ça mais for­te, e são mais re­sis­ten­tes. Os ho­mens ten­dem a ser mais ‘ma­nho­sos’ e me­nos re­sis­ten­tes a do­res e le­sões”, ava­lia Isa­do­ra. Es­sa re­sis­tên­cia po­de ex­pli­car, em par­te, o su­ces­so das mu­lhe­res em ul­tra­ma­ra­to­nas, pro­vas du­rís­si­mas em que a di­fe­ren­ça de tem­po en­tre os se­xos é me­nor e até ir­ri­só­ria em al­gu­mas pro­vas, o que per­mi­te que a dis­pu­ta se­ja pas­so a pas­so, al­go que não é pos­sí­vel em pro­vas mais cur­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.