Trei­nos com­ple­men­ta­res que me­lho­ram a per­for­man­ce

Sport Life - - OUTDOOR TIPS - Sid­ney To­gu­mi

Iní­cio de tem­po­ra­da, re­tor­no das férias pro­fis­si­o­nais e tam­bém das pla­ni­lhas de trei­nos. Ve­ja no que apos­tar pa­ra apri­mo­rar seu de­sem­pe­nho no trail run­ning

O pri­mei­ro pe­río­do de trei­na­men­to da tem­po­ra­da, cha­ma­do de pre­pa­ra­ção ge­ral, tem co­mo prin­ci­pal ob­je­ti­vo con­di­ci­o­nar to­do o cor­po, que se­rá adap­ta­do pa­ra as ses­sões de trei­na­men­tos mais in­ten­sos. E, de­pen­den­do do ca­so, mais lon­gos, os quais se­rão pres­cri­tos pa­ra o pe­río­do de pre­pa­ra­ção es­pe­cí­fi­ca. Nes­sa pri­mei­ra fa­se, a prá­ti­ca de ou­tras mo­da­li­da­des des­por­ti­vas co­mo for­ma de trei­na­men­to com­ple­men­tar aju­da a oti­mi­zar os re­sul­ta­dos e, con­se­quen­te­men­te, a ob­ter uma óti­ma per­for­man­ce, tan­to nos trei­nos quan­to nas pro­vas fu­tu­ras.

Ve­ja al­gu­mas: Mus­cu­la­ção: re­sis­tên­cia, po­tên­cia mus­cu­lar e for­ça má­xi­ma são al­guns dos tra­ba­lhos que po­dem ser re­a­li­za­dos den­tro de uma sa­la de mus­cu­la­ção. Com a uti­li­za­ção das má­qui­nas, po­de-se tra­ba­lhar os gru­pos mus­cu­la­res de for­ma iso­la­da, com uma car­ga mai­or e de for­ma se­gu­ra. Trei­na­men­to fun­ci­o­nal: pro­pri­o­cep­ção, re­sis­tên­cia e po­tên­cia mus­cu­lar são os tra­ba­lhos de­sen­vol­vi­dos nes­ta mo­da­li­da­de. A pos­si­bi­li­da­de de es­ti­mu­lar gru­pos mus­cu­la­res uti­li­zan­do es­pe­ci­fi­ca­men­te o ges­to mo­tor da corrida faz com que o exer­cí­cio fun­ci­o­nal se­ja mui­to uti­li­za­do. Pi­la­tes: tra­ba­lho di­re­ci­o­na­do prin­ci­pal­men­te pa­ra o for­ta­le­ci­men­to do co­re. A re­gião do co­re é com­pos­ta fun­da­men­tal­men­te pe­la re­gião ab­do­mi­nal e é uma das res­pon­sá­veis pe­lo equi­lí­brio e pe­la ca­pa­ci­da­de de exe­cu­tar os mo­vi­men­tos da corrida, de for­ma téc­ni­ca e equi­li­bra­da. Ci­clis­mo: po­de ser­vir tan­to co­mo uma ati­vi­da­de de de­sen­vol­vi­men­to de con­di­ci­o­na­men­tos mus­cu­lar e car­di­o­vas­cu­lar quan­to co­mo uma ati­vi­da­de re­ge­ne­ra­ti­va. O uso da bi­ke é ne­ces­sá­rio prin­ci­pal­men­te quan­do o atle­ta es­tá im­pos­si­bi­li­ta­do de exe­cu­tar mo­vi­men­tos de im­pac­to. Na­ta­ção: op­ção pa­ra ati­vi- da­de re­ge­ne­ra­ti­va, pois os mem­bros su­pe­ri­o­res são os mais exi­gi­dos. Sain­do do uni­ver­so das mo­da­li­da­des des­por­ti­vas, ou­tro tra­ba­lho com­ple­men­tar ain­da pou­co uti­li­za­do no Bra­sil mas de ex­tre­ma im­por­tân­cia na per­for­man­ce do trail run­ning é a pre­pa­ra­ção men­tal. A ado­ção de técnicas es­pe­cí­fi­cas per­mi­te mi­ni­mi­zar inú­me­ros obs­tá­cu- los, den­tre os quais per­da de fo­co, mo­ti­va­ção e an­si­e­da­de pré-pro­va. Va­le lem­brar que to­das as mo­da­li­da­des ci­ta­das nes­te tex­to de­vem ser in­tro­du­zi­das den­tro de um pla­ne­ja­men­to de trei­na­men­to, o qual de­ve ser ela­bo­ra­do pe­lo atle­ta jun­ta­men­te com o seu trei­na­dor ou téc­ni­co, de acor­do com os ob­je­ti­vos tra­ça­dos pa­ra a tem­po­ra­da. Bons trei­nos!

Sid­ney To­gu­mi é di­re­tor téc­ni­co da Up­fit As­ses­so­ria Es­por­ti­va e atle­ta de trail run

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.