8 fa­to­res fun­da­men­tais pa­ra ir lon­ge nos trei­nos

Fal­ta de tem­po e de in­for­ma­ção po­de le­var a al­guns há­bi­tos que pre­ju­di­cam o de­sem­pe­nho no trei­na­men­to e nas ati­vi­da­des do dia a dia

Sport Life - - NUTRI TIPS - Ed­vâ­nia So­a­res

É des­ne­ces­sá­rio afir­mar que uma vi­da sau­dá­vel traz re­sul­ta­dos po­si­ti­vos ao trei­na­men­to, se­ja qual for o seu ob­je­ti­vo. No en­tan­to, al­guns pon­tos ne­gli­gen­ci­a­dos po­dem al­te­rar a sua ex­pec­ta­ti­va em re­la­ção aos re­sul­ta­dos. Ve­ja os fa­to­res que são fun­da­men­tais pa­ra que seu de­sem­pe­nho vá sem­pre além: So­no – fa­tor mais do que im­por­tan­te pa­ra me­lho­rar quan­do pen­sa­mos em ati­vi­da­de fí­si­ca. O so­no é di­vi­di­do em fa­ses, e ca­da eta­pa pos­sui um be­ne­fí­cio. Des­sa for­ma, um so­no tran­qui­lo e re­pa­ra­dor é efi­caz pa­ra es­tar com mais dis­po­si­ção, ener­gia pa­ra o dia, equi­li­brar os ci­clos hor­mo­nais e re­cu­pe­rar os mús­cu­los. Pré-treino – é im­pres­cin­dí­vel um lan­che equi­li­bra­do an­tes do treino, a fim de for­ne­cer ener­gia pa­ra o es­for­ço. Te­mos em nos­so cor­po o gli­co­gê­nio he­pá­ti­co e o mus­cu­lar. O he­pá­ti­co atua co­mo re­ser­va de gli­co­se pa­ra cor­po; já o mus­cu­lar é uti­li­za­do co­mo fon­te de ener­gia na con­tra­ção mus­cu­lar du­ran­te o exer­cí- cio. Sen­do as­sim, trei­nos pre­ce­di­dos por um lan­che equi­li­bra­do são sinô­ni­mo de dis­po­si­ção e re­sul­ta­dos, mi­ni­mi­zan­do sin­to­mas in­de­se­já­veis co­mo ton­tu­ra, mal-es­tar e en­jo­os. Pós-treino – tão im­por­tan­te quan­to o lan­che pré-treino, es­sa re­fei­ção re­põe os es­to­ques de gli­co­gê­nio e au­xi­lia no pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção mus­cu­lar. Além dis­so, de­vol­ve os an­ti­o­xi­dan­tes que são per­di­dos por meio do es­tres­se fí­si­co du­ran­te o treino. Es­sas subs­tân­ci­as pre­vi­nem o en­ve­lhe­ci­men­to, for­ta­le­cem o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co, evi­tam o au­men­to do cor­ti­sol e pos­sí­veis lesões mus­cu­la­res por ca­rên­cia nu­tri­ci­o­nal. Pe­ri­o­di­za­ção de trei­nos – o des­can­so en­tre os trei­nos pa­ra re­cu­pe­ra­ção mus­cu­lar com­ple­ta é al­ta­men­te re­co­men­dá­vel. Pa­ra que os mús­cu­los en­trem em re­cu­pe­ra­ção, de­ve-se le­var em con­ta os tó­pi­cos an­te­ri­o­res. Su­ple­men­ta­ção – é in­dis­pen­sá­vel na prá­ti­ca de ati­vi­da­de fí­si­ca; no en­tan­to, é pre­ci­so ava­li­ar a ne­ces­si­da­de in­di­vi­du­al, com acompanhamento pe­rió­di­co de um nu­tri­ci­o­nis­ta, pa­ra que não ocor­ram su­per­do­sa­gens so­bre­car­re­gan­do as fun­ções re­nais e he­pá­ti­cas. Qua­li­da­de – uma ali­men­ta­ção com­ple­ta in­clui to­dos os nu­tri­en­tes pa­ra for­ma­ção e ma­nu­ten­ção do or­ga­nis­mo. To­das as refeições de­vem es­tar em equi­lí­brio de mi­cro e ma­cro­nu­tri­en­tes, além de an­ti­o­xi­dan­tes. Quan­ti­da­de – não dá pa­ra pen­sar em qua­li­da­de sem con­si­de­rar a quan­ti­da­de. A qua­li­da­de nu­tri­ci­o­nal é ga­ran­ti­da pe­la quan­ti­da­de, que é ajus­ta­da e dis­tri­buí­da nas refeições. Es­se por­ci­o­na­men­to ga­ran­te que não ocor­ra dé­fi­cit nu­tri­ci­o­nal e que os ob­je­ti­vos da com­po­si­ção cor­po­ral se­jam man­ti­dos. Har­mo­nia – após quan­ti­fi­car e qua­li­fi­car a ali­men­ta­ção, de­ve-se aten­tar à har­mo­nia en­tre os nu­tri­en­tes. Vi­ta­mi­nas e mi­ne­rais pre­ci­sam de si­ner­gia, ga­ran­tin­do me­lhor bi­o­dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra a ab­sor­ção pe­lo or­ga­nis­mo, o que re­sul­ta em uma me­lho­ra nu­tri­ci­o­nal sig­ni­fi­ca­ti­va. A ali­men­ta­ção de­ve ser quan­ti­ta­ti­va­men­te su­fi­ci­en­te, qua­li­ta­ti­va­men­te com­ple­ta, har­mo­ni­o­sa e ade­qua­da. Ca­da pes­soa tem ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas e pre­ci­sa de quan­ti­da­des e pro­por­ção de nu­tri­en­tes di­fe­ren­tes pa­ra man­ter as fun­ções vi­tais e de­sen­vol­ver su­as ati­vi­da­des diárias.

Ed­vâ­nia So­a­res é for­ma­da em Nu­tri­ção pe­la FISP des­de 2004 e pós-gra­du­a­da em Nu­tri­ção Clí­ni­ca Es­por­ti­va e Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.