Be­ne­fí­cio ze­ro, per­da de gor­du­ra ze­ro

Cor­rer aga­sa­lha­do em di­as quen­tes é um ris­co al­to pa­ra a saú­de – e vo­cê não ga­nha na­da com is­so

Sport Life - - CORRIDA SEGURA - Fel­li­pe Sa­vi­o­li

É co­mum ver­mos pes­so­as cor­ren­do em di­as ex­tre­ma­men­te quen­tes, usan­do rou­pas de frio co­mo mo­le­tons ou blu­sas: mui­tas de­las acre­di­tam que o au­men­to da trans­pi­ra­ção fa­vo­re­ce mais a quei­ma de gor­du­ra. Le­do en­ga­no – ao pra­ti­car al­gu­ma ati­vi­da­de fí­si­ca, nos­so cor­po ati­va me­ca­nis­mos pa­ra con­tro­lar o au­men­to da tem­pe­ra­tu­ra do cor­po (por exem­plo, ao re­a­li­zar con­tra­ções mus­cu­la­res, pro­du­zi­mos ca­lor).

Exis­tem 4 for­mas de se per­der ca­lor:

◗ Por ir­ra­di­a­ção - acon­te­ce quan­do o am­bi­en­te fe­cha­do es­tá re­ple­to de pes­so­as e a tem­pe­ra­tu­ra aumenta.

◗ Por con­du­ção - con­ta­to di­re­to de uma par­te do cor­po com um ma­te­ri­al só­li­do. É o ca­so dos ca­chor­ros que, ao sen­ti­rem dor, se dei­tam apoi­an­do a bar­ri­ga em uma su­per­fí­cie mais fria (es­sa con­di­ção é me­nos re­le­van­te em hu­ma­nos).

◗ Por eva­po­ra­ção - gas­ta-se ca­lor pa­ra eva­po­rar o su­or (trans­pi­ra­ção). É o me­ca­nis­mo mais im­por­tan­te pa­ra o con­tro­le da tem­pe­ra­tu­ra. Po­rém, ele só fun­ci­o­na ca­so ocor­ra a eva­po­ra­ção do su­or.

◗ Por con­vec­ção - per­da de ca­lor pa­ra a água (na­ta­ção) ou pa­ra o ven­to. Li­gar um ven­ti­la­dor en­quan­to uti­li­za uma es­tei­ra ou um ro­lo é um mo­do de se per­der ca­lor por con­vec­ção. Ex­pli­ca­dos os mo­dos, sa­be­mos que ao se trei­nar com rou­pas de in­ver­no em di­as quen­tes, a per­da por ir­ra­di­a­ção é pre­ju­di­ca­da. Não se tem ação da con­vec­ção (ven- to) e a trans­pi­ra­ção não é efe­ti­va, vis­to que vo­cê pro­du­zi­rá su­or além do nor­mal que não irá eva­po­rar e, por­tan­to, não di­mi­nui­rá a tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral. Nes­sa si­tu­a­ção vo­cê irá de­si­dra­tar mais rá­pi­do, com a chan­ce de de­sen­vol­ver hi­per­ter­mia (au­men­to da tem­pe­ra­tu­ra do cor­po), po­den­do le­var a uma in­ter­na­ção. Be­ne­fí­cio ze­ro, quei­ma de gor­du­ra ze­ro e ris­co de vi­da al­to. E fi­na­li­za­do o treino, vo­cê vai se hi­dra­tar e re­cu­pe­rar o pe­so que achou que per­deu. Es­se mé­to­do de de­si­dra­ta­ção é mui­to uti­li­za­do por lu­ta­do­res pa­ra po­de­rem con­quis­tar o pe­so de ca­te­go­ria di­as an­tes da lu­ta. Pas­sa­da a com­pe­ti­ção, a hi­dra­ta­ção vol­ta ao nor­mal, as­sim co­mo pe­so an­te­ri­or ou al­go pró­xi­mo de­le. Tal me­di­da é igual­men­te ar­ris­ca­da e já acon­te­ce­ram di­ver­sos pro­ble­mas de saú­de com lu­ta­do­res ex­pe­ri­en­tes por con­ta des­sa prá­ti­ca. Se vo­cê quer per­der pe­so, na­da de in­ven­tar mo­da: con­sul­te um nu­tró­lo­go ou nu­tri­ci­o­nis­ta pa­ra ade­quar a di­e­ta e um pro­fis­si­o­nal de edu­ca­ção fí­si­ca pa­ra ela­bo­rar os seus trei­nos.

Fel­li­pe Sa­vi­o­li é es­pe­ci­a­lis­ta em Me­di­ci­na Es­por­ti­va, nu­tró­lo­go e or­to­pe­dis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.