“Ney­ma ain­da não al­can­çou o que me­re­ce”……

- ana­li­sa Craig Young, ma­na­ger de Ney­ma

Revista Biografia - - Índice -

Édas pou­cas ar­tis­tas de mú­si­ca em Mo­çam­bi­que com uma car­rei­ra ac­ti­va há mais 15 anos e gran­je­a­do uma sim­pa­tia do pú­bli­co que vai ga­nhan­do ro­bus­tez a ca­da dia. Só pa­ra se ter uma ideia, até Ju­nho de 2017 era a bi­o­gra­fa­da mais pro­cu­ra­da pe­los lei­to­res da Re­vis­ta Bi­o­gra­fia e a ter­cei­ra mais li­da na his­tó­ria do jor­na­lis­mo bi­o­grá­fi­co em Mo­çam­bi­que, se­guin­do Lur­des Mu­to­la e Ivo­ne So­a­res. Es­ta­mos a fa­lar de Ney­ma. A sua vi­da ar­tís­ti­ca e grau de re­fe­rên­cia fo­ram os as­sun­tos se­lec­ci­o­na­dos pa­ra a pri­mei­ra bi­o­en­tre­vis­ta, na apli­ca­bi­li­da­de atri­buí­da na Re­vis­ta Bi­o­gra­fia, {um gé­ne­ro tex­tu­al on­de uma pes­soa fala da vi­da e obra da ou­tra}.

O ma­na­ger de Ney­ma, Craig Young, ex­pli­cou, du­ran­te a bi­o­en- tre­vis­ta, o tra­ba­lho téc­ni­co que Ney­ma tem es­ta­do a fa­zer na sua vi­da ar­tís­ti­ca pa­ra ob­ter os ac­tu­ais re­sul­ta­dos na ele­va­ção do grau de vi­si­bi­li­da­de no mer­ca­do mu­si­cal.

Re­vis­ta Bi­o­gra­fia (B) – Quan­do co­nhe­ceu a cantora Ney­ma? Craig Young (CY)

co­nhe­ci Ney­ma pes­so­al­men­te, na al­tu­ra aca­ba­va de che­gar à Mo­çam­bi­que. Foi no fim do meu se­gun­do ano [2009]. Ain­da não co­nhe­cia mui­to os ar­tis­tas mo­çam­bi­ca­nos e ain­da fa­la­va pou­co por­tu­guês. Não me pas­sa­va pe­la ca­be­ça que fi­ca­ria 10 anos em Mo­çam­bi­que, mas es­tou ain­da aqui e sin­to-me em ca­sa. Na al­tu­ra tra­ba­lha­va na área de pla­ni­fi­ca­ção es­tra­té­gi­ca e mar­ke­ting, e em Ca­na­dá con­vi­vi com mú­si­ca e sem­pre car­re­guei mú­si­ca no meu co­ra­ção.

B – E co­mo co­me­çou a ser ma­na­ger de­la? CY

– Ney­ma par­ti­lhou co­mi­go os de­sa­fi­os que ti­nha e vi­mos que ela ti­nha atin­gi­do um ní­vel em que ti­nha mui­tos fãs e mú- si­cas mui­to bo­as. Vi­mos, ain­da, que es­ta­va ter su­ces­so na área de pro­du­ção de mú­si­ca. Ney­ma aca­ba­va de com­ple­tar 10 anos de car­rei­ra e de lançar o ál­bum “Ney­ma 10 anos”. Mas acon­te­ce que o sec­tor mu­si­cal em Mo­çam­bi­que não tem mui­to fu­tu­ro se abor­da­mos as coi­sas ape­nas nes­sa pers­pec­ti­va, e ela per­ce­beu que pre­ci­sa­va de tor­nar-se uma mar­ca e fa­zer com que a mar­ca de­la fos­se ge­ri­da.

Foi nes­sa ver­ten­te em que Ney­ma co­me­çou a ver o que era pos­sí­vel fa­zer, e co­me­ça­mos a tra­ba­lhar. Eu não es­ta­va en­vol­vi­do, ain­da, com a cul­tu­ra mo­çam­bi­ca­na, mas já tra­ba­lha­va na área de pla­ni­fi­ca­ção es­tra­té­gi­ca e já ti­nha ex­pe­ri­ên­cia na área de co­mu­ni- ca­ção es­tra­té­gi­ca, cri­a­ção e ges­tão de mar­ca.

Pri­mei­ro pro­cu­ra­mos en­con­trar um en­qua­dra­men­to ju­rí­di­co-le­gal pa­ra ge­rir a mar­ca Ney­ma. Cri­a­mos a nos­sa em­pre­sa – a Mar­ra­ben­ta Pro­du­ções – e re­gis­ta­mos as mar­cas de­la. A Mar­ra­ben­ta Pro­du­ções foi cri­a­da, em par­te, pa­ra ge­rir as mar­cas e ac­ti­vi­da­des ar­tís­ti­cas de Ney­ma, al­gu­mas mar­cas de­la fo­ram re­gis­ta­das em Mo­çam­bi­que e ou­tras nos Es­ta­dos Uni­dos de Amé­ri­ca, in­clu­si­ve a as­si­na­tu­ra de Ney­ma foi re­gis­ta­da co­mo uma mar­ca. Co­me­ça­mos a de­se­nhar o lo­gó­ti­po, que de­pois foi de­sen­vol­vi­do com o apoio do BCI e da Go­lo até che­gar à fa­se ac­tu­al. Ney­ma sem­pre te­ve um pro­jec­to in­fan-

til nas mãos, que cri­a­mos com o apoio da DDB. For­ma­li­za­mos es­sa mar­ca tam­bém e a iden­ti­da­de de “Ney­ma for Kids”. Es­te é um tra­ba­lho pla­ne­a­do com vi­são e com pre­vi­sões de on­de pre­ten­de­mos che­gar es­tra- te­gi­ca­men­te, que se­guiu eta­pas.

B – Fa­le-nos de al­gu­mas eta­pas… CY

– Co­me­ça­mos es­te tra­ba­lho por vol­ta de 2010… 2011… De­sen­vol­ve­mos um pla­no in­te­gra­do, é uma es­pé­cie de guião on­de te­mos to­das com­po­nen­tes ob­ser­va­das des­de o ne­gó­cio, mar­ke­ting, vi­da da artista, má­qui­na de equi­pa e vá­ri­as ou­tras eta­pas a se­rem se­gui­das.

Por exem­plo, Ney­ma é as­so­ci­a­da à mar­ra­ben­ta e à ca­pu­la­na, mas ela tem ta­len­to mui­to abran­gen­te. Is­so es­tá na al­ma de­la e foi tra­ba­lha­do.

Vi­mos o se­guin­te: Ney­ma é mo­çam­bi­ca­na, tem or­gu­lho de ser mo­çam­bi­ca­na, é afri­ca­na, tem per­so­na­li­da­de com charme, é sim­ples. Ney­ma é mui­to sim­ples, po­de en­trar nu­ma sa­la e mis­tu­rar-se com pes­so­as com na­tu­ra­li­da­de. O ou­tro as­pec­to que vi­mos, Ney­ma tem res­pei­to, da mes­ma for­ma que fala com Pre­si­den­te, fala com uma mãe do bair­ro. Jun­ta­mos to­das es­tas qua­li­da­des e va­lo­res e as­so­ci­a­mos à mar­ca Ney­ma.

A ou­tra si­tu­a­ção não me­nos im­por­tan­te, Ney­ma é bo­ni­ta e mui­to exi­gen­te. Além dis­so, é uma pes­soa da fa­mí­lia e o que es­tá no pri­mei­ro lu­gar na vi­da de­la são as crianças. Ney­ma pre­ten­de ter im­pac­to na co­mu­ni­da­de. Foi a par­tir des­tes as­pec­tos que sen­ta­mos e de­ci­di­mos usar to­dos pa­ra cons­truir uma es­tru­tu­ra que vai gui­ar as nossas de­ci­sões na vi­da ar­tís­ti­ca de Ney­ma. E foi atra­vés das qua­li­da­des e va­lo­res de Ney­ma que fizemos sur­gir a vi­são Ney­ma – mar­ra­ben­ta, com apoio da Go­lo e do BCI. De­pois dis­so veio a par­te do ves­tuá­rio, Ney­ma olhou pa­ra as rou­pas de­la e ti­nha vá­ri­os es­ti­los, mas gos­ta­va da ca­pu­la­na. En­tão re­co­nhe­ceu o va­lor da ca­pu­la­na e de­ci­diu jun­tar a mo­da à ca­pu­la­na, que é tra­di­ci­o­nal, com­bi­nan­do com a be­le­za de­la. Aí vi­mos que ela era a me­lhor fi­gu­ra pa­ra car­re­gar a vi­são so­bre a ca­pu­la­na no mun­do ar­tís­ti­co e de­vol­ver a aten­ção pa­ra a ca­pu­la­na. Is­to por­que a ca­pu­la­na re­pre­sen­ta, de al­gu­ma for­ma, a cul­tu­ra e a mu­lher mo­çam­bi­ca­na. E foi as­sim que ela adop­tou a ca­pu­la­na co­mo seu prin­ci­pal es­ti­lo mo­der­ni­zan­do-a e a mo­da “pe­gou”: Ney­ma é as­so­ci­a­da à ca­pu­la­na. E pos­so di­zer que ela foi quem in­flu­en­ci­ou a ten­dên­cia de mui­tos ar­tis­tas mo­çam­bi­ca­nos usa­rem a ca­pu­la­na, sem nin­guém se aper­ce­ber.

B – Quais exem­plos prá­ti­cos tem da in­fluên­cia da mar­ca nas de­ci­sões ao lon­go da car­rei­ra de Ney­ma? CY

– O show “Ney­ma 15 anos”. No fi­nal, ti­ve­mos de de­ci­dir que só se­ri­am con­vi­da­dos ar­tis­tas mo­çam­bi­ca­nos pa­ra o es­pec­tá­cu­lo. Já tí­nha­mos in­clu­si­ve ar­tis­tas In­ter­na­ci­o­nais pa­ra co­la­bo­ra­rem com Ney­ma, mas foi nu­ma al­tu­ra em que tí­nha­mos mui­tos ar­tis­tas an­go­la­nos en­tran­do em Mo­çam­bi­que e acre­di­ta­va-se mui­to pou­co na ca­pa­ci­da­de de fa­zer-se um es­pec­tá­cu­lo marcante e me­mo­rá­vel só com ar­tis­tas mo­çam­bi­ca­nos. Pe­los va­lo­res e qualidade que tí­nha­mos atri­buí­do à mar­ca Ney­ma, tí­nha­mos de pro­var que os ar­tis­tas mo­çam­bi­ca­nos têm es­sa ca­pa­ci­da­de e de­ci­di­mos con­vi­dar só mo­çam­bi­ca­nos.

B – Que tra­ba­lho foi fei­to pa­ra Ney­ma ser o ros­to pu­bli­ci­tá­rio

de du­as em­pre­sas? CY

– To­das eta­pas que se­gui­mos são ne­ces­sá­ri­as pa­ra che­gar a es­te ní­vel de for­ma sus­ten­tá­vel. Pa­ra ali­nhar a mar­ca de uma fi­gu­ra com a mar­ca de uma em­pre­sa é pre­ci­so olhar vá­ri­as áre­as no en­qua­dra­men­to de va­lo­res (que ima­gem a fi­gu­ra vai ti­rar de den­tro de­la e exi­bir?). É pre­ci­so ali­nhar os va­lo­res da pes­soa aos va­lo­res das mar­cas das em­pre­sas. É pre­ci­so tra­ba­lhar tu­do o que es­tá den­tro da pes­soa, ti­rar cá pa­ra fo­ra e en­con­trar mar­cas de em­pre­sas que se iden­ti­fi­cam com es­ses va­lo­res.

A dis­ci­pli­na é ou­tra coi­sa que faz par­te. Uma em­pre­sa não olha só o nú­me­ro de li­kes que a fi­gu­ra tem no fa­ce­bo­ok, por­que o nú­me­ro de se­gui­do­res cria ilu­são de po­pu­la­ri­da­de.

O nú­me­ro de li­kes até po­de fun­ci­o­nar a cur­to pra­zo, mas pa­ra uma ac­ção de lan­ça­men­to de ima­gem ou no­vo po­si­ci­o­na­men­to da mar­ca não só fun­ci­o­na as­sim, por­que a pes­soa é re­pre­sen­tan­te de uma mar­ca que tam­bém tem o seu en­qua­dra­men­to de va­lo­res e vi­são. Por­tan­to, pega-se o en­qua­dra­men­to de va­lo­res e a vi­são da em­pre­sa. A se­guir, o en­qua­dra­men­to de va­lo­res e vi­são da fi­gu­ra pú­bli­ca. De­pois dis­so faz-se uma ava­li­a­ção e ali­nha-se o que há em co­mum. É pre­ci­so fa­zer um ca­sa­men­to. Pôr uma artista co­mo ros­to de uma mar­ca é igual ao pro­ces­so de ca­sa­men­to en­tre du­as pes­so­as, por­que o artista tor­na-se a ex­ten­são da mar­ca da em­pre­sa e vi­ce-ver­sa. Os dois [em­pre­sa e a fi­gu­ra pú­bli­ca] têm de ter in­te­res­ses e va­lo­res mú­tu­os pa­ra que ha­ja su­ces­so pa­ra os dois.

B – Que im­pli­ca­ção ar­tís­ti­ca tem a pre­sen­ça da ima­gem de

– Is­so de­pen­de da mar­ca e as pu­bli­ci­da­des. Nor­mal­men­te, pre­fe­ri­mos pla­ne­ar e co­or­de­nar as pu­bli­ci­da­des em co­la­bo­ra­ção com as em­pre­sas pa­ra sin­cro­ni­zar e ga­ran­tir os me­lho­res re­sul­ta­dos.

Em ge­ral, di­rec­ta­men­te, aju­da a ser ain­da mais co­nhe­ci­da, a re­for­çar as obras ar­tís­ti­cas de­la, e o va­lor de­la au­men­ta. Quan­do sai com uma no­va mú­si­ca, por exem­plo, fa­cil­men­te o pú­bli­co fa­mi­li­a­ri­za-se.

B – E co­mo é ser Ma­na­ger de Ney­ma? CY

– Ney­ma tem um grande la­do pro­fis­si­o­nal. É uma das ar­tis­tas mais pro­fis­si­o­nais no mer­ca­do mo­çam­bi­ca­no: é mui­to mui­to exi­gen­te em to­das coi­sas e não acei­ta me­nos de qualidade top. Não acei­ta co­lo­car no­me de­la em na­da que não tem qua­li­da-

de, é na pre­pa­ra­ção pa­ra show; even­tos; ma­qui­lha­gem… Por exem­plo, os es­ti­lis­tas so­frem quan­do fa­zem par­ce­ri­as com ela, al­guns já se ha­bi­tu­a­ram e sa­bem que ela não vai acei­tar qual­quer coi­sa. Tam­bém, Ney­ma só dei­xa um ou dois ma­qui­a­do­res to­ca­rem na ca­ra de­la, tra­ba­lha mais com Can­die e ela, tam­bém, é ma­qui­a­do­ra.

B – E a his­tó­ria de mu­dan­ça de pen­te­a­do? CY

– Ela de­ci­diu mu­dar um pou­co por um pe­río­do, ex­pe­ri­men­tar uma no­va ima­gem. É mu­lher e tem di­rei­to tam­bém… É nor­mal. Quan­do al­guém che­ga num pon­to com re­pu­ta­ção, ga­nha es­pa­ço pa­ra ex­pe­ri­men­tar al­gu­mas coi­sas. E veja, quan­do ela mu­dou o pen­te­a­do, ou­tras mu­lhe­res gos­ta­ram e co­me­ça­ram a se­guir-lhe. Is­so sig­ni­fi­ca que ela já tem po­der de in­flu­en­ci­ar e ini­ci­ar no­vas ten­dên­ci­as e no­vos gos­tos na so­ci­e­da­de. É marcante!

B – Fa­lou de Ney­ma exi­gen­te… Ve­mos uma Ney­ma mui­to en­gra­ça­da quan­do es­tá em pú­bli- co… CY

– [ri­sos…] Ela é brin­ca­lho­na, faz par­te do charme de­la. Ela não é mui­to sé­ria em pú­bli­co, o seu la­do sé­rio é no tra­ba­lho. Ela gos­ta de brin­car, fi­car à-von­ta­de. Quan­do se es­tá a ge­rir uma mar­ca é ne­ces­sá­rio cri­ar um es­pa­ço pa­ra es­se la­do de­la ma­ni­fes­tar-se, por­que is­so faz par­te de­la. Nun­ca se de­ve sair da per­so­na­gem ver­da­dei­ra pa­ra cri­ar uma mar­ca, se não te­re­mos uma ima­gem fo­ra do con­tex­to.

B – Ney­ma é pre­sen­te nas re­des so­ci­ais. Co­mo é fei­ta a ges­tão dos con­teú­dos? CY

– Ela pró­pria, já es­tá mui­to am­bi­en­ta­da com is­so, e as ve­zes é a as­sis­ten­te.

B – Co­mo foi pen­sa­da a com­po­nen­te de lan­ça­men­to de mú­si­cas? CY

– De­pen­de da épo­ca e vá­ri­as si­tu­a­ções. Al­gu­mas lan­ça­mos atra­vés de even­tos es­pe­ci­ais e ou­tras di­vul­ga­mos ape­nas a mú­si­ca e quan­do sen­ti­mos uma re­ac­ção do pú­bli­co ai Ney­ma vai à te­le­vi­são e rá­dio pa­ra can­tar ou fa­lar so­bre a mú­si­ca. Quan­do lan­ça­mos a mú­si­ca “A Hi Dzi­me­ni” fizemos em for­ma de um even­to, in­clu­si­ve o an­ti­go Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­a­quim Chis­sa­no, par­ti­ci­pou. Fizemos uma coi­sa marcante com apoio do DDB. O lan­ça­men­to da mú­si­ca e ví­deo “So­fri­men­to” foi fei­to atra­vés de um even­to es­pe­ci­al em par­ce­ria com a UNICEF. As mú­si­cas in­fan­tis “Pa­ra­béns” e “Quem Sa­be” fo­ram lan­ça­das atra­vés de even­tos es­pe­ci­ais. As mú­si­cas “Po­ei­ra” e “Mut­xa­do”, por exem­plo, es­pe­rou a re­ac­ção do pú­bli­co. Por­tan­to, de­pen­de.

B – Qu­al é a me­ta ar­tís­ti­ca de Ney­ma? CY

– Ney­ma tem mui­to po­ten­ci­al e ain­da não ma­te­ri­a­li­zou is­so por com­ple­to. Ela tem mais ta­len­to que ain­da não mos­trou, e po­de fa­zer mui­to mais ar­tis­ti­ca­men­te. E ou­tro as­pec­to, Ney­ma ain­da não al­can­çou o ní­vel internacional que ela me­re­ce. Es­ta­va a con­ver­sar com dois pro­du­to­res norte-ame­ri­ca­nos re­co­nhe­ci­dos e um artista internacional fa­mo­so, em mo­men­tos di­fe­ren­tes, que re­fe­ri­ram que ela é ti­po Sha­ki­ra afri­ca­na. Pa­ra che­gar a es­se ní­vel de in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção é pre­ci­so fo­ca­li­zar-se, acreditar em si, e con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar for­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Mozambique

© PressReader. All rights reserved.