Uti­li­da­de do “lam­bi­bo­tis­mo”

Revista Biografia - - Editorial -

Ima­gi­na uma mo­ça so­li­tá­ria, sen­ta­da num ban­co de um jar­dim, com ros­to to­do cris­ta­li­no e trans­bor­dan­do pe­los olhos a dor que lhe vai na al­ma. Ago­ra ima­gi­na uma es­po­sa que de­pois de er­ros vi­ve se cul­pan­do. Ago­ra pá­ra de ima­gi­nar.

Vi­rou mo­da ver e ou­vir maus usuá­ri­os do “lam­bi­bo­tis­mo”. É na te­le­vi­são, rá­dio, jor­nal, re­vis­ta, es­co­la, no pos­to de tra­ba­lho, en­fim es­tá tu­do cheio de gente com mui­ta con­ver­sa ba­ju­la­do­ra em lu­gar ou mo­men­to im­pró­prio e que a ca­da dia cor­rom­pe a grande im­por­tân­cia que o “lam­bi­bo­tis­mo” te­ria pa­ra a hu­ma­ni­da­de quan­do bem uti­li­za­do. Ac­tu­al­men­te, dá até gra­ça re­al­çar a grande im­por­tân­cia do “lam­bi­bo­tis­mo” pa­ra hu­ma­ni­da­de, por is­so an­tes de avan­çar é pre­ci­so es­cla­re­cer a di­fe­ren­ça en­tre um bom lam­be-bo­tas e um mau. A di­fe­ren­ça es­tá ba­si­ca­men­te in­ter­li­ga­da com a fi­na­li­da­de, ou se­ja o cus­to de opor­tu­ni­da­de (tra­de off) de ca­da um de­les.

En­quan­to o tra­de off do mau “lam­bi­bo­tis­ta” é es­sen­ci­al­men­te cri­ar con­di­ções pa­ra ob­ter favores de gente po­de­ro­sa, o do bom é es­pe­ci­al­men­te pro­mo­ver um bom es­ta­do emo­ci­o­nal no seu se­me­lhan­te (se­ja ela po­de­ro­sa ou não). Ou­tra par­ti­cu­la­ri­da­de do bom “lam­bi­bo­tis­ta” é que ele ape­nas re­a­li­za a sua ac­ção quan­do vê que o ou­tro não tem ou­tra al­ter­na­ti­va se­não pa­rar de cho­rar, er­guer-se e ir a lu­ta.

É útil um lam­bi­bo­tis­ta pa­ra a mo­ça so­li­tá­ria (que ima­gi­nou lo­go no iní­cio), pois ele aju­da­ria a jovem a re­cu­pe­rar o seu es­ta­do emo­ci­o­nal e des­ta for­ma po­der en­fren­tar os de­sa­fi­os que lhe vêm pe­la fren­te co­mo uma lí­der. É es­te ti­po de lam­be-bo­tas que o mun­do pre­ci­sa: gente que ba­ju­la pa­ra con­tras­tar com o grande ní­vel frus­tra­ção no seu se­me­lhan­te e as­sim mo­ti­va-lo a fi­car de pé e de ca­be­ça er­gui­da en­fren­tar de­sa­fi­os.

Ago­ra, é inú­til e des­pre­zí­vel o mau lam­be-bo­tas. O mun­do não pre­ci­sa de gente que apro­vei­ta as cri­ses pa­ra ba­ju­lar os seus su­pe­ri­o­res hi­e­rár­qui­cos,

hu­ma­ni­da­de.. di­zen­do o que eles que­rem ou­vir e en­co­ra­jan­do-os a per­sis­ti­rem no er­ro, pois is­so é to­tal­men­te e ine­qui­vo­ca­men­te pre­ju­di­ci­al pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Mozambique

© PressReader. All rights reserved.