Mi­nha pri­mei­ra gra­vi­dez……

Revista Biografia - - Índice -

Lem­bro-me co­mo se ti­ves­se acon­te­ci­do há 15 mi­nu­tos. Era dia 18 de Mar­ço de 2016, eu e meu marido em ca­sa. O meu es­po­so olhou pa­ra mim e dis­se: es­tás grá­vi­da. O es­pan­to apo­de­rou-se de mim. Não era o que eu cos­tu­ma­va ou­vir. O co­mum pa­ra mim, era a mu­lher anun­ci­ar pa­ra o marido e não o con­trá­rio. Num ins­tan­te en­trei no si­lên­cio. Fa­la­va co­mi­go mes­mo. Per­gun­tei-me, se ele es­ta­va per­gun­tar ou es­ta­va a afir­mar; se ele es­ta­va a brin­car ou a fa­lar sé­rio; se ele es­ta­va den­tro ou fo­ra de si. Pe­la mi­nha bo­ca saiu a se­gun­da per­gun­ta pa­ra fo­ra. Era a mais re­co­men­dá­vel naquele mo­men­to, mas ele dis­se: es­tou a fa­lar sé­rio, vo­cê es­tá grá­vi­da. Eu que­ria tan­to que aqui­lo fos­se ver­da­de. Mas tam­bém re­ce­a­va le­van­tar a ex­pec­ta­ti­va. Pre­ci­sa­va entender me­lhor. Es­ta­va há 10 anos com ele, e há qua­tro anos vi­ven­do jun­tos. Nós já qu­e­ría­mos a bên­ção de ter uma fi­lha ou um fi­lho, mas eu ti­nha pro­ble­mas pa­ra con­ce­ber. Aque­la era uma boa no­tí­cia, mas cus­ta­va-me acreditar. Co­mo po­dia meu marido ter tan­ta cer­te­za, mas eu nem sen­tir que es­ta­va grá­vi­da. Meu es­po­so ex­pli­cou-me que ele é que es­ta­va sen­tir os sin­to­mas de gra­vi­dez. Ele é que sen­tia os en­jo­os, vó­mi­tos, e os de­se­jos [ri­sos…]. Eu ti­nha um ci­clo mens­tru­al ir­re­gu­lar, en­tão mes­mo es­se sinal não fun­ci­o­na­va pa­ra mim. Aí fi­quei na ex­pec­ta­ti­va. Se ti­ves­se me di­to de dia cer­ta­men­te te­ria cor­ri­do pa­ra o hos­pi­tal, mas já era noi­te. En­tão fo­mos dor­mir. Aliás, eu não con­se­gui dor­mir de tan­ta an­si­e­da­de pa­ra con­fir­mar

is­so, só es­pe­rei a noi­te pas­sar. Quan­do a es­cu­ri­dão pas­sou, fui to­mar ba­nho. Ves­ti-me e fui às pres­sas pa­ra o Hos­pi­tal Jo­sé Ma­ca­mo. Che­guei lá às 7.00ho­ras. Que­ria tan­to fa­zer o tes­te de gra­vi­dez o mais rá­pi­do pos­sí­vel, a ex­pec­ta­ti­va era enor­me. Fui fa­zer o tes­te no hos­pi­tal. Pe­los ar­gu­men­tos do meu marido acre­di­ta­va que es­ta­va grá­vi­da, mas de­pois de fa­zer o tes­te deu um frio na bar­ri­ga. O me­do de que po­dia não ser da­que­la vez to­mou con­ta de mim. Ao ver o re­sul­ta­do, uma ale­gria pro­fun­da en­cheu o meu pei­to e aos meus olhos vi­e­ram as lá­gri­mas de emo­ção. Era tan­ta sa­tis­fa­ção... e já que­ria sa­ber qu­al era o se­xo do bebé. Já que­ria ter a mi­nha mé­di­ca, abrir fi­cha tal co­mo eu ou­via que acon­te­cia com as ou­tras mu­lhe­res que ti­nham fi­ca­do grá­vi­das. E o mé­di­co olhou pa­ra mim e dis­se: cal­ma, que is­so não é ago­ra, es­pe­ra por três me­ses. Aqui­lo be­lis­cou a mi­nha emo­ção, mas eu já es­ta­va mui­to fe­liz. Eu que ti­nha pro­ble­mas de con­ce­ber es­ta­va grá­vi­da! Na mi­nha men­te era um no­vo pas­so na vi­da, uma no­va era.

~ Bebé me­xeu ~

Es­ta­va eu sen­ta­da no so­fá da sa­la a ver te­le­vi­são. Eram cer­ca de 20.00ho­ras. Is­so foi em Maio, ter­cei­ro mês. De re­pen­te sen­ti um mo­vi­men­to den­tro da bar­ri­ga. Era inex­pli­cá­vel e agra­dá­vel. Pe­guei um pe­que­no sus­to no prin­cí­pio, por­que en­con­trou-me de sur­pre­sa e não sa­bia o que fa­zer. Quan­do per­ce­bi que era o bebé a me­xer, fi­quei a con­tem­plar aque- la sen­sa­ção ma­ra­vi­lho­sa. Per­ce­bi en­tão a grande bên­ção di­vi­na que es­ta­va den­tro de mim e en­trei em lá­gri­mas de tan­ta emo­ção. Naquele mo­men­to veio-me à men­te gran­des ad­ver­si­da­des ven­ci­das e o grande va­lor do mo­men­to que es­ta­va a pas­sar na mi­nha vi­da. Re­cor­dei-me do meu es­po­so, pe­guei no te­le­mó­vel e man­dei uma men­sa­gem a di­zer: o bebé me­xeu. Li­gou-me ime­di­a­ta­men­te a di­zer: es­tou a sair do ser­vi­ço da­qui a pou­co che­go aí. Não via a ho­ra de ele che­gar a ca­sa. Que­ria que ele sen­tis­se o bebé me­xen­do. Ao che­gar a ca­sa co­lo­cou a mão na mi­nha bar­ri­ga por umas bo­as ho­ras a es­pe­ra da pró­xi­ma me­xi­da, por­que o bebé me­xia e pa­ra­va e de­pois vol­ta­va a me­xer. Foi um mo­men­to es­pec­ta­cu­lar. O meu marido pas­sou a dor­mir com as mãos de­le na mi­nha bar­ri­ga. Aqui­lo ani­ma­va.

~*~

O ter­cei­ro mês foi tam­bém o mo­men­to em que pas­sei a ter uma mé­di­ca e abri a fi­cha, is­so já no Hos­pi­tal Cen­tral de Maputo. Pas­sei a ter con­sul­ta no dia 20 de ca­da mês. Foi tam­bém a al­tu­ra em que fiz a re­pro­gra­fia, que era pa­ra co­nhe­cer o se­xo do bebé. Is­so dei­xou-me meio cha­te­a­da [ri­sos…]. Não pu­de­mos co­nhe-

cer o se­xo an­tes do nas­ci­men­to. Não mos­tra­va o se­xo, ape­nas as ná­de­gas.

~*~

A gra­vi­dez em mi­nha vi­da foi um mo­men­to de mui­ta ale­gria, mas tam­bém acom­pa­nha­das de mu­dan­ças. Per­di al­guns ami­gos, que pas­sa­ram a olhar-me co­mo ve­lha, por­que já não po­dia fre­quen­tar dis­co­te­cas e de­ter­mi­na­dos am­bi­en­tes que já não eram bons pa­ra mim.

Es­tar em ca­sa com meu marido de­pois do tra­ba­lho já era bom an­tes, com a gra­vi­dez pas­sou a ser me­lhor ain­da. Gi­ra­va nas nossas ca­be­ças aque­la ideia de que se­ría­mos mais um, e vin­do da nos­sa re­la­ção. O re­la­ci­o­na­men­to fa­mi­li­ar fi­cou ma­ra­vi­lho­so, pois já co­bra­vam.

~ Sur­gi­men­to da bar­ri­ga ~

Quan­do a mi­nha bar­ri­ga apa­re­ceu pa­re­cia du­as bo­las de bas me­os [ri­sos…]. Co­me­cei a acos­tu­mar-me com o au­men­to de pe­so. No mo­men­to da gra­vi­dez aqui­lo era um en­can­to, até por­que sa­bia que não era o meu pe­so que es­ta­va a au­men­tar, mas sim do bebé que es­ta­va den­tro de mim. Tam­bém sou­be que a bar­ri­ga não pe­sa [ri­sos…]. Quan­to mais cres­cia, mais di­fi­cul­da­des ti­nha pa­ra dor­mir. Pas­sei a dor­mir de cos­tas e quan­do que­ria vi­rar ti­nha de le­van­tar e, por ve­zes, pe­dir ao meu marido pa­ra me aju­dar. No no­no mês co­me­cei a dor­mir no so­fá. Já não via a ho­ra de dar a luz.

No dia 10 de De­zem­bro acor­dei e com a mi­nha “bar­ri­go­na” sen­tei-me no so­fá. Era o dia de ani­ver­sá­rio do meu marido. Quan­do ele pas­sa­va per­to de mim sem­pre lhe pe­dia que me le­vas­se pa­ra o hos­pi­tal pa­ra dar par­to [ri­sos…]. O meu marido ria-se e di­zia: vo­cê não es­tá bem, ain­da nem es­ta­mos na da­ta pre­vis­ta.

A mi­nha so­gra es­ta­va mo­rar con­nos­co. A mi­nha avó ha­via me di­to que no dia que acor­das­se e fi­zes­se uma lim­pe­za nun­ca fei­ta, aque­le se­ria o dia. Ain­da não ha­via acon­te­ci­do is­so. Mas eu di­zia pa­ra meu marido acom­pa­nhar-me pa­ra o hos­pi­tal. Ele re­cu­sa­va. Fi­quei to­do dia 10, na­da: não nas­ceu. Dor­mi. Dia 11, na­da: não nas­ceu. Dor­mi.

~*~

No dia 12 acor­dei com uma von­ta­de de ar­ru­mar o meu qu­ar­to. Tra­ba­lhei mui­to até ti­rei ca­ma pa­ra fo­ra da ca­sa e ar­ru­mei a pas­ta de bebé. De­pois sen­tei-me na sa­la. Por vol­ta das 15.00ho­ras a mi­nha so­gra veio à sa­la e con­vi­dou-me pa­ra pas­se­ar. Saí­mos. De­mos vol­tas no ca­mi­nho. An­dá­va­mos de­va­ga­ri­nho.

Del­fi­na Már­cia Ma­nhi­que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Mozambique

© PressReader. All rights reserved.