Me­mó­ri­as de Jo­a­quim Chis­sa­no……

Revista Biografia - - Índice -

An­tes da for­ma­ção da Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que, ha­via um Lá­za­ro Ka­van­da­me, que foi fun­da­dor e lí­der da As­so­ci­a­ção Al­go­do­ei­ra Afri­ca­na de Mo­çam­bi­que, que tam­bém se cha­ma­va Ma­kon­de As­so­ci­a­ti­on, era uma es­pé­cie de uma co­o­pe­ra­ti­va. Ele fa­zia a sua eco­no­mia atra­vés da co­o­pe­ra­ti­va e, bom, o go­ver­no por­tu­guês to­le­ra­va.

Mas em con­tac­tos com pes­so­as que es­ta­vam a tra­ba­lhar na Tan- zâ­nia. Sa­be que na Tan­zâ­nia ha­via mui­tos Ma­kon­de que ti­nham ido lá tra­ba­lhar nas plan­ta­ções de si­sal. E al­guns se ra­di­ca­ram lá e es­ta­vam li­ga­dos com a lu­ta de li­ber­ta­ção de Tan­ga­ni­ca, li­de­ra­dos pe­lo Pre­si­den­te Ju­lius Nye­re­re. Os Ma­kon­des li­ga­dos à lu­ta be­be­ram des­tes idei­ais. Na Tan­zâ­nia ti­nha si­do cri­a­do um mo­vi­men­to cha­ma­do MA­NU (Mo­zam­bi­que Afri­can Na­ti­o­nal Uni­on), que era uma có­pia de TANU (Tan­ga­ni­ca Afri­can Na­ti­o­nal Uni­on). En­tão, por meio da- que­les con­tac­tos sur­giu um nú­cleo da MA­NU, em Mo­çam­bi­que. Por ou­tro la­do, ha­via a UDENAMO, for­ma­da na Ro­dé­sia, en­tre Bu­lawayo e Sa­lis­bú­ria (Ha­ra­re). Mo­çam­bi­ca­nos, in­clu­si­ve Uri­as Si­man­go, es­ta­vam naquele mo­vi­men­to. E cri­ou-se a pró­pria UNAMI e o seu lí­der foi Ade­li­no Chi­to­fu Gu­am­be. Em Te­te, ha­via um en­fer­mei­ro cha­ma­do Bal­ta­zar Chan­gon­ga, ele que cri­ou a UNAMI (União Afri­ca­na de Mo­çam­bi­que In­de­pen­den­te). Es­ses três são os mo­vi­men­tos que vão

for­mar a Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que (FRELIMO). Em Dar-es-Sa­lam a um da­do mo­men­to deu-se a che­ga­da de mui­tos mo­çam­bi­ca­nos na Tan­zâ­nia. Eram mo­çam­bi­ca­nos sain­do do sul, cen­tro, e norte. Com a UDENAMO já for­ma­da, en­tão hou­ve um ou­tro mo­vi­men­to ins­ta­la­do em Dar-es-Sa­lam: UDENAMI. Es­te vai en­con­trar um ou­tro mo­vi­men­to: a MA­NU. Es­tes dois mo­vi­men­tos dis­cu­tem, e nós par­ti­ci­pa­mos da for­ma­ção da Frelimo.

En­quan­to dis­cu­tia-se, re­cor­do-me que eu fui en­vi­a­do, du­ran­te a Pás­coa de 1962, pa­ra ir à Eu­ro­pa pa­ra per­su­a­dir os es­tu­dan­tes mo­çam­bi­ca­nos que ti­nham os seus mo­vi­men­tos dis­per­sos lá pa­ra for­mar­mos uma úni­ca Fren­te de Li­ber­ta­ção.

Na dis­cus­são, en­tre os dois mo­vi­men­tos, que se encontraram na Tan­zâ­nia co­me­ça­ram a ter um blo­queio: quem se­ria o lí­der da no­va fren­te úni­ca? Mas quan­do Ju­lius Nye­re­re e os mi­li­tan­tes tan­to da UDENAMI e a MA­NU ou­vi­ram que ha­via um Edu­ar­do Mon­dla­ne, que es­ta­va nas Na­ções Uni­das, tra­ba­lhan­do com mo­vi­men­tos de eman­ci­pa­ção, vi­ram ne­le um ho­mem cer­to pa­ra li­de­rar.

En­tão os mi­li­tan­tes que es­ta­vam lá de­ci­di­ram con­tri­buir 1,5 Che­rim, ca­da um de­les, pa­ra con­se­gui­rem man­dar o di­nhei­ro pa­ra Mon­dla­ne, a con­vi­dá-lo, pa­ra ir à Tan­zâ­nia li­de­rar a Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que. Ka­van­da­me sen­tia-se ex­po­en­te má­xi­mo da MA­NU, ape­sar do mo­vi­men­to ter seus di­ri­gen­tes no ex­te­ri­or. Ele já ti­nha per­ce­bi­do que não se­ria pre­si­den­te. O pró­prio Ade­li­no Gu­am­be já sen­tia que não ti­nha pos­si­bi­li­da­de de ser pre­si­den­te. E Uri­as Si­man­go tam­bém. Eles re­co­nhe­ci­am a ca­pa­ci­da­de de Mon­dla­ne pa­ra di­ri­gir a FRELIMO.

En­tão quan­do se for­ma a FRELIMO a 25 de Ju­nho de 1962, de­ci­de-se que to­dos mo­vi­men­tos se­ri­am dis­sol­vi­dos, e to­dos os mem­bros se­ri­am, mem­bros de di­rei­to pró­prio. Quem era mem­bro da MA­NU, por exem­plo, pas­sa­va a ser mem­bro da FRELIMO. Por is­so, os nos­sos car­tões ti­nham nú­me­ros 1, 2, 3, e por aí em di­an­te. Não me lem­bro qu­al era o meu nú­me­ro, mas fe­liz­men­te ti­ve o car­tão de mem­bro fun­da­dor. Mas es­sa coi­sa de as pes­so­as sentirem-se a per­der al­gu­ma coi­sa… Ape­sar de te­rem con­cor­da­do em for­mar uma Fren­te úni­ca, ca­da um ain­da que­ria ser lí­der ou dis­to ou da­qui­lo. Fi­ze­ram-se elei­ções e hou­ve aque­les que per­de­ram os seus car­gos. Acres­cen­ta­do a is­so, ha­via fal­ta de cla­re­za em re­la­ção à ta­re­fa de li­de­ran­ça. Mui­tos já vi­am di­nhei­ro, di­nhei­ro. Quer di­zer... nu­ma Lu­ta de Li­ber­ta­ção Na­ci­o­nal já es­ta­vam a ver di­nhei­ro: “o que vou ga­nhar? Pa­ra eu ga­nhar tem de ser eu sen­ta­do ali.” Ho­je al­guns di­zem: “ha­aa es­tes já co­me­ram mui­to, sai­am lá eu qu­e­ro co­mer tam­bém”. Co­mo se a ideia fos­se es­tar no po­der pa­ra co­mer.

Es­sa não é a ideia. A ideia não é co­mer, é ter ca­pa­ci­da­de pa­ra di­ri­gir.

Veja! Vo­cê po­de li­de­rar um gru­po que pa­ga quo­tas que so­ma­do dá um mi­lhão, e agen­da­rem uma vi­a­gem de tra­ba­lho com uma de­le­ga­ção de 20 pes­so­as. Ao che­ga­rem no lo­cal, as pes­so­as po­dem fa­zer gas­tos de três mi­lhões por ac­ti­vi­da­des per­ti­nen­tes no tra­ba­lho. Elas nem sa­bem que gas­ta­ram três mi­lhões, o que sa­bem é que con­tri­buí­ram. Se vo­cê quis po­der pa­ra co­mer, co­mo vai resolver es­se pro­ble­ma? Por­tan­to, ha­via fal­ta de com­pre­en­são. Es­ta ques­tão de que­rer po­der pa­ra ter di­nhei­ro. Por is­so, lo­go de­pois da for­ma­ção da Fren­te úni­ca, a mas­sa man­te­ve-se, mas al­guns lí­de­res saí­ram. O pró­prio Ade­li­no Gu­am­be, que era pre­si­den­te da UDENAMO, não par­ti­ci­pou do pri­mei­ro con­gres­so, por­que sa­bia que não se­ria can­di­da­to pa­ra pre­si­den­te. Ele foi pa­ra Eu­ro­pa. O Ma­teus Bor­re, da MA­NU, saiu e foi pa­ra o Qué­nia.

Mais tar­de Ade­li­no Gu­am­be foi fi­xar-se em Kam­pa­la, Ugan­da. Lá for­mou uma fal­sa Fren­te de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal no­va. Ele di­zia que es­ta­va a res­tau­rar a UDENAMO e a MA­NU. Di­zia que ti­nha uma fren­te. Mas não era fren­te, era só ele e o ad­jun­to de­le (ri­sos…). Ma­teus Bor­re é que lhe de­nun­ci­ou, di­zen­do que era fal­so e que não ha­via FRELIPAMU. Ade­li­no con­ti­nu­ou, mas aque­le mo­vi­men­to des­truiu-se. En­tão nas­ceu uma no­va UDENAMO, Pau­lo Gu­ma­ne, que se se­di­ou no Cai­ro. Gu­ma­ne era se­cre­tá­rio-ge­ral da FRELIMO. Foi ao Cai­ro com o seu ad­jun­to Ma­bun­da, e al­guns mem­bros.

As­sim o fez por­que hou­ve uma dis­pu­ta na FRELIMO: en­tre o vi­ce-pre­si­den­te, Uri­as Si­man­go, e o se­cre­tá­rio-ge­ral, Pau­lo Gu­ma­ne, quem de­via man­dar mais? De­pois do pre­si­den­te quem de­via man­dar mais? En­tão se di­zia que era o se­cre­tá­rio-ge­ral, is­to por­que na União So­vié­ti­ca era as­sim. Por ana­lo­gia, Gu­ma­ne via-se su­pe­ri­or a Si­man­go. E is­so ori­gi­nou o aban­do­no de Gu­ma­ne pa­ra ir abrir a fren­te de­le. Chan­gon­ga tam­bém viu que na FRELIMO não ha­via es­pa­ço pa­ra man­dar. Ele que­ria man­dar e não que­ria obe­de­cer as re­gras e dis­ci­pli­na. En­tão dis­se que a UNAMI sai da FRELIMO, por­que não hou­ve dis­so­lu­ção e a UNAMI era fi­li­a­da na FRELIMO, co­mo se a FRELIMO ti­ves­se si­do cri­a­da e eles de­pois jun­ta­ram-se. Na­da dis­so. Por­que a FRELIMO só foi pos­sí­vel vir a exis­tên­cia com a dis­so­lu­ção de to­dos mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção e cri­a­ção de uma no­va. Uma es­tru­tu­ra no­va que não era UDENAMO; MA­NU; nem UNAMI.

Es­tes gru­pi­nhos que sur­gi­ram na ba­se des­tes con­fli­tos co­me­ça­ram a cri­ar di­fi­cul­da­des. Es­te era um tra­ba­lho psi­co­ló­gi­co do go­ver­no co­lo­ni­al por­tu­guês pa­ra des­gas­tar-nos e in­vi­a­bi­li­zar o iní­cio da Lu­ta de Li­ber­ta­ção Na­ci­o­nal. Por for­ça dis­so cri­ou-se o Con­se-

lho Re­vo­lu­ci­o­ná­rio de Mo­çam­bi­que. Ele era cons­ti­tuí­do por pes­so­as idó­ne­as. Eram cha­ma­dos VA-Z. Eram pes­so­as no­tá­veis. Não era pre­ci­so ser mui­to ve­lho pa­ra fa­zer par­te. Mas ti­nha de ser no­tá­vel e res­pei­ta­do pa­ra fa­zer par­te do con­se­lho. A es­tru­tu­ra, tam­bém, exis­tia na Tan­zâ­nia. Nós im­ple­men­ta­mos na FRELIMO. Acon­te­ce que a uma da­da al­tu­ra, eles que­ri­am pu­xar to­do po­der de de­ci­são da Fren­te pa­ra si. E es­ses in­di­ví­du­os eram con­tro­la­dos [ma­ni­pu­la­dos].

Os VA-Z co­me­ça­ram a exi­gir o ini­cio ime­di­a­to da Lu­ta Ar­ma­da. Aca­ba­va de vol­tar o pri­mei­ro gru­po que es­ta­va trei­nar na Ar­gé­lia. Nem che­ga­vam 100, mas eles já que­ri­am que ini­ciás­se­mos a gu­er­ra. Es­tá­va­mos em Dar-es-Sa­lam, eles não sa­bi­am na­da do que es­ta­va a acon­te­cer em Mo­çam­bi­que. Nem ti­nham ideia que Mo­çam­bi­que era grande. Que­ri­am que ini­ciás­se­mos a Lu­ta Ar­ma­da, em 1963, sem pre­pa­ra­ti­vo e sem na­da. Ain­da es­tá­va­mos a es­pe­ra do gros­so nú­me­ro dos que es­ta­vam ser trei­na­dos na Ar­gé­lia. Não era pos­sí­vel lançar a Lu­ta em 1963, sem o re­co­nhe­ci­men­to do país. Era pre­ci­so mo­bi­li­zar a po­pu­la­ção; in­for­mar a po­pu­la­ção que ha­ve­ria de ha­ver uma Lu­ta Ar­ma­da; em to­do país era ne­ces­sá­rio fa­zer is­so e as pes­so­as que iri­am fa­zer is­so sai­ri­am dos trei­na­dos.

Com a ins­tru­men­ta­li­za­ção dos VA-Z, sur­giu uma agi­ta­ção. Des­sa agi­ta­ção re­sul­tou, em 1963, o pri­mei­ro ata­que aos es­cri­tó­ri­os da Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que. As pes­so­as que ata­ca­ram que­ri­am di­nhei­ro. Al­gu­mas ti­nham o há­bi­to de vir sen­tar-se na va­ran­da dos es­cri­tó­ri­os a es­pe­ra da ho­ra da saí­da, e que­ri­am que nós lhes le­vás­se­mos de car­ro pa­ra ca­sa.

Tem­pos de­pois co­me­ça­ram a rei­vin­di­car que não se es­ta­va a fa­zer na­da. A lu­ta não co­me­ça. E que nós es­tá­va­mos a co­mer di­nhei­ro e a sen­tar no es­cri­tó­rio. Até di­zi­am que so­mos por­tu­gue­ses. Al­go as­sim: “es­ses por­tu­gue­ses es­tão lá no es­cri­tó­rio, a co­mer e a dor­mir. Es­tão lá sen­ta­dos. Vão lá ex­pul­sar aque­la gente pa­ra ti­rar aque­le di­nhei­ro”. E vi­e­ram de fac­to. Fe­liz­men­te, quan­do vi­e­ram a pri­mei­ra vez sa­bía­mos que vi­ri­am, por­que já tí­nha­mos um pe­que­no nú­cleo de vi­gi­lân­cia. Eles vi­e­ram e encontraram a por­ta do es­cri­tó­rio fe-

cha­da. Fo­ram às re­si­dên­ci­as dos nos­sos qua­dros, lá car­re­ga­ram o que pu­de­ram. Pe­ga­ram no Land Ro­ver que es­ta­va ali. Co­mo não sa­bi­am con­du­zir me­te­ram as coi­sas rou­ba­das no car­ro e em­pur­ram (ri­sos…).

Eles fi­ze­ram is­so por­que es­ta­va a de­cor­rer um Co­mi­té de Li­ber­ta­ção, em Dar-es-Sa­la­am. Pa­ra mos­trar que ha­via des­con­ten­ta­men­to, a FRELIPAMU en­vi­ou agen­tes de Ugan­da pa­ra irem a Tan­zâ­nia pa­ra or­ga­ni­za­rem aque­las ma­ni­fes­ta­ções. E uti­li­za­ram dro­ga pa­ra is­so.

Em um dos di­as, ti­ve de ir aos es­cri­tó­ri­os pa­ra ir bus­car ca­rim­bo. Pa­ra os do­cu­men­tos se­rem va­li­da­dos naquele co­mi­té era ne­ces­sá­rio ca­rim­bar. E o ca­rim­bo ti­nha si­do es­que­ci­do no es­cri­tó­rio. En­tão fui ao es­cri­tó­rio. Ti­ve a sor­te de po­der ter en­tra­do no es­cri­tó­rio. Le­vei o ca­rim­bo e sai. Fe­chei a por­ta e me­ti a cha­ves no bol­so. De re­pen­te me vi ro­de­a­do de três pes­so­as.

– Abre a por­ta! – or­de­na­ram os que me ro­de­a­vam.

– Eu tam­bém qu­e­ro en­trar aqui – res­pon­di.

– Vo­cê não es­ta­va aqui den­tro? – Não. Qu­e­ro en­trar ago­ra, mas is­to es­tá fe­cha­do. Es­tá ver? Es­tá ver? Es­tá fe­cha­do is­to…

– Não brin­ca con­nos­co vo­cê. Não vi­e­mos brin­car aqui. Abre a por­ta – or­de­na­ram após ri­rem-se. – Te­nho uma cha­ve aqui no bol­so. Não sei se ela vai dar ou não vai dar.

Eles ti­nham fa­cas nas mãos. Quan­do me dei­xa­ram me­ter as mãos no bol­so, co­mo se es­ti­ves­se a pro­cu­ra da cha­ve, dei-lhes co­to­ve­la­das e fu­gi.

A ideia da­que­le ata­que era des­cre­di­bi­li­zar a FRELIMO di­an­te da co­mu­ni­da­de internacional, so­bre­tu­do a co­mu­ni­da­de afri­ca­na, que es­ta­va naquele co­mi­té. De­pois que ter­mi­nou o co­mi­té, tu­do vol­tou a fi­car cal­mo. Exis­ti­ram ain­da aque­las vo­zes de que es­tá­va­mos a de­mo­rar ini­ci­ar a Lu­ta, mas nós ig­no­rá­mos por­que sa­bía­mos o que es­tá­va­mos a fa­zer. E em 1964 ini­ciá­mos com a Lu­ta Ar­ma­da.

Em 1965, co­me­ça­mos a co­lher fru­tos da Lu­ta. Co­me­ça­mos a ter as pri­mei­ras zo­nas se­mi-li­ber­ta­das. Um tem­po de­pois, as zo­nas li­ber­ta­das, em Ca­bo De­le­ga­do. E aí co­me­çou a ha­ver a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca, as co­o­pe­ra­ti­vas. O do­no das co­o­pe­ra­ti­vas, Ka­van­da­me, co­me­çou a pen­sar que che­gou a vez de­le. E quis man­dar em to­da ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca. Tí­nha­mos pos­tos de tro­ca, cha­ma­das lo­jas. Is­so em 1966. Ha­via sal, ger­ge­lim, fei­jão, rou­pa, sa­bão e ou­tros pro­du­tos. Ka­van­da­me, e os seus co­la­bo­ra­do­res, que nós cha­má­va­mos de “chair­man´s”, co­mo era o se­cre­tá­rio da pro­vín­cia pen­sou que iria co­man­dar a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca. Nós dis­se­mos: não, es­sas co­o­pe­ra­ti­vas são do po­vo. Nós de­fen­de­mos que tí­nha­mos de or­ga­ni­zar pa­ra que as co­o­pe­ra­ti­vas fos­sem do po­vo e se ti­ver de ser­vir a mais al­guém te­rá de ser a Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que. En­tão co­me­ça­mos a or­ga­ni­zar. Per­ce­be­mos que o go­ver­no por­tu­guês não ti­nha de­sis­ti­do das in­ves­ti­das psi­co­ló­gi­cas que já ha­via fei­to an­tes da Lu­ta Ar­ma­da ini­ci­ar. Ou me­lhor, an­tes do nas­ci­men­to da FRELIMO. É só ver­mos que em 1962, in­fil­tra­ram Or­lan­do Cris­ti­na, na FRELIMO. Cris­ti­na foi Se­cre­tá­rio-Ge­ral da Re­na­mo. Or­lan­do Cris­ti­na co­me­çou ac­ti­vi­da­de de­le lá na Tan­zâ­nia, em 1962. Veio pa­ra mi­nar e cri­ar di­vi­são na Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que. As in­fil­tra­ções au­men­ta­ram em 1965, 1966, mui­tos fo­ram me­ti­dos den­tro da Fren­te. O gru­po dos VA-Z, e FRELIPAMU co­me­ça­ram a in­sis­tir pa­ra ne­ces­si­da­de de or­ga­ni­za­ção do se­gun­do Con­gres­so da Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que. Es­se con­gres-

so era pa­ra se mu­dar a di­rec­ção da FRELIMO. Dis­se­mos que sim va­mos fa­zer o Con­gres­so, mas den­tro de Mo­çam­bi­que. E o gru­po que es­ta­va agi­tar que­ria que fos­se na Tan­zâ­nia, pa­ra ha­ver me­nos par­ti­ci­pa­ção dos com­ba­ten­tes.

Com o de­sen­ro­lar da ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca nas zo­nas li­ber­ta­das, ti­ve­mos o se­gun­do ata­que aos es­cri­tó­ri­os da Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que. Naquele ata­que ma­ta­ram Ma­teus San­são Mu­tem­ba.

Fo­ram com pe­dras, ba­te­ram-lhe na ca­be­ça. Pe­ga­ram num den­te grande de mar­fim, ba­te­ram-lhe na ca­be­ça, e par­ti­ram-lhe. Eu vi. Pe­ga­ram a pon­ta do mar­fim e par­ti­ram-lhe a ca­be­ça. Eu es­ta­va no es­cri­tó­rio. Ou­tros ca­ma­ra­das con­se­gui­ram sair an­tes. Com aju­da de uma lan­ça e uma bar­ro­ca que tí­nha­mos conseguimos abrir o ca­mi­nho e sair.

Não sei, pa­re­ce que foi a sor­te que Deus me deu... Quan­do eu ia sair, fui bar­ra­do. Ar­ran­ca­ram-me a bar­ro­ca e agar­ra­ram pe­la ca­mi­sa. Co­mo eram mui­tos eu fi­quei em bai­xo de­les. Por ins­tin­to, abri os bo­tões da ca­mi­sa. E quan­do eles pu­xa­ram pe­la ca­mi­sa, dei­xei a ca­mi­sa sair e eu fu­gi. Es­ca­pei as­sim. Fu­gi de tron­co num. Fui ten­tar so­cor­rer Mu- tem­ba. Ele es­ta­va do ou­tro la­do da rua. Che­guei lá exac­ta­men­te no mo­men­to em que es­ta­vam a es­pe­tar a pon­ta do mar­fim na ca­be­ça de Mu­tem­ba. Quan­do ten­tei me apro­xi­mar pa­ra im­pe­dir, o jac­to de san­gue atin­giu-me. Fo­mos sal­vos por um car­ro mi­li­tar da tro­pa. Mas eles não po­di­am pren­der nin­guém, não ti­nham es­sa au­to­ri­za­ção. Des­ce­ram com as ar­mas e man­da­ram-nos pa­rar ca­da um no lu­gar on­de es­ta­va. Le­va­ram Mu­tem­ba pa­ra o hos­pi­tal, en­quan­to nós es­pe­rá­va­mos que a po­lí­cia che­gas­se. Quan­do a po­lí­cia che­gou, pren­deu aque­les que sus­pei­tou que fos­sem criminosos. Eu com ba­nho de san­gue fui suspeito. Foi bom pa­ra mim. Le­va­ram-me pa­ra uma ce­la, on­de es­ta­vam os criminosos. E aque­le ho­mem que eu vi par­tin­do a ca­be­ça de Mu­tem­ba com a pon­ta de mar­fim es­ta­va ali. E eu me per­gun­tei, co­mo es­ca­par des­ta.

Por ins­ti­tu­to, per­gun­tei em su­ai­li: fa­mí­lia por que es­ta­mos aqui? Afi­nal quem é o vos­so comandante? Por que es­ta­mos aqui? Eu era che­fe da se­gu­ran­ça, na al­tu­ra. En­tão um de­les dis­se: ha­aa… afi­nal tu não sa­bes? Não é o Si­man­go es­te? Não é o Gu­end­jer­ry es­te? Fo­ram eles que nos dis­se­ram pa­ra ata­car. Foi aí on­de eu sou­be do en­vol­vi­men­to de Si­man­go e de Gu­end­jer­ry nos ata­ques aos es­cri­tó­ri­os da Fren­te. Es­ta­vam rei­vin­di­car a or­ga­ni­za­ção do II Con­gres­so en­quan­to es­ta­vam en­vol­vi­dos nos ata­ques. Gu­end­jer­ry en­trou na Fren­te, pen­sá­va­mos que ia nos aju­dar mui­to na edu­ca­ção. Ele ti­nha tra­zi­do es­tu­dan­tes pa­ra Tan­zâ­nia. Co­lo­ca­mos ele com es­tu­dan­tes mo­çam­bi­ca­nos, na Tan­zâ­nia. Ele mo­bi­li­za­va os es­tu­dan­tes pa­ra não acei­ta­rem ser en­si­na­dos por bran­cos por­que os ir­mãos de­les es­ta­vam a ata­car os ne­gros em Mo­çam­bi­que. Es­ta­va a se re­fe­rir a Fer­nan­do Ga­nhão, Hél­der Martins e sua es­po­sa. Ga­nhão foi pri­mei­ro rei­tor da UEM pós-in­de­pen­dên­cia. Martins era mé­di­co, es­ta­va a dar mui­tos cur­sos na Tan­zâ­nia. Gu­end­jer­ry re­fe­ria-se a ou­tros bran­cos por­tu­gue­ses que vi­e­ram nos apoi­ar.

Nós acei­ta­mos os bran­cos por­tu­gue­ses que se iden­ti­fi­ca­vam com a nos­sa cau­sa. Mas na­que­la al­tu­ra não po­día­mos pôr os bran­cos por­tu­gue­ses na Lu­ta Ar­ma­da por­que iri­am ser con­fun­di­dos e aca­ba­ri­am por ser mor­tos com as nossas pró­pri­as ba­las. En­tão pre­fe­ri­mos dar mis­sões na Tan­zâ­nia, pa­ra pre­pa­rar os mo­çam­bi­ca­nos não só pa­ra a lu­ta, mas tam­bém pa­ra o Mo­çam­bi­que in-

de­pen­den­te.

Foi nes­te con­tex­to to­do que se de­ci­di­mos re­a­li­zar o II Con­gres­so, pa­ra de­fi­nir­mos co­mo de­ve­ría­mos ca­mi­nhar fa­ce àque­le ce­ná­rio to­do. Não foi fá­cil. De­ve­ri­am ter par­ti­ci­pa­do to­das as pro­vín­ci­as mo­çam­bi­ca­nas, com de­le­ga­ções com­pos­tas por com­ba­ten­tes, ca­ma­ra­das, e ci­vis. Mas da pro­vín­cia de Ca­bo Del­ga­do só vi­e­ram os com­ba­ten­tes. Os ci­vis co­man­da­dos por Lá­za­ro Ka­van­da­me não vi­e­ram. Pro­pa­gou-se um bo­a­to, pa­ra que o Go­ver­no da Tan­zâ­nia fe­chas­se as fron­tei­ras, por­que se não o fi­zes­se a Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que ha­ve­ria de ma­tar mui­tas pes­so­as. E o go­ver­no tan­za­ni­a­no fe­chou a fron­tei­ra. Não ha­via tra­ves­sia en­tre Mo­çam­bi­que e Tan­zâ­nia. Is­so in­vi­a­bi­li­zou a par­ti­ci­pa­ção de mui­ta gente no Con­gres­so. O que eles não sa­bi­am é que no in­te­ri­or do país, a lu­ta es­ta­va re­for­ça­da. O pre­si­den­te Mon­dla­ne viu que a si­tu­a­ção do fe­cho da fron­tei­ra era um pro­ble­ma mui­to sé­rio. E pre­ci­sa­va en­con­trar uma so­lu­ção. En­tão en­vi­ou uma de­le­ga­ção pa­ra Mu­tu­a­ra pa­ra ne­go­ci­ar a aber­tu­ra da fron­tei­ra, con­ti­nu­a­ção da lu­ta, e pa­ra a sua in­te­gra­ção. Quan­do a de­le­ga­ção che­gou lá, tu­do foi or­ga­ni­za­do pa­ra que hou­ves­se uma reu­nião pre­si­di­da por au­to­ri­da­des tan­za­ni­a­nas. Quan­do a reu­nião co­me­çou, as au­to­ri­da­des de­ram a pa­la­vra ao Ka­van­da­me. Sa­be o que ele dis­se? Nem po­de adi­vi­nhar. Ka­van­da­me dis­se: “Eu não sei de na­da. Quem sa­be é o Si­man­go. Per­gun­tem ao Si­man­go”. E Si­man­go re­nun­ci­ou a pa­la­vra e dis­se: “Não. Per­gun­tem ao Lá­za­ro.” E o Lá­za­ro Ka­van­da­me dis­se: “olha! Co­mo o Si­man­go não quer fa­lar! Mas ele sa­be. Nós que­re­mos que Edu­ar­do Mon­dla­ne saia da pre­si­dên­cia da Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que. Vai en­trar Si­man­go. É o que nós que­re­mos. E os nos­sos fi­lhos Chi­pan­de e Pa­chi­nu­a­pa vão con­ti­nu­ar com a nos­sa lu­ta. Mas Mon­dla­ne tem de sair”.

Si­man­go re­a­giu di­zen­do: “aaa eu não sei de na­da”. E eles di­zi­am: “ele sa­be”. Foi uma dis­cus­são mui­to du­ra, em Mu­tu­a­ri. Al­guns di­as de­pois do II Con­gres­so a reu­nião te­ve lu­gar nes­sas cir­cuns­tân­ci­as. As­sim sou­be­mos des­se en­vol­vi­men­to. E de­pois o go­ver­no tan­za­ni­a­no abriu a fron­tei­ra. Mas al­guns ele­men­tos do go­ver­no es­ta­vam con­fu­sos, por­que ti­nham al­gu­ma sim­pa­tia por Ka­van­da­me. Mas eles en­ten­de­ram que aque­la gente não ti­nha ne­nhu­ma ca­pa­ci­da­de pa­ra le­var a Lu­ta Ar­ma­da avan­te.

En­tão o go­ver­no da Tan­zâ­nia dis­se naquele dia da reu­nião: “que­re­mos que vo­cês re­sol­vam o pro­ble­ma”. En­tão Ka­van­da­me, fa­lan­do em lín­gua su­ai­li, dis­se: “nós nos se­pa­ra­mos”.

Eles na ver­da­de que­ri­am que nós fi­zés­se­mos uma gu­er­ra de con­quis­ta. Por exem­plo, li­ber­tar Ca­bo Del­ga­do e de­pois pro­cla­mar a in­de­pen­dên­cia e tor­ná-lo um Es­ta­do; li­ber­tar Ni­as­sa e fa­zer­mos o mes­mo, as­sim su­ces­si­va­men­te. Eles não ti­nham no­ção

país”.. do ta­ma­nho do país. Nós dis­se­mos: “não! A Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que não foi cri­a­da pa­ra is­so. Foi pa­ra to­do

Se­gun­do Pre­si­den­te de Mo­çam­bi­que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Mozambique

© PressReader. All rights reserved.