Mo­çam­bi­que cor­re ris­cos de ser men­tal­men­te ho­mos­se­xu­al

Revista Biografia - - Editorial -

Se há al­go de mais im­plí­ci­to nos ho­mos­se­xu­ais é a au­la da união. À luz da in­ter­pre­ta­ção, os ho­mos­se­xu­ais vêem a união co­mo “va­lo­ri­za­ção do que nos une, e des­va­lo­ri­za­ção do que nos tor­na di­fe­ren­tes”.

Es­ta for­ma de ver o mun­do tem co­mo con­sequên­cia a não ge­ra­ção de no­vas vi­das hu­ma­nas pa­ra o mun­do, pois os ho­mos­se­xu­ais atin­gem a sua sa­tis­fa­ção va­lo­ri­zan­do o que há de co­mum en­tre eles.

Mo­çam­bi­que é um país, on­de os ho­mos­se­xu­ais têm es­ta­do a lu­tar pa­ci­fi­ca­men­te, atra­vés de as­so­ci­a­ções, pa­ra o seu re­co­nhe­ci­men­to e aqui­si­ção de di­rei­tos se­me­lhan­tes aos dos he­te­ros­se­xu­ais.

En­tre­tan­to, as­sis­te-se no país, uma ten­dên­cia ide­o­ló­gi­ca dos he­te­ros­se­xu­ais con­tra­ri­a­rem a sua na­tu­re­za de pen­sa­men­to, ra­ci­o­ci­nan­do co­mo os ho­mos­se­xu­ais sob o pon­to de vis­ta da pa­la­vra união. Is­so po­de ser pro­va­do atra­vés de uma aná­li­se pro­fun­da dos ape­los fei­tos du­ran­te os ca­sa­men­tos, nos dis­cur­sos po­lí­ti­cos, e o que acon­te­ce aos que pen­sam di­fe­ren­te. A na­tu­re­za de uma men­te he­te­ros­se­xu­al é ver a união co­mo “va­lo­ri­za­ção do que nos tor­na di­fe­ren­tes, e des­va­lo­ri­za­ção do que nos é co­mum”. É por is­so que uma men­te he­te­ros­se­xu­al não ad­mi­ra quem faz o mes­mo que ele, mas ren­de-se aos que re­a­li­zam ac­ções que ele não as con­se­gue.

Em ou­tras pa­la­vras, a men­te he­te­ros­se­xu­al é pe­la com­ple­men­ta­ri­da­de. É por is­so que a pes­soa não pro­cu­ra in­di­ví­duo do seu se­xo pa­ra al­can­çar a sa­tis­fa­ção. Pa­ra tal, a pes­soa bus­ca o se­xo opos­to, e co­mo con­sequên­cia, ge­ra-se mais vi­das pa­ra o mun­do.

A men­te he­te­ros­se­xu­al fi­ca fe­liz quan­do apa­re­ce um pen­sa­men­to to­tal­men­te di­fe­ren­te do seu, pois sa­be que tal co­mo ele ge­ra uma no­va vi­da com sua par­cei­ra, aque­le pon­to de vis­ta é uma no­va opor­tu­ni­da­de pa­ra de­sen­vol­ver um no­vo pen­sa­men­to, su­pe­ri­or ao an­te­ri­or.

Ul­ti­ma­men­te a es­fe­ra pú­bli­ca mo­çam­bi­ca­na tem aco­lhi­do inú­me­ros de­ba­tes, mas a for­ma co­mo se de­sen­ro­lam, so­bre­tu­do os po­lí­ti­cos – on­de só pres­ta quem pen­sa co­mo eu ou con­fir­ma o que eu pen­so –, é si­nal inequí­vo­co de que o país es­tá ca­mi­nhar pa­ra uma men­ta­li­da­de ho­mos­se­xu­al, on­de não há ge­ra­ção de no­vas vi­das e o fu­tu­ro é in­cer­to Dal­ton Si­toe

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Mozambique

© PressReader. All rights reserved.