Es­pe­ran­ça Man­ga­ze

Revista Biografia - - Perfil -

Mil e no­ve­cen­tos e cin­quen­ta e se­te foi um ano his­tó­ri­co pa­ra o mun­do. Foi o ano do lan­ça­men­to do pri­mei­ro sa­té­li­te em ór­bi­ta, o Sput­nik-1, e do pri­mei­ro ser vi­vo pa­ra o es­pa­ço, a bor­do do Sput­nik 2, na União So­vié­ti­ca. Já na en­tão pro­vín­cia ul­tra­ma­ri­na por­tu­gue­sa, Mo­çam­bi­que, um ca­sal de cam­po­ne­ses de­ci­diu aban­do­nar o dis­tri­to de Chi­den­gue­le, em Ga­za, e fi­xar a sua re­si­dên­cia em Ndla­ve­la, um bair­ro pe­ri­fé­ri­co da en­tão ca­pi­tal co­lo­ni­al de Lou­ren­ço Mar­ques (ac­tu­al ci­da­de de Ma­pu­to). An­tó­nio Bu­lan­de Cau e Me­li­na Me­que Ma­coa fo­ram pa­ra a ca­pi­tal com ape­nas uma fi­lha, Pal­mi­ra Mas­san­go. Em Lou­ren­ço Mar­ques, ge­ra­ram cin­co fi­lhos, en­tre os quais Es­pe­ran­ça An­tó­nio Cau, a pe­núl­ti­ma das seis, que veio ao mun­do a 14 de Maio de 1965.

Aos dois me­ses de vi­da, Es­pe­ran­ça con­traiu uma in­fec­ção no ou­vi­do, a cha­ma­da oti­te cró­ni­ca. A sua fa­mí­lia era eco­no­mi­ca­men­te po­bre: pa­ra ob­ter água, ti­nham de per­cor­rer uma enor­me dis­tân­cia; es­ta­vam a apro­xi­ma­da­men­te seis qui­ló­me­tros da es­co­la; de noi­te, a luz era ga­ran­ti­da à ba­se de ins- tru­men­tos pre­cá­ri­os.

Foi na­que­la hu­mil­de con­di­ção que a pe­que­na Es­pe­ran­ça cres­ceu e apren­deu. Aos seus seis, se­te anos já sa­bia fa­zer al­guns tra­ba­lhos do­més­ti­cos,

co­mo pi­lar e car­tar água. Aliás, foi nes­ta fa­se da vi­da que fez a sua mãe cho­rar de emo­ção. Num be­lo dia, a pe­que­na Es­pe­ran­ça de­ci­diu fa­zer uma sur­pre­sa pa­ra a mãe. En­quan­to a sua pro­ge­ni­to­ra es­ta­va na ma­cham­ba, a me­ni­na pe­gou na sua pe­que­na la­ti­nha e foi car­tar água com os vi­zi­nhos e pre­pa­rou xi­ma, que dei­xou den­tro da ca­sa.

Quan­do a mãe re­gres­sou, com o mo­lho de le­nha, fi­cou a sa­ber que já não pre­ci­sa­va ir car­tar água. E quan­do en­trou no in­te­ri­or da ca­sa, foi-lhe apre­sen­ta­da a xi­ma mal fei­ta. A mãe en­trou em con­fli­to con­si­go mes­ma. Cho­rou de ale­gria, pe­la in­ten­ção, e ao mes­mo tem­po fi­cou pre­o­cu­pa­da por­que Es­pe­ran­ça so­fria de oti­te. Con­tu­do, foi a par­tir da­que­le mo­men­to que co­me­çou a in­tei­rar-se mais so­bre as li­das de uma ca­sa. Ape­sar de não ter ido à es­co­la, Me­li­na Ma­coa era se­ve­ra e ju­rou que os seus fi­lhos ti­nham de ser di­fe­ren­tes de­la e que ti­nham de for­mar-se. As­sim, aos se­te, oi­to anos de ida­de, Es­pe­ran­ça te­ve de co­me­çar a per­cor­rer cer­ca de seis qui­ló­me­tros a pé pa­ra che­gar à es­co­la, du­ran­te to­dos di­as úteis da se­ma­na.

Na pas­sa­gem da in­fân­cia pa­ra a ado­les­cên­cia, Es­pe­ran­ça co­me­çou a co­nhe­cer a ci­da­de. Das pou­cas ve­zes que era le­va­da pa­ra lá, viu uma re­a­li­da­de to­tal­men­te di­fe­ren­te da sua: tu­do bo­ni­to, água saía da tor­nei­ra, e quan­do anoi­te­ces­se era só li­gar um bo­tão e tu­do fi­ca­va cla­ro. Ela fi­ca­va fas­ci­na­da com aqui­lo. O ce­ná­rio do bair­ro do In­fu­le­ne, on­de es­tá lo­ca­li­za­do o mí­ti­co Es­tá­dio da Ma­cha­va, cul­ti­vou ne­la o de­se­jo de que­rer sair da tor­tu­ra da po­bre­za. E a mãe di­zia-lhe que era pos­sí­vel, des­de que ela e os seus ir­mãos es­tu­das­sem bas­tan­te.

De­pois do en­si­no pri­má­rio, Es­pe­ran­ça deu con­ti­nui­da­de aos es­tu­dos na Es­co­la Se­cun­dá­ria Es­tre­la Ver­me­lha (1978-80), na ci­da­de de Ma­pu­to. Du­ran­te os dois anos, vi­veu num in­ter­na­to por fal­ta de con­di­ções fi­nan­cei­ras pa­ra vol­tar to­dos di­as pa­ra ca­sa. Con­cluí­do o en­sí­no ge­ral com su­ces­so, a ado­les­cen­te en­trou pa­ra a Es­co­la In­dus­tri­al da Ma­to­la, on­de en­tre 1981 e 1983, cur­sou Elec­tri­ci­da­de In-

dus­tri­al, e foi uma das me­lho­res alu­nas na épo­ca. Foi se­lec­ci­o­na­da pa­ra ir fa­zer o en­sí­no mé­dio no Ins­ti­tu­to In­dus­tri­al Pe­da­gó­gi­co, em Nam­pu­la.

Par­ti­da pa­ra Nam­pu­la

Aos 19 anos de ida­de, foi pa­ra pro­vín­cia de Nam­pu­la. Na al­tu­ra, Mo­çam­bi­que já ti­nha con­quis­ta­do a In­de­pen­dên­cia do re­gi­me co­lo­ni­al por­tu­guês, mas es­ta­va a atra­ves­sar uma guer­ra ci­vil. O fac­to dei­xou a mãe pre­o­cu­pa­da, por­que em Nam­pu­la, Es­pe­ran­ça não ti­nha ne­nhum fa­mi­li­ar. Ade­mais, so­fria de oti­te. En­tre­tan­to, a jo­vem con­se­guiu con­ven­cer a mãe e, en­tre 1984 e 1986, fez com su­ces­so o cur­so de elec­tro­tec­nia, na es­pe­ci­a­li­da­de de cor­ren­tes for­tes, com bo­as no­tas. Es­pe­ran­ça ain­da que­ria es­tu­dar. To­mou co­nhe­ci­men­to so­bre a opor­tu­ni­da­de de uma bol­sa pa­ra o Bra­sil e/ou Ín­dia. Com a in­ten­ção de ob­ter a bol­sa en­tra pa­ra a em­pre­sa Ca­mi­nhos de Fer­ro de Nam­pu­la. No en­tan­to, apai­xo­nou-se pe­lo jo­vem Má­rio Fu­mo Bar­to­lo­meu Man­ga­ze, que fê-la es­que­cer a bol­sa de es­tu­do.

En­tra­da pa­ra o mun­do em­pre­sa­ri­al

Em 1988, pou­co tem­po de­pois de o co­nhe­cer, Má­rio Man­ga­ze é no­me­a­do Pre­si­den­te do Tri­bu­nal Su­pre­mo, e jun­ta­men­te com Es­pe­ran­ça fo­ram mo­rar em Ma­pu­to, on­de a 2 de Se­tem­bro de 1989, ca­sa­ram-se. E ini­ci­ou o mun­do da jo­vem co­mo Es­pe­ran­ça Man­ga­ze. De­pois do ca­sa­men­to, pas­sa­ram a mo­rar nu­ma ca­sa es­pa­ço­sa. Mas, eles não ti­nham di­nhei­ro pa­ra mo­bi­lar a re­si­dên­cia. Por exem­plo, na sa­la

só ti­nha um “ca­dei­rão” de três lu­ga­res e uma me­sa. En­tão, Es­pe­ran­ça de­ci­diu pre­en­cher os can­tos da ca­sa com o ver­de e as­sim ga­nhou o gos­to por mul­ti­pli­car plan­tas.

Mais tar­de a mul­ti­pli­ca­ção de plan­tas co­me­çou a acon­te­cer no quin­tal. E num be­lo dia, Má­rio Man­ga­ze per­gun­tou: “se tu tens jei­to pa­ra tra­tar plan­tas, por­que não trans­for­mas is­so num ne­gó­cio?” A es­po­sa he­si­tou.

De­pois mu­da­ram de re­si­dên­cia pa­ra a ac­tu­al. Ven­do que a es­po­sa con­ti­nu­a­va a he­si­tar, o ma­ri­do pe­gou ne­la e fo­ram jun­tos com­prar uma bom­ba e um ro­lo de es­tu­fa pa­ra pro­te­ger as plan­tas. As­sim, Es­pe­ran­ça aper­ce­beu-se que po­dia ir lon­ge.

Em 1990, con­se­gui­ram ob­ter um ter­re­no na Ma­to­la, ac­tu­al “Fo­lha Ver­de”, e as­sim tor­nou- -se em­pre­sá­ria. As plan­tas pas­sa­ram a ser o seu mun­do das ma­ra­vi­lhas. E ela mes­ma en­car­re­gou-se de for­mar os seus fun­ci­o­ná­ri­os. Dois anos mais tar­de, a do­en­ça que lhe apo­quen­ta­va des­de os seus pri­mei­ros dois me­ses de vi­da pas­sou. Ac­tu­al­men­te, Es­pe­ran­ça Man­ga­ze é en­ge­nhei­ra in­for­má­ti­ca, mãe de um ca­sal, e uma das em­pre­sá­ri­as de mai­or re­fe­rên­cia na­ci­o­nal e é, tam­bém, re­co­nhe­ci­da in­ter­na­ci­o­nal­men­te. Pa­ra além de ser pro­pri­e­tá­ria da “Fo­lha Ver­de” - que se de­di­ca à flo­ri­cul­tu­ra, or­ga­ni­za­ção e or­na­men­ta­ção de even­tos –, abra­çou em 2013, o ne­gó­cio de res­tau­ra­ção, abrin­do o es­pa­ço Me­li­na, e tem, ain­da, a re­vis­ta “Noi­vas e Even­tos”. Os em­pre­en­di­men­tos re­fe­ri­dos já cri­a­ram cer­ca de 100 pos­tos de tra­ba­lho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Mozambique

© PressReader. All rights reserved.