Do­min­guez

Revista Biografia - - Notas Biográficas -

Éo me­ni­no ma­ra­vi­lha do fu­te­bol mo­çam­bi­ca­no. É um jo­ga­dor ir­re­qui­e­to e re­pen­ti­no. Quan­do tem a bo­la aos seus pés tu­do po­de acon­te­cer.

O seu per­cur­so fu­te­bo­lís­ti­co co­me­çou no Xi­ta­la Ma­ti [zo­na ala­ga­da], no Bair­ro do Ae­ro­por­to, ci­da­de de Ma­pu­to, on­de des­de ce­do ha­bi­tu­ou as pes­so­as a vê-lo co­mo um ma­la­ba­ris­ta de pés má­gi­cos, que fa­cil­men­te en­ga­na­va os de­fe­sas. Eli­as Gas­par Pe­lem­be é o seu no­me, mas por ter um es­ti­lo de jo­gar mui­to pró­xi­mo de um ir­re­ve­ren­te avan­ça­do do Spor­ting de Por­tu­gal, de há anos, foi-lhe atri­buí­do a al­cu­nha de Do­min­guez.

Em 1996, quan­do ti­nha 13 anos de ida­de, par­ti­ci­pou do BEBEC, um tor­neio de fu­te­bol in­fan­til. Do­min­guez des­ta­cou-se na equi­pa do Ae­ro­por­to. Aque­le even­to des­por­ti­vo tor­nou-se a sua ram­pa de lan­ça­men­to. Do BEBEC foi in­te­gra­do no es­ca­lão de ju­ve­nis do clu­be Es­tre­la Ver­me­lha de Ma­pu­to. Per­ma­ne­ceu na­que­la for­ma­ção por du­as épo­cas, sob ori­en­ta­ção do “Mis­ter” Chi­co, seu pri­mei­ro trei­na­dor. Foi, tam­bém, no Es­tre­la Ver­me­lha on­de mar­cou o seu pri­mei­ro go­lo. Ti­nha, ain­da, 13 anos e foi num jo­go con­tra o Fer­ro­viá­rio de Ma­pu­to. O “Mis­ter” Chi­co foi, de­pois, pa­ra o Des­por­ti­vo de Ma­pu­to e le­vou Do­min­guez con­si­go. Na equi­pa al­vi-ne­gra, o mé­dio vo­lan­te te­ve uma as­cen­são me­teó­ri­ca, ape­sar de ser fran­zi­no, o seu fu­te­bol ar­ras­ta­va mul­ti­dões pe­la es­pec­ta­cu­la­ri­da­de. Te­ve a sua pri­mei­ra le­são em 2006, nu­ma al­tu­ra em que era o me­lhor jo­ga­dor e o atle­ta mais pon­tu­a­do do Mo­çam­bo­la, cam­pe­o­na­to mo­çam­bi­ca­no de fu­te­bol. A le­são pri­vou-lhe de ga­nhar aque­les dois pré­mi­os, mas re­gres­sou a tem­po de jo­gar a fi­nal da Ta­ça de Mo­çam­bi­que, di­an­te do Têx­til Pún­guè. Pa­ra além de aju­dar a sua equi­pa a fa­zer a do­bra­di­nha, Do­min­guez con­quis­tou o tí­tu­lo de “Me­lhor Jo­ga­dor” da com­pe­ti­ção.

O jo­ga­dor vi­veu, de­pois, um for­te am­bi­en­te de co­men­tá­ri­os, on­de se ale­ga­va que o fu­te­bol mo­çam­bi­ca­no já era pe­que­no de­mais pa­ra ele. Sob es­se am­bi­en­te, te­ve pro­pos­tas pa­ra ir fa­zer tes­te em Por­tu­gal e na Gré­cia, e uma pro­pos­ta de con­tra­to vin­da do Su­perS­port Uni­ted, da Áfri­ca do Sul.

Na Gré­cia, Do­min­guez iria fa­zer ex­pe­ri­ên­cia no Pa­nathi­nai­kos, jun­ta­men­te com Si­mão Ma­te. Con­tu­do, o me­ni­no ma­ra­vi­lha já ha­via si­do sub­me­ti­do à tes­tes em clu­bes eu­ro­peus, em anos an­te­ri­o­res e não che­gou a ser con­tra­ta­do.

Eli­as Pe­lem­be te­ve de es­co­lher en­tre ir fa­zer tes­te no Pa­nathi­nai­kos ou ir as­si­nar con­tra­to no Su­perS­port. Ten­do em con­ta as ex­pe­ri­ên­ci­as an­te­ri­o­res e o am­bi­en­te que vi­via de­ci­diu as­si­nar con­tra­to com o clu­be sul-afri­ca­no, pa­ra o de­sen­can­to de mui­tos adep­tos de fu­te­bol em Mo­çam­bi­que, que o que­ri­am ver evo­luir na Eu­ro­pa. A con­tes­ta­ção vi­ria au­men­tar de tom quan­do Si­mão Ma­te foi con­tra­ta­do pe­lo Pa­nathi­nai­kos, de­pois dos tes­tes. No cam­pe­o­na­to sul-afri­ca­no, Do­min­guez che­gou e con­ven­ceu. Na sua es­treia (épo­ca 2007-2008) foi cam­peão e “Me­lhor Jo­ga­dor” da Pre­mi­er Soc­cer Le­a­gue (PSL). Na tem­po­ra­da se­guin­te, a his­tó­ria re­pe­tiu-se.

Con­tu­do, no prin­cí­pio Do­min­guez te­ve pro­ble­mas com a lín­gua. Che­gou a fre­quen­tar um cur­so de in­glês pa­ra se co­mu­ni­car me­lhor, mas a sua bóia de sal­va­ção aca­bou sen­do o xiChan­ga­na (lín­gua Ban­tu fa­la­da no sul de Mo­çam­bi­que). O seu trei­na­dor usa­va aque­la lín­gua pa­ra se co­mu­ni­car com ele fo­ra do cam­po, mas den­tro das qua­tro li­nhas o seu en­qua­dra­men­to foi fá­cil por­que a lín­gua é uni­ver­sal.

De­pois da tem­po­ra­da 20082009, o “Me­lhor Jo­ga­dor” da PSL foi uma das trans­fe­rên­ci­as mais ca­ras do fu­te­bol sul-afri­ca­no. Da­dos da FIFA, in­di­ca­ram que a trans­fe­rên­cia do mo­çam­bi­ca­no pa­ra o Ma­me­lo­di Sun­downs, clu­be do mag­na­ta sul-afri­ca­no Pa­tri­ce Mot­se­pe, es­ta­va ava­li­a­da em 500 mil eu­ros, e o atle­ta pas­sa­ria a ter um or­de­na­do de 20 mil eu­ros men­sais, va­lo­res mo­des­tos pa­ra o fu­te­bol afri­ca­no.

Mi­li­tou no Sun­downs até 1 de Ju­lho de 2015. Du­ran­te o pe­río­do, con­quis­tou um cam­pe­o­na­to (2013-2014) e foi elei­to, em Ju­lho de 2011, “Me­lhor Atle­ta” da equi­pa, du­ran­te a ga­la anu­al do Ma­me­lo­di Sun­downs, no Es­ta­do de Gha­langher, em Mi­drand, nu­ma vo­ta­ção le­va­da a ca­bo pe­los seus co­le­gas. Com a elei­ção, Do­min­guez en­cai­xou o va­lor mo­ne­tá­rio de 150 mil ran­des, de­pois de uma

épo­ca que não ar­ran­cou da me­lhor for­ma pa­ra si de­vi­do a le­sões, que lhe fi­ze­ram per­der vá­ri­os jo­gos. Pe­lem­be fez 21 jo­gos na PSL e mar­cou ape­nas dois go­los. Mes­mo não ten­do fei­to mui­tos go­los, o mé­dio foi fun­da­men­tal nas as­sis­tên­ci­as.

Ape­sar de ter afir­ma­do que pre­ten­dia ter­mi­nar a sua vi­da fu­te­bo­lís­ti­ca no Sun­dows, aquan­do da re­no­va­ção do con­tra­to em Ja­nei­ro de 2012 por mais três anos, o atle­ta mu­dou-se pa­ra o Bid­vest Wits, de­pois de es­tar li­vre a 1 de Ju­lho de 2015. Foi de­ter­mi­nan­te pa­ra sua de­ci­são, o fac­to de Ga­vin Hunt, trei­na­dor do Bid­vest Witts, ter tra­ba­lha­do com ele no Su­pers­port Uni­ted. Com a ca­mi­so­la dos cle­ver boys, o atle­ta ven­ceu, em Ou­tu­bro de 2016, a pres­ti­gi­a­da MTN Cup. Do­min­guez co­me­çou a jo­gar na Se­lec­ção Na­ci­o­nal de Fu­te­bol, Mam­bas, em 2004. De lá a es­ta par­te, o ca­pi­tão já re­a­li­zou mais de 45 jo­gos e mar­cou 16 go­los.

Eli­as Pe­lem­be pre­ten­de ser di­ri­gen­te des­por­ti­vo de­pois de pen­du­rar as chu­tei­ras, mas já co­me­çou a pre­pa­rar a sua re­for­ma. O fu­te­bo­lis­ta es­tá a in­ves­tir na área imo­bi­liá­ria tan­to em Mo­çam­bi­que, quan­to na Áfri­ca do Sul. Na ter­ra de Ma­di­ba, Do­min­guez vi­ve com sua es­po­sa e três fi­lhos: Di­o­go; San­ti­a­go; e Me­lis­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Mozambique

© PressReader. All rights reserved.