Luí­sa Di­o­go

Revista Biografia - - Perfil -

Alín­gua por­tu­gue­sa tem pa­la­vras que só exis­tem em al­guns paí­ses. É o ca­so da pa­la­vra ma­cham­ba. Em Mo­çam­bi­que, es­se é o no­me usa­do pa­ra se re­fe­rir ao ter­re­no agrí­co­la pa­ra pro­du­ção fa­mi­li­ar ou cam­po de cul­ti­vo. Era su­pos­to ter nas­ci­do num pos­to de saú­de, pe­lo fac­to de ser fi­lha de um en­fer­mei­ro, João Di­as Di­o­go, mas não! O seu nas­ci­men­to não acon­te­ceu na ma­ter­ni­da­de. Lau­ra Di­o­go deu à luz nu­ma ma­cham­ba de ar­roz, si­tu­a­da na zo­na ru­ral em Má­goè, na pla­ní­cie de Nha­lut­ce­na, na pro­vín­cia de Te­te, a 11 de Abril de 1958. A re­cém-nas­ci­da foi atri­buí­da o no­me de Luí­sa Di­as Di­o­go. Foi em Te­te, on­de na­tu­ral­men­te pas­sou a sua in­fân­cia, brin­can­do com ami­gas mais pró­xi­mas. De­pois ini­ci­ou os seus es­tu­dos e, nes­sa al­tu­ra, co­me­çou a de­di­car-se aos tra­ba­lhos da ca­sa, pois a mãe en­si­nou-a que sen­do uma mu­lher e pa­ra ser va­lo­ri­za­da na so­ci­e­da­de ti­nha de ter o do­bro da ca­pa­ci­da­de do ho­mem.

Mais tar­de, o pai foi trans­fe­ri­do pa­ra Ma­pu­to e le­vou jun­to a sua fa­mí­lia. Nes­sa al­tu­ra, Luí­sa aper­ce­beu-se que pa­ra al­can­çar os seus pro­pó­si­tos de vi­da era ne­ces­sá­rio es­for­çar-se bas­tan­te e to­mar a di­an­tei­ra. E a me­lhor for­ma era con­se­guir di­nhei­ro. “Sem di­nhei­ro, vo­cê fa­la e não re­a­li­za na­da”. É nes­se con­tex­to que se apai­xo­na pe­la Eco­no­mia e op­ta por es­tu­dar Con­ta­bi­li­da­de, na Es­co­la Co­mer­ci­al de Ma­pu­to, um cur­so que ter­mi­nou com su­ces­so, em 1979.

Ter­mi­na­do o en­si­no téc­ni­co, en­trou pa­ra Uni­ver­si­da­de Edu­ar­do Mon­dla­ne (UEM), on­de fre­quen­tou o cur­so de Eco­no­mia. Du­ran­te es­se pe­río­do, foi re­cru­ta­da pa­ra o exér­ci­to. Luí­sa cum­priu o trei­no po­lí­ti­co-mi­li­tar e mais tar­de foi des­mo­bi­li­za­da e in­te­grou-se no Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, on­de já era es­ta­giá­ria.

A jo­vem foi ad­mi­ti­da co­mo téc­ni­ca do De­par­ta­men­to dos Sec­to­res Eco­nó­mi­cos e de In­ves­ti­men­to. A ní­vel aca­dé­mi­co, em 1983 ob­te­ve o grau de ba­cha­rel em Eco­no­mia pe­la UEM, e em

1992 li­cen­ci­ou-se na área, na mes­ma ins­ti­tui­ção uni­ver­si­tá­ria. E de­pois fez, à dis­tân­cia, o Mes­tra­do em Eco­no­mia Fi­nan­cei­ra, na Uni­ver­si­da­de de Lon­dres.

Mas, an­tes de con­quis­tar os graus aca­dé­mi­cos a ní­vel do en­si­no su­pe­ri­or, hou­ve um ano his­tó­ri­co pa­ra Luí­sa. Tra­ta-se de 1981. Foi na­que­le ano que te­ve o pra­zer de ser mãe. “Foi uma sen­sa­ção in­des­cri­tí­vel, sen­sa­ção de uma re­a­li­za­ção ple­na. Olhar pa­ra aque­le mi­la­gre da na­tu­re­za e di­zer que o ti­ve…” Foi tam­bém em 1981, que se ca­sou com Al­ba­no Sil­va.

Já a ní­vel pro­fis­si­o­nal, de­pois de en­trar pa­ra o mi­nis­té­rio, re­gis­tou uma as­cen­são fu­gaz: em 1984, tor­nou-se che­fe-ad­jun­ta do De­par­ta­men­to dos Sec­to­res Eco­nó­mi­cos e de In­ves­ti­men­to; dois anos de­pois, as­cen­deu ao car­go de che­fe do De­par­ta­men­to do Or­ça­men­to do Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças; e en­tre 1989 a 1992, as­su­miu a in­cum­bên­cia de di­rec­to­ra Na­ci­o­nal do Or­ça­men­to.

O in­ter­va­lo en­tre 1980 e 1992 mar­cou o fim de um sis­te­ma eco­nó­mi­co e ini­cio de um ou­tro. Foi du­ran­te a dé­ca­da de 80, que Mo­çam­bi­que in­tro­du­ziu os pro­gra­mas pa­ra re­for­ma da eco­no­mia, ou se­ja, al­te­ra­ção do sis­te­ma so­ci­a­lis­ta, com ori­en­ta­ção mar­xis­ta, pa­ra o ca­pi­ta­lis­mo, que du­ra até ho­je. E foi em 1992, que ter­mi­nou a san­gren­ta guer­ra ci­vil, que du­ran­te 16 anos de­vas­tou o país. Luí­sa Di­o­go acom­pa­nhou as prin­ci­pais re­for­mas e trans­for­ma­ções eco­nó­mi­cas de Mo­çam­bi­que, al­tu­ra em que a

eman­ci­pa­ção da mu­lher não ti­nha tom tão sig­ni­fi­ca­ti­vo quan­to ac­tu­al­men­te. E du­ran­te o pe­río­do foi três ve­zes ga­lar­do­a­da com o pré­mio Emu­la­ção So­ci­a­lis­ta, no mi­nis­té­rio.

En­tre 1993 e 1994, foi Ofi­ci­al de Pro­gra­mas do Ban­co Mun­di­al, em Mo­çam­bi­que, subs­ti­tuin­do di­ver­sas ve­zes o re­pre­sen­tan­te do Ban­co Mun­di­al, no país. Par­ti­ci­pou em vá­ri­as ne­go­ci­a­ções com or­ga­nis­mos in­ter­na­ci­o­nais, as­sim co­mo em di­ver­sos cur­sos, se­mi­ná­ri­os e con­fe­rên­ci­as a ní­vel na­ci­o­nal e es­tran­gei­ro; co­o­pe­rou em aná­li­ses so­bre as po­lí­ti­cas sec­to­ri­ais de de­sen­vol­vi­men­to e co­la­bo­rou ain­da na ela­bo­ra­ção e ava­li­a­ção de pro­jec­tos de in­ves­ti­men­to em inú­me­ros sec­to­res.

Al­guns di­as de­pois de ter da­do à luz à sua ter­cei­ra sor­te (Lau- ra), foi to­mar pos­se co­mo vi­ce-mi­nis­tra do Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças e Pla­ne­a­men­to. Is­to deu-se de­pois que Jo­a­quim Chis­sa­no ven­ceu as elei­ções de 1994, as pri­mei­ras mul­ti­par­ti­dá­ri­as em Mo­çam­bi­que. O su­frá­gio re­a­li­zou-se dois anos após os Acor­dos de Ro­ma, as­si­na­dos a 4 de Ou­tu­bro, pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­a­quim Chis­sa­no, e Afon­so Dh­la­ka­ma, lí­der do en­tão cha­ma­do mo­vi­men­to re­bel­de - Re­na­mo. Com os acor­dos, o Go­ver­no pas­sou a re­co­nhe­cer a Re­na­mo co­mo par­ti­do, dois anos de­pois de se ter apro­va­do uma no­va Cons­ti­tui­ção que abria es­pa­ço pa­ra ou­tros par­ti­dos par­ti­ci­pa­rem da go­ver­na­ção. As­sim, já es­ta­vam cri­a­das as con­di­ções pa­ra a re­a­li­za­ção das elei­ções.

Na al­tu­ra, Luí­sa Di­o­go era a úni­ca mu­lher no Go­ver­no. En- tão de­ci­diu mar­car di­fe­ren­ça na sua for­ma de ves­tir, fu­gin­do dos fac­tos eu­ro­peus de saia e ca­sa­co, adop­tan­do al­go sim­ples e prá­ti­co – os fac­tos afri­ca­nos (uma es­pé­cie de ba­ta, fei­to com um te­ci­do co­ber­to de de­se­nhos ou co­res afri­ca­nas). A sua as­sis­ten­te in­ter­ro­gou: “on­de ire­mos en­con­trar a rou­pa?” E Luí­sa des­dra­ma­ti­zou en­car­re­gan­do-se de fa­zer os de­se­nhos. Pa­ra além de que­rer mos­trar um no­vo es­ti­lo, a es­co­lha foi es­tra­té­gi­ca. É que, a en­tão vi­ce-mi­nis­tra aca­ba­va de fa­zer uma ce­sa­ri­a­na, e ti­nha sei­os chei­os de lei­te, fac­to que não lhe per­mi­tia ves­tir rou­pa que lhe aper­tas­se. Ao lon­go do tem­po, o tra­je afri­ca­no tor­nou-se a sua mar­ca. Du­ran­te aque­le pe­río­do, o mi­nis­té­rio on­de Luí­sa se en­con­tra­va era cha­ve, por­que Chis­sa­no

ti­nha dois prin­ci­pais ob­jec­ti­vos de go­ver­na­ção: re­cons­tru­ção eco­nó­mi­ca e so­ci­al do país. No se­gun­do man­da­to de Chis­sa­no, Luí­sa Di­o­go to­mou o car­go de mi­nis­tra do mes­mo mi­nis­té­rio. Per­ma­ne­ceu qua­tro anos no pos­to. Em Fe­ve­rei­ro de 2004, Pas­co­al Mo­cum­bi foi exo­ne­ra­do do car­go de Pri­mei­ro-Mi­nis­tro, e a eco­no­mis­ta foi in­di­ca­da pa­ra a fun­ção. Luí­sa Di­o­go tor­nou-se na pri­mei­ra mu­lher a di­ri­gir o Go­ver­no, na his­tó­ria de Mo­çam­bi­que. Acu­mu­lou, pro­vi­so­ri­a­men­te, aque­le car­go com o da Mi­nis­tra das Fi­nan­ças e Pla­ne­a­men­to, até a re­a­li­za­ção das elei­ções de 2004.

O ter­cei­ro su­frá­gio foi ven­ci­do por Ar­man­do Gu­e­bu­za, que pas­sou a ser o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Gu­e­bu­za no­me­ou Luí­sa Di­o­go pa­ra o car­go de Pri­mei­ra-Mi­nis­tra, fun­ção que exer­ceu até ao fim do man­da­to (16 de Ja­nei­ro de 2010). Dois anos de­pois, Luí­sa Di­o­go foi no­me­a­da Pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção (PCA) do ban­co Bar­clays Mo­çam­bi­que. A con­fi­an­ça foi de­po­si­ta­da nu­ma al­tu­ra em que a ins­ti­tui­ção es­ta­va a im­ple­men­tar um am­bi­ci­o­so pro­gra­ma de re­po­si­ci­o­na­men­to com­pe­ti­ti­vo e de mo­der­ni­za­ção, com vis­ta a res­pon­der às opor­tu­ni­da­des que a eco­no­mia na­ci­o­nal apre­sen­ta­va.

No ano se­guin­te, lan­çou um li­vro in­ti­tu­la­do “A So­pa da Ma­dru­ga­da”, de 208 pá­gi­nas, on­de nar­ra a ex­pe­ri­ên­cia de go­ver­na­ção em al­tos car­gos do Es­ta­do, en­tre 1994 a 2009. Em 2014, Luí­sa Di­o­go tor­nou-se na pri­mei­ra mu­lher, que es­te­ve mais pró­xi­ma de se tor­nar Pre­si­den­te de Mo­çam­bi­que. A eco­no­mis­ta per­deu na se­gun­da vol­ta das elei­ções in­ter­nas do seu par­ti­do, ten­do si­do su­pe­ra­da por Fi­li­pe Nyu­si, que vi­ria a ven­cer as elei­ções ge­rais de 2014, tor­nan­do-se no quar­to pre­si­den­te na his­tó­ria de Mo­çam­bi­que. Ac­tu­al­men­te, Luí­sa Di­o­go é, além de PCA de um ban­co, mãe de qua­tro fi­lhos, Nel­son, Nu­no, Lau­ra e Luí­sa, es­ta úl­ti­ma foi adop­ta­da. Pa­ra sa­ber co­mo vai o seu ca­sa­men­to com o ad­vo­ga­do Al­ba­no Sil­va, é só pres­tar aten­ção no pul­so di­rei­to e con­tar o nú­me­ro de pul­sei­ras, pois o seu ma­ri­do ofe­re­ce uma de ou­ro a ca­da dia que com­ple­tam mais um ano de ca­sa­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Mozambique

© PressReader. All rights reserved.