Des­de o iní­cio

Correio da Manha - - Opinião - An­tó­nio Re­go

Há tem­pos em que pa­re­ce que na­da acon­te­ce. Mas lo­go a se­guir te­mos de per­gun­tar se de fac­to não acon­te­ce na­da ou se não no­ta­mos o que acon­te­ce. E as­sim po­de­mos pas­sar ao la­do da his­tó­ria, dis­trai­da­men­te, jul­gan­do que tu­do pa­rou e o nos­so len­to mo­vi­men­to não per­mi­te que pos­sa­mos dis­tin­guir o que es­tá pa­ra­do do que per­ma­ne­ce em an­da­men­to. Po­de­mos fa­cil­men­te fa­zer es­sa ex­pe­ri­ên­cia mo­ven­do­nos em re­la­ção ao es­tá­ti­co ou fi­can­do qui­e­tos pe­ran­te tu­do o que se move à nos­sa vol­ta, obri­gan­do-nos a uma con­tí­nua re­la­ção e le­van­do-nos a não sa­ber­mos es­tar sós.

O Gé­ne­ses ti­nha ra­zão ao afir­mar que Adão não se sen­tia bem só. E as­sim foi. E as­sim é.

Es­tá na nos­sa es­sên­cia a se­de de re­la­ção ou, se qui­ser­mos, de co­mu­ni­ca­ção. Não pre­ci­sa­mos fi­lo­so­far mui­to pa­ra per­ce­ber­mos que a so­li­dão é o pi­or dos es­ta­dos de al­ma e o que me­nos saí­das en­con­tra pa­ra as mui­tas ques­tões que a vi­da con­ti­nu­a­men­te nos co­lo­ca. Vem is­to a pro­pó­si­to de quê? De tu­do e de sem­pre. Não ape­nas pe­la or­dem de plu­ral emi­ti­da no Gé­ne­sis mas pe­la ex­pe­ri­ên­cia hu­ma­na em to­dos os qua­dran­tes de cul­tu­ra e es­pa­ço, on­de a re­la­ção se co­lou à es­sên­cia do exis­tir e que no Gé­ne­ses se es­bo­çou nu­ma cur­tís­si­ma fra­se: “Não é bom que o ho­mem es­te­ja só”. E nes­se mo­men­to Deus fê-los ho­mem e mu­lher. E fi­cou ins­cri­to. E nin­guém fi­cou au­to­ri­za­do a se­pa­rar o que Deus uniu. Es­tá no cer­ne do ser hu­ma­no. E es­se la­ço tem-se cha­ma­do sim­ples­men­te amor e não pre­ci­sa de mais ade­re­ços pa­ra per­ten­cer e de­fi­nir a na­tu­re­za hu­ma­na. Foi es­se im­pul­so di­vi­no tan­tas ve­zes dis­tor­ci­do, mas sem­pre re­cri­a­do que acom­pa­nhou e im­pul­si­o­na a hu­ma­ni­da­de em qual­quer dos mi­lé­ni­os em que acon­te­ceu a edi­fi­ca­ção des­se gran­de mo­nu­men­to que é o amor in­de­fec­tí­vel en­tre o ho­mem e a mu­lher. Es­tá es­cri­to. Des­de o prin­cí­pio. É o Gé­ne­sis que o diz.

ES­TÁ NA NOS­SA

ES­SÊN­CIA A SE­DE

DE RE­LA­ÇÃO OU, SE QUI­SER­MOS, DE CO­MU­NI­CA­ÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.