Sin­di­ca­lis­mo pode ter os di­as con­ta­dos

Te­se de dou­to­ra­men­to con­fir­ma que o sin­di­ca­lis­mo na­ci­o­nal tem que mu­dar. Ho­je, os sin­di­ca­tos sur­gem co­mo es­tru­tu­ras ain­da mui­to pre­sas ao pas­sa­do.

Destak - - Atualidade - REDAÇÃO re­da­cao@des­tak.pt

Osin­di­ca­lis­mo em Por­tu­gal pode ter os di­as con­ta­dos se não apos­tar na re­no­va­ção e se não se adap­tar à no­va re­a­li­da­de la­bo­ral. É pe­lo me­nos es­ta a con­clu­são de uma te­se de dou­to­ra­men­to em So­ci­o­lo­gia, que ana­li­sa os mo­vi­men­tos so­ci­ais e o sin­di­ca­lis­mo du­ran­te a cri­se por­tu­gue­sa.

Do­ra Fon­se­ca, au­to­ra do tra­ba­lho, não tem dú­vi­das: o sin­di­ca­lis­mo «ou se re­no­va ou está con­de­na­do» a ser­vir «uns pou­cos, por­que a mai­o­ria não se­rão tra­ba­lha­do­res as­sa­la­ri­a­dos». Com uma re­a­li­da­de la­bo­ral em que «o tra­ba­lho pre­cá­rio é ca­da vez mais a nor­ma do que a ex­ce­ção», os sin­di­ca­tos têm de se adap­tar «por­que se­não ra­pi­da­men­te fi­cam sem fi­li­a­dos».

«A gran­de fa­lha do mo­vi­men­to sin­di­cal é a de não en­con­trar for­mas ino­va­do­ras», ex­pli­ca Do­ra Fon­se­ca, que pa­ra­a­su­a­te­se­a­na­li­sou­a­re­la­ção­en­tre a cen­tral sin­di­cal CGTP e os mo­vi­men­tos so­ci­ais que ga­nha­ram vi­si­bi­li­da­de du­ran­te a cri­se por­tu­gue­sa, no­me­a­da­men­te os Pre­cá­ri­os In­fle­xí­veis, Fer­ve (Far­tos D’es­tes Re­ci­bos Ver­des), May­day,ge­ra­çãoà­ras­ca­e­que­se­li­xe a Troi­ka, al­guns dos quais que sur­gi­ram na sequên­cia «de uma in­vi­si­bi­li­da- de das ques­tões de pre­ca­ri­e­da­de la­bo­ral», mas não com a pre­ten­são de subs­ti­tuir sin­di­ca­tos. O in­tui­to era «cha­ma­rem a aten­ção pa­ra es­ta re­a­li­da­de e tam­bém im­pul­si­o­na­rem os sin­di­ca­tos a as­su­mi­rem as lu­tas dos pre­cá­ri­os».

Des­de en­tão, hou­ve mu­dan­ças, com um en­fo­que mai­or na pre­ca­ri­e­da­de. Mas «o mo­vi­men­to sin­di­cal tem cer­ca de 100 anos de his­tó­ria e tem uma es­tru­tu­ra mui­to im­plan­ta­da», es­tan­do a sua ima­gem «mui­to li­ga­da ao ope­rá­rio». A pró­pria lin­gua­gem usa­da, com «um vo­ca­bu­lá­rio mui­to ar­cai­co», le­va aqueha­ja«uma­gran­de­di­fi­cul­da­de­das no­vas ge­ra­ções em iden­ti­fi­ca­rem-se» com o sin­di­ca­lis­mo, sa­li­en­tan­do a pou­ca pre­sen­ça nas pla­ta­for­mas di­gi­tais.

De­pois, há tam­bém uma or­ga­ni­za­ção «em pi­râ­mi­de, cen­tra­li­za­da, bu­ro­crá­ti­ca e rí­gi­da», que de­ve ter os seus ob­je­ti­vos re­for­mu­la­dos.

A CGTP foi al­vo de uma ava­li­a­ção no tra­ba­lho de investigação

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.