Li­cen­ça sa­bá­ti­ca fo­ra do al­can­ce

Me­lho­rar a saú­de men­tal e es­ca­par ao stress la­bo­ral são os prin­ci­pais mo­ti­vos apon­ta­dos para uma li­cen­ça sem ven­ci­men­to, de­se­ja­da por 76% dos por­tu­gue­ses.

Destak - - Atualidade - JOÃO MONIZ jmo­niz@des­tak.pt

Três em qu­a­tro por­tu­gue­ses gos­ta­ri­am de pas­sar um pe­río­do sa­bá­ti­co, en­quan­to 21% não são re­ce­ti­vos a es­sa ideia. No en­tan­to, ape­sar do de­se­jo, 48% dos ci­da­dãos na­ci­o­nais ad­mi­tem não ter pos­si­bi­li­da­de de ti­rar uma li­cen­ça sem ven­ci­men­to.

A con­clu­são cons­ta de um es­tu­do fei­to pe­la edre­ams, con­sul­ta­do pe­lo Des­tak, a par­ti­ci­pa­ção de mais de 12 000 consumidores de Por­tu­gal, Rei­no Uni­do, França, Alemanha, Sué­cia, EUA, Itá­lia e Es­pa­nha. O cu­ri­o­so é que os por­tu­gue­ses dis­tin­guem-se dos res­tan­tes europeus no mo­ti­vo apon­ta­do para a fol­ga la­bo­ral: 45% pre­ten­di­am me­lho­rar a saú­de men­tal, quan­do es­ca­par ao stress la­bo­ral é a prin­ci­pal ra­zão nos ou­tros paí­ses (35% em Por­tu­gal).

Vi­a­jar com com­pa­nhei­ro ou con­ju­gue (31%), vi­a­jar com to­da a fa­mí­lia (30%) e ti­rar um cur­so/apren­der uma no­va com­pe­tên­cia(26%) são ou­tras mo­ti­va­ções que con­ven­cem os por­tu­gue­ses. Se­guem-se me­lho­rar a saú­de fí­si­ca (25%), re­a­va­li­ar a car­rei­ra (25%), ga­nhar ex­pe­ri­ên­cia nou­tra área (24%), pla­ne­ar um no­vo ne­gó­cio (22%) e fa­zer vo­lun­ta­ri­a­do (21%).

Mui­tos dos in­qui­ri­dos em Por­tu­gal (45%) con­si­de­ram que uma even­tu­al li­cen­ça sa­bá­ti­ca não te­ria gran­de im­pac­to na em­pre­ga­bi­li­da­de, em­bo­ra 30% acre­di­tem que as su­as hi­pó­te­ses de vir a ga­nhar mais no fu­tu­ro au­men­ta­ri­am. Re­fi­ra-se que, para quem es­tá em­pre­ga­do em Por­tu­gal, a li­cen­ça sem ven­ci­men­to de­pen­de sem­pre de acor­do com a em­pre­sa, que só em ca­sos mui­to con­cre­tos po­de re­cu­sar a pre­ten­são do fun­ci­o­ná­rio – no­me­a­da­men­te quan­do en­vol­ve for­ma­ção.

No en­tan­to, em Por­tu­gal es­ta prá­ti­ca é pou­co co­mum. Até mes­mo en­tre os jo­vens o cha­ma­do gap ye­ar – ti­rar um ano en­tre o tér­mi­no do en­si­no se­cun­dá­rio e a en­tra­da na universidade – tem pou­ca ade­são. En­tre as clas­ses pro­fis­si­o­nais, os pro­fes­so­res uni­ver­si­tá­ri­os são aque­les que mais ti­ram li­cen­ças sa­bá­ti­cas.

Pra­ti­ca­men­te me­ta­de dos por­tu­gue­ses não po­dem ti­rar li­cen­ça sem ven­ci­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.