«Do­en­te de­ve ser a pri­mei­ra pri­o­ri­da­de»

Pre­si­den­te da APHP - As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Hos­pi­ta­li­za­ção Pri­va­da fa­la ao Des­tak da re­cen­te po­lé­mi­ca com as lis­tas de es­pe­ra pa­ra con­sul­tas e ci­rur­gi­as.

Destak - - Atualidade - JOÃO MO­NIZ jmo­niz@des­tak.pt

Co­moé­que­a­aphp­vêo­re­cen­te re­la­tó­rio do Tri­bu­nal de Con­tas (TDC) so­bre as lis­tas de es­pe­ra no SNS?

Com aten­ção e pre­o­cu­pa­ção. A evi­dên­cia das lis­tas de es­pe­ra é con­sequên­cia de vá­ri­os fac­to­res, en­tre eles o não apro­vei­ta­men­to­da­ca­pa­ci­da­deins­ta­la­da­no Sis­te­ma Por­tu­guês de Saú­de.

A que se de­ve a mai­or de­mo­ra nas con­sul­tas e ci­rur­gi­as? É uma ques­tão eco­no­mi­cis­ta ou ide­o­ló­gi­ca?

Pa­ra­fra­se­an­do um as­so­ci­a­do da APHP, «os do­en­tes em es­pe­ra es­tão re­féns dos hos­pi­tais de ori­gem». Des­de lo­go a ideia com que se fi­ca é que os hos­pi­tais pú­bli­cos têm di­fi­cul­da­de em as­su­mir que é ne­ces­sá­rio re­cor­rer a ter­cei­ros pa­ra cum­prir os pra­zos de es­pe­ra de­fi­ni­dos. Tam­bém há um pre­con­cei­to em acei­tar que o do­en­te de­ve ser a pri­mei­ra pri­o­ri­da­de e, co­mo tal, que se de­ve­ria res­pei­tar a li­vre es­co­lha dos do­en­tes. Re­la­ti­va­men­te à ques­tão dos cus­tos, o que te­mos de­te­ta­do, e foi opor­tu­na­men­te re­por­ta­do às en­ti­da­des de Saú­de, é que a me­to­do­lo­gia es­ta­be­le­ci­da, que pas­sa pe­los hos­pi­tais de ori­gem, as Ad­mi­nis­tra­ções Re­gi­o­nais de Saú­de e a Ad­mi­nis­tra­ção Cen­tral do Sis­te­ma de Saú­de, tem im­pe­di­do a fa­tu­ra­ção dos atos do Sis­te­ma In­te­gra­do de Ges­tão de Ins­cri­tos pa­ra Ci­rur­gia, com im­pli­ca­ções não ape­nas de te­sou­ra­ria mas até do re­gis­to da ati­vi­da­de efe­tu­a­da.

O TDC diz que os va­les ci­rur­gia e no­tas de trans­fe­rên­cia não es­tão a ser emi­ti­dos atem­pa­da e re­gu­lar­men­te. Cor­ro­bo­ram es­te di­ag­nós­ti­co?

O que po­de­mos tes­te­mu­nhar é que no ano pas­sa­do hou­ve uma re­du­ção mui­to sig­ni­fi­ca­ti­va dos do­en­tes re­en­ca­mi­nha­dos do SNS pa­ra os hos­pi­tais pri­va­dos.

Que con­tri­bu­to po­dem dar os as­so­ci­a­dos da APHP pa­ra col­ma­tar a la­cu­na ago­ra iden­ti­fi­ca­da?

Os hos­pi­tais pri­va­dos em Por­tu­gal têm uma am­pla re­de de uni­da­des, com tec­no­lo­gia de van­guar­da, em pra­ti­ca­men­te to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. Têm ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da pa­ra au­men­tar a sua ofer­ta ao SNS e sem­pre se afir­ma­ram co­mo par­cei­ros do SNS. Do nos­so la­do há dis­po­ni­bi­li­da­de, des­de que ha­ja re­gras cla­ras, de ab­so­lu­to res­pei­to pe­la con­cor­rên­cia e cum­pri­men­to do es­ta­be­le­ci­do, no­me­a­da­men­te em ter­mos de pa­ga­men­to. Po­de­mos au­men­tar o aces­so dos ci­da­dãos aos cui­da­dos de saú­de.

Foi cri­a­do um gru­po in­de­pen­den­te pa­ra ana­li­sar es­te pro­ble­ma. Con­cor­dam com a cons­ti­tui­ção co­mo es­tá ou cor­ro­bo­ram a Or­dem dos En­fer­mei­ros, que já dis­se que o as­sun­to de­via ser en­tre­gue a pes­so­as idó­ne­as, ex­te­ri­o­res à área da saú­de?

Em pri­mei­ro lu­gar, há que dei­xar cla­ro que o Tri­bu­nal de Con­tas é uma en­ti­da­de in­de­pen­den­te. Por ou­tro la­do, mais im­por­tan­te do que dis­cu­tir a ques­tão his­tó­ri­ca é iden­ti­fi­car cla­ra­men­te a di­men­são do pro­ble­ma e en­con­trar a for­ma de ga­ran­tir que os por­tu­gue­ses são aten­di­dos (ou ope­ra­dos) a tem­po e ho­ras. E is­so exi­ge uma al­te­ra­ção de pro­ce­di­men­tos e um me­lhor apro­vei­ta­men­to da ofer­ta de saú­de pro­por­ci­o­na­da pe­los hos­pi­tais pri­va­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.