«Só ago­ra co­me­cei a mos­trar quem sou»

De­pois do es­tre­la­to no mun­do da mú­si­ca, Ste­fa­ni Jo­an­ne An­ge­li­na Ger­ma­not­ta vi­ra ago­ra as su­as ener­gi­as pa­ra a 7ª Ar­te atra­vés de um ‘re­ma­ke’ re­a­li­za­do por Bradley Cooper, com quem con­tra­ce­na. E “As­sim Nas­ce Uma Es­tre­la”.

Destak - - ARTE&LAZER - JOHN-MI­GUEL SA­CRA­MEN­TO, em Hollywood

Pa­la­vras pa­ra quê. Lady Gaga pre­pa­ra-se pa­ra en­trar em pal­co e o me­lhor é ca­lar a voz e abrir alas. Pe­çam si­lên­cio às co­to­vi­as. Me­ros da­dos bi­o­grá­fi­cos pa­ra dar con­tex­to a al­go que ain­da não ga­nhou di­men­são de­fi­ni­da: Ste­fa­ni Ger­ma­not­ta nas­ceu­em­no­vai­or­que­em­me­a­dos­dos anos 80 e, nu­ma mis­tu­ra de ar­te e mú­si­ca que po­de­ria com­pa­rar-se a um amal­ga­ma­do cós­mi­co fei­to em par­tes iguais de Andy Warhol e El­ton John, ir­rom­peu pe­lo mun­do dan­çan­te com hi­nos “mons­tru­o­sos”. Es­ta se­ma­na a di­va ten­ta ou­tro pas­so em fren­te com o fil­me As­sim Nas­ce Uma Es­tre­la, o clás­si­co do ci­ne­ma que já me­re­ceu os ta­len­tos­de­judy­gar­lan­de­bar­bras­trei­sand ao mi­cro­fo­ne. Nes­ta ver­são, Lady Gaga apa­re­ce a na­mo­rar um cow­boy can­tor que ten­ta so­bre­vi­ver à des­ci­da ver­ti­gi­no­sa de uma car­rei­ra. Du­as al­mas gé­me­as en­con­tram-se a meio ca­mi­nho en­tre o céu e o in­fer­no. A ex­pe­ri­ên­cia vem com Bradley Cooper ao vo­lan­te.

Se­nho­ra Lady, di­ga-me só co­mo foi o pri­mei­ro en­con­tro com o re­a­li­za­dor e ator Bradley Cooper. De­ram-se bem ime­di­a­ta­men­te ou, pe­lo con­trá­rio, per­ce­be­ram com aze­du­me que ti­nham vi­sões di­fe­ren­tes pa­ra es­te fil­me?

Lo­go que tra­vei co­nhe­ci­men­to com o Bradley, quan­do ele me vi­si­tou na Ca­li­fór­nia, per­ce­bi que a li­ga­ção en­tre nós era for­tís­si­ma. Olhei-o nos olhos e não ti­ve dú­vi­da. Lo­go a se­guir, sem se­quer me dar con­ta dos meus ges­tos, ser­vi-lhe uma pra­ta­da de mas­sa ita­li­a­na. Co­mo sa­be, ele nas­ceu na cos­ta Les­te, co­mo eu. Vem de fa­mí­lia ita­li­a­na, co­mo eu. A si­ner­gia en­tre nós foi ab­so­lu­ta­men­te ime­di­a­ta.

Não con­si­go ima­gi­nar o pra­zer ar­tís­ti­co de tal me­sa, a con­ver­sa, a ale­gria do vi­ver na cri­a­ti­vi­da­de. E de­pois, que fi­ze­ram?

Pou­co tem­po de­pois, per­gun­tou-me se eu não me im­por­ta­ria de can­tar com ele. Uma can­ção cha­ma­da Mid­night Spe­ci­al.

Qu­al foi a sua re­a­ção?

Fui lo­go im­pri­mir a pau­ta de mú­si­ca. Sen­tei-me ao pi­a­no e, por­que era a pri­mei­ra vez que via a com­po­si­ção à mi­nha fren­te, es­ta­va ner­vo­sa. Co­me­cei a to­car e ele co­me­çou a can­tar. Mas ti­ve de pa­rar ime­di­a­ta­men­te. Não podia acre­di­tar. Ti­ve de lhe di­zer

«Lo­go que tra­vei co­nhe­ci­men­to com o Bradley, (...) per­ce­bi que a li­ga­ção en­tre nós era for­tís­si­ma»

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.